Dá um Gosto ao ADN

A marca "Setúbal" em debate no Mercado do Livramento

“Nunca se falou tanto da cidade e de uma forma tão positiva”

A importância da marca “Setúbal” na promoção externa do concelho esteve em debate num encontro realizado ontem  no auditório do Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, a funcionar no Mercado do Livramento. O assessor de imprensa da autarquia,  realçou o trabalho desenvolvido pelo Serviço Municipal de Comunicação e Imagem, nomeadamente através da criação do conceito “Setúbal é um Mundo”, traduzido numa estratégia de promoção turística do concelho. “A cidade tem uma identidade fortíssima, a diversos níveis. Setúbal é o mar, o peixe, as praias, a indústria, o sotaque das pessoas… Setúbal é, de facto, um mundo”, disse Paulo Anjos. Os especialistas que “nunca se falou tanto da cidade e de uma forma tão positiva” como agora e a novela Mar Salgado, em exibição na SIC [o programa mais visto da televisão portuguesa] tem levado a "marca Setúbal" ao país e ao mundo. 
Marca Setúbal foi discutida ontem no Mercado do Livramento 

A quarta sessão da “Tertúlia no Mercado”, para avaliação do impacte da marca “Setúbal” enquanto agente promotor da região, organizada pela Câmara Municipal de Setúbal, através do Gabinete de Apoio ao Empresário, em parceria com a pereirapisco creativity e a WinWinTalents, instaladas no Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, contou com a presença de diversos agentes locais, como empresários, operadores turísticos e jornalistas.
Ao longo da manhã, as várias intervenções realçaram a importância da telenovela “Mar Salgado”, em exibição nos serões da SIC, gravada em Setúbal, e que mostra, diariamente, o concelho a mais de um milhão e 500 mil pessoas.
José Amaral, diretor comercial e de novos negócios da SP Televisão, produtora de “Mar Salgado”, afirmou que “as imagens que são transmitidas constituem-se como um bom bilhete-postal da cidade”.
O diretor do jornal Setúbal Mais, Florindo Cardoso, acrescentou que “nunca se falou tanto da cidade e de uma forma tão positiva”, considerando que “a novela mostra o que de melhor a cidade tem para oferecer”.
A promoção da região também é feita por diversas iniciativas turísticas, realizadas no território. Maria João Fonseca, da Vertigem Azul, empresa pioneira na observação de golfinhos no Estuário do Sado, defendeu que “a marca Setúbal tem de estar ligada ao que de melhor existe na região e é aqui que a natureza também tem um papel fundamental”.
A extinção da Costa Azul, representativa da região de turismo de Setúbal, e a posterior integração na área de Lisboa, foi referida por diversos responsáveis turísticos como um facto prejudicial ao desenvolvimento da marca “Setúbal”, desde logo porque dificulta o recurso a programas comunitários.
As Tertúlias no Mercado, com sessões temáticas regulares, regressam no dia 27 de Maio para discutir a “Economia do Mar”, encontro igualmente no âmbito das comemorações locais do Dia Nacional do Pescador.

Agência de Notícias
[ + ]

Festas de Santa Susana arrancam hoje em Alcácer

A festa mais bonita do Alentejo começa hoje na aldeia de Santa Susana 

A Associação Sociocultural de Alcácer do Sal – Raízes, com o apoio da Câmara Municipal e da União de Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana, promove de 30 de Abril a 3 de Maio a iniciativa “Há Festa na Aldeia”, naquela que é considerada a aldeia mais bonita do Alentejo: Santa Susana. Durante a festa vão acontecer vários concertos, atividades desportivas e muita animação. Hugo Rodrigues, da Raízes, refere mesmo que se “quer uma festa viva, cheia de música e alegria, preocupada em promover o artesanato, a agricultura e as tradições locais, que se enriquecem ao receber os de fora”. Numa das aldeias mais bonitas do país a festa promete dias e noites de grande animação. Paulo Colaço, Lavoisier, Arraial Pimba com Lulu e sua Dondoca, Cachupa Psicadélica, Marafona, Luís Peixoto, Seiva, Omori e Selecta Alice passam estes dias por Santa Susana onde ainda existe lugar para dois documentários - Dreamocracy e As Mãos na Terra - no dia do Trabalhador.
Há Festa na Aldeia de Santa Susana a partir de hoje 

Segundo Hugo Rodrigues, da Raízes, “numa época de Troikas, de SWAPs, dívidas e deficits, de crises financeiras e políticas que vêm erodindo os nossos Direitos Fundamentais, mais que nunca, é importante celebrar o Dia do Trabalhador, as tradições das nossas gentes e a natureza”. Nesse sentido, adianta, a iniciativa “é a comunhão entre um povo e a sua cultura, da qual se desta a consciência ecológica e cidadã, centelhas sempre vivas, sementes de um mundo melhor”, diz o responsável pelo certame.
“Há Festa na Aldeia” pretende ainda consciencializar a população e os visitantes para a necessidade de todos contribuirmos para melhorar o ambiente, reforçou Hugo Rodrigues. O dia de sábado, 2 de Maio, será precisamente dedicado ao ambiente, com o tema “Vida a Natureza”. Nesse dia, vão ser exibidos documentários e haverá debates sobre o tema e os visitantes poderão ainda passar pelo Mercado para comprar ou trocar produtos hortícolas.
Durante a festa vão acontecer vários concertos, atividades desportivas e muita animação. Hugo Rodrigues refere mesmo que se “quer uma festa viva, cheia de música e alegria, preocupada em promover o artesanato, a agricultura e as tradições locais, que se enriquecem ao receber os de fora”.
E uma das aldeias mais bonitas do nosso país, Santa Susana, apresenta-se como o local ideal para esta celebração. Com o espírito fraterno e hospitaleiro das gentes Alentejanas.

Programa:
30 de Abril -Bem-vindos à Aldeia 

22H00 - Paulo Colaço – “Por um par de meias solas” - espetáculo que leva a viola Campaniça pelo Mundo da música.
23H30 - Lavoisier - Cantam música tradicional portuguesa. Depois de revolvidas as raízes foi o que encontraram. Histórias e sons a que não se fica indiferente.
01H00 - Arraial Pimba – Lulu e sua Dondoca - Dj set ao mais alto nível!

1 Maio - Dia do Trabalhador 
08H30 - Abertura do Mercado “Da Horta Do Vizinho”
09H00 - Caminhada
09H30 - Torneio de Futsal
10H00 - “Dreamocracy” - Dreamocracy é o retrato de um país em crise, do desespero das pessoas para sobreviveram no quotidiano e das tentativas de luta contra a desumanização, pelo direito universal a uma vida digna. Descobrimos o país através do grupo de jovens idealista s que inspirados na Primavera Árabe, organizaram o grande protesto popular de 12 de Março de 2011. Conseguiram mobilizar meio milhão de pessoas contra as medidas de austeridade, o que os impulsionou a irem mais longe e criarem a “Academia Cidadã” para empoderar as/os cidadãs/ãos e a criarem ferramentas para salvar a democracia. Seguindo novas formas de fazer política, Dreamocracy traz-nos um outro olhar sobre o ativismo contemporâneo, que parte de casa, da internet e sai para a rua à procura da mudança real e de novos paradigmas.
14H00 - “As Mãos da Terra” - Um documentário sobre ofícios manuais, técnicas com herança ecológica e alternativa, a relação entre a natureza e os processos criativos, a liberdade da criação e a autonomia no trabalho. A sobrevivência de saberes ancestrais no sistema atual das relações sociais e na economia global. Uma discussão aberta entre as “mãos” que resistem mantendo vivos saberes e práticas de autonomia.
15H00 - Baile Popular – Manuel António e Márcia Guerreiro
22H00 - Cachupa Psicadélica  (artista internacional convidado) - Alternativa Imaginário Cabo-Verdiano, música para fazer fotossíntese.
23H30 – Marafona - Podemos assegurar que a Marafona não é Folk, não é Fado, não é Música Erudita, não é Jazz, Rock ou Blues, não é Pop, não é Intervenção, não é Poesia , mas é um pouco de tudo numa canção assumidamente portuguesa, redescoberta nas raízes populares dispersas pela urbanidade. É por vezes doce, é por vezes dançada, é alegre e atrevida, mas por vezes num impulso malha com rijeza.
01H00- Luís Peixoto - Projeto a solo onde cria uma nova abordagem de interação entre o cavaquinho e a eletrónica, modelando uma imagem sonora baseada numa combinação de elementos de eletrónica dançáveis e o som acústico do cavaquinho português.

2 de Maio - Viva a Natureza 
08H00 - Caminhada para observação de aves
08H30 - Abertura do Mercado “Da Horta Do Vizinho”
09H00 - “Canoa Livre” – atividade livre de canoagem
10H00 - Tertúlia "Sustentabilidade Ecológica" – 1ª Parte com os convidados Horta do Zé, Projecto270 e Centro de Convergência
12H00 - “O Maior Legume” – concurso para eleger o maior exemplar agrícola
14H00 - Tertúlia "Sustentabilidade Ecológica" – 2ª Parte com os convidados Horta do Zé, Projecto270 e Centro de Convergência
16H00 - Instalação Teatral
17H00 - Seara de Vento - Música Tradicional Portuguesa
22H00 – Seiva - Seiva é folk de identidade portuguesa a mostrar a sua força vital. A misturar a oralidade rural e a urbanidade. A nutrir o presente com o vigor do passado para abraçar o futuro. E lembrar que tudo isto é emoção portuguesa mas, nem tudo isto é triste e é muito mais que Fado.
23H30 - Omiri  - Omiri é, acima de tudo, remix, a cultura do século XXI, ao misturar num só espetáculo práticas musicais já esquecidas, tornando-as permeáveis e acessíveis à cultura dos nossos dias, isto é, sincronizando formas e músicas da nossa tradição rural com a linguagem da cultura urbana. Em Omiri a música e cultura portuguesa é rica e gosta de si própria.
01H00- Selecta Alice - Eclética por natureza, e festivo por convicção, Selecta Alice foi uma das forças motrizes por trás da cena World Music Djset em Portugal. O mundo inteiro cabe em seus sets! Uma homenagem às raízes, a dança e a festa em si.

[ + ]

Autarcas do PSD ameaçados no Seixal por munícipe

Munícipe ameaça e insulta deputados social-democratas na Assembleia Municipal  

Terá sido por "muito pouco" que a Assembleia Municipal do Seixal não terminou com uma cena de pancadaria, escreve o jornal Diário de Notícias. Um munícipe é acusado de ter proferido insultos e ameaças de agressão aos representantes do PSD, tendo mesmo chegado a perseguir o líder da bancada social-democrata, Rui Belchior, quando este se dirigia à casa de banho. "Acabou por ser agarrado por pessoas que estavam ali. Caso contrário, já se preparava para o agredir", denuncia Paulo Edson Cunha, vereador do PSD na autarquia de maioria comunista. O presidente do PSD Seixal diz, em comunicado, que “estas situações são de lamentar num órgão democraticamente eleito. Deve-se respeitar a Assembleia e qualquer tentativa de calar a liberdade dos agentes políticos, é grave e deve ser condenável”. PS, BE e CDS já se solidarizaram com os social-democratas. 
Deputados do PSD na Assembleia Municipal foram ameaçados 

De acordo com  o que Paulo Edson da Cunha  contou ao Diário de Notícias, o munícipe fez uma intervenção no período antes da ordem do dia na Assembleia Municipal de terça-feira, que teve lugar Sociedade Filarmónica União Seixalense. Depois de um discurso "inflamado" contra o Governo, o homem dirigiu-se para a zona da sala destinada ao público e terá começado a ameaçar os autarcas do PSD.
"Mandava bocas desagradáveis e punha as mãos no pescoço, a simular que o torcia, o que deixou as pessoas incomodadas e indignadas", conta o vereador, para quem o presidente da mesa - que nesta altura era o vice-presidente Américo Costa - "deveria logo ter tomado uma atitude".
Ainda assim, os ânimos lá acalmaram e a tranquilidade regressou por cerca de uma hora. Até que as ameaças se voltaram a ouvir na sala, segundo os autarcas do PSD. Um primeiro elemento social-democrata seria abordado quando saiu para atender uma chamada telefónica, mas foi no momento que Rui Belchior foi à casa de banho que o caso ganhou contornos mais preocupantes.
O homem foi atrás do autarca e seria agarrado por dois populares. Os deputados municipais saltaram dos seus acentos para impedir males maiores, graças a um deputado do PCP que terá segurado o munícipe. A insólita agitação levou mesmo a um intervalo forçado da assembleia.
Nesta altura, escreve o Diário de Notícias, já era Alfredo Monteiro (ex-presidente da Câmara do Seixal) que presidia aos trabalhos, sendo criticado pela oposição por ter permitido que o munícipe continuasse na sala. "Não podia permitir isso, porque as pessoas se estavam a sentir ameaçadas", diz Paulo Edson Cunha, enquanto o vereador do PS, Samuel Cruz, que confirma as "tentativas de agressão", classifica mesmo de "lamentável" a atitude do presidente da Mesa, que "podia resultar num incidente grave".
O representante socialista diz que os eleitos do PSD se sentiram "coagidos", mas "nada foi feito em sentido contrário".

PSD critica ação de Alfredo Monteiro 
O líder da bancada do PSD Seixal, Rui Belchior Pereira diz em comunicado que: “fomos vítimas de ameaças e tentativas de agressão. Acho inacreditável que as pessoas a quem incumbe dirigir os trabalhos – Américo Costa e depois Alfredo Monteiro – tenham permitido durante o todo o tempo o indivíduo na Assembleia Municipal constringindo a intervenção livre da bancada”. Acrescenta ainda que depois de conferenciar com os outros elementos, “não abandonámos a Assembleia Municipal por respeito ao nosso eleitorado”.
Os actos foram severa e veemente condenados por todas as bancadas da Assembleia Municipal e o presidente do PSD Seixal, Bruno Vasconcelos diz em comunicado que “estas situações são de lamentar num órgão democraticamente eleito. Deve-se respeitar a Assembleia e qualquer tentativa de calar a liberdade dos agentes políticos, é grave e deve ser condenável”. Acrescenta ainda estar “solidário com toda a bancada do PSD Seixal na Assembleia Municipal, no excelente trabalho que têm efectuado em prol da população do Concelho do Seixal”.
Os trabalhos prosseguiram mais tarde sem que, no entanto, o munícipe fosse retirado da audiência. Apesar de alguns eleitos terem equacionado chamar a PSP, a intervenção das autoridades acabaria por ser dispensada. Alfredo Monteiro ainda não falou publicamente do assunto.

Agência de Notícias
[ + ]

Setúbal destaca ensino profissional na Roadshow

Escolas do distrito mostram projetos na mostra do Ensino e Formação Profissional

A aposta no ensino profissional como forma mais eficaz de integração de jovens no mercado de trabalho foi defendida, na manhã de ontem, na abertura do “Roadshow do Ensino e Formação Profissional”, em Setúbal.  “A formação profissional é uma opção estruturante no ensino em Portugal, até porque fomenta a ligação entre a escola e o mercado de trabalho”, sublinhou o vereador Manuel Pisco, da Câmara Municipal, na mostra que dá a conhecer cursos e profissões de dupla certificação, a decorrer até esta quinta-feira, no Largo José Afonso, em Setúbal. O “Roadshow do Ensino e Formação Profissional”, uma iniciativa da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, organizada pelo segundo ano consecutivo, percorre em 2015 todas as capitais de distrito de Portugal continental e marca presença pela primeira vez em Setúbal. A mostra conta, entre outras, com projetos das escolas de Setúbal, Seixal, Montijo, Baixa da Banheira, Grândola, Santiago do Cacém, Alcácer do Sal, Almada e Moita. 
Escolas do distrito presentes na mostra do ensino profissional

O autarca lembrou que o ensino profissional, apesar de implantado no País há 25 anos, só mais recentemente começa a ter uma maior preponderância no panorama nacional. “Atualmente, é um setor educativo que já atinge cerca de 40 por cento da formação no ensino secundário”.
Ainda assim, alertou o vereador, “Portugal ainda continua muito atrasado em relação a outros países europeus”, facto que espera que venha a ser alterado nos próximos anos, até porque, defendeu, “o ensino profissionalizante facilita uma integração mais rápida dos jovens no mercado de trabalho”.
Manuel Pisco afirmou que “a formação profissional em Setúbal está muito setorizada para as tecnologias”, com uma vasta oferta de opções e sempre através de cursos de dupla certificação que conferem, além de habilitações educativas, uma componente de qualificação profissional.
“A formação profissionalizante está também a ser alargada ao ensino superior, com o Instituto Politécnico de Setúbal a organizar cursos”, frisou o autarca. “Estes cursos não conferem um título académico mas podem ser convertidos em créditos de equivalência no ingresso numa licenciatura.”
O certame, dinamizado localmente com o apoio da Autarquia, é destinado, principalmente, a alunos finalistas do 9.º ano de escolaridade, que, nos mais de dez expositores presentes no recinto instalado no Largo José Afonso, podem conhecer opções de escolha para o prosseguimento dos estudos.
Da mecânica à automação, da saúde pública à análise laboratorial, a escolha de uma carreira é facilitada no roadshow, com jovens dos vários estabelecimentos de ensino representados na iniciativa a mostrar alguns dos projetos profissionais, que abrangem ainda vertentes como eletrotecnia, informática, restauração e hotelaria.
“É uma mostra que aponta carreiras e dá a conhecer a oferta do ensino profissional que está ao dispor e que procura também informar os jovens sobre as saídas para o mercado de trabalho associadas”, destacou o presidente da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, Gonçalo Silva.

Evento realiza-se pela primeira vez na cidade 
Setúbal é a oitava paragem do périplo nacional da iniciativa, “que procura ser uma referência e que é impulsionada com o objetivo de levar a oferta profissional a todos os pontos do País”, adiantou o responsável. “A adesão tem sido boa e para o ano queremos ter uma maior articulação com os atores regionais”.
O “Roadshow do Ensino e Formação Profissional” em Setúbal, que inclui vários momentos de animação, contou na abertura com um apontamento musical dinamizado pelo Conservatório Regional de Setúbal, com atuações de jovens violinistas e de cantores, a solo e em grupo.
Estão representados no roadshow a decorrer ao longo de dois dias expositores das escolas secundárias de Monte de Caparica, da Baixa da Banheira e de Alcácer do Sal, a par dos estabelecimentos de ensino Jorge Peixinho, do Montijo, Manuel Cargaleiro, Seixal, e Sebastião da Gama, Setúbal.
Participam igualmente na iniciativa a Escola Secundária Padre António Macedo, de Santiago do Cacém, as escolas técnicas profissionais da Moita e do Montijo, de Desenvolvimento Rural de Grândola, de Educação para o Desenvolvimento, Almada, e Cristóvão Colombo, polo de Setúbal.
Os centros para a Qualificação e o Ensino Profissional, dinamizados pela Escola Técnica Profissional da Moita, pela Escola Secundária da Amora e pelo Agrupamento de Escolas de Lima de Freitas, com competências ao nível da informação, orientação e encaminhamento de jovens e adultos, marcam também presença na iniciativa.
A iniciativa nacional, a decorrer desde março, conta com as parcerias da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, do Instituto Português do Desporto e Juventude, do Instituto do Emprego e Formação Profissional, da Associação Nacional de Escolas Profissionais e da Associação Portuguesa de Escolas Profissionais Agrícolas.

Agência de Notícias
[ + ]

Câmara pede ideias para o Mercado da Quinta do Anjo

Revitalização do Mercado passa pelas ideias da população 

Na sequência do compromisso assumido na reunião “Orçamento Participativo 2015” realizada em Quinta do Anjo, o município de Palmela deu início ao processo participativo “Mercado de Quinta do Anjo – Que futuro?”, no âmbito do qual se pretende discutir, com a população e com as autarquias locais, novas formas de dinamização deste equipamento municipal. Assim, até 25 de Maio, o município está a recolher os contributos de todos os interessados, quer se tratem de propostas para a abertura de novas lojas ou instalação de serviços, quer sejam ideias para a utilização da nave central do Mercado Municipal de Quinta do Anjo. A apresentação das propostas seleccionadas serão debatidas a 8 de Julho no Mercado. 
População convocada para promover ideias para o Mercado 


A autarquia constatou que este “espaço privilegiado, localizado no coração da aldeia, encontra-se em boas condições de utilização e conta com parque de estacionamento, acessibilidades e espaço exterior qualificado”, no entanto, “o contexto económico levou ao encerramento de várias bancas e lojas”, explica a autarquia.
“Os encontros mantidos com a comunidade, quer no Orçamento Participativo, quer nas semanas descentralizadas dedicadas às freguesias, permitiram aferir a existência de ideias e expectativas, por parte da população, com vista a novas formas de utilização e dinamização do mercado municipal”, refere a autarquia de Palmela.
Assim, até 25 de Maio, o município está a recolher os contributos de todos os interessados, quer se tratem de propostas para a abertura de novas lojas ou instalação de serviços, quer sejam ideias para a utilização da nave central. Entre 26 de Maio e 30 de Junho, decorre o período de análise e discussão de propostas com os proponentes e com as autarquias e, finalmente, a 8 de Julho, às 21 horas, o mercado é palco de uma sessão de apresentação das propostas seleccionadas e debate.
Os interessados devem fazer chegar as suas ideias, através do preenchimento do formulário disponível no site da Câmara de Palmela, entrega na Junta de Freguesia de Quinta do Anjo ou em qualquer um dos balcões de atendimento municipal, ou enviando um e-mail para gparticipa@cm-palmela.pt, indicando no assunto “Ideias para o Mercado de Quinta do Anjo”.

Agência de Notícias
[ + ]

Rede Social do Barreiro quer reforço social no concelho

Segurança Social e ajuda à Associação Persona em destaque no plenário 

O Plenário do Conselho Local de Ação Social do Barreiro, aprovou por maioria, uma Tomada de Posição sobre o "Regime de Delegação de Competências nos Municípios e a Reorganização dos Serviços da Segurança Social". Naquela que foi a sua 36ª reunião plenária, aquela identidade aprovou, igualmente, por maioria, a Tomada de Posição "Sustentabilidade das respostas em saúde mental e da Associação Persona, Desbloqueamento de verbas solicitadas no Fundo de Socorro Social". Da ordem de trabalhos desta reunião fazia parte a análise, discussão e tomada de posição sobre a Reorganização dos Serviços da Segurança Social. Este ponto, após discussão, deu origem a uma tomada de posição onde aparece manifesta “a necessidade do regime jurídico de transferência de competências para os municípios na áreas sociais resultar de um processo de discussão e de um quadro de consensualização”.
Rede Social do Barreiro reuniu esta semana 

“Exige-se a reposição do atendimento social todos os cinco dias da semana, uma política que defenda o interesse das populações, uma política de proximidade que permita a ligação permanente aos problemas e o combate pela sua resolução, imputando a responsabilidade a quem verdadeiramente a detém”, refere o documento. A este respeito, Carlos Humberto referiu que o que está em causa são as consequências das decisões que estão a ser tomadas, ao nível político, para as áreas sociais.
“Fruto de decisões de carácter central e político isto tem consequências na nossa vida quotidiana, porque quando se trata de reduzir pessoas, naturalmente isso tem consequências. E é num momento de empobrecimento geral do país, da região e do concelho, quando as instituições e as pessoas mais precisam, que se tomam medidas mais restritivas nas áreas que podiam ajudar as pessoas a ter menos problemas”, lembrou o presidente o município do Barreiro.
No decorrer desta mesma sessão, o  Conselho Local de Ação Social do Barreiro aprovou, igualmente, por maioria, a Tomada de Posição "Sustentabilidade das respostas em saúde mental e da Associação Persona, Desbloqueamento de verbas solicitadas no Fundo de Socorro Social". 
A Persona atravessa uma situação frágil do ponto de vista da sua sustentabilidade, apesar das inúmeras diligências que tem vindo a realizar no sentido de se reestruturar financeiramente e adequar os seus recursos às necessidades da população.
Partilhando das preocupações apresentadas, o  Conselho Local de Ação Social do Barreiro deliberou, entre outros aspetos, “exigir celeridade na apreciação do pedido formulado pela Associação Persona e deferimento do processo de apoio financeiro requerido ao Fundo de Socorro Social”.

Agência de Notícias
[ + ]

Setúbal recebe Festival Ibérico do Vinho começa hoje

Melhores vinhos da Península Ibérica estão em Setúbal de 30 de Abril a 3 de Maio 

A segunda edição do Festival Ibérico do Vinho, mostra com os melhores produtos vinícolas e gastronómicos portugueses e espanhóis, realiza-se entre 30 de Abril e 3 de Maio, na Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal. A iniciativa, organizada pela Câmara de Setúbal, em parceria com a Associação da Baía de Setúbal, tem com o objetivo "promover um conjunto de atividades destinadas à participação, envolvimento e troca de experiências dos profissionais do setor".  Os bilhetes individuais para o certame, o qual conta com o patrocínio oficial da Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal, custam 3,5 euros para um dia e 12 euros para os quatro dias. Há ainda entradas duplas, com direito a dois copos, a seis euros para um dia e a 20 euros  para os quatro. Até aos 16 anos, a entrada é gratuita.
Festival do vinho Ibérico está de regresso a Setúbal 
O festival dispõe de uma feira de exposição e venda constituída por 34 expositores, a maioria de produtores de vinho da Península de Setúbal, de Reguengos de Monsaraz [cidade europeia do vinho] e das cidades espanholas de Cáceres e Almendralejo, mas também dedicados a licores, ostras, queijos, enchidos, doçaria e editoras da especialidade
Ao longo dos quatro dias são desenvolvidas diversas atividades, algumas mediante inscrição prévia e pagamento, como provas de vinhos, sessões de cozinha ao vivo, workshops e apresentações, a par de momentos musicais e de dança, com todos os pormenores disponibilizados na página de internet do evento.
"A internacionalização dos produtos vinícolas é um dos principais objetivos traçados para o Festival Ibérico do Vinho, assim como a expansão comercial dos produtores vinícolas de Portugal e Espanha", explica a autarquia sadina em comunicado.
Nesta edição é dado especial destaque a Reguengos de Monsaraz, eleita Cidade Europeia do Vinho 2015, e a Cáceres, nomeada também para este ano cidade espanhola da gastronomia.

Provadores de vinho e jornalistas especializados marcam presença em Setúbal  
O festival conta com a presença de diversos especialistas, entre provadores de vinho e outros profissionais do setor, como Chaim Helfgott, consultor de investimentos vínicos e jornalista, Jolanta Smiciené, jornalista e consultora de vinhos, e Sherry Aow, sommelier e provadora profissional.
Neil Fairlamb, jornalista na área vinícola, provador e conhecedor de vinhos, Mihaly Konkoly, provador oficial e blogger, Jose Ramon, especialista em marketing digital e blogger, Marie Roginska, jornalista freelancer e consultora de revistas e blogs, e Stephen Quinn, coautor de um artigo semanal sobre vinhos e colaborador em diversas publicações, são outras personalidades presentes no evento.
O Festival Ibérico do Vinho tem ainda as participações de Neville Blech, jornalista, consultor vínico, provador oficial e colaborador em várias revistas, nomeadamente na “Decanter Magazine”, René Van Hoof, editor da “Taste4you”, Mercedes Gonzalez e Lisete Osório, diretoras de programas de rádio sobre vinhos e dinamizadoras de cursos de provas, e Isabel Cuevas, responsável por uma agência exportadora de vinhos e azeite, escritora e conhecedora de vinhos.

Destaques no programa 
O recinto abre as portas no dia 30 de Abril, às 17 horas, com uma inauguração oficial, seguindo-se, às 18 horas, um momento musical. Uma hora depois, o chef Vasco Alves inaugura o espaço dedicado à apresentação de cozinha ao vivo, com uma criação de autor. O enólogo Nuno Rodrigues divulga, às 21 horas, os vinhos Tripé. O encerramento é às 24 horas.
No dia seguinte, 1 de Maio, o certame funciona entre as 10 e as 24 horas, com o enólogo Mário Louro a desenvolver uma prova de vinhos às 10h30. Meia hora mais tarde, decorre mais um momento gastronómico dedicado à cidade espanhola de Cáceres, pelo chef Pedro Galan.
O coral alentejano de Reguengos de Monsaraz atua às 15 horas e traz até à Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal a música reconhecida com património imaterial da humanidade, o cante. Uma hora depois, o chef António Latas dá a conhecer criações de autor.
Os vinhos produzidos em Reguengos de Monsaraz, Cidade Europeia da Cultura, são apresentados às 17 horas. Para uma hora depois, está agendada a divulgação do livro “Óbvio”, de três participantes no programa televisivo “MasterChef 2014”, Ana Rita, Daniel e Rita, seguindo-se uma sessão de autógrafos.
A segunda atividade de cozinha dedicada a Cáceres chega às 19 horas pela mão do chef José Manuel Galan. Uma hora depois são promovidos vinhos produzidos na região da Extremadura espanhola. O programa do segundo dia do certame termina com um espetáculo musical, marcado para as 22 horas, pela voz da fadista setubalense Deolinda de Jesus.
No dia 2, sábado, a abertura do recinto está agendada para as 14, realizando-se, às 16 horas, mais uma sessão de cozinha ao vivo, a cargo da chef Rita Neto, vencedora do “Masterchef 2014”.
Às 17 horas, há uma mostra vitivinícola da Península de Setúbal, com o enólogo João Palhoça a apresentar vinhos produzidos na Adega Fernão Pó. Trinta minutos depois decorre a segunda sessão do dia de cozinha ao vivo, pela mão do chef Osvaldo Piuza.
María Antónia Fernandez Daza, consultora de vinhos e júri no concurso Decanter World Wine Awards 2015, promove, às 18 horas uma prova de vinhos ibéricos. Às 20h00, o enólogo António Saramago e o chef Nuno Gil apresentam “Harmonização de Sabores – Dueto Moscatel de Setúbal e Pastel D. Filipe”. O dia termina com um espetáculo de dança, às 22 horas, pela Escola de Sevilhanas da Sociedade Filarmónica Humanitária, de Palmela.
A 3 de Maio, o último dia da segunda edição do Festival Ibérico de Vinho, o recinto abre as portas às 14h00. Uma hora depois, o Grupo de Danças e Cantares do Faralhão anima o espaço e, às 15h30m, tem lugar a primeira sessão de cozinha ao vivo do dia, com a chef Cristina Alves.
O enólogo António Saramago divulga, às 16h00, os vinhos produzidos na Casa António Saramago, da Península de Setúbal. Às 17 horas, o chef Filipe Blanquet dinamiza uma criação de autor. O certame encerra às 19h30.
[ + ]

Voluntários vão limpar as praias de Setúbal

Ajude a limpar as praias da cidade 

Um grupo de voluntários participa na limpeza das praias de Albarquel e da Rainha no dia 1 de Maio, de manhã, no âmbito da ação “Amar Setúbal”. A iniciativa, organizada pela Câmara Municipal e pela Associação Portuguesa de Inspeção e Prevenção Ambiental, que teve uma primeira fase no dia 19, destina-se "a retirar os resíduos abandonados pelos utilizadores das praias, principalmente nas áreas circundantes e nos caminhos de acesso", explica a autarquia. 
Ação de limpeza decorre na sexta-feira, 1 de Maio 

À semelhança do que aconteceu nos últimos anos, a “Amar Setúbal” tem lugar antes do início da época balnear, com o objetivo de limpeza de uma área balnear específica.
Este ano, a atividade contou apenas com a colaboração de 13 pessoas na primeira fase, o que levou a organização a marcar uma nova data na expectativa de angariar mais voluntários.
O ponto de encontro dos interessados em participar na ação de 1 de Maio é no parque de estacionamento da Praia de Albarquel, às nove horas onde a organização distribui o material necessário para a conclusão da limpeza desta praia e da outra imediatamente a seguir, denominada Rainha.
Mais informações sobre a ação de recolha de lixo podem ser consultadas na página oficial no Facebook, denominada “Limpeza Albarquel – Praia da Rainha”.

Agência de Notícias
[ + ]

Autoeuropa funciona há 20 anos em Palmela

Empresa revolucionou panorama da indústria na região

A fábrica de Palmela da Autoeuropa, que comemora os 20 anos de início de produção, atingiu os dois milhões 171 mil  e 831 carros, com a renovada esperança de aumentar este número com o novo modelo, prometido para Marco de 2017. Há duas décadas foi o maior investimento estrangeiro realizado em Portugal e hoje o grupo já tem a garantia de mais um investimento de 677 milhões de euros. Em declarações à Lusa, António Melo Pires e António Chora explicam o que está por detrás do sucesso. O presidente da fabricante diz que um dos segredos são as relações laborais: "Não se deve misturar política com relações laborais", sendo que "tem muito que ver com o facto de se negociar na óptica da necessidade da empresa e dos trabalhadores e não na óptica de uma política sindical nacional ou regional". Também o representante dos trabalhadores assegura que "há um clima de confiança mútua” entre a administração e os funcionários, “e na maior parte do país, infelizmente, não é assim". A fábrica de Palmela emprega hoje 3600 funcionários (e mais uns quantos indirectamente nas empresas que gravitam à volta do parque industrial), tem um peso superior a três por cento nas exportações portuguesas e representa um por cento do PIB. E quer continuar a crescer. 
Autoeuropa já produziu mais de dois milhões de carros em Palmela

O presidente da Autoeuropa, António Melo Pires, adianta em declarações à agência Lusa que a fábrica de Palmela "não tem prazo de validade", até porque a previsão é de que "a produção vai ser bastante aumentada" quando vier o novo modelo, apontado pela imprensa como sendo um 'crossover' com base no Volkswagen Polo.
O presidente da Autoeuropa, que iniciou a sua carreira na Volkswagen como responsável da manutenção de prensas em Palmela com o número de funcionário 88, revela que o novo modelo estará, em termos de mercado, como um carro "entre o grande consumo e o nicho de mercado".
Após 20 anos de produção, iniciada precisamente no dia 26 de abril de 1995, a fábrica "não tem qualquer risco [de fechar]", pois mesmo que o novo modelo "não viesse haveria outras possibilidades", afirma.
Aliás, Melo Pires frisa que a Autoeuropa sabe "qual é o modelo, mas por razões de secretismos" ainda não o pode divulgar e promete "começar a trabalhar" no novo projeto "muito rapidamente".
Já o presidente da Comissão de Trabalhadores, António Chora, está convencido de que a Volkswagen vai continuar a investir em Portugal, embora a indefinição da data de lançamento do novo modelo crie "alguns problemas de estabilidade emocional nos trabalhadores".
Em declarações à Lusa, António Chora refere que a vinda do novo modelo "tem sido adiada de ano para ano", uma vez que "já esteve prevista para finais de 2015, meados de 2016 e agora já está em 2017".
Para o representante dos trabalhadores, o novo modelo "está atribuído" ou de outra forma não se justificaria um anúncio de investimento de 677 milhões de euros.
"De certeza absoluta que este investimento não é para fazer bicicletas ou sapatos, esta fábrica só faz automóveis. A questão é saber exatamente qual o modelo e antecipar a sua vinda para que se comece a produzir rapidamente", diz António .
É que tanto os trabalhadores como a administração têm noção da importância desta decisão: o novo modelo poderá relançar a Autoeuropa para uma produção anual de 150 mil unidades, quando no ano passado a maior fábrica de automóveis em Portugal atingiu os cerca de 102 mil automóveis.

A história da fábrica de Palmela 
Paz social ajudou a empresa a garantir competitividade 
António Melo Pires promete que, este ano, a produção deverá manter-se enquanto não chega o novo modelo, mas a Autoeuropa informou os seus fornecedores de que a sua previsão será de 95 mil carros anuais.
"Nestes 20 anos muita coisa mudou no mundo, no próprio país e nas próprias pessoas. Vi muita gente entrar com uma média dos 30 anos e agora têm 50. Foi uma geração", adianta o presidente da fábrica portuguesa.
Desde a construção da fábrica em Palmela até à atualidade, foi "o fim da cortina de ferro, a abertura da economia a Leste, a deslocalização que se seguiu e a globalização", diz Melo Pires, adiantando que a Autoeuropa sempre respondeu aos desafios.
"Nunca esperávamos exportar carros para a China, aliás não foi esse o motivo pelo qual a fábrica foi construída em Portugal, mas o mundo mudou e houve necessidade de readaptação às novas condições", acrescenta o presidente da Autoeuropa, sabendo que, dos carros produzidos no ano passado, 11 por cento foram para o país do Oriente, cerca de 24 mil unidades, representando um crescimento de 62 por cento nas exportações.
A Autoeuropa foi construída no âmbito de uma parceria entre a Ford e a Volkswagen para a produção de monovolumes, sendo o maior investimento estrangeiro realizado à época em Portugal, no montante de 1.970 milhões de euros.
Este investimento permitiu desenvolver os três modelos iniciais da fábrica de Palmela, os monovolumes Volkswagen Sharan, Seat Alhambra e Ford Galaxy.
Em 1999, o grupo Volkswagen assumiu os 100 por cento do capital social da Autoeuropa, mas a Ford e a Volkswagen continuaram a cooperar na fábrica de Palmela, mantendo-se a produção dos monovolumes das duas marcas.
A fábrica de Palmela atingiu a produção de um milhão de unidades em 2003, ano em que foi feito um novo investimento de 600 milhões de euros, que permitiu preparar a produção de um novo modelo.
A Autoeuropa passou então a ter duas linhas de montagem em simultâneo - uma dedicada à produção dos monovolumes Volkswagen Sharan e Seat Alhambra e outra ao novo modelo Volkswagen Eos, um 'cabriolet' com capota rígida.
Em 2006 foi anunciada a construção de um outro modelo, o Scirocco, nome que já tinha sido utilizado num anterior modelo da marca alemã.
Em 2007, ano em que atingiu a produção de um milhão e meio de veículos, a Volkswagen anunciou mais um investimento de 541 milhões de euros na fábrica de Palmela para uma reestruturação e melhoria tecnológica, de forma a permitir diferentes produtos numa única linha de produção.
Com 3.600 funcionários - a que se juntam muitos mais que trabalham para dezenas de empresas fornecedoras instaladas no parque industrial anexo -, a Autoeuropa representa quase um por cento do Produto Interno Bruto (PIB), exporta 99 por cento da produção e representa 3,1 por cento das exportações portuguesas.

Câmara de Palmela destaca importância da Autoeuropa
Empresa espera começar a fabricar novo modelo em 2017 

A Autoeuropa está a assinalar vinte anos de atividade, oportunidade para um olhar sobre o que trouxe e as mudanças que operou no concelho de Palmela, ao longo destas duas décadas. "Ao longo dos seus 465 quilómetros quadrados de extensão, situados na Área Metropolitana de Lisboa, na zona de transição entre o urbano e o rural, Palmela soube, desde cedo, conjugar a sua rica tradição agrícola com uma natural vocação logística e industrial, pela sua centralidade e excelentes acessibilidades. Certa da importância – já confirmada há largos anos – deste investimento para a criação de emprego qualificado e para a atração e fixação, quer de investimento complementar no setor, quer de novas populações, a Câmara de Palmela apoiou, desde o primeiro momento, a implantação da Autoeuropa no concelho e as duas entidades têm sabido trabalhar em conjunto para afirmar o projeto, no âmbito desse objetivo comum que é o desenvolvimento integrado e sustentável do território", refere a autarquia em nota enviada ao ADN.
Do forte sentido de responsabilidade social com que a Autoeuropa tem sabido colocar-se ao serviço das instituições regionais e participar em estruturas de participação e definição das linhas estratégicas de desenvolvimento (caso do Fiapal – Fórum da Indústria Automóvel do concelho de Palmela) à implementação de projetos educativos conducentes à formação de jovens profissionais especializados no setor (de que a Academia ATEC – uma parceria entre a Volkswagen, a Siemens, a Bosch e a Câmara de Comércio e Industria Luso-Alemã – é um excelente exemplo), a Autoeuropa tem sido um parceiro privilegiado, que faz a diferença.
A Câmara Municipal de Palmela "saúda os 20 anos de atividade da Autoeuropa" e "congratula-se com o investimento anunciado de 677 milhões de euros pelo grupo Volkswagen na unidade de Palmela e com a atribuição de um novo modelo, que afirmam, mais uma vez, a Autoeuropa como um projeto de continuidade".

Agência de Notícias

[ + ]

Transtejo vende barcos que unem as margens do Tejo

PSD questiona Governo sobre venda de embarcações da Transtejo

Os deputados do PSD do distrito de Setúbal querem explicações do secretário de estado dos Transportes sobre as noticias que têm vindo a público, que dão conta da venda de oito embarcações da empresa Transtejo/Soflusa e eventuais implicações que este processo possa ter para os utentes. Num documento enviado ao governante, os social-democratas manifestam a sua preocupação sobre se esta venda irá trazer constrangimentos aos milhares de passageiros que fazem a travessia entre as duas margens do Tejo. O PCP e o PS do Barreiro já tinham criticado a venda de oito embarcações do grupo Transtejo, mas a empresa garantiu que os barcos são excedentários e que as carreiras não serão afetadas.
Empresa quer vender oito barcos de ligação entre as margens do Tejo

Bruno Vitorino defende que para muitos utilizadores, em vários concelhos da Península de Setúbal, este é o único meio de transporte para atravessar o rio, esperando que este processo “não venha pôr em causa as actuais carreiras, principalmente em hora de ponta”.
O deputado do PSD acredita que o Governo tem noção da importância deste meio de transporte para os utentes da margem sul do Tejo, estando em crer que a venda das oito embarcações "em nada vai interferir com o normal funcionamento das travessias".
O PCP e o PS do Barreiro já tinham criticado a venda de oito embarcações do grupo Transtejo, mas a empresa garantiu que os barcos são excedentários e que as carreiras não serão afetadas.
"A venda dos oito navios referidos não afetará a atual oferta, a qual está devidamente ajustada à procura. Trata-se de uma venda de navios excedentários, que se encontram parados", referiu fonte oficial do grupo Transtejo.
Segundo a mesma fonte, "nesta fase, não estão previstas quaisquer alterações de carreiras [nem] qualquer redução de meios materiais ou humanos", estando assegurados todos os navios necessários à operação, incluindo dois navios de reserva para cada linha.

Barcos transportam 74 mil pessoas por dia 
De acordo com dados do Relatório de Caraterização e Diagnóstico do Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal (PMTI) o Estuário do Tejo representa cerca de 11 por cento do “território” da Área Metropolitana de Lisboa, com cerca de 330 km2, o sistema fluvial do grupo Transtejo/Soflusa, no conjunto das suas ligações, movimenta diariamente cerca de 74 mil passageiros (4º maior do mundo, acima do Star Ferry de Hong-Kong e muito próximo do volume da ligação Manhathan/Staten Island, em Nova Iorque, com um volume médio de 75 mil passageiros/dia com a particularidade de ser gratuita), representando um tráfego superior ao do serviço ferroviário metropolitano de atravessamento do estuário realçando que a ligação fluvial Barreiro-Lisboa representa hoje mais de 50 por cento do volume total do sistema fluvial, com cerca de 41 mil passageiros/dia, e é o interface de transportes mais movimentado do Distrito de Setúbal.
O Grupo Transtejo é responsável pelas ligações marítimas no Tejo entre o Barreiro, Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria à capital portuguesa.

Agência de Notícias



[ + ]

Mercado Municipal do Montijo reabriu ao público

"Estão criadas as condições para fazer deste espaço um grande pólo cultural, turístico e económico" 

“É com grande orgulho que inauguramos a reabilitação do Mercado e o devolvemos ao povo do Montijo neste Dia da Liberdade”. As palavras são do presidente da Câmara do Montijo na cerimónia de inauguração da obra de requalificação do Mercado Municipal, que teve lugar no passado sábado, no âmbito das comemorações do 25 de Abril. O Mercado Municipal, um edifício de 1957, foi alvo de profundas obras de remodelação, com o objetivo de adequar este espaço às exigências comerciais, higino-sanitárias e funcionais atuais, permitindo a sua valorização funcional e potenciando a sua frequência e utilização. Um investimento municipal apoiado por fundos comunitários na ordem dos 800 mil euros (+ Iva).
Obras de reabilitação do Mercado Municipal custaram 800 mil euros 

Nuno Canta salientou que “a realização de um projeto como este exigiu esforço, trabalho, coragem e determinação de muita gente. Agora estão criadas as condições para fazer deste espaço um grande pólo cultural, turístico e económico que atraia as pessoas e contribua para a dinamização comercial do espaço público no centro da cidade”.
A cerimónia contou com a atuação da Banda da Sociedade Filarmónica 1.º de Dezembro e uma degustação de produtos e vinhos regionais.
Da parte da tarde, as comemorações tiveram continuidade com a sessão solene que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho. A cerimónia contou com as intervenções do presidente da Câmara Municipal do Montijo,  da presidente da Assembleia Municipal, Maria Amélia Antunes, e dos representantes dos partidos com assento neste órgão autárquico: Ricardo Bernardes (PS), Ana Baliza (CDU), José Cardoso (PSD) e Ricardo Caçoila (BE).
“O 25 de Abril abriu-nos as portas da liberdade e devolveu a Portugal a dignidade e o seu lugar entre as nações livres do mundo referiu a presidente da Assembleia Municipal.
Para Maria Amélia Antunes “a consciência da situação em que nos encontramos só pode ser motivo de mobilização para as causas da liberdade, do progresso, da justiça, da justa repartição da riqueza produzida e da solidariedade”.
A intervenção final do presidente da Câmara Municipal do Montijo foi um elogio ao poder local democrático: “as condições de desenvolvimento sustentável que o Montijo apresenta hoje são o resultado do trabalho de muitos autarcas, de hoje e do passado; da autonomia local saída de Abril; e de uma visão moderna das políticas locais. Temos hoje, por todo o país, bons exemplos do exercício do poder local autónomo”, disse o autarca. 
Nuno Canta afirmou o papel determinante do poder local na prestação de serviços básicos à população e na construção de infraestruturas indispensáveis à qualidade de vida, salientando que os desafios presentes e futuros exigem “políticas municipais de investimento nas pessoas, no imaterial, na cultura, no ambiente, na educação, na coesão e na integração social”.
As comemorações do 41.º aniversário do 25 de Abril contaram, ainda, com a X Edição do Passeio de BTT Rota Saloia, a II Corrida/Caminhada da Liberdade, a inauguração da exposição Gente da Nossa História e o espetáculo Canções de Abril pelo Grupo Canto D’ Aqui.


Agência de Notícias
[ + ]

Finisterra está de regresso a Sesimbra em Maio

Festival recebe 178 filmes de 48 países de 6 a 10 de Maio

O Cabo Espichel é o tema da 4.ª edição do Finisterra Arrábida Film Art & Tourism Festival, que decorre de 6 a 10 de Maio, em Sesimbra. A apresentação terá lugar no dia 6, na Fundação Portuguesa de Comunicações, em Lisboa, e incluiu uma conferência Internacional sobre Cinema e Turismo, com a presença de vários oradores e realizadores nacionais e estrangeiros. Este ano, o festival conta com a participação de 178 filmes, oriundos de 48 países, entre eles cinco produções estrangeiras com algumas imagens rodadas no concelho de Sesimbra. 
Carlos Sargedas, diretor do festival, espera mais uma grande edição 

"Temos menos filmes devido à redução de produções portuguesas, mas mantivemos o mesmo número de países que concorreram ao festival em 2014, alguns dos quais pela primeira vez, o que para nós é muito gratificante, porque reflete a projeção que este certame tem tido em todo o mundo", afirma Carlos Sargedas, diretor do Finisterra.
Carlos Sargedas destaca ainda a qualidade dos trabalhos apresentados em 2015, sobretudo os 30 premiados, que podem ser vistos entre os dias 7 e 9, a partir das 21 horas, no Cineteatro Municipal João Mota. "Para além destes serão exibidos outros 20, que completam a “shortlist” dos 50 filmes escolhidos pelo júri. São todas produções com um nível bastante bom", realçou o director do certame.
Uma das novidades da 4.ª edição do Finisterra é um ciclo de cinema que se realiza em simultâneo com o festival. Dois deles são estreia mundial, em concreto, o filme brasileiro Tiro, do realizador Juca Gonçalves, e Fantasia, realizado pelo norte-americano Jonh Frey. El Mal de Arriero, do espanhol José Camello Manzano, com cenas rodadas no Cabo Espichel, e Os Prisioneiros, filme de animação português premiado internacionalmente, de Margarida Madeira, são os restantes filmes do ciclo de cinema.
Outra novidade é a produção de timelapses abertos ao público, que vão decorrer em vários locais do concelho, no dia 7, com a participação do ucraniano Kirill Neiezhmakov, autor do famoso vídeo sobre Lisboa, Sesimbra e o Cabo Espichel.

Música, pintura e teatro juntam-se ao cinema 
O festival é preenchido com uma exposição de pintura do artista plástico Gustavo Fernandes, e duas de fotografia, uma sobre a Patagónia, do Chileno Cristián Aguirre Duffourc, e outra sobre Porto Seguro (Brasil), de Carlos Sargedas.
O programa incluiu ainda um apontamento musical pelo grupo Caixa de Pandora, um momento de teatro com os representantes da comitiva brasileira de Porto Seguro, que estarão de novo em Sesimbra como zona e país convidados, visitas a caves de vinhos, castelos, palácios, praias e serra da Arrábida, e passeios de jipe e de barco.
A sessão de encerramento está marcada para o dia 10, domingo, às 15 horas, no Cineteatro Municipal João Mota, em Sesimbra, onde, para além da entrega dos prémios, será apresentada a versão legendada em inglês do filme sobre o Cabo Espichel, da autoria de Carlos Sargedas, e um espetáculo musical com Luísa Amado, antiga guitarrista de Carlos Paredes.
A 4.ª edição do Finisterra Arrábida Film Art & Tourism Festival é organizada pela Arrábida Film Commission e conta com o apoio de várias entidades, entre as quais a Câmara de Sesimbra.

Agência de Notícias
[ + ]

Alcochete reduz dívida em ano de contenção

"O problema da Câmara é um problema de receita e não de despesa"

“Contenção”. Foi assim que o presidente da Câmara  de Alcochete, Luís Miguel Franco, caracterizou o exercício financeiro da autarquia referente ao ano anterior, com a Prestação de Contas e Relatório de Gestão de 2014 a serem aprovados com os votos a favor da maioria CDU e as abstenções dos vereadores do PS e do CDS-PP. Para o chefe do executivo municipal, o exercício do ano anterior, de contenção, espelha, assim, alguma recuperação financeira do município de Alcochete. Em traços gerais, Luís Miguel Franco caracterizou o ano em análise como um exercício de contenção e que traduz alguma recuperação financeira da Câmara de Alcochete, ou seja, “uma redução da dívida global do município na ordem dos 850 mil euros”. Para o próximo ano, a autarquia espera uma quebra na receita, caso não se registe “uma alteração pontual da nova lei de finanças locais”, diz o presidente. 
Câmara de Alcochete abate dívida em ano de contenção financeira 

De acordo com o autarca, mais significativo ainda “é que a maior redução incida sobre a dívida de médio e longo prazos ao invés de incidir sobre a dívida de curto prazo”, sublinhou, reforçando que neste contexto verifica-se uma maior necessidade relativamente à aprovação do Plano de Saneamento Financeiro, “para de forma estruturada, convertendo a dívida de curto prazo em dívida de médio e longo prazo, permitir que a câmara municipal possa ter mais conforto do ponto de vista financeiro”.
Luís Miguel Franco admitiu que, no futuro e mesmo com o Plano de Saneamento Financeiro, a câmara municipal “deve manter uma rigorosa gestão, monitorizá-la e manter uma racionalidade do ponto de vista da realização de despesa, sem prejuízo de investimentos estruturantes desde que associados a parcerias e também ao aproveitamento de fundos comunitários”.
Relativamente à prestação de contas de 2014, o investimento realizado “registou o valor de 542 mil 750 euros, o orçamento da receita atingiu o montante de 12 milhões 137 mil  e 564, euros  e o da despesa cifrou-se em 11 milhões 960 mil euros”. As baixas execuções registadas ao nível do orçamento da receita e da despesa “estão relacionados com a contração em 2014 de dois empréstimos no âmbito de um plano de saneamento financeiro no valor de sete milhões de euros  e de não ter obtido ainda o visto do Tribunal de Contas, pelo que não foi possível efectuar os pagamentos do mesmo montante”, pode ler-se na página oficial do município na Internet.
Para o próximo ano, a autarquia espera uma quebra na receita, caso não se registe “uma alteração pontual da nova lei de finanças locais”, diz o presidente. “A extinção do Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, no próximo ano, vai gerar-nos problemas e mais uma variável que não dominamos. E decidir sem todos os elementos conducentes a uma boa decisão é muito complicado”, refere Luís Miguel Franco, realçando que "o problema da Câmara Municipal de Alcochete é um problema de receita e não de despesa".

Agência de Notícias
[ + ]

Academia Sénior de Pegões e Canha fez três anos

Três anos a  favor das gentes de Pegões e de Canha

No dia 24 de Abril, a Academia Sénior do Projeto Junto de Si de Pegões e Canha, no Montijo, comemorou o terceiro ano de existência no auditório da União de Freguesias de Pegões.  Para o chefe do executivo municipal, “ academia é um motivo de orgulho para o concelho e um fator de desenvolvimento das populações rurais do concelho”, referiu Nuno Canta acrescentando que “a educação ao longo da vida é fundamental para a qualidade da democracia e para o nosso desenvolvimento económico”. A Academia conta com 170 utilizadores entre os 50 e os 86 anos e atelieres, que abrangem áreas tão diversas, como a animação desportiva e cognitiva, a informática, a língua portuguesa, o inglês, o teatro e a música. 
Nuno Canta presente no aniversário da Academia Sénior 

António Miguéns, presidente da União de Freguesias de Pegões referiu que este é um projeto de sucesso. “Sabemos que tem corrido bem, porque vemos a alegria estampada nos vossos rostos, sinal de que se criou uma simbiose mais que perfeita entre os alunos e todos aqueles que colaboram com a academia para que seja o êxito que é hoje”.
Nuno Canta, presidente da Câmara do Montijo, felicitou a Academia Sénior pelo trabalho realizado nos últimos três anos “em favor das gentes de Pegões e de Canha”.
“A academia é um motivo de orgulho para o concelho e um fator de desenvolvimento das populações rurais do concelho”, referiu o presidente acrescentando que “a educação ao longo da vida é fundamental para a qualidade da democracia e para o nosso desenvolvimento económico”.
Durante a tarde decorreram várias iniciativas. Foi apresentado um apontamento intitulado “A visão sobre a Academia pelo olhar de professores/voluntários”. Depois da apresentação de um vídeo sobre as atividades desenvolvidas pela Academia durante o ano transato foram homenageados os alunos inscritos em quatro ateliers ou mais. O Atelier de leituras animadas proporcionou um momento dedicado à poesia. A cerimónia terminou com a atuação do Grupo Coral.
A Academia conta com 170 utilizadores entre os 50 e os 86 anos e atelieres, que abrangem áreas tão diversas, como a animação desportiva e cognitiva, a informática, a língua portuguesa, o inglês, o teatro e a música.
A cerimónia que contou com a presença e intervenção do presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, de João Martins, presidente da Associação para a Formação Profissional e Desenvolvimento do Montijo, de António Miguéns, presidente da União de Freguesias de Pegões e de Armando Piteira, presidente da freguesia de Canha.

Agência de Notícias

[ + ]

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010