Dá um Gosto ao ADN

SIC realiza castings para futura novela em Setúbal

SIC procura figurantes para telenovela gravada em Setúbal 

A SIC realiza um casting de figurantes na próxima segunda-feira, 2 de Junho, na Casa da Cultura, em Setúbal. O casting procura pessoas dos 25 aos 65 anos para serem figurantes na próxima telenovela do canal de Carnaxide que irá ser gravada, a partir de Junho, na cidade de Setúbal e em Troia. Os castings para "Lágrimas de Sal" realizam-se a partir das 10 da manhã. 

Próxima telenovela da SIC é gravada no Bairro do Tróino, em Setúbal 

O casting para a nova produção televisiva, direcionado a pessoas entre os 25 e os 65 anos, decorre das 10 às 13 horas e das 14 às 18h30, na Sala de Música n.º 3 da Casa da Cultura, localizado nas imediações da Praça de Bocage, na cidade de Setúbal.
A sessão de escolha de figurantes é limitada às primeiras 250 pessoas que compareçam, para o efeito, na Casa da Cultura.
Mais informações podem ser obtidas junto da entidade promotora da iniciativa, a Valente Produções, pelos telefones 917 826 055 e 213 407 200.
O Bairro do Tróino, um dos bairros emblemáticos da cidade de Setúbal, irá ser o "cenário principal" da nova novela da noite da SIC. A ação da telenovela decorrerá, diz fonte da autarquia local, "maioritariamente em Setúbal, na Rua Vasco da Gama e no Largo da Fonte Nova, mas também nas zonas ribeirinhas onde acontece, diariamente, toda a faina piscatória". Troia, no concelho de Grândola, é outro local escolhido para as filmagens que arrancam já no próximo mês e decorrem até Maio de 2015.
A Câmara de Setúbal e a SP Televisão, a empresa que vai produzir esta telenovela, já apresentaram a todos os moradores do bairro o que vai acontecer durante os dez meses de gravações, porque "entendemos que só com a cooperação de todos será possível concretizar este projeto que dará enorme visibilidade à nossa cidade e às nossas potencialidades", disse a autarquia.

Lágrimas de Sal já tem protagonistas 
Ainda pouco se sabe sobre a nova produção do canal de Carnaxide. Sabe-se que tem o nome [ainda provisório] de Lágrimas de Sal, onde os atores Ricardo Pereira e Margarida Vila Nova não só serão os principais protagonistas da próxima novela da SIC, como formarão um casal. Ambos estiverem durante alguns anos afastado de produtos de ficção portugueses, regressando ao mesmo tempo para este projeto.
Outra das caras principais de Lágrimas de Sal será Tina, uma Maria Rapaz filha de dois pescadores, [papel interpretado por Inês Castel-Branco], uma das figuras principais da futura novela.
Outra das novidades já anunciadas pela imprensa especializada é a atriz Bárbara Norton de Matos [saiu da TVI para as novelas da SIC]. A atriz junta-se assim aos quatro protagonistas já confirmados na trama, Margarida Vila-Nova, Joana Santos, Ricardo Pereira e José Fidalgo. Ana Guiomar, Catarina Rebelo, Sofia Sá da Bandeira ou Custódia Gallego são outros dos nomes certos no elenco da substituta de Sol de Inverno e cuja estreia está agendada para meados de Setembro.
A grande surpresa deverá ser o de Alexandre Borges, o ator da Globo. Muito popular em Portugal por causa do personagem Cadinho, o mulherengo incurável de ‘Avenida Brasil’, o ator brasileiro vai ter uma participação especial na telenovela gravada em Setúbal.
Esta será a segunda telenovela a ser gravada na cidade de Setúbal. Em 2010, Mar de Paixão, que rodou na TVI, foi parcialmente gravada na zona das docas de Setúbal, junto ao rio Sado.
[ + ]

CDS critica Câmara de Almada por oferta de relógios

Câmara gasta 78 mil euros em relógios para dar aos funcionários

O CDS-PP de Almada acusou  a maioria CDU na Câmara de Almada de gastos exagerados na aquisição de relógios [no valor de 800 euros/cada] para oferecer aos trabalhadores que completam 25 anos de serviço durante as comemorações do Dia da Cidade, a 24 de Junho. Em resposta, o chefe do executivo de Almada respondeu às críticas através de uma nota de imprensa em que diz não estranhar a atitude do CDS-PP face ao que tem sido a política do Governo. O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local apoia a iniciativa do executivo.

CDS acusa executivo da Câmara de gastar muito em ofertas 

Todos os anos a Câmara de Almada distingue os trabalhadores que completam 25 anos ao serviço do município com um relógio de pulso, oferecido no dia da cidade, a 24 de Junho. Este ano a tradição mantém-se. A câmara liderada pelo comunista Joaquim Judas vai pagar mais de 78 mil euros para premiar a dedicação de 98 trabalhadores, uma iniciativa criticada pela concelhia do CDS-PP.

A acusação do CDS-PP surge na sequência da decisão da autarquia de adquirir, por ajuste direto, um total de 98 relógios – 55 para homem e 43 para mulher -, por 63.792 euros, valor acrescido de IVA (num total de 78.464 euros), o que significa que cada relógio custa cerca de 800 euros.
“A Câmara de Almada tem todo o direito de homenagear os funcionários, mas consideramos que a oferta destes relógios é algo exagerada”, disse António Pedro Maco, da concelhia de Almada do CDS-PP, salientando que a situação não é inédita e que já motivou reparos dos partidos da oposição no passado.
“Entendemos que estas ofertas [relógios] poderiam ser substituídas por outro tipo de lembranças, eventualmente realizadas com o apoio dos centros de dia e de outras instituições de solidariedade social, que teriam menores custos para o município”, acrescentou o líder dos democratas-cristãos de Almada.
Para António Pedro Maco, as críticas à Câmara de Almada fazem ainda mais sentido, atendendo a que se trata de “um município que critica outras entidades públicas e o próprio Governo, por fazerem gastos supérfluos”.

Oferta “não afeta o investimento da autarquia" 
Judas afirma que ofertas não afeta investimento municipal 
Joaquim Judas, presidente da Câmara de Almada, respondeu às críticas através de uma nota de imprensa em que diz não estranhar a atitude do CDS-PP face ao que tem sido a política do Governo.
O presidente diz não estar surpreendido com as críticas do CDS-PP e garante que a despesa em causa não afeta o investimento da autarquia na área social.
“Não se estranha que o CDS-PP (concelhia de Almada) venha a público condenar esta iniciativa, tendo em conta a política que o Governo, que este partido integra, tem vindo a seguir em relação aos funcionários públicos e pensionistas, com a imposição de sacrifícios e o não reconhecimento de uma vida de trabalho”, refere o autarca eleito pela CDU.
Segundo Joaquim Judas, a oferta de relógios personalizados, com o nome de cada trabalhador gravado, “é um reconhecimento da dedicação dos funcionários do município de Almada ao serviço público, existente há mais de 20 anos”.
O presidente da Câmara de Almada afirma ainda que a despesa em causa “não afeta o investimento da autarquia, nomeadamente nas áreas de intervenção social, que têm registado, nos últimos anos, um acréscimo de verbas, em virtude das necessidades sentidas pelas populações, derivadas das políticas nacionais que têm levado a um empobrecimento dos portugueses”, conclui Joaquim Judas. 

Sindicato apoia iniciativa da autarquia 

O dirigente da secção de Setúbal do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, João Paulo, em declarações ao jornal Público, lembra que diversas autarquias reconhecem a prestação dos seus funcionários, de formas muito diferentes. Sobre a iniciativa de Almada, considera que “é sempre positivo o reconhecimento feito pela autarquia, dentro das suas posses”. E lembra que a iniciativa parte de um “município de topo, que não deve nada a ninguém e cumpre os seus compromissos”.
Pelo contrário, diz o sindicalista, "o Governo premeia os trabalhadores com despedimentos e com perda de subsídios”, finaliza João Paulo.
Segundo o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses relativo a 2012 (o mais recente), Almada está entre os dez municípios com menor índice de endividamento.




[ + ]

Sesimbra transforma portas em obras de arte

11 artistas de rua pintam portas de Sesimbra em semana dedicada ao Peixe-espada Preto 

Cerca de vinte portas da vila de Sesimbra estão a ser transformadas em obras de arte até ao final da semana, no âmbito do concurso Sesimbra é Peixe e Arte na Rua, que conta com a participação de 11 artistas, conta o gabinete de imprensa da Câmara de Sesimbra. Em paralelo a esta iniciativa decorre, a partir de hoje,  a Semana Gastronómica do Peixe-espada Preto que decorre até ao dia 10 de Junho em 24 restaurantes do concelho. Ao longo dos 12 dias, o público vai poder provar 42 receitas de Peixe-espada Preto. 

11 artistas estão a pintar portas da vila de Sesimbra 

A execução dos trabalhos está a ser feita “ao vivo”, o que permite que quem passa na rua possa observar o trabalho de cada autor. No sábado, 31 de maio, Dia do Pescador, são conhecidos os projetos finalizados.
A iniciativa faz parte da campanha de promoção Sesimbra é Peixe, "focada num dos maiores atrativos do concelho, o peixe. O concurso procura também enaltecer todos os fatores históricos, culturais, étnicos, paisagísticos e ambientais ligados a este produto", diz a autarquia local.
O público terá possibilidade de votar para escolher a porta mais bonita. O resultado será conhecido a 27 de Setembro, Dia Mundial do Turismo. O vencedor receberá um prémio de 500 euros.

Semana Gastronómica do Peixe-espada Preto até 10 de Junho 
E porque Sesimbra é Peixe... também sabe a peixe, muito bom peixe. Arranca hoje, 30 de Maio, a Semana Gastronómica do Peixe-espada Preto que decorre até 10 de Junho, em 24 restaurantes do concelho. Ao longo dos 12 dias, o público vai poder provar 42 receitas diversas.
Nesta 9.ª edição, os chefes sesimbrenses voltam a surpreender o público com pratos inovadores e bastante variados, como o Espada Preto de Sesimbra em Tempura de Cerveja Preta e Sésamo, Creme de Amêndoas e Legumes com Aromas Asiáticos ou Supremos de Peixe-espada Preto Dourados no Leito de Legumes Salteados Guarnecidos de Risoto de Berbigão.
Este ano, a complementar as receitas os restaurantes sugerem também vinhos da região, em resultado da parceria com a Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal.
No site da Câmara de Sesimbra podem ser consultadas informações sobre a atual e anteriores edições, bem como a pesca, transformação e confeção do Peixe-espada Preto.

Sesimbra, um mar de Peixe-espada Preto 
90 por cento do Peixe-espada Preto é pescado em Sesimbra 
A Semana Gastronómica do Peixe-espada Preto, que "tem como principais objetivos dar a conhecer a espécie, capturada há cerca de 40 anos de forma artesanal pelos pescadores de Sesimbra, e promover a restauração do concelho, capitalizando assim as potencialidades da região", diz fonte da Câmara.
Mais de 90 por cento do Peixe-espada Preto português é pescado por embarcações de Sesimbra, número que transmite bem a importância desta espécie para a economia e gastronomia locais. Atualmente, a pesca é feita de forma artesanal por perto de 260 pescadores, que partem diariamente em 16 barcos, rumo ao largo de Sesimbra.
A iniciativa é, uma vez mais, organizada pela Câmara de Sesimbra, Junta de Freguesia de Santiago, ArtesanalPesca, Associação de Comerciantes e Industriais do Concelho de Sesimbra e Associação do Comércio, Indústria, Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal – Delegação de Sesimbra.



[ + ]

Quinzena Gastronómica da Moita arranca domingo

Venha à Moita provar os "sabores de cá" 


A segunda edição da Quinzena Gastronómica da Moita decorre de 1 a 15 de Junho, em 17 restaurantes aderentes, onde pode provar alguns dos pratos típicos da região, como a Caldeirada à Fragateiro, a Massinha de Peixe, as Enguias e Choco frito, entre muitos outros. Como sobremesa, pode deliciar-se com a Ferradura, o doce típico do concelho que espera por si numa das três pastelaria, na Moita, que o confeccionam.  

17 restaurantes do concelho aderem à Quinzena Gastronómica 

Começa no domingo a Quinzena gastronómica do Concelho da Moita, Sabores de Cá. Até 15 de Junho, 17 restaurantes do concelho que aderiram à ideia irão apresentar  alguns dos pratos típicos da região, como a Massinha de Peixe ou de Sapateira, a Cataplana de Tamboril com Gambas, as Enguias e Choco frito, a Feijoada de Marisco, entre muitos outros.Este ano, os Sabores de Cá incluem duas Aulas de Culinária – Pescado Nacional: Cavala, no dia 6 de Junho, às 10 e às 11 horas, no Mercado Municipal da Moita, e no dia 7 de Junho, também às 10 e às 11 horas, no Mercado Municipal da Baixa da Banheira (Zona Sul). Para aprender a confecionar uma receita inovadora de Cavala com um Chef, basta inscrever-se, gratuitamente, até ao dia 5 de Junho, no Posto de Turismo Municipal, através do T: 210852340 ou do email: sec.turismo@mail.cm-moita.pt.
Esta aula, garante a autarquia, inclui também degustação.
A Curva, A Taska dos Feras, Adega de S. Martinho, Baía Tejo, Clube do Rio, Dr. Pitéu, Horizonte Azul, Mar da Palha, Marítimo, Messias, Montado, O Cais, O Pascoal, O Sobreiro, Praceta, Solar da Freira e o STOP são os 17 restaurantes de todo o concelho da Moita que participam nesta Quinzena Gastronómica “Sabores de Cá”.
A Quinzena Gastronómica “Sabores de Cá”, promovida pela Câmara Municipal da Moita, insere-se no Programa de Valorização da Gastronomia Local e Restauração que pretende afirmar, divulgar e valorizar o que de melhor o concelho tem em termos gastronómicos.
Aproveite esta “visita gastronómica” ao concelho da Moita e prove a “Ferradura”, um doce típico do concelho da Moita, que pode ser encontrado nas Pastelarias Fidalgos, Madrugada e Trevo, na vila da Moita.
Este é, sem dúvida, um bom motivo para passar por terras da Moita neste fim de Primavera.
Conheça AQUI onde pode comer e onde se situam os restaurantes aderentes. 



[ + ]

Centro Local de Aprendizagem abre no Montijo

Quinta do Saldanha recebe espaço de aprendizagem na Universidade Aberta 

A abertura Oficial do Centro Local de Aprendizagem  do Montijo da Universidade Aberta está marcada para esta sexta-feira, 30 de maio, pelas 18 horas, na Quinta do Saldanha. O novo centro vai apoiar todos os estudantes daquela universidade residentes na Península de Setúbal.  

Centro Local de Aprendizagem abre hoje no Montijo 

O CLA (Centro Local de Aprendizagem) Montijo resulta de uma parceria entre a Câmara local e a Universidade Aberta e, de acordo com fonte da autarquia, "pretende ser um local de apoio aos estudantes daquela universidade residentes nos concelhos do Montijo, Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal".
Para além de divulgar a oferta pedagógica formal da Universidade Aberta, o CLA Montijo "faculta suporte logístico e instrumental aos estudantes residentes nos concelhos da sua área de abrangência. É responsável, ainda, pela organização e coordenação do processo de avaliação presencial dos estudantes", diz a autarquia em comunicado.
Os Centros Locais de Aprendizagem são estruturas da Universidade Aberta, que desenvolvem ações no âmbito da aprendizagem ao longo da vida. Com vista a identificar e satisfazer necessidades específicas de formação das regiões onde estão inseridos, favorecem o acesso à sociedade da informação e do conhecimento e privilegiam a aquisição de competências relacionadas com as tecnologias digitais.
A Universidade Aberta é uma instituição pública portuguesa dedicada ao Ensino Superior à distância. Fundada há 25 anos, dispõe de uma vasta experiência no e-learning e a sua missão é a formação universitária de qualidade para todos os cidadãos que não têm oportunidade de obtê-la de modo presencial ou convencional.

[ + ]

Festa de Santiago do Cacém arranca hoje

Santiago do Cacém quer que feira agropecuária seja espaço de negócios

A Câmara de Santiago do Cacém manifestou hoje a intenção de que a feira agropecuária Santiagro, a realizar entre hoje,  30 de Maio,  e 01 de Junho, constitua, mais do que uma mostra, um espaço de negócios. A Feira Agropecuária e do Cavalo tem como “objetivo principal promover a atividade económica” do concelho de Santiago do Cacém. Além do programa comercial, a feira vai contar com três grandes espetáculos musicais: The Gift, Boss AC e Berg. 

Santiagro quer ser espaço de grandes negócios no Alentejo 

“É importante que a feira não seja apenas uma mostra”, afirmou  o presidente do município, Álvaro Beijinha, durante uma conferência de imprensa na Costa de Santo André, manifestando a esperança de que o certame seja também “um espaço que incentive e que permita a troca de experiências”, bem como os negócios.
Com todos os espaços de exposição ocupados, cerca de 150, embora com um orçamento reduzido em 70 mil euros face ao ano passado, o autarca acredita que a 27.ª edição da Santiagro “vai ser um grande evento”.
A Feira Agropecuária e do Cavalo tem como “objetivo principal promover a atividade económica” do concelho de Santiago do Cacém e da região, disse Álvaro Beijinha, razão pela qual o turismo, sobretudo em espaço rural, e os produtos tradicionais fazem também parte das apostas.
O vereador responsável pela área de feiras e mercados da câmara municipal, Álvaro Pereira, destacou as novidades do programa deste ano, que incluem ordenha de cabras ao vivo, na qual os alunos das escolas locais podem participar, passeios de burro pelo recinto e o retomar do concurso de cães rafeiros alentejanos.

Boss AC, The Gift e Berg em Santiago do Cacém 
As atividades programadas têm uma forte componente agropecuária, como leilão de gado e colóquios sobre temas de agricultura e pecuária, havendo exposição permanente de equinos, bovinos, ovinos e caprinos durante os três dias do certame.
Os cavalos são figuras de destaque do evento, com batismos disponíveis para todos os visitantes e troféus de equitação a fazerem parte dos atrativos.
O presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, também presente na apresentação do programa da feira, destacou a importância da Santiagro no âmbito de um novo projeto de turismo equestre em desenvolvimento na região.
Os concertos de Boss AC (esta noite)  The Gift (31 de Maio) e Berg, (1 de Junho), trabalhos de serralharia artística ao vivo, apresentações de culinária, garraiadas, atividades desportivas, prova de vinhos e corrida de touros são outros dos “argumentos” do certame organizado pelo município de Santiago do Cacém.
Consulte AQUI o programa completo da Santiagro.


[ + ]

PRAVI fez esterilizações legais em Palmela

PRAVI contesta denuncia da Ordem dos Médicos Veterinários sobre esterilizações ilegais

A PRAVI – Projeto de Apoio a Vítimas Indefesas, repudia veementemente o Comunicado da Ordem dos Médicos Veterinários, de 2 de Maio, em que lhe é imputada a promoção de esterilizações ilegais em Palmela, realizadas por médicos veterinários estrangeiros, sem autorização para exercerem em Portugal.

PRAVI promoveu esterilizações em Palmela 

A campanha de esterilização, realizada em Palmela, diz um comunicado assinado por  Sónia Pereira de Almeida da PRAVI, foi promovida pela associação  com a colaboração do "Município de Palmela e respetivo Médico Veterinário Municipal, subsidiada financeiramente pela Fundação alemã ETN, Europäischer Tier- und Naturschutz e executada por veterinários nacionais de Estados membros da União Europeia, altamente qualificados, que se encontram ao serviço da referida Fundação, os quais atuam em Portugal desde 2006 e realizam campanhas de esterilização em toda a Europa".
De acordo com a PRAVI, segundo os estatutos da Ordem dos Médicos Veterinários, "podem prestar em Portugal serviços médico veterinários individualizados” e ”consideram-se independentemente de qualquer formalismo, inscritos na Ordem para efeitos de deontologia e de responsabilidade disciplinar”. 
Por isso, diz Sónia Pereira de Almeida, a Ordem dos Médicos Veterinários "revela pois manifesta má fé e intenção caluniosa ao lançar a suspeição sobre os veterinários responsáveis pela campanha, ao omitir intencionalmente que a campanha foi realizada em colaboração com a Câmara de Palmela e respetivo veterinário municipal e ao imputar à PRAVI a prática de esterilizações ilegais". 
A responsável da associação diz ainda que "o comunicado da Ordem dos Médicos Veterinários e a respetiva difusão pública, lesou gravemente o bom nome e reputação da PRAVI, que irá agir judicialmente, quer contra a Ordem dos Médicos Veterinários, quer contra a sua Bastonária". A denúncia da Ordem "lesou também o bom nome e reputação do Município de Palmela e respetivo Médico Veterinário Municipal, que apoiaram a campanha, da Fundação Europeia para a Protecção dos Animais e da Natureza, que a subsidiou técnica e financeiramente, e dos 3 veterinários que a realizaram". 
Para Sónia Pereira de Almeida, a Ordem dos Médicos Veterinários "lesou ainda, grave e intencionalmente, a execução de uma campanha de esterilização de relevante interesse público, cujo objectivo era controlar o excesso de população de animais abandonados e errantes e, desse modo, proteger a saúde pública, a segurança rodoviária e a vida dos animais de companhia, que são abatidos aos milhares nos canis municipais", conclui a responsável da PRAVI. 

Ordem denunciou "práticas ilegais"  
Recorde-se que no inicio deste mês, a Ordem dos Médicos Veterinários alertou para a existência de uma campanha de esterilização de animais que estará a ser feita de forma ilegal e que poderá pôr em risco a saúde dos animais.
Num comunicado, assinado pela bastonária da Ordem, Laurentina Pedroso, afirma-se que está a decorrer em Palmela uma campanha de esterilização de animais por parte de “alegados médicos veterinários de nacionalidade estrangeira, que não se encontram inscritos” na Ordem nem pediram autorização para exercer em Portugal.
Laurentina Pedroso escrevia ainda que não "existem garantias de que possuam as habilitações necessárias para o exercício da medicina veterinária, pelo que poderá estar em risco a saúde e o bem-estar dos animais".
O comunicado da Ordem concluía que os responsáveis pela campanha “atuam ilegalmente no país em locais sem quaisquer condições para a realização de tais práticas médicas e cirúrgicas".

[ + ]

Arranca hoje o Festival de Música de Setúbal

Mar inspira Festival de Música da cidade de  Setúbal 

A quarta edição do Festival de Música de Setúbal, com o tema “Mar”, arranca hoje e decorre até domingo, 1 de Junho, com espetáculos e outras atividades em equipamentos e espaços ao ar livre do concelho. A Grand Union Orchestra  de Londres regressa a Setúbal,  esta noite, para abrir o certame com “Trova de Três Oceanos”, um novo espetáculo que liga a identidade portuguesa a diferentes culturas mundiais, através da linguagem comum que é a música. Até domingo há música nos espaços públicos e nas principais salas de espetáculos da cidade e, sobretudo, muita partilha entre os músicos da cidade e os profissionais.  


Música vai voltar aos locais públicos da cidade 
No âmbito da filosofia do evento, organizado pela A7M – Associação Festival de Música de Setúbal, resultado de uma parceria contínua entre a Câmara de Setúbal e The Helen Hamlyn Trust, reúne grandes artistas e a comunidade local em torno da harmonia dos sons.
No cartaz, destaque para as participações da Grand Union Orchestra, do Grupo Vocal Olisipo e da Orquestra de Câmara Portuguesa, a par de uma instalação do artista Fernando Mota e do habitual desfile de percussão pelas ruas da cidade, uma das imagens de marca do certame.
Depois do sucesso na edição anterior, a londrina Grand Union Orchestra regressa a Setúbal,  esta noite, para abrir o certame com “Trova de Três Oceanos”, um novo espetáculo que liga a identidade portuguesa a diferentes culturas mundiais, através da linguagem comum que é a música.
O concerto, com direção de Tony Haynes, no Fórum Municipal Luísa Todi, inclui as participações de jovens da Academia Luísa Todi, dos BelaBatuke e do Conservatório Regional de Setúbal. As entradas para este primeiro espetáculo, com início às 21 horas, custam 12 euros.
O tradicional desfile de percussão, com escolas e grupos comunitários, num percurso pela Avenida Luísa Todi a partir do Fórum Municipal, realiza-se a 30, às 10h30. Os participantes terminam no Auditório José Afonso, onde participam, às 11h15, no concerto “A Foz dos Ritmos”, com direção de Fernando Molina.
Igualmente no dia 30, à noite, o Grupo Vocal Olisipo, de Lisboa, dá um concerto gratuito, mediante reserva, na Igreja de Santa Maria. Armando Possante dirige o concerto de duas horas, com início às 21h30, que celebra os navegadores portugueses que morreram no mar.
“Encanto Marítimo – Requiem pelos navegadores Portugueses”, com acompanhamento de jovens cantores do Conservatório Regional de Setúbal, é inspirado na missa Ave Maris Stella e inclui excertos da "História Trágico-Marítima", lidos pelo ator Luís Madureira.

Há “Música nas Ruas e no Rio”
No último dia de Maio o programa começa às 11 horas com “Música nas Ruas e no Rio”, composto por sons populares e temas do festival a fazerem-se ouvir pela cidade, por jovens músicos do Conservatório Regional de Setúbal. Nos ferries que ligam Setúbal a Troia, há música nas viagens das 11h30 e das 12 horas.
Mais tarde, às 15h30, há “Canções do Mar”, concerto de canto coral por escolas do 1.º ciclo, pela APPACDM e pelo Coral Infantil de Setúbal, acompanhados pelo Luís Barrigas Quarteto, com coordenação de Carlos Barreto Xavier. O espetáculo, de entrada gratuita, decorre no Fórum Municipal Luísa Todi.
A Banda da Sociedade Musical Capricho Setubalense e os BelaBatuke dão um concerto gratuito junto da entrada do Fórum Municipal Luísa Todi, às 17 horas, no espetáculo “Música ao Ar Livre”, marcado pela confluência de tradições musicais distintas, com interpretação de jovens talentos musicais da cidade.
À noite, a música tradicional portuguesa cruza-se com a experimental num concerto/instalação inspirado na pesca e no mar, com conceção e interpretação de Fernando Mota, marcado para o Museu do Trabalho Michel Giacometti, com sessões às 21 horas e às 22h30.
O espetáculo “Quando o Homem Lavrava o Mar” inclui vídeo e imagens de Tiago Pereira, José Madeira, Michel Giacometti e James Knight-Smith, a par da participação do Conservatório Regional de Setúbal e do Coral Infantil de Setúbal. As entradas custam seis euros.

Festival encerra com "Mar de Emoções" no Luísa Todi 
Organização quer forte participação dos músicos da cidade 
No dia 1 de Junho às 14h30, no Luísa Todi, há conversas com especialistas e responsáveis de projetos de inclusão pela música. “Diversidade e Inclusão” é o título da iniciativa, de entrada gratuita, que inclui uma atuação conjunta da Academia Luísa Todi e de alunos com deficiências auditivas da EB 2,3 de Cruz de Pau, com música de Fernando Altube.
No âmbito do evento “Diversidade e Inclusão”, o Externato Rumo ao Sucesso e o Grupo de Música Contemporânea do Conservatório Regional de Setúbal atuam às 16h30, no Cais 3 do Porto de Setúbal, numa “Viagem” conjunta, de participação livre, com direção e composição de Pedro Condinho e António Laertes.
O Festival de Música de Setúbal encerra com “Mar de Emoções”, espetáculo com início às 21 horas, no Fórum Municipal Luísa Todi. A Orquestra de Câmara Portuguesa e o maestro Pedro Carneiro juntam-se com a soprano Susana Gaspar para interpretar Beethoven, Berlioz, Haydn, Mendelssohn e Mozart. Os bilhetes custam 12 euros.
O programa inclui, igualmente no dia 1, a iniciativa “Olhares sobre o Mar e Reflexos”, com visitas guiadas ao Convento da Arrábida ao som do quinteto de sopros da Orquestra de Câmara Portuguesa e de alunos do Instituto Gregoriano de Lisboa, cujas entradas já se encontram esgotadas.
Os bilhetes para os espetáculos encontram-se à venda no Fórum Municipal Luísa Todi e na bilheteira online em www.bilheiraonline.pt.
Pode consultar AQUI Mais informações sobre o Festival de Música de Setúbal. 

Artigo Relacionado: Orquestra de Londres abre festival em Setúbal
[ + ]

Barreiro recebe Feira Pedagógica até domingo

"É indispensável a escola pública e de qualidade que dê oportunidades a todos”

A XIII Feira Pedagógica do Barreiro, abriu ontem portas no Auditório Municipal Augusto Cabrita e no Parque da Cidade. Na abertura oficial, o presidente da Câmara do Barreiro referiu que um dos objetivos principais da “nossa vida é fazer as crianças felizes”. O evento, que decorre até domingo, "vai mostrar à população barreirense a oferta educativa e o trabalho realizado ao longo do ano letivo", conta o gabinete de imprensa do município.  


Autarcas do Barreiro inauguraram Feira Pedagógica 

Entre centenas de meninas e meninos das escolas do concelho, Carlos Humberto referiu que, após o 25 de Abril de 1974, há melhores condições em Portugal para atingir o objetivo de dar felicidade aos mais novos. “É determinante o papel da escola. É indispensável a escola pública e de qualidade que dê oportunidades a todos”, salientou o chefe do executivo municipal.
Considerando que ainda há muito por fazer, Carlos Humberto  deixou uma mensagem de esperança aos mais novos, referindo que “é preciso não desistir das nossas convicções”.
Em relação à Feira Pedagógica, salientou que "o certame é o reflexo do trabalho realizado com e pela comunidade educativa" do concelho.
A XIII Feira Pedagógica é uma mostra dos projetos educativos das instituições do Concelho do Barreiro, que está patente no Auditório Municipal Augusto Cabrita e no Parque da Cidade até 1 de Junho e conta com a participação de cerca de 40 entidades de ensino público e privado do Concelho do Barreiro, disse o gabinete de imprensa do município.

Atividades até dia 1 de Junho 
A autarquia saliente ainda que no Espaço Institucional da Câmara do Barreiro, na Feira Pedagógica, estão em exposição todos os trabalhos das escolas concorrentes, realizados no âmbito dos Concursos de Poesia, Prosa e de Arte, promovidos pela autarquia.
Até 30 de Maio, são várias as atividades que vão animar os mais novos durante as manhãs. No sábado e no domingo, as atividades são, em parte, dirigidas ao público familiar. De acordo com a informação da Câmara, a 1 de Junho, Dia Mundial da Criança, realiza-se o Circuito Gímnico para Famílias e o Piquenique Familiar, no Relvado do Parque da Cidade.
Organizada pela Câmara do Barreiro e Comunidade Educativa do Concelho, em colaboração com as Freguesias do Concelho, a XIII Feira Pedagógica "vai mostrar à população barreirense a oferta educativa e o trabalho realizado ao longo do ano letivo", diz fonte da autarquia.
A organização espera a visita de milhares de alunos de todos os graus de ensino, em particular do 1º ciclo e pré-escolar, bem como encarregados de educação e população em geral.
O programa completo da XIII edição da Feira Pedagógica está disponível no site oficial da Câmara do Barreiro.


[ + ]

Vinhos da Península de Setúbal conquistam China

Vinhos de Setúbal querem conquistar China, Brasil e Angola 

Os vinhos da Península de Setúbal estão "de olhos postos no emergente mercado chinês". Oito produtores da região vitivinícola da Península de Setúbal viajaram esta semana para a China com o objectivo de promover as relações comerciais com importadores, distribuidores e profissionais do sector. Shenzhen, uma das mais importantes e populosas cidades chinesas, foi a primeira paragem dos vinhos de Setúbal, onde decorreu no dia 26 de Maio, uma prova exclusiva dos vinhos da região para mais de 200 profissionais. As acções de promoção continuam em Hong Kong, na VINEXPO – Asia-Pasifc, uma das maiores feiras asiáticas do sector, que decorre entre os dias 27 e 29 de Maio. A Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal  elegeu a China, o Brasil e Angola como países estratégicos para o plano de promoção internacional para 2014 e 2015.

Vinhos de Setúbal há prova em Shenzhen, na China 

No conjunto, estes três países representaram, no ano passado, um valor na ordem dos 133 milhões de euros para as exportações de vinhos portugueses, 42,5 por cento do valor total das exportações para países terceiros. A  Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal (CVRPS) prevê investir um milhão de euros no plano estratégico de promoção internacional 2014/2015, estimando-se que 20 por cento desse orçamento se destine à China, 45 por cento ao Brasil e 35 por cento a Angola.
Com o objectivo de promover as relações comerciais com importadores, distribuidores e profissionais do sector, oito produtores da CVRPS viajaram esta semana para a China, com paragens em Shenzhen e Hong Kong. "O plano de promoção da CVRPS é ambicioso. Temos em marcha um conjunto de acções nestes três países que englobam presenças em importantes eventos e feiras do sector, acções de ‘merchandising', acções de formação, provas e visitas à região de jornalistas e críticos provenientes dos três países", assegura Henrique Soares, presidente da CVRPS. Segundo dados do IVV - Instituto da Vinha e do Vinho, o mercado chinês representou em 2013, 11 milhões de euros para as exportações de vinhos portugueses.

“2013 foi um ano marcante para a região” 
Comissão premiou os melhores vinhos da região de Setúbal 
O presidente da CVRPS considera que “2013 foi um ano marcante para a região” e, durante a cerimónia de entrega dos prémios XIV Concurso de Vinhos da Península de Setúbal, na Pousada de Palmela, aproveitou para partilhar alguns números que demonstram a evolução do sector dos vinhos na região no ano passado. Henrique Soares destacou o crescimento global da certificação de 17,5 por cento, “tendo-se atingido máximos históricos em todas as categorias de vinho”, os 35 milhões de garrafas de vinho comercializadas com as Denominações de Origem (DO) Setúbal e Palmela e com Indicação Geográfica (IG) Península de Setúbal, o “máximo histórico” de 70 por cento da produção comercializada com DO e IG, colocando a região “no pódio das regiões vinícolas com melhor rácio certificação/produção”, ou ainda os mais de cinco milhões de litros exportados nos mercados de países terceiros (externos à União Europeia), em que se destacaram Angola, Brasil, China e Canadá.
“O investimento na plantação de novas vinhas continua em bom ritmo e é uma enorme evidência da confiança que existe quanto ao futuro da vitivinicultura na região”, considera. Entre 2009 e 2013, foram investidos cerca de 6 milhões de euros na reestruturação das vinhas da região (128 candidaturas), correspondendo à melhoria de cerca de 700 hectares de vinhedos, diz a comissão.
Na opinião do presidente da CVRPS, o desafio que se coloca aos produtores nos próximos anos passa por “tentar valorizar melhor os vinhos”. “A região está muito bem comercialmente, o percurso que temos feito é muito bom, mas temos a noção de que precisamos de conseguir vender melhor, ou seja, vender os vinhos um pouco mais caros, para que os produtores possam ter maior retorno pelos vinhos e quem produz só uvas também possa ter mais algum retorno pelas uvas”, defendeu.


[ + ]

Barreiro avança com limpeza da Mata da Machada

Ações de prevenção contra incêndios na Mata da Machada estão a ser preparadas

A Mata Nacional da Machada, no Barreiro, vai ser alvo de ações de limpeza nas próximas semanas para prevenir os incêndios florestais e serão arranjados alguns caminhos que estão intransitáveis, disse Bruno Vitorino, vereador responsável pelo pelouro da Mata da Machada. 


Vereador reuniu com parceiros para garantir segurança na Mata

O vereador com a responsabilidade de gestão da Mata da Machada, Bruno Vitorino, informou ter promovido uma reunião com diversas entidades para definir e coordenar ações de vigilância e de prevenção contra incêndios naquele espaço florestal.
A autarquia do Barreiro, em articulação com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), vai arranjar solução para os trabalhos necessários de regularização dos caminhos que estão intransitáveis no interior da mata.
O representante do ICNF, Rui Pombo, informou ainda que, nas próximas semanas, irão decorrer as necessárias ações de limpeza de aceiros.
"A reunião teve o objetivo de uma articulação entre as várias entidades, para otimização dos meios disponíveis, aproveitando a boa vontade das mesmas, que vão complementar e ajudar as autoridades competentes", disse Bruno Vitorino.
Neste encontro, o comandante da Escola de Fuzileiros, Carlos Teixeira Moreira, e o comandante dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública, José Figueiredo, mostraram-se disponíveis para assegurar um reforço de patrulhamento e vigilância da Mata da Machada, complementando as ações das forças policiais.
Os bombeiros garantirão uma vez mais a instalação de um posto avançado na Mata que permitirá uma
vigilância mais próxima e uma ação mais rápida em caso de incêndio.
Foi ainda decidido sensibilizar os proprietários das áreas envolventes a este espaço florestal para a necessidade de limpeza dos seus terrenos.
“Estamos a delinear tudo com antecedência para diminuir riscos e para estarmos preparados em caso de emergência”, conclui o vereador  responsabilidade de gestão da Mata da Machada eleito pelo PSD.

A Mata Nacional da Machada 
Designa-se hoje Mata Nacional da Machada, a propriedade constituída pelo antigo Pinhal de Vale de Zebro e pela Quinta da Machada.
A Quinta da Machada pertencia ao “Convento de Nossa Senhora da Luz da Ordem de Cristo”, porém quando foram extintas as Ordens Religiosas em 1834 foi adquirida por um particular, sendo mais tarde aforada ao Estado que a anexou ao Pinhal de Vale de Zebro.
Encontra-se situada no centro da Península de Setúbal, entre as povoações de Coina, Palhais e Santo António da Charneca. Sujeita a Regime Florestal esta Mata encontra-se hoje, sob a gestão da Direcção Regional de Agricultura do Ribatejo e Oeste e ocupa uma área com cerca de 385,7 hectares.
Sendo a única área florestal de razoável dimensão do Concelho do Barreiro, a Mata é considerada o “Pulmão da Cidade” e um local privilegiado para actividades de recreio e lazer, dispõe de um parque de merendas e diversos fontanários, para além de um Centro de Educação Ambiental e de uma rede de estradas e caminhos frequentemente utilizados para práticas desportivas, permitindo à população uma melhor qualidade de vida.

[ + ]

Observatório de Nutrição realiza estudo no Montijo

Observatório estuda tendências e os padrões alimentares da população do Montijo 

A PremiValor Consulting encontra-se a desenvolver a 1ª edição do Observatório da Nutrição e Alimentação em Portugal e realiza o trabalho de campo no Montijo entre 30 de Maio e 2 de Junho, a partir das 9 horas, na Praça da República.


Observatório de Nutrição e Alimentação faz estudo no Montijo 


O estudo compreende também uma componente de rastreio, nomeadamente, recolha de indicadores: Peso, Altura, IMC, Perímetro da cintura, Tensão arterial.
O projeto conta com a coordenação científica de Maria Daniel Vaz de Almeida, Presidente da Sociedade Portuguesa de Ciências da Nutrição e Alimentação – SPCNA, e com a cooperação técnico-científica da Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN). Os principais resultados do estudo são apresentados numa conferência a realizar em Lisboa, no segundo semestre deste ano.
A iniciativa visa "identificar o grau de conhecimento da população relativamente às causas e consequências de determinados padrões alimentares; avaliar a relação entre as condições de acesso à informação e o grau de conhecimento dos cidadãos; estudar as tendências e os padrões alimentares da população portuguesa; e compreender como os hábitos alimentares dos portugueses estão a conhecer alterações profundas, devido aos novos ritmos de vida", diz a organização em comunicado.
A PremiValor Consulting é uma empresa de Consultoria de Gestão, que focaliza a sua actividade na área de Estudos de Mercado, Estratégia, Project Management, Corporate Finance, Fusões e Aquisições e Project Finance. Intervém em diversos setores, nomeadamente no setor da Saúde, onde tem realizado diversos projetos, destacando-se o Observatório das Doenças Civilizacionais, que se focalizou em quatro patologias: Diabetes, Hipertensão Arterial, Hipercolesterolemia e Obesidade.

[ + ]

Feira Medieval de Alhos Vedros começa quinta-feira

Alhos Vedros regressa quatro dias ao reinado de D. Manuel I 

A partir de amanhã, dia 29 de Maio, a vila de Alhos Vedros (Parque das Salinas e zona envolvente) regressa ao passado, à época dos réis e princesas, à época dos duelos e da burguesia, do clero e do povo que vinha vender e comprar às grandes feiras das vilas com foral. É este precisamente o tema da 7ª edição da Feira Medieval de Alhos Vedros: a “Feira do Foral”. A Feira Medieval, que ano após ano atrai cada vez mais visitantes, apresenta um programa vasto e diversificado com combates e torneios, animação circense, música, danças palacianas e danças orientais, aves de rapina e cobras, tasquinhas, artesanato nacional e oriental, desfiles e muito convívio. Só acaba domingo e merece a sua visita.

Feira Medieval de Alhos Vedros atrai milhares de visitantes 

A Feira Medieval, que começa a 29 de Maio, transporta a vila de Alhos Vedros [e de todos que a visitem] ao tempo de D. Manuel I e à grande Feira do Foral. Pelo burgo da vila antiga haverá cantigas de bem e mal dizer, tambores e comidas de outros tempos. Moedas antigas, lutas e glórias dos cavaleiros de aquém mar. Feiras, mulheres que adivinham o futuro e todas as personagens – reais e imaginárias – que marcaram o reinado do rei que ficou conhecido na história como o Venturoso, o Bem-Aventurado ou o Afortunado. 
Este ano inserida nas comemorações dos 500 Anos do Foral Manuelino, a Feira Medieval de Alhos Vedros é promovida pela Alius Vetus – Associação Cultural História e Património, com o apoio da restante comissão: Câmara da Moita, Junta de Freguesia de Alhos Vedros, Santa Casa da Misericórdia de Alhos Vedros, Centro Paroquial de Alhos Vedros, CACAV - Círculo de Animação Cultural de Alhos Vedros e Agrupamento de Escolas José Afonso.
Ano após ano, esta feira atrai cada vez mais visitantes, pelo seu programa de qualidade e muito diversificado. Esta edição não é exceção e a “Feira do Foral” vai contar com Jogos Medievais, Torneio de Armas de Cortesia a Cavalo, Workshop com Aves de Rapina “A Arte da Caça”, Cães das Terras de Atómum, animações de rua, desfiles, malabarismos de fogo, danças orientais, teatro, música e muitos outros espetáculos e animações.
O ponto alto da festa é o desfile de domingo pelo centro do burgo [leia-se centro de Alhos Vedros] Desfile pelas ruas de todos os grupos de animação na feira. A saber: AGAPE, Asyul Najima e o Grupo Al-Nawar, Alcaide e os seus camelos, Cavaleiros do Tempo, Charneca, Colibri, Dulcyneias, Emad Selim, Gadilus, Gaiteiros da Bardoada, Grupo Coral Alius Vetus, Grupo de Danças Antigas de Alhos Vedros Kinessis, Grupo La Folia, Leonor e os seus gansos, Malatitsch, Sarrafos e Terras de Atómun. A feira acaba com uma última visita do Meirinho e do Almoçatem às tendas dos mercadores, acompanhado por nobres e donzelas, seguido de Música, Danças e Bailias. E no final da noite do primeiro de Junho, um grande espectáculo de fogo.
Alhos Vedros regressa aos tempos das grandes feiras de foral 
As histórias cruzam-se com os mitos e pelas ruas da vila de Alhos Vedros, até domingo, haverá tanta história real para se reescrever. De acordo com a Alius Vetus – Associação Cultural Histórica e Património – que organiza desde sempre [leia-se, sete anos] a Feira Medieval da vila, são esperadas “milhares de pessoas, a atraídas pelo exotismo da recriação de uma feira medieval”.
E com tanta gente vinda do futuro que se mistura com outras gentes do passado, com mistura de feirantes antigos e compradores da era moderna, a organização, tal como o ano passado, “alargou o espaço desde o Parque das Salinas, adro da igreja, largo das festas, parque de estacionamento da Santa Casa da Misericórdia, pátio da biblioteca até ao largo do Pelourinho”, diz a organização.
“Está tudo pronto para o arranque da feira, que este ano tem quatro dias. Vamos ter torneios medievais, desfiles e várias animações com 25 grupos de várias áreas, como a dança ou a música”, disse Vítor Cabral, da associação Alius Vetus.
A feira vai também contar com torneios de caça, ‘workshops’ com aves de rapina, animações de rua, desfiles, malabarismos de fogo, danças orientais, teatro, música e muitos outros espetáculos e animações.A “Feira do Foral” – 7ª Feira Alhos Vedros Medieval pode ser visitada dia 29 de Maio, a partir das 17 horas, e nos dias 30 e 31 de Maio e 1 de Junho, a partir das 13 horas. A entrada é gratuita.
Consulte AQUI o programa integral da 7ª Feira Medieval de Alhos Vedros.

Trânsito condicionado em Alhos Vedros
Devido à realização da Feira do Foral, é necessário suspender o trânsito, entre 29 de Maio e 1 de Junho, das 12 às 24 horas, na Rua 5 de Outubro, Rua Frei Gaspar da Cruz, Rua Cândido dos Reis e Travessa do Mercado.
O trânsito vai também estar condicionado, no dia 1 de Junho, entre as 15 e as 20 horas, no Largo da Igreja, Travessa do Mercado, Rua Cândido dos Reis, Rua General Humberto Delgado, Avenida da Bela Rosa, Rua D. Dinis de Ataíde, Praça da República e Rua 5 de Outubro, para a realização dos desfiles.
O parque de estacionamento na Rua 5 de Outubro, junto ao Lar Pedro Rodrigues da Costa, vai também estar encerrado entre os dias 28 de Maio e 2 de Junho.

Veja aqui Os melhores momentos da Feira Medieval de Alhos Vedros de 2013



[ + ]

Quinta Feira da Espiga lembrada em Sesimbra

Caminhada pela natureza na Quinta Feira da Espiga 

Assinala-se esta quinta-feira dia da espiga. A tradição deixou de ter a força de outros tempos, mas hoje ainda muitos vão apanhar o que chamam o ramo da fortuna. A Quinta-feira de Espiga, 29 de Maio, é assinalada com uma caminhada e uma visita ao Núcleo Museológico da Moagem de Sampaio, em Sesimbra. O ponto de encontro é no Campo de Futebol da Maçã, às 8.45 horas. Ainda em Sesimbra, dia 1 de Junho, a autarquia local convida as crianças o concelho a visitar e a desfrutar, em contacto com a natureza,  a Lagoa Pequena.

Sesimbra organiza caminha na Quinta Feira da Espiga 

É voz corrente que a tradição já não é o que era, o que é um facto. Mas é também verdade que, embora sem o entusiasmo de outrora, algumas das nossas antigas tradições ainda hoje persistem. É o caso do Dia da Espiga, que se celebra um pouco por todo o país na Quinta-Feira da Ascenção, tem lugar 40 dias após o Domingo de Páscoa. Manda a tradição que neste dia se vá de manhã cedo ao campo apanhar espigas de cereais e outras flores campestres para fazer um ramo que deve ser guardado pendurado em casa até ao Dia de Espiga do ano seguinte.
Neste dia, é tradição colher-se um ramo nos campos, constituído por espigas de trigo (abundância de pão), tronquinhos de oliveira (que simbolizam a paz), papoilas (a alegria), malmequeres brancos (a prata) e malmequeres amarelos (o ouro).
O ramo de espiga guarda-se dentro de casa, na cozinha ou na sala, por vezes atrás da porta ou junto de uma imagem religiosa, até ao ano seguinte.
E para lembrar a tradição e festejar o dia, a Câmara de Sesimbra assinala a quinta feira da espiga, 29 de Maio, com uma caminhada e uma visita ao Núcleo Museológico da Moagem de Sampaio, na vila de Sesimbra. O ponto de encontro é no Campo de Futebol da Maçã, às 8.45 horas.
A caminhada começa na Maçã, segue em direção a Pedreiras e Calhariz e termina na Maçã. Aconselha-se que os participantes tragam água e vestuário e calçado adequado à atividade e época.
Crê-se que esta celebração tenha origem nas antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios e das Maias.
O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios da casa.
Hoje em dia, sobretudo nos centros urbanos, são raras as pessoas que ainda vão colher o ramo da espiga, mas há quem os faça para vender, sinal de que a tradição se mantém viva. A caminhada pelos campos de Sesimbra provam que o dia não é esquecido.

Sesimbra leva crianças à Lagoa Pequena
No dia Mundial da Criança, a 1 de Junho, a autarquia de Sesimbra convida as crianças do concelho a visitar a Lagoa Pequena.  De acordo com a autarquia local, a iniciativa visa "estimular a proximidade das crianças às questões ambientais e à interpretação da Zona de Proteção Especial da Lagoa Pequena, dinamizando o Espaço Interpretativo, enquanto local dedicado a valores de conservação e de proteção" é o grande objetivo do programa promovido pela Câmara de Sesimbra e pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.
Ao longo do dia, os mais pequenos podem participar em várias iniciativas, como pinturas de camuflagem, peddy papers, jogos tradicionais, histórias, visitas aos observatórios, e muito mais.



[ + ]

Litoral Alentejano quer médicos formados na região

Médicos recém-formados na região são "última esperança" 

Paula, Sara e Marco escolheram o Litoral Alentejano para realizarem o ano comum do internato de Medicina, manifestando vontade de se fixar na região, e, para os serviços de saúde, são a “única esperança” para captar novos médicos para os concelhos de Sines, Santiago do Cacém, Grândola, Alcácer do Sal, todos do distrito de Setúbal e Odemira, no distrito de Beja, onde 25 por cento da população não tem médico de família e onde faltam, pelo menos, 87 médicos. Contudo, a capacidade formativa daquela unidade é reduzida, devido à falta de médicos especialistas, e a limitação tende a agravar-se.

Hospital de Santiago do Cacém tem falta de médicos 

Paula Gomes partiu de Lisboa para a cidade de Brno, na República Checa, onde tirou o curso de Medicina, tendo-se licenciado no ano passado.
Na altura de escolher o local para realizar o ano comum do internato médico, a jovem, de 25 anos, preferiu “a periferia” e o facto de ter uma segunda habitação na costa alentejana foi “crucial”, por não ter de “gastar em residência”.
Marco Alves, o companheiro, de 28 anos, que também se licenciou na Faculdade de Medicina de Brno, onde se conheceram, acompanhou-a na escolha. Juntos decidiram não optar por um hospital central, pois ansiavam por uma maior “aproximação” aos tutores.
Nesse aspeto, as suas expectativas não estão a ser goradas, embora Paula Gomes confesse que, a nível prático, a experiência é limitada, porque “há menos procura de doentes”, dado ser “uma zona pouco habitada”. No final do ano, ambos terão de escolher a especialidade e o local onde pretendem fazer o respetivo internato.
O casal manifestou à agência Lusa o desejo de permanecer na zona, pela “qualidade de vida” que permite, mas a decisão não depende diretamente de ambos.
E é isso que preocupa os responsáveis dos serviços de saúde do litoral alentejano. Juntos alertam para o problema, ”tipo bomba-relógio”, de os médicos com capacidade para formar os jovens que saem das faculdades de Medicina estarem a caminho da aposentação.
“Estamos numa fase em que os médicos que se formaram nos anos 70, depois do 25 de Abril, uma leva muito grande, estão agora a chegar à fase de aposentação”, disse à  Lusa o diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do hospital integrado na Unidade local de Saúde do Litoral Alentejano, Pedro Moreira.
Este facto, aliado ao congelamento da progressão nas carreiras dos últimos anos, pode levar a que os serviços de saúde fiquem sem médicos especialistas para formar os novos licenciados em Medicina, frisou o clínico.
O problema, “tipo bomba-relógio”, referiu Pedro Moreira, vai acentuar-se face ao aumento do número de recém-licenciados em Medicina, provocado pelo recente aumento de vagas nas universidades, determinado para responder à generalizada falta de médicos.
A medida poderia ser positiva para a ULSLA, pois, com o “excedente” de recém-licenciados, abriu-se as portas para que a sua formação seja feita em “hospitais periféricos”, como é o caso do Hospital do Litoral Alentejano, sustentou o responsável. Contudo, a capacidade formativa daquela unidade é reduzida, devido à falta de médicos especialistas, e a limitação tende a agravar-se.

Faltam 87 clínicos na região  
Tanto Paula como Marco deverão enveredar pela Medicina Interna, uma das especialidades do Hospital do Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém, com o quadro de médicos “mais depauperado”, de acordo com o diretor da Unidade de Cuidados Intensivos, Pedro Moreira.
Segundo o clínico, que é também responsável pelo internato médico hospitalar, faltam 10 especialistas de Medicina Interna para “completar o quadro” e a “única esperança” são os clínicos que se vão formando na Unidade local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA).
A administração da ULSLA indicou à Lusa que, atualmente, “faltam 87 médicos de diversas especialidades clínicas”, sendo os “serviços mais afetados” as urgências e a Medicina Geral e Familiar (MGF).
Em média, nos concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines, 25 por cento dos cerca de 100 mil habitantes não têm médico assistente nos centros de saúde, proporção que aumentaria para perto de metade se não fosse “o apoio” de 13 clínicos cubanos.
“A tendência é para a situação se agravar, dado que temos médicos de Medicina Geral e Familiar a reformarem-se e os novos concursos têm ficado com as vagas por ocupar”, informou a administração da ULSLA.

Médicos jovens querem ficar 
Jovens médicos gostavam de ficar na região 
Sara Borges da Costa representa, por isso, outra das “esperanças” da ULSLA, uma vez que, concluído o ano comum, pretende seguir a especialidade de Medicina Geral e Familiar e, se possível, fixar-se na região.
A jovem, de 26 anos, é natural de Vila Nova de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém, onde se situa o Hospital do Litoral Alentejano e a sede da Unidade local de Saúde do Litoral Alentejano, tendo sido esse um dos motivos principais da sua escolha.
“Tenho aqui uma qualidade de vida brutal e acho que ficar é uma mais-valia, porque se trata de uma população carenciada”, referiu à Lusa. A ULSLA pode dar formação apenas nas especialidades de  Medicina Geral e Familiar, Saúde Pública, Medicina Interna, Cirurgia Geral e Ortopedia, o que também se deve à falta de clínicos especialistas seniores, explicou Mário Jorge, responsável pelo internato médico de cuidados de saúde primários e de Saúde Pública. No entanto, os médicos que concluem aqui a sua formação têm tendência para ficar, assegura o responsável.
“Os internos que terminam a especialidade, se quiserem, têm um contrato individual de trabalho feito aqui no hospital”, acrescentou Pedro Moreira.
Uma forma de ir superando, a “conta-gotas”, o aparente desinteresse dos médicos já integrados no Serviço Nacional de Saúde pela região, o que os responsáveis explicam com a “falta de incentivos financeiros” por parte do Ministério da Saúde, conclui diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de Santiago do Cacém.


[ + ]

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010