Dá um Gosto ao ADN

DJ Merche Romero no Anim’art Montijo este sábado

Cidade com comercio de portas abertas até madrugada 

Música, dança, arte, animação de rua, gastronomia e moda são as actividades que integram a programação do projecto municipal “Anim’art Montijo”, que vai decorrer no próximo sábado, 15 de Junho, na baixa da cidade. A iniciativa, que acontece pelo sexto ano consecutivo, entra pela madrugada dentro e apresenta desta vez como cabeça-de-cartaz a DJ Merche Romero, cuja actuação está marcada para as 23 horas junto à Galeria Municipal. Este ano, uma das novidades é a Rota pela Restauração, na qual participam 14 restaurantes do centro da cidade que, neste dia, têm um prato especial Anim’art no seu menu.
Merche Romero anima a noite do Montijo 

“Como habitualmente, o Anim’art Montijo vai começar com a abertura da exposição “(a)mar, enquanto o barro não dorme” de António Vasconcelos Lapa, às cinco da tarde, na Galeria Municipal do Montijo”, anuncia a Câmara do Montijo, salientando que diversos estabelecimentos comerciais do centro da cidade vão estar abertos até às duas da manhã, participando na ‘Rota pelo Comércio Local’ e “promovendo momentos culturais, artísticos, desportivos ou de simples entretenimento junto às suas portas”.
A partir desta hora e até às duas da madrugada, diversos estabelecimentos comerciais do centro da cidade participam na Rota pelo Comércio Local e estarão abertos pela noite dentro, promovendo momentos culturais, artísticos, desportivos ou de simples entretenimento junto às suas portas.
A animação de rua estará a cargo da Charanga da Rambóia, um grupo constituído por dez elementos com oito instrumentos de sopro e percussão, músicos com experiência na animação de rua, tasquinhas, romarias, procissões, sardinhadas e eventos de caráter social. 
Os Led Flowers, também, vão estar a animar as ruas do eixo central da cidade, numa performance singular e interativa.
Às 18 horas, junto à Galeria Municipal, a Comissão da Baixa do Montijo apresenta um espetáculo musical de humor, poesia e canções, onde os temas principais são o Montijo e as suas gentes, a Baixa e as Festas Populares de São Pedro. 
Os temas são originais, com letras de Ti Maria Albertina e músicas de Maria Marques Jacinto e João Marques Jacinto, com direção musical e acompanhamento à guitarra de Filipe Silva, da Escola de Artes Sinfonias & Eventos.
No mesmo palco junto à Galeria Municipal, a partir das 23 horas, a DJ Merche Romero traz a sua música ao centro da cidade do Montijo.
Este ano, uma das novidades é a Rota pela Restauração, na qual participam 14 restaurantes do centro da cidade que, neste dia, têm um prato especial Anim’art no seu menu.
O Anim’art Montijo é um evento que conquistou montijenses e visitantes, "registando todos os anos a presença de centenas de pessoas", explica a autarquia.  Para além de promover a cultura e a arte locais, o evento "pretende reforçar o papel do comércio local na criação dos seus próprios eventos, valorizando o centro histórico da cidade como local de encontros", sublinha a Câmara do Montijo.

Agência de Notícias
[ + ]

Sesimbra celebra Santos Populares até 6 de Julho

Marchas populares, bailes, ruas enfeitadas e sardinhas assadas animam concelho 

Até 6 de Julho, Sesimbra festeja os Santos Populares com uma vasta programação que tem como ponto alto o desfile das marchas populares. Os grupos mostram-se à população, nos dias 22 e 28, na Quinta do Conde e, a 23 e 30, em Sesimbra. Os desfiles, que reúnem mais de duas centenas de participantes, serão organizados pelo Centro Comunitário da Quinta do Conde, Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, Grupo Encontra a Esperança, Associação de Pais da Escola Básica Integrada da Quinta do Conde e Catequese da Paróquia de Santiago. As ruas e largos do concelho apresentam-se decorados com criatividade. Animação, música, festa e sardinhadas até meados de Julho. Na Quinta do Conde, de 29 de Junho a 2 de Julho, realiza-se também o Festival do Caracol, que ano após ano tem conquistado mais adeptos.
Já começou a animação dos Santos Populares 

De acordo com a autarquia de Sesimbra, ao longo deste mês,  "a cor, a alegria e o ritmo dos Santos Populares prometem transformar ruas e largos do concelho em espaços de verdadeira criatividade e imaginação".
As ruas ornamentadas são outro dos atrativos do programa. Apesar da tradição já não ser o que era, algumas ruas e largos da vila de Sesimbra, como as ruas Capitão Leitão, Pescadores e António Augusto de Aguiar, os largos da Marinha e José António Pereira, a Associação da Cotovia e o Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde continuam a manter vivo este costume típico da quadra.
Os ornamentos, que começam a ser preparados "com semanas de antecedência, envolvem centenas de voluntários de todas as idades", diz a Câmara Municipal, salientando que na vila de Sesimbra "há ruas enfeitadas com flores, balões e motivos em papel e outros materiais, que apresentam um tema escolhido, livremente, pelas associações locais ou moradores".
Na Quinta do Conde, o largo da junta de freguesia assume-se como “autêntico arraial popular” e para freguesia do Castelo está reservada animação musical, na Rua Central do Meco, no Largo de Alfarim, na Moagem de Sampaio, “que mais uma vez será dinamizada pelos Saltaricos do Castelo”, e na Associação Cultural e Desportiva da Cotovia.
As freguesias de Santiago e da Quinta do Conde vão, de resto, encher-se de “animação, música, festa e sardinhadas” nos tradicionais festejos populares.
Na Quinta do Conde, de 29 de Junho a 2 de Julho, realiza-se também o Festival do Caracol, que ano após ano tem conquistado mais adeptos.

Museu Marítimo mostra memórias dos Santos  
Este ano, o Museu Marítimo de Sesimbra também é associado às festividades. “No dia 22, sábado, às 21h30, a Rua dos Pescadores, uma das mais genuínas da vila, que há décadas continua a ser enfeitada de acordo com a tradição, recebe a iniciativa Sesimbra, Memória e Identidade desta vez intitulada de Memórias das Ruas Enfeitadas, das Marchas e das Caldeiradas”, destaca o município, acrescentando que no sábado seguinte, na mesma rua, entre as 15 e as 18 horas, tem lugar uma oficina, gratuita e aberta à população em geral. 
Esta oficina permitirá ensinar aos participantes “alguns dos passos para enfeitar e embelezar uma das mais tradicionais ruas da vila de Sesimbra”, que tem como temática ‘Os Pescadores e as Armações’, conclui a autarquia. 

Programa
dia 16 | sexta
21.30h | Sara Pessoa
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

22h | Jorge Espada
Local: Largo da Marinha, Sesimbra

dia 17 | sábado
21.30h | Noélia Costa
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

22h | Jorge Nice
Local: Rua Capitão Leitão, Sesimbra

22h | Jorge Espada
Local: Largo da Marinha, Sesimbra

dia 18 | domingo | 21.30h
Hélder Costa
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 19 | segunda | 21.30h
Ricardo Alcaide
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 20 | terça | 21.30h
Luís Casanova
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 21 | quarta | 21.30h
Paulo Gamito
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 22 | quinta | 21.30h
Vítor Ginga
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 23 | sexta
21.30h | Os ARA
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

22h | Jorge Espada
Local: Largo da Marinha, Sesimbra

dia 24 | sábado
21.30h | Duo Musical JP
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

22h | Jorge Espada
Local: Largo da Marinha, Sesimbra

dia 25 | domingo | 21.30h
Susana Vinagre
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 26 | segunda | 21.30h
Nuno Rupio
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 27 | terça | 21.30h
Luís Rouxinol
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 28 | quarta | 21.30h
César Silva
Local: Largo da Junta de Freguesia da Quinta do Conde

dia 30 | sexta | 22h
Jorge Espada
Local: Largo da Marinha, Sesimbra

Agência de Notícias 
[ + ]

Munícipes aprovam venda da Braamcamp no Barreiro

Sondagem da autarquia diz que 76,5 por cento aprova venda da Quinta 

A Câmara do Barreiro revelou, esta sexta-feira,  uma sondagem em que 76,5 por cento dos munícipes aprovam a venda da Quinta do Braamcamp, na zona ribeirinha do concelho, onde está prevista a construção de 180 fogos. O imóvel foi adquirido pelo anterior executivo comunista, em 2016, mas no início deste ano a atual autarquia, liderada por Frederico Rosa, anunciou a intenção de venda porque o terreno se encontrava sem utilização e não sabia quando teria verbas disponíveis para o requalificar.Para saber qual a opinião dos cidadãos sobre esta medida, o município solicitou uma sondagem à Aximage, tendo concluído que 76,5 por cento dos entrevistados "concordam com a alienação dos terrenos", enquanto 91,1 por cento "consideram importantes as mudanças previstas" no terreno.
Venda deverá mesmo avançar 

No entanto, em Março, foi constituída a plataforma "A Quinta do Braamcamp é de todos", por um grupo de cidadãos que quer impedir a venda do imóvel e a sua transformação em apartamentos, devido aos riscos ambientais que pode comportar.
Segundo Carla Santos, daquela plataforma, a venda do terreno baseia-se no Plano Diretor Municipal de 1994, que "está completamente desatualizado", prevendo a construção de 180 fogos num local que pode estar "debaixo de água daqui a 100 anos".
Contudo, a autarquia já garantiu que o projeto de requalificação "obriga os compradores a cumprirem o que está previsto para toda a zona".
"Dos 21 hectares de terrenos, 95 por cento serão ocupados por zonas desportivas e espaços verdes, com a edificação de um campo de futebol, zonas de lazer e de desporto náutico. Os restantes cinco por cento serão destinados à construção de habitação", avançou.
Na visão do município, os resultados do estudo vêm comprovar que os inquiridos "acreditam que o projeto é uma mais-valia para o Barreiro e para quem mora no concelho".
"Este é um projeto de extrema importância para a cidade. Aquilo que vier a crescer neste espaço influenciará o futuro coletivo de todos. Aproveitar esta oportunidade, onde temos investidores interessados e exigir condições que possibilitem salvaguardar o interesse dos barreirenses é o objetivo que permitirá devolver, com qualidade, este espaço à população", mencionou o vereador do Planeamento e Gestão Territorial, Rui Braga, no comunicado.
A Quinta do Braamcamp foi fundada por uma família holandesa, com o mesmo nome e tem grande diversidade de flora, o maior moinho de maré do concelho e vestígios de dois palacetes, assim como da antiga fábrica da Sociedade Nacional de Cortiça.

Agência de Notícias com Lusa  
[ + ]

Trabalhadores da limpeza de Almada em greve

Funcionários municipais protestam contra novos horários

Os trabalhadores da limpeza da Câmara de Almada iniciaram uma greve contra os novos horários implementados, uma paralisação que se estende até sexta-feira e poderá ter impactos na limpeza urbana do concelho. A paralisação iniciou-se na quarta-feira, no turno das 22h30 às 5h30, e prolonga-se até sexta-feira, incluindo também piquetes de greve nos locais de trabalho, em frente aos estaleiros municipais de Vale Figueira Parque, na Sobreda, e em cinco secções de varredura espalhadas pelo concelho. Devido à "quantidade de imposições e atropelos", os funcionários da limpeza já equacionam novas paralisações, apesar de manterem a esperança de que "o executivo pondere o que está a fazer".
Trabalhadores não aceitam novos horários 

Segundo Pedro Rebelo, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional (STAL), a greve deve-se ao grande descontentamento pela "imposição" de novos turnos, que entraram em vigor na terça-feira.
No inverno os funcionários da limpeza urbana, responsáveis pela varredura e corte de ervas, trabalham das oito às 16 horas e, no verão, das sete às 13 horas em regime de jornada contínua, mas o executivo, liderado por Inês de Medeiros (PS), acrescentou mais um turno das 12h30 às 18h30.
Já os trabalhadores da recolha urbana trabalham em dois turnos rotativos, das sete às 14 horas e das 22h30 às 5h30, mas a autarquia adicionou outro horário das 14 às 21 horas.
Para o sindicalista, a decisão do município é "ilegal", uma vez que está a aplicar a adaptabilidade horária (efetuada apenas em caso de necessidade), uma medida que "só é possível implementar mediante um acordo coletivo e não há nenhum acordo coletivo estabelecido com o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional".
Os funcionários já equacionam novas paralisações se a situação se mantiver e defendem o "reforço de meios técnicos e humanos", em vez da "imposição" de novos turnos, que condicionam a vida de cerca de 400 funcionários.
O tribunal arbitral decretou serviços mínimos para esta paralisação, ou seja, "20 por cento do número total de efetivos", o que a autarquia justificou com o facto de ser uma altura quase de verão e de abranger o feriado municipal de Lisboa, prevendo-se uma "grande afluência às praias, a Cacilhas, ao Cristo Rei e à zona velha da cidade".
Nessa ocasião, o STAL considerou que foram decretados "serviços máximos" em vez de mínimos, visto que normalmente funcionam seis ou sete camiões de limpeza e, durante o período da greve, vão circular "quatro veículos por turno".

Agência de Notícias com Lusa  
[ + ]

Santo António da Charneca está em festa

Rosinha e Cathy atuam no regresso das festas em honra de Santo António 

A Junta de Freguesia de Santo António da Charneca, no Barreiro, organiza as Festas Populares, entre 12 e 16 de Junho com muita música, bailes, artesanato, divertimentos, a feira franca e a tradicional Procissão em honra do Padroeiro Santo António.  A saída da Charanga Uga do Rosário pelas ruas, a partir das 20h30, anuncia o arranque das Festas Populares de Santo António da Charneca, um “sonho” que se prolonga até ao próximo domingo, 16 de Junho. Rosinha, Cathy, marchas populares e balaricos animam as gentes da freguesia neste regresso das festas. 
Cathy encerra as festas no domingo 


O evento arrancou ao principio desta noite e, de acordo com a organização, a festa pretende desta forma, "superar as melhores expetativas", mesmo "daqueles que não acreditavam na possibilidade", lembra a presidente da Junta de Freguesia de Santo António da Charneca, Isabel Ferreira, na saudação publicada no programa das festas da localidade do concelho do Barreiro.
No texto dirigido aos santoantonienses, a autarca fala em “sentimento de dever cumprido” e diz-se orgulhosa e satisfeita “por ter contribuído para que um sonho quase impossível” se tornasse “realidade”, pela “força, perseverança e empenho dos autarcas e trabalhadores da junta de freguesia”.
E a "realidade" começou com a atuação do Grupo das Cantadeiras do Centro Sócio Cultural do Bairro da Liberdade. Logo depois, a rainha da música popular,  Rosinha, espalha as suas canções para o povo de Santo António da Charneca e a noite acaba com um baile com Hélder Pereira.
Amanhã, a noite ficará marcada por animação de rua a partir das 21 horas e, uma hora mais tarde, pelo espectáculo com a Banda Fora de Série.
Um baile a cargo do artista Tó-Zé abre e fecha a programação de sexta-feira, as 21 horas. De permeio, haverá um espectáculo de tributo à banda Queen com a Escola de Música do Penalvense.
No sábado, a tarde será preenchida com um desfile de moda infantil, as cinco da tarde, e com uma aula aberta de zumba, ao final da tarde. À noite desfilam as Marchas Populares do Bairro da Liberdade, 21 horas, seguindo-se animação de hip hop e baile com Francisco Cabrita.
Para domingo, último dia dos festejos, está agendada Missa Campal (16h30) e Procissão em Honra de Santo António (17h30). Um baile a cargo de Pedro Jorge e o espectáculo musical com a artista Cathy encerram as celebrações das gentes de Santo António da Charneca.
Consulte aqui o programa oficial das festas deste ano.

Agência de Notícias




[ + ]

12ª Feira Medieval de Alhos Vedros começa hoje

Alhos Vedros regressa quatro dias ao reinado de D. Fernando

A partir de hoje, a vila de Alhos Vedros (Parque das Salinas e zona envolvente) regressa ao passado, à época dos réis e princesas, à época dos duelos e da burguesia, do clero e do povo que vinha vender e comprar às grandes feiras das vilas com foral. A 12ª edição da Feira é dedicada ao Rei D. Fernando. A Feira Medieval de Alhos Vedros distingue-se pela diversidade do seu programa, com destaque para os torneios e os desfiles. A Feira Medieval, que ano após ano atrai cada vez mais visitantes, apresenta um programa vasto e diversificado com combates e torneios, animação circense, música, danças palacianas e danças orientais, aves de rapina e cobras, tasquinhas, artesanato nacional, desfiles, jogos medievais, cães, música, teatro de marionetas e muito convívio nos palcos e nas tabernas. A animação histórica só acaba domingo e merece a sua visita.
Alhos Vedros recua ao tempo de D. Fernando 

Entre sexta e segunda-feira, a Feira Medieval volta a transformar a vila de Alhos Vedros, este ano, com o tema o curto reinado de D. Fernando que ficou para a história apelidado de "o Formoso", "o Belo" e "o Inconstante".
Milhares de visitantes são, uma vez mais, esperados nesta edição da Feira Medieval que irá decorrer entre o Largo da Igreja, o Largo da Festa, o Parque das Salinas, o Largo da Misericórdia e a Rua 5 de Outubro, no centro da vila de Alhos Vedros.
A Feira Medieval de Alhos Vedros distingue-se pela diversidade do seu programa, com destaque para os torneios e os desfiles e voltas ao burgo. De realçar ainda as animações e os espetáculos de rua, a animação musical, os acampamentos e a participação de centenas de expositores.
Pelo burgo da vila antiga haverá cantigas de bem e mal dizer, tambores e comidas de outros tempos. Moedas antigas, lutas e glórias dos cavaleiros de aquém mar. Feiras, mulheres que adivinham o futuro e todas as personagens – reais e imaginárias – que marcaram o reinado do Rei D. Fernando.
As histórias cruzam-se com os mitos e pelas ruas da vila de Alhos Vedros, haverá tanta história real para se reescrever. De acordo com a Alius Vetus – Associação Cultural Histórica e Património – que organiza desde sempre a Feira Medieval da vila, são esperadas “milhares de pessoas, atraídas pelo exotismo da recriação de uma feira medieval”.
E com tanta gente vinda do futuro que se mistura com outras gentes do passado, com mistura de feirantes antigos e compradores da era moderna, o climas é de festa, comer à bruta, bailar madrugada fora e festejar à grande.
O programa de animação inclui combates e torneios, animação circense, música, danças palacianas e danças orientais, aves de rapina e cobras, tasquinhas, artesanato nacional e oriental, desfiles e muito convívio.
Em simultâneo com a Feira Medieval, decorrerá a 9ª Mostra de Artesanato Local, destinada aos artistas da terra.
A Feira Medieval de Alhos Vedros é promovida pela Alius Vetus – Associação Cultural História e Património, com o apoio da Câmara da Moita, Junta de Freguesia de Alhos Vedros, Santa Casa da Misericórdia de Alhos Vedros, CERCIMB, Agrupamento de Escolas José Afonso, Agrupamento 688 do Corpo Nacional de Escutas, GNR, Comércio e Indústria Local.
A entrada é gratuita.

Agência de Notícias
[ + ]

Seixal junta fado com arte de rua este fim de semana

Da“Baía do Seixal à mesa com o Fado” até "à Babuja" 

Os fãs de fado e gastronomia devem reservar os dias 8 e 9 de Junho para uma viagem com destino ao Seixal. A Câmara Municipal e a Associação do Comércio, Indústria, Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal estão a organizar um fim-de-semana inteiramente dedicado a estes dois pilares da cultura portuguesa. Na primeira edição do Fado Food Fest, haverá concertos de nomes como Cuca Roseta e Gisela João, animação de rua, fogo-de-artifício e propostas de restauração para matar a fome entre actividades: produtores e restaurantes vão preparar receitas e petiscos tradicionais para acompanhar com vinho da região. “Baía do Seixal à mesa com o Fado” é o mote do evento. Ao mesmo tempo, a 7, 8 e 9 de Junho, o À Babuja – Festival de Street Art do Seixal está de volta para dar nova vida e cor a alguns edifícios e espaços públicos do núcleo urbano antigo do Seixal. 
Gisela João marca presença na Baía do Seixal 

O festival posiciona-se também como um evento amigo do ambiente: na zona de restauração, onde vão estar restaurantes como 100 Segredos ou O Cristino, não haverá descartáveis de plástico. Os copos serão todos reutilizáveis (com devolução da tara) e os pratos, tigelas e talheres biodegradáveis (produzidos a partir de cana do açúcar ou amido de milho).
"É um festival único, que junta vários aspectos do melhor da nossa cultura, como o fado e a gastronomia. O concelho do Seixal é cada vez mais um destino que apresenta propostas culturais de grande qualidade, como são o SeixalJazz ou o recente Festival do Maio. Queremos prosseguir o caminho de promoção cultural de elevada qualidade na nossa região e no nosso País", diz Joaquim Santos, presidente da Câmara do Seixal.
“Baía do Seixal à mesa com o Fado” é o tema de um ambicioso programa de festas que inclui animação de rua, gastronomia, fogo de artifício e concertos, com alguns dos mais prestigiados fadistas da nova geração. No dia 8 de Junho, sobem ao Palco Principal Cuca Roseta, Ana Laíns e Hélder Moutinho, enquanto os M-Pex actuarão no Palco Secundário.
No dia 9 de Junho serão cabeças de cartaz Gisela João, Stereossauro e Diamantina Rodrigues, actuando os Bela Ensemble no Palco Secundário.
Mas não só de música se faz este festival: fora de palco haverá também várias animações e surpresas e ainda o melhor da gastronomia regional. Produtores e restaurantes presentearão o público com tradicionais receitas e petiscos, sem esquecer a presença dos melhores vinhos da região, a serem degustados ao som das guitarras portuguesas.

Festival de Street Art do Seixal começa hoje
Até domingo, o À Babuja – Festival de Street Art do Seixal está de volta para dar nova vida e cor a alguns edifícios e espaços públicos do núcleo urbano antigo do Seixal.
O festival promove grandes intervenções em edifícios e espaços públicos, levadas a cabo por artistas convidados, que são nomes conhecidos da arte urbana.
Este ano, as grandes intervenções vão ser realizadas no mural do Mercado Municipal do Seixal (intervenção feita em colaboração com Eduardo Palaio, autor do mural atual), numa fachada na Praça 1.º de Maio e no posto de transformação de energia localizado no parque dos bombeiros.
Mosaik e Mar (mural do mercado), Draw & Contra (Praça 1.º de Maio) e Trafic (posto de transformação) são os writers que vão fazer das paredes a sua tela.
Como na primeira edição, os jovens artistas e estudantes das escolas do concelho são também protagonistas do festival. São eles que vão dar vida a uma galeria em construção ao ar livre, no jardim do Seixal, ao intervir em estruturas/cubos que ali serão colocadas.
Os três dias do À Babuja serão ainda preenchidos por música ao vivo, dança, workshops e muita animação.
"À babuja" é uma expressão popular que significa estar perto de algo e muito utilizada pela população do Seixal, nomeadamente pelos pescadores.

[ + ]

Um mês de festa em Almada com concertos grátis

Música, teatro, stand up e marchas populares no cartaz da grande festa do concelho 

Durante todo o mês de Junho, a cidade de Almada está em festa. São dezenas de eventos, a maior parte deles gratuitos: vai haver concertos – Salvador Sobral, Camané, Ana Malhoa, Djodje, Cuca Roseta e José Cid –  mas também peças de teatro, espetáculos de stand-up comedy, sessões de cinema e arraiais. A iniciativa acontece nas ruas das cinco freguesias do concelho. Um dos maiores destaques está marcado para esta sexta-feira, quando pode assistir a “Todas as Coisas Maravilhosas”, o monólogo de Ivo Canelas de que toda a gente anda a falar e que vai ser apresentado no Mercado das Torcatas. No dia 9, apareça na Academia Almadense. Salvador Sobral vai mostrar os temas do novo álbum, “Paris, Lisboa”. As tradicionais marchas populares, os arraiais populares e as animações de rua, entre muitas outras iniciativas, trazem outro colorido à cidade e ao concelho. 
Marchas populares são tradição em Almada 

Pelas onze freguesias do Concelho de Almada estão ainda previstos muitos arraiais e bailes, organizados pelas colectividades e clubes desportivos.Mas há muito mais para ouvir. Os palcos vão distribuir-se por vários espaços do concelho e os concertos são de entrada livre. Com excepção de um, o de Salvador Sobral, este domingo, na Academia Almadense. Ouvir e estar com o único músico português que ganhou a Eurovisão, custa 10 euros.
A 14 de Junho é a vez de Camané que dá um concerto mais intimista no Mercado das Torcatas e no dia seguinte o Campo de Jogos do Vale Cavala, na Charneca de Caparica, vai vibrar com o tropical urbano de Ana Malhoa que lançou recentemente o álbum Futura.
Nos últimos dias do mês, Almada recebe mais duas estrelas da música nacional: Cuca Roseta vai canta Luz no Passeio Ribeirinho da Trafaria e José Cid fecha o cartaz musical a 30 de Junho na Avenida 1º de Maio, Costa da Caparica.
Nem só de música vive o programa das Festas de Almada e pelo meio há espaço para outras artes de palco. A 7 de Junho Ivo Canelas vai ao Mercado das Torcatas com Todas as Coisas Maravilhosas, um espectáculo que cruza teatro imersivo com storytelling, e no mesmo espaço o comediante Diogo Batáguas diz Quero Lá Saber a 28 de Junho.
O cinema ao ar livre vai acontecer no Estacionamento Centro Sul, na Cova da Piedade.

Consulte o programa completo das festas de Almada deste ano.

Agência de Notícias 
[ + ]

Festa da Quinta do Conde arranca nesta sexta-feira

Toy, Sons do Minho, Nuno Norte e um festival de folclore animam a localidade até 16 de Junho 

A 29.ª edição da Feira Festa da Quinta do Conde, que decorre de 7 a 16 de Junho, no recinto habitual, na Rua Sacadura Cabral, junto ao Centro de Inovação e Participação Associativa, aposta num cartaz que privilegia a música popular portuguesa e a participação do movimento associativo local. O principal cabeça de cartaz é o cantor Toy, mas há ainda Nuno Norte, Sons do Minho, um Festival de Folclore, com a presença de grupos de várias regiões do país, uma noite dedicada aos anos 80 e 90, pela banda Remember Me, e uma noite de dança, entre outros espetáculos. As habituais tasquinhas, os carrosséis e um espaço da Câmara de Sesimbra, com promoção da marca Sesimbra e Yes Sesimbra, são outros atrativos da festa, que encerra em grande no dia 16, domingo, às 24 horas, com fogo-de-artifício.
Feira Festa está de volta a Quinta do Conde 

Um significativo leque de agrupamentos da freguesia emoldurados por um amplo conjunto de artistas conhecidos do panorama musical português, constituem o programa de espectáculos previstos para a 29º edição da Feira Festa, que decorrerá na Quinta do Conde entre 7 e 16 de Junho.
Contemplando quase todos os géneros musicais, com particular destaque para a denominada canção ligeira, pop, rock, folclore e a música popular, a programação do evento, "constitui uma aposta na promoção e divulgação da apelidada 'prata da casa', quer por motivos financeiros quer, pela necessidade de mostrar a quem visite o certame, a qualidade dos agentes culturais da localidade e a seriedade com que desenvolvem o seu trabalho", diz a organização do evento.
O programa inclui nomes como o de Toy, Nuno Norte, vencedor da 1ª edição do Concurso Ídolos, Eduardo Santana e João Miguel, mas também bandas como Akunamatata, XPTO e Oitentamente, assim como uma expressiva representação da música popular de que são exemplo os agrupamentos Sons do Minho, Ventos Alentejanos, ou o Grupo Musical Ecos, entre outros.
A par destas propostas, o leque de espectáculos consagra ainda um espaço de afirmação do folclore e da etnografia, expresso na realização do 2º Festival da localidade, no qual actuarão os ranchos do Clube das Arroteias (Alhos Vedros), Etnográfico “Os Camponeses de Arraiolos”, o Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra e os seus congéneres Flores de Serpins (Lousã), assim como o Grupo Coral a Voz do Alentejo (Quinta do Conde).
"O programa de animação é equilibrado, razoável, e está dentro das possibilidades financeiras da Comissão Organizadora", sublinhou Vítor Antunes, presidente da Junta de Freguesia da Quinta do Conde, na apresentação do cartaz do certame, frisando que "atrai milhares de visitantes todos os anos".
O equilíbrio entre a qualidade da festa e a gestão financeira foi destacado por Afonso Esteves, da Comissão Organizadora da Feira Festa.
"Ao longo das várias edições tentámos apresentar sempre um leque de espetáculos dentro do orçamento disponível, porque a nossa principal preocupação é chegar ao fim sem saldo negativo, como aliás acontece desde a criação da Comissão, há 12 anos", referiu o autarca. 

Festa pode mudar de local para o ano 
Na apresentação do evento Afonso Esteves e Zeferino Dias, da Comissão Organizadora, agradeceram o apoio da Câmara de Sesimbra, da Junta de Freguesia da Quinta do Conde e do comércio local, cujos apoios têm sido fundamentais para o sucesso e longevidade de um evento que já é uma referência na região.
Com um orçamento global de 90 mil euros, provenientes do patrocínio da Câmara de Sesimbra, a qual assume ainda o apoio logístico, mas arrecada a receita dos espaços de divertimento e carrosséis; da Junta de Freguesia da Quinta do Conde e das receitas com o aluguer dos stands comerciais, a realização da referida festividade, segundo o dirigente associativo “ é assim, um exercício de grande equilíbrio, que exclui qualquer tipo de veleidades que coloquem em causa a dignidade de quem a ela se associa”.
Questionado sobre a futura localização da citada feira festa, Afonso Esteves afirmou desconhecer oficialmente para que local a autarquia tenciona transferir o evento.
Em todo o caso, adiantou Vítor Antunes, “a Junta admite que haverá concerteza na Quinta do Conde, espaços que possam acolher a este acontecimento, remetendo-o para uma zona com menos densidade populacional sem que isso afecte a sua identidade”.  

Programa
Horário
das 20 às 24h (dias úteis)
das 20 à 1h (vésperas de feriados e fins de semana)

dia 7 | sex
21h | Grupo Musical Ecos
21.30h | Nuno Norte
23h | Eduardo Sant'Ana

dia 8 | sáb
21h | Noite de Folclore

dia 9 | dom
21h | Grupo Musical Renascer
21.30h | Akunamatata
23h | XPTO

dia 10 | seg
21h | Grupo Municipal Quinta Condense
21.30h | Oitentamente
23h | Boca Doce

dia 11 | ter
21h | Grupo de Cantares Populares do Castelo de Sesimbra
21.30h | Rita Santos
23h | Toy

dia 12 | qua
21h | Grupo Musical 3 Gerações
21.30h | João Miguel
23h | Marcus

dia 13 | qui
21h | Grupo de Cavaquinhos
21.30h | Sons do Minho
23h | Ventos Alentejanos

dia 14 | sex
21h | Noite de Dança

dia 15 | sáb
21h | Tuna da Universidade Sénior O Sonho Não Tem Idade
21.30h | Os Red
23h | Remember Me

dia 16 | dom
21h | Banda SKB
24h | Fogo-de-artifício

Agência de Notícias

[ + ]

Festas do Pinhal Novo arrancam esta quinta-feira

A grande festa do povo está na rua até 11 de Junho 

Estão a chegar as grandes Festas Populares de Pinhal Novo - estão marcadas para entre 6 e 11 de Junho - no coração da vila, com um programa que aposta, uma vez mais, na valorização da identidade e cultura locais, intimamente ligadas às tradições caramelas e ferroviárias. Diabo na Cruz, Augusto Canário, Adriana Lua, Sangre Ibérico e Virgul são alguns dos principais nomes, entre as muitas propostas de animação musical previstas para o Palco Principal, na Praça na Independência. A Sopa Caramela terá, como habitualmente, lugar de destaque. Momento privilegiado de promoção do dinamismo e das potencialidades económicas da freguesia, as Festas contam, ainda, com o piquenique no jardim em homenagem a um dos fundadores das Festas [João Henrique], um passeio de pasteleiras, o desfile de vários grupos de folclore da freguesia e do país, bailaricos, procissão no domingo, a atuação diária dos Baila Ca Carroça que este ano comemoram 10 anos, sevilhanas e um vasto programa desportivo, cultural e associativo.
Festas Populares começam a 6 de Junho 


Está quase tudo pronto para a festa. As ruas e avenidas, pátios e tascas, a comunitária mesa de petiscos e animação é, a partir desta quinta-feira,  6 de Junho, a casa de todos os pinhalnovenses e de milhares de visitantes. Basta, como escreveu um poeta, “que um amigo traga consigo outro amigo mais a alegria”. Arraial, comezainas, petiscos tradicionais, muita sopa caramela [a rainha da festa há 23 anos], artesanato, festa brava e religiosa, música para os ouvidos e para dançar, folclore e bailes com ou sem sardinhas, desporto e animação noites dentro voltam a reunir uma comunidade nem sempre vizinha todo o ano.
Nas ruas de Pinhal Novo já se respira e sente a festa grande. Os expositores estão montados, o arraial está pronto, os palcos,  para receber os espectáculos, estão a ser montados. Até terça-feira, 11 de Junho, o Pinhal Novo vai esquecer os problemas do país e do mundo. É tempo de Festa Grande e de festa rija. É tempo das sopas caramelas, dos chouriços assados, da vinhaça da boa, de reencontros com amigos e dos bailaricos dos Baila Ca Carroça. Ou como diz Manuel Lagarto, presidente da Junta de Freguesia, “não é em vão que as Festas do Pinhal Novo, são a cada ano que passa, e cada vez mais, Festas Populares. É assim porque são feitas por pinhalnovenses, a pensar nos pinhalnovenses e para os pinhalnovenses". E é assim desde o início das festas que nasceram em 1997 da vontade "férrea" de José Calado e José Carreira Agostinho [presidente da junta de freguesia na altura].
Ao longo deste tempo as Festas Populares de Pinhal Novo cresceram, destacando-se como sendo o evento mais aguardado do ano pela população da freguesia. À imagem dos anos anteriores, as Festas têm um tema. As deste ano recorda, com nostalgia, os azulejos da Estação Velha e da fonte da vila, no jardim José Maria dos Santos.  
"Um elemento que nos transporta para outros tempos, que representa uma memória do mundo rural, que fazem parte da história desta terra", dizia na apresentação das Festas, Herlander Vinagre, presidente da Associação que organiza as Festas Populares de Pinhal Novo. 

Diabo na Cruz, Augusto Canário, Adriana Lua, Sangre Ibérico e Virgul 
Os Diabo na Cruz [mesmo sem a voz principal, já que a banda vai acabar no final do verão] abrem as Festas e Virgul fecha a festa maior da freguesia, na noite de 11 de Junho. Pelo meio ainda é possível escutar Augusto Canário [7 de Junho], a brasileira Adriana Lua [9 de Junho] e Sangre Ibérico [10 de Junho] na noite da PopularFM que este ano opta por apresentar um concerto único.
Pelas seis noite das Festas, muitos artistas vão passar pelo Pátio Caramelo, pelo Palco do Associativismo e pelo Palco da Gastronomia.
Good  Fellas, Roadies, Só Mamonas, Deserto, Chá do Chile, Brasil Dub, Red Lizzard, Shivers [de regresso ao palco das festas], PTA, Rad,  Sunkillers e The Bateleurs são apostas, de grande qualidade, deste ano no palco mais jovem da festa; no Pátio Caramelo, que terá concertos diários sempre às 21 e 23 horas. Depois há dj´s madrugada dentro.
Pela zona da Gastronomia [no parque de estacionamento da estação] passam este ano a Orquestra 6 Latinos, Xumbo Torto, Vice-Versa, Nani Nadais e os Bizarros, Massacotes e Pôpo e Banda.
No palco do Associativismo, [junto ao coreto] no Jardim José Maria dos Santos, há este ano muita animação. O grande destaque é a comemoração do 10º aniversário dos Baila Ca Carroça, na sexta-feira, 7 de Junho. Por lá também passa a banda da SFUA, Luís Portela e suas bailarinas, encontro de Grupos Corais, fado vadio e uma noite de sevilhanas "Sempre a Bailar".
As festas populares “têm vindo a crescer em número de visitantes, expositores e espaços”, diz a Associação das Festas Populares.
A grande novidade do programa deste ano é mesmo o desfile - na noite de sábado,  8 de Junho - de folclore regional e nacional. Pela avenida desfilam os ranchos folclóricos da freguesia: Casa do Povo do Pinhal Novo, Rurais da Lagoa da Palha e Arredores, Danças e Cantares de Olhos de Água e Rancho da Herdade de Rio Frio e grupos folclóricos convidados da Barra Cheia, Riachos do Ribatejo, Cantares do Minho, Vale Paraíso da Azambuja e os Amigos de Monte Negro do Algarve. A noite de folclore acaba com a atuação de todos os ranchos no Palco Principal.
A grande novidade deste ano é a passagem dos standes do  movimento associativo local para o Jardim José Maria dos Santos. A gastronomia vai continuar no parque de estacionamento da Estação nova e o palco principal na Praça da Independência

Festas das tradições caramelas 
As tradições continuam bem vivas nas festas 
De resto, há toiros à solta nas largadas todos os dias. Há marchas populares, farturas, algodão doce, coiratos com pelo, febra na brasa, oportunidades de negócio, bifanas no pão, artesanato, feira franca, desporto, danças,  marchas populares, piquenique no jardim em homenagem a um dos fundadores das Festas [João Henrique], um passeio de pasteleiras, muitos sabores para provar nas tasquinhas gastronómicas, carrosséis, dj´s a terminar as noites no Pátio Caramelo, foguetes às oito da manhã, bailaricos de final de noite, tardes de fitness, torneio de malha e xadrez no jardim, folclore, procissão no domingo em honra de São José, muito moscatel a correr, imperial a sair, risos, encontros à beira de uma mesa de sopa caramela, livros na Feira do Livro. Depois há os filhos da festa, os Baila Ca Carroça, que prometem dançar todos os dias em redor de uma carroça e animar os milhares de visitantes que enchem as ruas da capital "do povo caramelo". A Charanga da SFUA também por lá andará a espalhar alegria e pezinhos de dança.  As Festas encerram com um espectáculo de pirotecnia que a organização promete ser "surpreendente".
O maior desejo dos comerciantes, é que o negócio corra melhor do que nos anos anteriores. E que, sobretudo, "não chova tanto como no ano passado".

Autarcas orgulhosos nas "suas" Festas
Para Manuel Lagarto, presidente da Junta de Freguesia de Pinhal Novo "a cada ano que passa, as festas parecem mais novas. Elas são, em muitos aspetos, a imagem de Pinhal Novo. A imagem de uma freguesia jovem que se quer moderna, dinâmica e boa anfitriã". Manuel Lagarto, explicou ainda que as "festas do Pinhal Novo são populares, porque são feitas pelo povo e nestes 22 anos continuam a inovar e a despertar o interesse da população e dos visitantes".
O autarca acredita que esta edição vai ser melhor que a do ano passado. "Espero uma grande edição das Festas Populares esta certeza é quase uma tradição a cada edição a festa tende a ser melhor que a do ano anterior”, salienta o autarca que garante o "apoio de sete mil euros, largamente ultrapassado no apoio logístico".
Considerado o maior evento da freguesia, as festas populares fazem a população vibrar nestes primeiros dias de Junho. Álvaro Amaro conta que "estas são festas do povo, uma festa de um lugar rural e cosmopolita. Dos pinhalnovenses e dos visitantes".
Para o autarca "Pinhal Novo é uma terra feliz não só pelo desenvolvimento económico e sustentável, mas sem pôr em causa as suas tradições caramelas e ferroviárias". Álvaro Amaro considerou "o programa eclético numa festa de fraternidade inclusiva e intercultural e a autarquia identifica-se com esta linha de trabalho porque fazemos parte e estamos na festa".
As Festas - como carinhosamente são conhecidas - são uma "referência da região e que contribui para fortalecer a auto-estima das gentes de Pinhal Novo na sua forma de fazer, de estar e de vincar a sua identidade. É uma montra desta terra da vitalidade do associativismo, dos agentes económicos, é um espaço onde todos querem estar", disse Álvaro Amaro. "As festas vão continuar a fazer história no futuro", concluiu o presidente da Câmara de Palmela.
As Festas Populares de Pinhal Novo envolvem um orçamento de 275 mil euros, com um apoio monetário da Câmara de 14 mil euros, sendo o apoio logístico superior a 38 mil euros, segundo contas da autarquia.

Consulte AQUI o programa das Festas Populares de Pinhal Novo


[ + ]

Seixal vai adquirir imóveis para realojar familias

Autarquia avança para a compra de 74 casas para residentes do Bairro da Jamaica 

A Câmara do Seixal anunciou, esta quarta-feira, que foi aprovado o procedimento para a aquisição de 74 imóveis, destinados a realojar agregados familiares residentes em Vale de Chícharos. Segundo explica a autarquia em comunicado, os imóveis destinam-se a moradores residentes nos lotes 13, 14 e 15 do loteamento de Vale de Chícharos, conhecido como bairro da Jamaica, a atribuir em regime de arrendamento apoiado. "Todas as imobiliárias e proprietários serão convidados a apresentar imóveis para aquisição pelo município, tendo em conta um conjunto de características predefinidas", refere a autarquia, liderada por Joaquim Santos. Até 2022, a autarquia pretende realojar as 234 famílias recenseadas.
Moradores vão ter casa nova 

A Câmara do Seixal vai comprar 74 imóveis a privados com o intuito de realojar os agregados familiares residentes nos lotes 13, 14 e 15 do bairro da Jamaica. Os residentes vão ser realojados em casas espalhadas pelo concelho - ao invés de serem realojados em casas próximas entre si - a pedido dos próprios.
Uma representante dos moradores, Vanusa Coxi, explicou em entrevista à TSF que as famílias do bairro pediram para serem distribuídas pelo concelho do Seixal, ao invés de continuarem a viver como bairro num outro local.
"Achamos que é o melhor tendo em conta o que ocorre no bairro. Há algumas desavenças e tendo em conta a forma como o próprio bairro acaba por ser cuidado pela população, achou-se conveniente existir o respetivo alojamento sendo as pessoas separadas, embora não longe umas das outras. Sabe-se de antemão que acaba por dar jeito, às vezes as pessoas têm de sair de madrugada e têm de deixar as crianças com um vizinho ao outro", reforçando que esse realojamento deve ser feito de modo a que os moradores não fiquem demasiado longe uns dos outros.
A autarquia já fez, no entanto, saber a todas as imobiliárias e proprietário a quem pretende adquirir imóveis que os mesmos têm de ter um conjunto de características pré-definidas.
Até 2022, a autarquia pretende realojar as 234 famílias recenseadas. "A primeira fase de realojamento dos moradores do lote 10 teve lugar em Dezembro de 2018, com a atribuição de 64 novas casas que acolheram os 187 moradores do referido lote", conclui a autarquia.

Agência de Notícias com Lusa  
[ + ]

Voluntários limparam praia de Galapos, em Setúbal

Cerca de uma centena de pessoas recolheu 180 quilos de lixo da praia 

Uma centena de voluntários recolheu esta quarta-feira quase 180 quilogramas de lixo numa ação de limpeza na praia de Galapos, na Arrábida, em Setúbal, organizada pela Liga para a Proteção da Natureza, para assinalar o Dia Mundial do Ambiente. A ação procurou sensibilizar os participantes para a importância de conservar as praias. Segundo Ana Sofia Ribeiro, da Liga para a Proteção da Natureza, os diversos grupos de voluntários que participaram na iniciativa recolheram sete kg de embalagens de plástico (PET), 13 kg de outros plásticos, seis kg de papel, 51 kg de vidro e 102 kg de lixo indiferenciado. “O resultado final é bastante positivo. Houve um grande entusiasmo dos participantes e foram recolhidos bastantes resíduos”, disse Ana Sofia Ribeiro, que coordenou o trabalho dos voluntários na ação de limpeza da praia de Galapos, no âmbito do projeto Mares Circulares, da Coca-Cola.
180 quilos de lixo fora da praia de Galapos 

“A nossa preocupação não é apenas a recolha de resíduos mas também a sensibilização das pessoas. E, daquilo que me apercebi, todos os participantes ficaram sensibilizados para a questão dos resíduos na praia e para as práticas da vida diária. Algumas pessoas foram apanhadas desprevenidas, mas saíram daqui mais conscientes para esta causa ambiental”, acrescentou Ana Sofia Ribeiro, que sublinhou também a importância de se explicar às pessoas como é que chega tanto lixo às praias, para que adotem novos comportamentos.
De saco plástico preto na mão, para a recolha de lixo indiferenciado, Hélder Ramos, um dos participantes da iniciativa, ficou surpreendido com a quantidade de lixo recolhida, e devidamente separada – papel, vidro, plástico e indiferenciado – em pouco mais de uma hora, na praia de Galapos, junto à serra da Arrábida.
“O grande objetivo da iniciativa da nossa empresa (Coca-Cola), Mares Circulares, é ajudar-nos a reabilitar as nossas praias, que têm vindo a sofrer alguma degradação devido ao consumo que as pessoas fazem e ao lixo que se gera a partir desse consumo”, disse Hélder Ramos, surpreendido com a quantidade de lixo recolhido em tão pouco tempo – pouco mais de uma hora – na praia de Galapos.
“Apanhámos um bocadinho de tudo. Apanhámos muito vidro, pequenos pedacinhos, plástico, principalmente na parte da mata. Fomos apanhando também muito lixo indiferenciado, muitas beatas de cigarros”, corroborou Bárbara Castro, que também se voluntariou para a ação de limpeza na praia de Galapos.
Maria do Carmo, outra voluntária, não esperava encontrar tanto lixo quando viu o areal, mas percebeu rapidamente que havia muito, principalmente muitos vidros pequeninos, que se tornam perigosos para os utentes da praia. “Quando começámos a pôr as mãos na areia, reparámos que havia muito vidro. Pensávamos que não íamos apanhar muito vidro, mas há muito vidro e muito pequenino, que se torna mais perigoso. E também há muito lixo à volta dos bares, além daquilo que o mar vai empurrando para fora”, disse.
Estreante em ações de limpeza nas praias, Luís Moreira lamentou a fraca consciência ambiental de muitos portugueses. “Ainda há pouca consciência ambiental das pessoas, apesar de estar a crescer. Mas há sempre aquela beata que se apaga na areia. E também há sempre a garrafinha de plástico que também se deixa ficar na praia”, lamentou.
“Ouvimos dizer que há cada vez mais iniciativas de pessoas que fazem running e caminhadas e que, ao mesmo tempo, vão apanhando lixo. Mas eu acho que, antes de sequer apanhar [o lixo], temos de pensar antes de o deitar para o chão, porque mais tarde ou mais cedo, esse lixo volta para nós”, concluiu Luís Moreira.

Agência de Notícias com Lusa 
[ + ]

Almada reforça meios e melhora acessos às praias

Defesa da floresta passa pelas praias da Caparica neste verão

A proteção civil da Câmara de Almada apresentou esta quarta-feira, o plano de defesa da floresta para o verão, tendo como estratégias o reforço de meios e a melhoria dos acessos às praias da Costa de Caparica. "Vamos entrar na época alta e todos nós sabemos o caos que costumam ser aqueles acessos [às praias], onde muitas vezes os meios de proteção civil para chegarem às pessoas e ocorrências tinham que circular pelos carris do Transpraia", frisou a presidente da Câmara de Almada, Inês de Medeiros. A autarca falava após a apresentação da "Operação Floresta Segura, Floresta Verde 2019", na Junta de Freguesia da Charneca de Caparica, em Almada, onde avançou que a Ecalma, a empresa municipal de estacionamento e mobilidade está a criar "um estacionamento mais organizado, vias de circulação e uma via de segurança" nas praias da Costa de Caparica.
Reforços nas praias de olho na floresta 

"A via de segurança vai servir para peões, bicicletas e trotinetas, mas será sobretudo a garantia de que, em caso de algum problema, as forças de segurança a possam usar", explicou.
A implementação deste plano municipal de proteção da floresta revelou-se um sucesso no ano passado, por ter contribuído para "a menor área ardida de sempre e o menor número de ocorrências".
Segundo os dados apresentados pelo Serviço Municipal de Proteção Civil, em 2018 registaram-se 57 ocorrências, tendo ardido apenas 1,86 hectares, em contraste com os piores anos a nível de incêndios neste concelho, entre 1996 e 2000, quando arderam mais de 50 hectares.
Estes resultados levaram Inês de Medeiros a deixar uma mensagem especial à proteção civil que "em dois anos conseguiu fazer o que muitos achavam que era impossível".
Neste sentido, a estratégia é para repetir, tendo começado com a sensibilização da população através de sessões de esclarecimento, colocação de `outdoors` e a informação aos proprietários de terrenos de que devem proceder à remoção dos materiais resultantes de ações de gestão de combustível.
Para a proteção da Paisagem Protegida da Arriba Fóssil da Costa de Caparica e da Mata Nacional dos Medos serão também reforçados os meios disponíveis, tendo levado à criação de uma Equipa de Sapadores Florestais Municipais, que vão efetuar ações de silvicultura preventiva, de sensibilização, vigilância e apoio ao combate a incêndios.
Já as corporações de bombeiros do concelho também serão reforçadas com uma ou duas Equipas de Combate a Incêndios Florestais, entre 1 de Junho a 15 de Outubro, que estará "em pré-posicionamento na Mata Nacional dos Medos, em escala rotativa assegurada pelos três corpos de bombeiros do município", segundo o coordenador da proteção civil municipal, António Godinho.
Durante o verão, aos fins de semana e feriados, serão também implementadas ações de vigilância através do grupo Pantera, com 35 voluntários de várias instituições como escuteiros, estudantes ou até cidadãos a título pessoal.

Agência de Notícias com Lusa  
[ + ]

Selo premeia proteção ambiental em Setúbal

Escolas, empresas, autarquias e coletividades juntas nas boas práticas ambientais

O Selo Verde, certificado de qualidade que estimula e reconhece boas práticas ambientais, foi entregue a 5 de Junho a dezassete entidades do concelho, em cerimónia realizada no Parque do Bonfim, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Ambiente. “Estamos perante um projeto pioneiro na vertente das boas práticas ambientais que podem ser promovidas pelos municípios, introduzindo mudanças concretas na atuação dos mais variados setores e atores presentes no território”, sublinhou a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, que, juntamente com as vereadoras Carla Guerreiro e Eugénia da Silveira, entregou as bandeiras, os diplomas e os dísticos às entidades certificadas.
Setúbal está mais verde e mais amiga do ambiente 

O Selo Verde – Certificado de Qualidade Ambiental do Município de Setúbal, implementado numa parceria com a ENA – Agência de Energia e Ambiente da Arrábida, resulta da adesão da autarquia ao Pacto de Autarcas, compromisso assumido pelos municípios de vários países europeus para a implementação, a nível local, de políticas e medidas que contribuam para a preservação e sustentabilidade do meio ambiente.
A certificação contou com a candidatura de 18 entidades, entre as quais sete empresas, três juntas de freguesia, sete escolas e uma coletividade, que foram alvo, numa primeira fase, de uma avaliação ambiental, a que se seguiu um diagnóstico de necessidades e propostas de melhoria.
As entidades tiveram depois um prazo para a implementação de “uma série de recomendações que lhes permitiu tornar a atividade mais sustentável ao nível da eficiência energética, da utilização das energias renováveis, do consumo de água, da gestão dos seus resíduos ou ao nível da mobilidade e do consumo”.
Desta forma, vinca Maria das Dores Meira, as entidades candidatas “tornam-se laboratórios vivos da mudança em defesa de um desígnio maior, a causa ambiental”, e cumpre-se o objetivo do projeto de promover uma mudança efetiva de práticas e comportamentos.
Cada candidato explorou, dentro do seu ramo de atividade, e com o apoio da equipa técnica do programa, opções diferenciadas para se tornar mais sustentável.
Após a implementação das medidas por parte das entidades, foram elaborados os relatórios finais nos quais é possível concluir, segundo a vereadora do Ambiente, Carla Guerreiro, que houve uma “evolução muito positiva” dos candidatos.
“Na primeira avaliação, apenas cinco entidades estavam em condições de receber o selo verde, mas no final foram concluídos com sucesso 17 processos de certificação entre 18 candidaturas”, revela a autarca.
Os candidatos certificados são a Creche e JI Arco Íris, as escolas básicas do Bairro Afonso Costa e Luísa Todi, a EB JI do Montalvão, a Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal, a Escola Lima de Freitas e a EB dos Pinheirinhos.
Além dos diplomas e da bandeira do Selo Verde, os estabelecimentos de ensino vão receber um apoio até 1500 euros para a implementação de medidas amigas do ambiente, como arranjos de espaços verdes e instalação de sistemas de iluminação de baixo consumo.

Juntas de freguesias aplaudem iniciativa 
Já as empresas recebem um diploma e um dístico para colar na montra do estabelecimento, além de ser assegurada, de forma ampla, a divulgação e promoção da atribuição da certificação em canais comunicacionais da autarquia, nomeadamente em plataformas digitais, materiais promocionais e eventos de caráter turístico e ambiental.
Águas do Sado, Bobcap, restaurante Carnes do Convento, Ótica Pita, Simarsul, VD Máquinas e Vertigem Azul são as empresas certificadas.
No que diz respeito às juntas de freguesia, Sado, São Sebastião e Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra recebem, juntamente com o Selo Verde, um apoio financeiro de até três mil euros.
Para o presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião, Nuno Costa, este é um projeto “de muito valor” que “ajudou a mudar um conjunto de práticas e a forma de estar” da autarquia que vai inaugurar no sábado um edifício para serviços operacionais “totalmente sustentável”.
Já o autarca do Sado, Manuel Véstias, sublinha o contributo do projeto para tornar o planeta mais verde e assegura que a junta a que preside vai “continuar a trabalhar e a envolver os trabalhadores, o executivo e a população na construção de um futuro risonho para todos”.
O presidente da Junta de Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra, José Belchior, garante que a adesão ao Selo Verde tem sido “muito gratificante” e alerta para a importância de se “celebrar todos os dias o Dia Mundial do Ambiente e não apenas uma vez por ano”.
A cerimónia, que contou com um momento musical pelo Grupo de Bombos e Percussão da EB Luísa Todi, incluiu ainda o hastear da bandeira do Selo Verde no auditório do Jardim do Bonfim e o lançamento da 2.ª edição do Guia de Boas Práticas Ambientais, documento de consulta rápida e com linguagem simples, que fornece aos munícipes um conjunto de recomendações úteis de preservação do meio ambiente.
O Jardim do Bonfim foi ainda palco de uma apresentação do jogo gigante das Maletas da Sustentabilidade, projeto desenvolvido pela ENA – Agência de Energia e Ambiente da Arrábida, que desafia os mais novos sobre as 17 “Metas do Planeta”, em formato de perguntas com três possibilidades de resposta.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal 
[ + ]

Obras da vala da Salgueirinha avançam em Pinhal Novo

Obras começam amanhã depois de 40 anos de espera

No próximo dia 6 de Junho,  às seis da tarde, vai fazer-se história em Pinhal Novo. Depois de muitas décadas de lutas, reivindicações,  ideias, projetos, promessas de obra e anos de esquecimento, eis que a empreitada de regularização da Ribeira da Salgueirinha arranca esta quinta-feira. O lançamento da primeira pedra da obra, que vai custar mais de 2,5 milhões de euros, vai contar com as presenças de Álvaro Amaro, presidente da Câmara de Palmela, e de João Ataíde, secretário de Estado do Ambiente. O projeto de intervenção deste troço da Vala da Salgueirinha [como é chamada em Pinhal Novo],  "contribuirá para a melhoria da qualidade de vida da população, para o desenvolvimento socioeconómico local e para a requalificação da paisagem, conciliando as dimensões ambiental, rural e urbana", explica a autarquia. 
Obras  vão começar na Ribeira da Salgueirinha

A obra, orçada em 2,5 milhões de euros, será co-financiada em 85 por cento pelo fundo ambiental, ficando os restantes 15 por cento a cargo do município de Palmela. Foi assim que a autarquia procurou “acelerar uma solução que vinha sendo reivindicada há largos anos pela população e pelas autarquias locais”.
Esta obra abrange uma extensão de cinco quilómetros, "entre a zona de confluência da Ribeira do Alecrim e a Barragem da Brejoeira e pretende prevenir inundações na vila de Pinhal Novo e na respetiva bacia hidrográfica, repor as condições naturais de drenagem pluvial e potenciar a requalificação da paisagem", explica a autarquia. 
Os trabalhos integram a substituição de onze atravessamentos (dois sob a linha de caminho de ferro), a substituição de dois troços cobertos, a regularização do leito e limpeza e desobstrução da ribeira.
A regularização da Ribeira da Salgueirinha "concilia as dimensões ambiental, rural e urbana da freguesia de Pinhal Novo, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população, para o desenvolvimento socioeconómico local e para a requalificação da paisagem", sublinha a Câmara de Palmela. 
O contrato de financiamento do projeto, recorde-se, foi celebrado entre as duas entidades em Março de 2017 e a adjudicação da empreitada foi aprovada em Novembro de 2018, cujo início ficou, então, pendente do visto do Tribunal de Contas, que só agora, no final do passado mês de Maio, chegou.

Uma obra reclamada há 40 anos
Trata-se de um investimento reclamado há vários anos pelos pinhalnovenses e discutido ao longo dos vários mandatos dos executivos de Palmela com os diversos governos que tomaram conta dos destinos do país.
Para trás, em mais de 40 anos de avanços e recuos, ficaram cheiros nauseabundos, desvios de trânsito, estradas submersas, inundações em quintais, campos e até em habitações. 
Durante a assinatura do contrato entre a autarquia e o Fundo Ambiental, Teresa Palaio, diretora do departamento de ambiente e gestão operacional do território da autarquia, lembrou que a empreitada não compreendia a ribeira no seu todo e ao mesmo tempo apontava o objetivo da intervenção e a principal dificuldade existente.
“O principal problema é de cariz hidráulico, com várias situações de atravessamentos, desde a estrada nacional, linhas férreas, caminhos municipais, em que as secções estão completamente sub-dimensionadas”.
O presidente da Câmara de Palmela, sempre afirmou que “depois de definidas as zonas ameaçadas pelas cheias, os pinhalnovenses podem sonhar com um espaço natural e um corredor verde, ao longo da Lagoa da Brejoeira”, disse na altura Álvaro Amaro.
"A criação de um futuro corredor verde, junto à Ribeira da Salgueirinha, transformando-o num espaço natural para benefício da população", será a próxima batalha dos autarcas. 
A cerimónia de lançamento da primeira pedra da obra vai ter lugar amanhã, pelas 18 horas, no início da rua da Cooperativa União Novense, junto ao Parque de Estacionamento Nascente do Mercado Mensal de Pinhal Novo, e contará com as presenças de Álvaro Amaro, presidente da Câmara de Palmela, e de João Ataíde, secretário de Estado do Ambiente.

Agência de Notícias
[ + ]

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010