Dá um Gosto ao ADN

Romaria a Cavalo arranca com festa na Marginal da Moita

Três mil pessoas na maior romaria a cavalo do país 

A Câmara da Moita aprovou, na última reunião do executivo municipal, a proposta de realização da Festa da Romaria, entre 20 e 25 de Abril, na Avenida Marginal, junto à caldeira, uma forma festiva de se fazer as despedidas das centenas de romeiros que vão participar na Romaria a Cavalo Moita-Viana do Alentejo. Os participantes da edição deste ano da romaria a cavalo partem da vila de Moita no dia 25 e está previsto que cheguem a Viana do Alentejo no dia 28, prolongando-se para o dia seguinte o programa da iniciativa. O evento, fruto de uma organização conjunta das câmaras municipais de Moita e de Viana do Alentejo, da Associação de Romeiros da Tradição Moitense e da Associação Equestre de Viana do Alentejo, atrai centenas de romeiros de vários pontos do país, que percorrem, a cavalo ou de charrete, os cerca de 150 quilómetros que separam as duas vilas. Nesta edição do certame são esperados à chegada a Viana do Alentejo mais de mil cavalos e três mil romeiros.
Romaria vai percorrer a antiga Estrada dos Espanhóis 

Esta Festa da Romaria vai contar com gastronomia, artesanato, divertimentos para crianças e animação musical, e irá realizar-se no dia 20 de Abril, entre as 21 e as 24 horas, no dia 21, das 10 à uma da madrugada. No dia 22, das 10 às 24 hora,  no dia 23, das 14 às 24 horas. No dia 24, das 14 à uma da madrugada, e no dia 25 de Abril, das nove às 24 horas.
A Romaria a Cavalo Moita - Viana do Alentejo, que este ano decorre entre 25 e 29 de Abril, foi apresentada à comunicação social e ao público em geral,  na Bolsa de Turismo de Lisboa, no espaço da Entidade Regional de Lisboa e Vale do Tejo e no espaço da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo.
Na ocasião, o presidente da Câmara da Moita, Rui Garcia lançou o desafio para que todos façam “a ligação entre o Tejo e o coração do Alentejo”, passando “pelos caminhos e pela essência do que é este território entre o Tejo e o Alentejo”. 
O presidente, Rui Garcia, afirmou que “a organização pretende que, ano após ano, este evento cresça e que os mais de 600 cavaleiros e cavalos que no ano passado chegaram a Viana do Alentejo, sejam superados, assim como os que vão partir da Moita, no dia 25 de Abril”. “Fica o convite a todos, para que não percam esta experiência, não há outra igual em Portugal”, concluiu o autarca. 
Para o presidente da Câmara de Viana do Alentejo, a Romaria assume-se como “um dos eventos mais importantes para a economia local”. Bernardino Pinto aproveitou a oportunidade para agradecer a “todos aqueles que tornam possível o evento, sem esquecer as centenas de romeiros que, ano após ano, se juntam à Romaria a Cavalo”, fazendo votos para que “ a edição de 2018 seja ainda melhor que a do ano anterior”.
No que toca ao turismo, o evento ganha cada vez mais notoriedade para as duas regiões. A propósito e numa altura e que o turista procura experiências diferenciadoras, Rui Garcia, lançou o desafio “para que façam esta ligação entre o Tejo e o coração do Alentejo a cavalo”, acrescentando que será uma “aventura atravessar mais de 150 quilómetros através dos campos do Alentejo, ligando duas regiões, num cenário inolvidável, pelos caminhos e herdades”.

Partida no dia da Liberdade 
A partida da romaria está marcada para dia 25 de Abril, pelas nove horas, na Moita. Os romeiros partem do Pavilhão Municipal de Exposições, na Moita, rumo à Igreja Paroquial da Moita e, após a bênção da imagem de Nossa Senhora da Boa Viagem, seguem para Viana do Alentejo. Pelo caminho, os romeiros vão pernoitar nas localidades de Poceirão, Casebres, Alcáçovas e junto ao Santuário de Nª Srª. de Aires. A chegada a Viana do Alentejo, um dos pontos altos da romaria, acontece por volta das 17h30, no dia 28 de Abril.
Em Viana do Alentejo, de acordo com o município, vai haver animação de rua, cerimónias religiosas e a Tenda Tradições, junto ao Santuário de Nossa Senhora d'Aires, com um programa cultural que assenta nas tradições locais e que engloba música, cante alentejano e dança.
A Romaria a Cavalo é um dos maiores eventos equestres nacionais que voltou a realizar-se em 2001, depois de um interregno de mais de 70 anos, recuperando no tempo a tradição dos lavradores da Moita, que se deslocavam com os seus animais ao Santuário de Nossa Senhora D’Aires, para pedir proteção e boas colheitas.
O percurso de cerca de 150 quilómetros é feito pela antiga Canada Real, mais conhecida por Estrada dos Espanhóis, através de quintas e caminhos de terra batida, seguindo o carro-andor que transporta a imagem da Nossa Srª da Boa Viagem, padroeira da Moita.
Apesar do carácter religioso que está na sua génese, a romaria assume hoje uma vertente mais lúdica que privilegia o convívio entre os participantes.
A XVIII edição da Romaria a Cavalo é organizada pela Associação dos Romeiros da Tradição Moitense, pela Associação Equestre de Viana do Alentejo e pelas Câmaras Municipais da Moita e de Viana do Alentejo, com o apoio das entidades regionais de turismo do Alentejo e de Lisboa e Vale do Tejo.

Agência de Notícias 
[ + ]

Setúbal regula estacionamento nas praias da Arrábida

"Dotar as praias do concelho de meios que garantam condições de segurança" 

A Câmara de Setúbal aprovou esta quarta-feira, em reunião pública, o Projeto de Regulamento Específico de Zonas de Estacionamento Controlado na Praia da Figueirinha, com vista à melhoria das condições de mobilidade dos munícipes. A autarquia salienta que a zona costeira de Setúbal, no Parque Natural da Arrábida, destino balnear muito procurado, assume uma importância estratégica no desenvolvimento da região, carecendo de “soluções de mobilidade, acessibilidades e estacionamento mais sustentáveis e disciplinadas”. Tendo em conta este fator, é considerado fundamental "dotar as praias do concelho de meios que garantam condições de segurança dos utentes e atratividade do ponto de vista estético e paisagístico da envolvente e das infraestruturas existentes", explica a autarquia em comunicado.
Autarquia quer carros fora das estradas da Arrábida no Verão 


Na sequência da assinatura do Acordo de Gestão para a Conservação e Operação de Troço da EN379-1, de acesso viário às praias, com a Infraestruturas de Portugal, que confere ao município competências de gestão, “torna-se importante intervir ao nível do estacionamento desordenado e abusivo que aí ocorre na época balnear”, bem como “na melhoria das condições de utilização do transporte público em detrimento do transporte individual”, assinala a deliberação.
Os acessos viários às praias do concelho de Setúbal sofrem “elevada pressão automóvel”, o que dificulta “gravemente a normal circulação viária, muito devido ao estacionamento desordenado e abusivo ao longo de toda a faixa de rodagem”.
Estas razões levaram a autarquia a decidir proceder à tarifação do parqueamento existente na via pública na zona balnear da Figueirinha, dotando-a de um instrumento que visa contribuir para aumentar a disciplina na gestão do estacionamento disponível, de forma equitativa, numa opção de melhoria das acessibilidades à praia.
O Projeto de Regulamento Específico de Zonas de Estacionamento Controlado na Praia da Figueirinha, aprovado em reunião pública, estabelece as condições de utilização e taxas devidas pelo estacionamento demarcado, na envolvente daquela zona balnear, entre 1 de Junho e 30 de Setembro.
São assim constituídas duas zonas de estacionamento de duração limitada, uma com 40 lugares, outra com 237, as quais estão sujeitas ao pagamento de uma tarifa a vigorar, entre 1 de Junho e 30 de Setembro, diariamente das oito às 19 horas.
O valor da tarifa varia consoante seja dia útil ou fim de semana ou feriado e encontra-se dividido em dois períodos, um compreendido entre 1 e 30 de Junho e 1 e 30 de Setembro, de custo mais reduzido, outro de 1 de Julho a 31 de Agosto, mais caro.
Os veículos de duas rodas, considerados modos suaves de circulação, incluindo motociclos, ciclomotores e velocípedes, terão lugares próprios, gratuitos,
Os concessionários de apoios de praia podem requerer até dois cartões próprios por concessão, pagos, que possibilitam o estacionamento nos locais devidamente identificados para o efeito e sem limite de tempo.
Está ainda prevista a possibilidade de os utentes adquirem lugares privativos de estacionamento durante a época balnear.
Fora dos limites horários e sazonais aplicáveis aos automóveis e fixados na zona, o estacionamento é gratuito.
O Projeto de Regulamento Específico de Zonas de Estacionamento Controlado na Praia da Figueirinha vai ser submetido a consulta pública por um período de três dias, após a publicação em Diário da República, para recolha de sugestões e contributos.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal
[ + ]

Montijo vai ter unidade de saúde familiar no hospital

"Aumentar a oferta e melhorar a prestação de cuidados à população"

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo vai criar uma Unidade de Saúde Familiar (cuidados primários de saúde) no edifício onde antigamente funcionava o serviço de medicina interna (cuidados de saúde hospitalares) no Hospital Distrital do Montijo. Para o efeito, vai ser assinado, na esta sexta-feira, um protocolo entre a ARS, a Santa Casa da Misericórdia do Montijo (entidade que é proprietária do espaço) e a administração do Centro Hospitalar Barreiro Montijo. A cerimónia terá lugar nas instalações da Santa Casa do Montijo. O investimento público nesta nova unidade de saúde estima-se em meio milhão de euros e irá dispor de sete novos médicos de família. A cedência do espaço por parte da Misericórdia à ARS Lisboa e Vale do Tejo para a criação da unidade de saúde familiar está longe de agradar a todos. CDU e PSD/CDS-PP já criticaram a medida. 
Hospital do Montijo vai ter Unidade de Saúde Familiar 

O Hospital do Montijo,  vai alojar a nova Unidade de Saúde Familiar Aldegalega, prevista para 2019, anunciou esta semana a Administração Regional da Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.
A Administração Regional da Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, o Centro Hospitalar do Barreiro Montijo e a Santa Casa da Misericórdia do Montijo vão assinar um acordo de cedência do espaço onde vai ser alojada esta Unidade de Saúde Familiar, esta sexta-feira à tarde na sede da Santa Casa da Misericórdia.
De acordo com o comunicado enviado pela ARS Lisboa e Vale do Tejo, a rentabilização do imóvel onde funcionou o Serviço de Medicina Interna do Hospital do Montijo, e que agora vai dar lugar à Unidade de Saúde Familiar Aldegalega, vai "aumentar a oferta e melhorar a prestação de cuidados à população do Montijo", dando ainda médico de família a cerca de 5700 utentes que atualmente não o possuem, num total de 13 mil e 300 pessoas abrangidas pela unidade.
A equipa será composta por sete médicos, sete enfermeiros e cinco assistentes técnicos.
"Quando entrar em funcionamento, a Unidade de Saúde Familiar Aldegalega vai integrar o Agrupamento de Centros de Saúde Arco Ribeirinho, o qual presta cuidados aos cerca de 213 mil e 500 habitantes dos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo", explica o comunicado.
"Com 221 mil 463 utentes frequentadores, o ACES Arco Ribeirinho possui seis Unidade de Saúde Familiar, sete Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados, quatro Unidades de Cuidados na comunidade, uma Unidade de Saúde Pública e uma Unidade de Recursos Assistenciais partilhados", acrescenta.

Compromisso eleitoral do executivo da autarquia 
Para a Câmara do Montijo, "este foi um compromisso assumido com os cidadãos durante a última campanha eleitoral autárquica, por existir a consciência que a criação da USF, ou seja de um novo Centro de Saúde para a cidade, é uma necessidade antiga dos montijenses que poderá resolver o problema do elevado número de famílias sem médico de família".
A autarquia sempre defendeu, igualmente, "a inclusão da Unidade de Saúde Familiar no Hospital do Montijo, numa solução de maior eficiência e otimização dos equipamentos e recursos, cumprindo uma política de verticalização de cuidados de saúde primários e hospitalares, para acrescentar racionalidade às escolhas e às preferências dos cidadãos e garantir o direito à saúde", diz Nuno Canta, presidente da Câmara.
Aliás ao contrário do que muitas vezes é veiculado publicamente, o Hospital do Montijo, que integra o Centro Hospitalar Barreiro Montijo, "tem ganho novas valências, como foi o caso da cirurgia de ambulatório, considerada uma das melhores do país", lembra o autarca.
Para além da cirurgia de ambulatório, atualmente tem em funcionamento as seguintes valências: serviço de urgência básica, a medicina interna e internamento (20 camas), medicina física e de reabilitação, meios complementares de diagnóstico e consultas externas (anestesiologia, cardiologia, medicina, medicina física e de reabilitação, nutrição, cirurgia geral, ortopedia, oftalmologia, cirurgia plástica, cirurgia pediátrica, pediatria e psiquiatria).
A nova Unidade de Saúde Familiar "permitirá realizar a integração dos cuidados de saúde primários com os cuidados hospitalares e reforçar as respostas do Hospital do Montijo, criando um Parque de Saúde e por essa via beneficiar a vida dos utentes e doentes do Serviço Nacional de Saúde", explica a Câmara do Montijo.

Oposição critica instalação da Unidade de Saúde no Hospital  
Mas a oposição critica esta opção. Carlos Jorge de Almeida, vereador eleito pela CDU, defende que a criação da unidade de saúde familiar no hospital não é mais do que “tentar vender gato por lebre à população”.
“O que o concelho do Montijo precisa é de ter um hospital capaz, devidamente equipado, que possa servir não só a população montijense como também as populações de concelhos vizinhos. Já devíamos era estar a falar na construção de um novo hospital”, disse o vereador. Para o autarca,  “isto é o adiar, mais uma vez, de uma situação inadiável, que é a inevitabilidade da construção de um novo hospital no Montijo”.
Por seu lado, o vereador do PSD/CDS-PP, João Afonso, disse ao jornal Diário da Região, que “esta situação representa um desmembramento do Hospital do Montijo. Passa a ideia de que o hospital está cada vez mais a morrer”. O autarca, que também preside à Assembleia Geral da Misericórdia do Montijo, considera que “está em curso um processo que visa passar todos os serviços da área hospitalar para o Barreiro”, apesar de “ninguém o assumir”.
João Afonso admite ainda que “a unidade de saúde familiar é necessária”, mas “não à custa do Hospital do Montijo”. E defende outra solução: “A Câmara Municipal poderia ceder um terreno para construção desta unidade de saúde familiar”.

Agência de Notícias 

[ + ]

Terrenos na Caparica inviabiliza planos do Polis

Parques de campismo impedem execução dos trabalhos na Costa de Caparica 

O plano de pormenor para a zona norte da Caparica continua por executar, 11 anos depois do início do programa Polis, em consequência da “indevida ocupação dos terrenos” pelos concessionários dos parques de campismo, apontou esta sexta-feira, a Costapolis. O Plano de Pormenor das Praias Urbanas da Costa de Caparica  foi publicado em Diário da República a 29 de Março de 2010 e, de acordo com a Costapolis, não foi possível cumpri-lo na totalidade porque os “parques de campismo do Clube de Campismo de Lisboa e da Fundação Inatel ocupam, já sem título, um terreno que é propriedade da Costapolis”. 
Parques de campismo travam plano de pormenor na Costa 

Em resposta a questões colocadas pela agência Lusa, a Costapolis – Sociedade Desenvolvimento Programa Polis Costa de Caparica, em processo de liquidação, esclareceu ainda que “a questão está a ser dirimida judicialmente”. De acordo com a Costapolis, o plano para desocupação dos terrenos está “relacionado com a necessidade de manter a segurança de pessoas e bens”, tendo em consideração a erosão da faixa costeira e a influência das alterações climáticas, que naquela zona se traduzem no risco de galgamentos.
Contactado pela Lusa, o Clube de Campismo de Lisboa afirma que “os dois parques de campismo do Clube localizados na Costa de Caparica estão implantados em terrenos do Estado, mediante contrato de arrendamento, há mais de 65 anos”, acrescentado que estão “devidamente licenciados e em conformidade com a Lei em todos os aspetos, possuindo, nomeadamente, licença de utilização turística”.
Segundo o Clube de Campismo de Lisboa, depois dos terrenos “terem sido transferidos para a Costapolis” os contratos de arrendamento mantiveram-se “sem qualquer alteração”, apesar de ter estado programada a deslocalização dos parques para o Pinhal do Inglês, uma área protegida na Fonte da Telha (Almada).
Para a direção do Clube de Campismo de Lisboa, a ordem para desocupação dos parques surge numa altura em que a Costapolis “já não tem capacidade legal ou estatutária para realizar qualquer obra na Costa de Caparica”, depois de o processo de liquidação ter tido início.
“O Clube impugnou essa decisão [de desocupação dos terrenos] nos Tribunais Administrativos, o que determinou a suspensão dessa pretensão da sociedade Costapolis, desde há vários anos”, informou na resposta enviada.

“O parque de campismo não está na zona de galgamento”
Também a Fundação Inatel, proprietária de um dos parques de campismo, disse à agência Lusa que a “expropriação dos terrenos pelo motivo Polis” se extinguiu com a não realização do programa Polis da Costa de Caparica.
Relativamente à “ocupação indevida” dos terrenos que a Costapolis garante ser o motivo da não execução da totalidade do plano de pormenor, a Fundação Inatel diz ocupar “terrenos que pertencem ao Ministério das Finanças, cedidos ao Inatel”.
Na sequência dos vários alertas de especialistas para a erosão nas praias da Costa de Caparica, a Fundação Inatel afirma que “o parque de campismo não está instalado numa zona de perigosidade” e que “a Fundação é responsável”.
“O parque de campismo não está na zona de galgamento”, esclarece a Fundação.
Por sua vez, a direcção do Clube de Campismo de Lisboa, considera a manutenção dos parques de campismo “a melhor defesa” e mostra-se disponível para “fazer parte da solução”.
“A manutenção dos parques de campismo na Costa de Caparica constitui a melhor defesa da Mata Nacional e contra o avanço do mar, tal como foi reconhecido pelo Estado aquando da celebração dos respectivos contratos de arrendamento”, afirma.
Ainda de acordo com a resposta enviada à Lusa, a Costapolis esclarece que “com a conclusão do processo de liquidação, os terrenos em questão revertem para o Estado, que mantém a incumbência de executar o Plano de Pormenor, enquanto instrumento de gestão territorial que se encontra em vigor”.

Agência de Notícias com Lusa
[ + ]

Obras na Urgência do Hospital do Barreiro arrancam em Maio

Hospital vai investir em obras de requalificação no Serviço de Urgências

O Serviço de Urgência Geral do Centro Hospitalar Barreiro Montijo, situado no Hospital de Nossa Senhora do Rosário, vai beneficiar de obras de requalificação que vão ter início ainda em Maio deste ano, divulgou a instituição. Esta intervenção, segundo a unidade hospitalar, tem como objetivo melhorar a prestação de cuidados aos utentes e as condições de trabalho dos seus profissionais, através de uma renovação do espaço. “O Serviço de Urgência Geral passará a dispor de mais gabinetes médicos, de dois postos de triagem, de uma nova sala destinada a tratamentos respiratórios e aumentará a capacidade da sala de espera para os doentes que aguardam triagem. Com a renovação do espaço, o circuito dos doentes prioritários e não prioritários será diferente, com salas de espera autónomas, permitindo assim melhorar as condições de vigilância dos utentes mais urgentes”, explica o centro hospitalar. 
Urgências do Barreiro vão ser melhoradas a partir de Maio 


O serviço de urgência do Hospital do Barreiro vai ser alvo de obras de requalificação, que se iniciam em Maio, com o objetivo de melhorar a prestação de cuidados aos utentes e as condições de trabalho dos profissionais. “Com esta intervenção, o Serviço de Urgência Geral passará a dispor de mais gabinetes médicos, de dois postos de triagem, de uma nova sala destinada a tratamentos respiratórios e aumentará a capacidade da sala de espera para os doentes que aguardam triagem”, anunciou o Centro Hospitalar Barreiro Montijo, num comunicado enviado à agência Lusa, não revelando o valor do investimento.
Com a renovação do espaço, o circuito dos doentes prioritários e não prioritários será diferente, com salas de espera autónomas, permitindo assim “melhorar as condições de vigilância dos utentes mais urgentes”.
“O Serviço de Urgência Pediátrica também beneficiará desta intervenção, passando a dispor de uma nova sala de espera com melhores condições de acolhimento”, acrescenta.
Esta intervenção tem um prazo de execução estimado de cinco meses, com inicio em Maio, e durante este período o serviço de urgência geral vai funcionar no edifício da Consulta Externa.
“A Sala de Observações e a Unidade de Internamento Polivalente de Agudos mantêm-se em funcionamento no espaço atual”, explica administração do centro hospital que junta o hospitais do Barreiro e do Montijo.
Segundo o Centro Hospitalar Barreiro Montijo, o edifício da Consulta Externa já iniciou as obras de adaptação necessárias, passando o Serviço de Urgência Geral a funcionar neste espaço a partir das 10 horas do dia 24 de Abril.
“A Unidade de Consultas Externas ocupará o restante espaço e, com uma gestão mais ajustada, será possível garantir que a maior parte das consultas se realizem no mesmo local”, sublinha o documento.
Apesar dos transtornos, esta “requalificação do Serviço de Urgência, há muito ambicionada pela população e profissionais de saúde, contribuirá para melhorar o acolhimento e a qualidade dos cuidados a prestar aos seus doentes”, conclui a unidade hospitalar.

Agência de Notícias com Lusa


[ + ]

Leitura concelhia elege representantes em Setúbal

Cidade já escolheu os representantes do Concurso Nacional de Leitura

Os quatro alunos que representam o concelho de Setúbal na fase intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura foram escolhidos na terça-feira em prova realizada na Biblioteca Pública Municipal de Setúbal. Leonor Pinto, do Agrupamento de Escolas Barbosa du Bocage, foi a vencedora concelhia da prova destinada aos alunos do 1.º ciclo do ensino básico, enquanto Joana Batista, do Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama, conquistou o primeiro prémio no 2.º ciclo. O representante setubalense do 3.º ciclo do ensino básico na fase intermunicipal do concurso é Vítor Gomes, do Agrupamento de Escolas Barbosa do Bocage. Pelo ensino secundário, o concelho de Setúbal é representado por Beatriz Crujeira, da Escola Secundária D. João II. 
Concurso Nacional de Leitura decorre em Junho, em Lisboa 

Neste segundo momento da fase municipal do 12.º Concurso Nacional de Leitura, promovido pelo Plano Nacional de Leitura em colaboração com a Câmara Municipal de Setúbal e a Rede de Bibliotecas Escolares, participaram os 17 alunos finalistas apurados nas provas literárias realizadas em todas as escolas do concelho, tendo por base a leitura de um livro adequado a cada nível de ensino.
Os alunos responderam, em primeiro lugar, a uma prova escrita com questões de interpretação sobre cada obra e, de seguida, perante um auditório cheio com familiares e professores bibliotecários, fizeram uma leitura expressiva de um excerto do livro e responderam a uma questão de argumentação.
Antes do anúncio dos vencedores, o vereador da Cultura da Câmara de Setúbal, Pedro Pina, deu os parabéns a todos, sobretudo aos professores bibliotecários “pelo esforço de trabalhar, às vezes em condições difíceis, pela promoção da leitura e das bibliotecas escolares”.
O autarca entregou depois os prémios aos vencedores de cada nível de ensino, que, além de um diploma, receberam livros oferecidos pela autarquia e um calendário da Rede de Bibliotecas Escolares.
Todos os estudantes foram distinguidos com certificados de participação e tiveram ainda direito a livros entregues pelo município.
O júri da prova municipal setubalense é constituído pela coordenadora das Bibliotecas e Polos da Câmara Municipal de Setúbal, Lígia Águas, pela poetisa Alexandrina Pereira e pela coordenadora interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares, Elisabete Carvalho.
Os quatro vencedores representam o concelho de Setúbal na prova distrital agendada para Maio, no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada, na qual são selecionados dois alunos por cada nível de ensino para representar o distrito na final nacional, a 10 de Junho, em Lisboa.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal
[ + ]

Alcochete celebrou contrato com movimento associativo

Autarquia apoia movimento associativo em mais de 20 mil euros 

Na última reunião extraordinária da Câmara de Alcochete, foram aprovados por unanimidade quatro contratos-programa a celebrar com a Associação das Tradicionais Festas de Confraternização Camponesa de São Francisco, a Sociedade Recreativa de São Francisco, o Rancho Folclórico de São Francisco e o Grupo Desportivo da Fonte da Senhora. Cada contrato-programa surge na "sequência das reuniões realizadas com cada associação ou coletividade, com indicação das atividades a concretizar no corrente ano e respetivos apoios logísticos e financeiros", explica a autarquia ribeirinha em comunicado. Na sequência da reunião alargada, também já realizada com o movimento associativo, Fernando Pinto, presidente da câmara de Alcochete relembrou que "os serviços municipais estão já a trabalhar numa nova proposta do regulamento de apoio ao movimento associativo, todavia, há necessidade de vincular direitos e deveres e, por isso, torna-se fundamental a celebração destes contratos-programa", sublinha o autarca.
Autarquia apoia movimento associativo de São Francisco 

Com nova direção, a Sociedade Recreativa de São Francisco celebra um contrato-programa que contempla uma comparticipação financeira no valor de mil e 500 euros que visa, essencialmente, "apoiar a realização de pequenas obras de remodelação da sede social", diz o documento.
Para a Associação das Tradicionais Festas de Confraternização Camponesa de São Francisco, o contrato-programa contempla um apoio "no valor de 10 mil 500 euros referente à 44.ª edição das Tradicionais Festas de Confraternização Camponesa de São Francisco, à 4.ª edição das Festas em Honra de São Francisco de Assis, às Festas de São Martinho e a bailes temáticos", refere a proposta aprovada.
“A nível de apoio logístico acresce ainda um valor de quatro mil 839 euros”, salientou a vereadora do movimento associativo, Fátima Soares, acrescentando ainda que, face ao contrato-programa do ano transato, na comparticipação financeira, regista-se este ano um aumento de quase mil euros.
O contrato-programa do Grupo Desportivo da Fonte da Senhora prevê "uma comparticipação financeira no valor de três mil 170 para a realização de um conjunto de iniciativas relacionadas com o Rancho Folclórico Danças e Cantares da Fonte da Senhora que, para além das suas deslocações, atuações, trajes e projetos de pesquisa e recolha etnográfica também assumem a dinamização do Grupo Desportivo da Fonte da Senhora com a realização de eventos lúdicos como as 'Noivas em Abril' a realizar no âmbito das comemorações do 25 de Abril", sublinha a autarquia.
Por último, o contrato-programa com o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de São Francisco contempla "uma comparticipação financeira no valor de dois mil 850 euros para fazer às despesas com participações em encontros e galas de folclore, deslocações, aquisições de traje e promoção de iniciativas", conclui a Câmara de Alcochete.
As comparticipações financeiras anteriormente referidas serão disponibilizadas até ao próximo dia 31 de Maio.

Agência de Notícias com Câmara de Alcochete

[ + ]

Companhia leva dança às adegas do concelho de Palmela

Companhia abre novo ciclo de espetáculos da DançArte

O espetáculo “Casa Corpo”, da Passos e Compassos/DançArte, em exibição no Cine-teatro S. João, em Palmela, nos dias 21 e 22 de Abril, abre o novo ciclo de espetáculos da companhia, com o nome “Syrah”. O ciclo para os próximos quatro anos (2018-2021) foi apresentado, na Casa Mãe da Rota dos Vinhos da Península de Setúbal. A iniciativa contou com a presença do vereador da Cultura, Luís Miguel Calha, e do vice-Presidente da Câmara  de Palmela, Adilo Costa, no âmbito da parceria do Município com a companhia residente no Cine-teatro S. João. “Casa Corpo” sobe ao palco dia 21 de Abril, às 21h30, e dia 22 de Abril, às 17 horas. 
DançArte apresentou novo projeto de dança em Palmela 

O espetáculo/bouquet tem ideia e direção de António Machado e Sofia Belchior, coreografia de Sofia Belchior e intérpretes, composição e interpretação musical de António Machado e interpretação a cargo de Inês Maló, Ivanoel Tavares, Ricardo Mondim e Sofia Luz.
Como explicou Sofia Belchior, da Passos e Compassos/DançArte, durante o momento de lançamento, o novo ciclo “Syrah” vai ser composto por oito espetáculos/bouquets.
Anualmente, vai realizar-se um espetáculo/bouquet no Cine-teatro S. João e outro numa adega do concelho, nomeadamente, na Quinta da Serralheira, em 2018, na Quinta do Piloto, em 2019, na Casa Ermelinda Freitas, em 2020, e na Filipe Palhoça Vinhos, em 2021. Os representantes das adegas marcaram também presença no momento de lançamento do ciclo. Através desta parceria com as adegas, a Passos e Compassos/DançArte pretende “criar um paralelo entre a arte do vinho e o ato criativo”, referiu.
Sofia Belchior destacou o município de Palmela como “um parceiro importante e um pilar fundamental na concretização dos objetivos da Passos e Compassos/DançArte”.
O vereador Luís Miguel Calha não tem dúvidas de que este novo ciclo “irá marcar a vida cultural do concelho” e vai ser “uma aposta bem sucedida”, com “espetáculos de grande qualidade em espaços de referência, como as adegas”.
Para o responsável pela Cultura, em Palmela, esta interação com os agentes económicos do setor do vinho será também “uma evolução do que tem sido o trabalho da Passos e Compassos/DançArte”, sublinhou Luís Miguel Calha.

Agência de Notícias com Câmara de Palmela
[ + ]

Montijo volta a apoiar bombeiros do concelho

Presidente da Câmara faz balanço sobre a proteção civil no concelho

Em reunião de câmara,  o presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, fez uma declaração política de balanço da intervenção municipal na área da proteção civil, executada nos últimos anos. Do vasto trabalho realizado, Nuno Canta salientou o reforço de meios atribuídos, desde o último mandato, às duas corporações de bombeiros voluntários do concelho (Montijo e Canha), em particular os novos protocolos de colaboração outorgados em 2015 que transferem, anualmente, uma verba de 126 mil euros para os Bombeiros do Montijo e de 72 mil euros para os Bombeiros de Canha. Na mesma reunião o executivo municipal aprovou por unanimidade, a atribuição de apoios financeiros às duas corporações de bombeiros voluntários do concelho, num valor total superior a 111 mil euros.
Bombeiros do Montijo e Canha recebem 111 mil euros de apoio 

Aos Bombeiros Voluntários de Canha foi atribuído um apoio de 49 mil euros para aquisição de um equipamento de salvamento e desencarceramento, pois o "atual equipamento está em funções há 32 anos, não permitindo aos bombeiros exercer a sua missão de socorro e salvamento com a celeridade que é exigida nos acidentes rodoviários", diz a autarquia em comunicado.
Por sua vez, aos Bombeiros Voluntários do Montijo foi concedido um apoio de 62 mil 260 euros para aquisição de um veículo de combate a incêndios em ambiente urbano e florestal, que "permitirá o acesso a zonas de acessibilidade reduzida e a arruamentos estreitos, que existem em diversas freguesias do concelho e que são inacessíveis a viaturas de grandes dimensões", sublinha a Câmara do Montijo.
Consciente do seu papel no dispositivo de proteção civil do concelho, desde o anterior mandato autárquico, que a Câmara  do Montijo "tem desenvolvido uma política de reforço dos meios das duas corporações de bombeiros do concelho, contribuindo para a modernização dos equipamentos e das instalações imprescindíveis à execução do trabalho dos soldados da paz", realça Nuno Canta.
O autarca fez ainda  uma declaração política de balanço da intervenção municipal na área da proteção civil, executada nos últimos anos. Do vasto trabalho realizado, Nuno Canta salientou "o reforço de meios atribuídos, desde o último mandato, às duas corporações de bombeiros voluntários do concelho (Montijo e Canha), em particular os novos protocolos de colaboração outorgados em 2015 que transferem, anualmente, uma verba de 126 mil euros para os Bombeiros do Montijo e de 72 mil euros para os Bombeiros de Canha".
Elencou, igualmente, o vasto conjunto de apoios financeiros que têm permitido modernizar os quartéis e adquirir novas ambulâncias e veículos de combate a incêndios, entre outros equipamentos: desde 2013 até 2018, a autarquia atribuiu mais de 530 mil euros às duas corporações de bombeiros.
Nuno Canta referiu que “muitas vezes o poder local se substitui ao poder central, para garantir a dignidade das forças de segurança”, dando como exemplos a instalação dos postos da GNR do Montijo e da GNR de Canha, assim como da esquadra da PSP do Montijo, em edifícios municipais.

Autarca reuniu com Governo para a construção de um departamento da PSP
A este propósito, o presidente mencionou que, em audiência no mês de Março, com o Ministro da Administração Interna retomou o assunto da construção de um departamento da PSP, estando o município do Montijo disponível para ceder um terreno e assumir a fiscalização da obra.
Como a atividade de proteção civil não se esgota nestas áreas, o autarca abordou, também, a intervenção do Serviço Municipal de Proteção Civil nos domínios da previsão e avaliação dos riscos, do planeamento e atuação em situações de risco e emergência e do desenvolvimento de ações de sensibilização e formação junto da comunidade.
“No quadro das nossas competências iremos continuar empenhados no nosso papel no dispositivo de proteção civil do concelho, procurando contribuir para o reforço dos seus agentes com meios adequados ao desempenho eficaz das suas funções de segurança, proteção e socorro, assim como na formação e sensibilização da nossa comunidade e dos nossos cidadãos”, concluiu Nuno Canta.

Agência de Notícias com Câmara do Montijo
[ + ]

Seixal recebeu encontro de investidores estrangeiros

Meia centena de investidores visitaram concelho 

Cerca de 50 potenciais investidores estiveram presentes, no auditório dos Serviços Centrais da Câmara do Seixal, para conhecer melhor o concelho e as suas potencialidades em termos de investimentos. A iniciativa surgiu inserida no Fórum do Investimento e do Imobiliário em Portugal, organizada pela Câmara de Comércio Luso-Francesa e contou com a presença de cidadãos franceses, chineses e portugueses, que puderam assim conhecer melhor o concelho e as suas potencialidades. Durante o evento foram apresentados vários projetos no âmbito do desenvolvimento económico do município, designadamente na área da restauração, hotelaria e náutica de recreio. A Câmara do Seixal tem vindo "a desenvolver um importante trabalho de promoção do concelho, situação que tem originado um aumento muito significativo de cidadãos estrangeiros que escolhem o Seixal para viver e para investir", sublinhou Joaquim Santos, presidente da autarquia. 
Investidores conheceram potencialidades do concelho 

São exemplo o restaurante do Moinho Novo dos Paulistas; o restaurante do Antigo Terminal Fluvial do Seixal; o restaurante no Parque Ribeirinho de Amora; o Hotel Largo dos Restauradores; o Hotel Mundet; o Hotel Quinta da Trindade; o alojamento no Palacete da Quinta da Fidalga e o Seixal Vila-Hotel.
Joaquim Santos, presidente da Câmara  do Seixal, referiu que “já sabíamos que o Seixal estava com uma nova dinâmica em termos sociais e habitacionais. Exemplo é o número de cidadãos estrangeiros que têm vindo a escolher o concelho para residir e que tem vindo a aumentar de ano para ano”. 
O autarca acrescentou ainda que, “o município tem hoje uma atratividade não só interna, para os portugueses, mas também para os estrangeiros, que veem no concelho do Seixal um território com grande qualidade de vida às portas de Lisboa".
Ainda de acordo com o autarca, "os Investimentos que temos realizado na requalificação do núcleo urbano antigo do Seixal estão a dar bons resultados, pois todos os dias surgem novos negócios e há cada vez mais interessados em instalar novas atividades comerciais na zona. Esta é uma questão muito importante para o município e para a população, pois aumenta a oferta de emprego e capta mais visitantes”, sublinhou Joaquim Santos. 
A Câmara do Seixal tem vindo a desenvolver um importante trabalho de promoção do concelho, situação que tem originado um aumento muito significativo de cidadãos estrangeiros que escolhem o Seixal para viver e para investir.
O número de turistas que visita o Seixal também tem aumentado ano após ano. De 2016 para 2017, o número de visitantes aumentou em 65 por cento e o número de dormidas por parte de cidadãos estrangeiros aumentou 51 por cento.
Um dos atrativos para visitar o concelho é a náutica de recreio. Com uma ampla frente ribeirinha, o Seixal tem todas as condições para se assumir como um destino de eleição para a prática das atividades de náutica de recreio, não só pelas suas características únicas, nomeadamente a configuração de um porto de abrigo natural, como também pela sua excelente localização perto da capital.
Nesse sentido, a autarquia tem vindo a investir nesta área, com o projeto "Estação Náutica Baía do Seixal, já com dois equipamentos de acostagem, no Seixal e em Amora", diz a autarquia.
Em fase de conclusão está também o Estudo de Viabilidade Económico-financeira do Porto de Recreio do Seixal.

Agência de Notícias com Câmara do Seixal
[ + ]

Dois detidos por agressões a agentes da PSP em Setúbal

Agressões aconteceram durante o fim de semana

A PSP anunciou a detenção de duas pessoas por injurias e agressões a agentes policiais em casos que ocorreram em estabelecimentos comerciais em Setúbal, durante o fim de semana, com os suspeitos a acabarem detidos. No primeiro caso foi detido um homem, de 48 anos, por ameaças, injúrias e agressão a agente policial. O segundo caso também ocorreu em Setúbal, com uma mulher, de 44 anos, a ser detida também por ameaças, injúrias e agressão a agente policial.
Agressões a agentes da PSP valeram detenções em Setúbal 

“Por haver informação de agressão em interior de estabelecimento, uma equipa policial deslocou-se ao local para identificação do suspeito. O proprietário do estabelecimento dificultou sempre o trabalho policial, negando identificar-se, sempre agressivo, injuriando e ameaçando com uma arma branca um dos elementos policiais”, refere a PSP em comunicado. O agente policial e o agressor necessitaram de tratamento hospitalar.
O segundo caso também ocorreu em Setúbal, com uma mulher, de 44 anos, a ser detida também por ameaças, injúrias e agressão a agente policial.
“Por haver informação de desordem em interior de estabelecimento, uma equipa policial deslocou-se ao local. Verificaram que o proprietário do estabelecimento carecia de tratamento hospitalar, havendo também necessidade de controlar os vários focos de desordem e confusão, tendo havido necessidade de impedir a entrada de clientes no seu interior até à chegada do INEM”, refere a PSP.
Segundo a polícia, a suspeita não acatou a ordem e continuou a forçar a entrada “enquanto injuriava e agredia o elemento policial”, tendo sido detida pela PSP.

Agência de Notícias com Lusa
[ + ]

IEFP entrega diplomas a formandos na Quinta do Conde

Parceria para "requalificação da população adulta do concelho"
A Câmara de Sesimbra e o Serviço de Emprego e Formação Profissional do Seixal entregaram 41 certificados de qualificações de formação modular aos formandos das duas turmas do curso de noções de aprovisionamento e marketing, que terminou em Fevereiro. A cerimónia, que decorreu no Polo de Leitura da Quinta do Conde, contou com a presença da conselheira de orientação profissional, Helena Varajão, da coordenadora das ações de formação, Isabel Marques, da diretora adjunta do Instituto do Emprego e Formação Profissional, Raquel Galhardo, e da vice-presidente da autarquia com o pelouro da Ação Social, Felícia Costa. "Esta colaboração entre a autarquia e o IEFP tem sido fundamental, pois tem vindo a permitir a requalificação da população adulta no nosso concelho", disse a vice-presidente da Câmara de Sesimbra. 
Curso formou 41 pessoas em Quinta do Conde 

"Felicito-vos por esta conquista e pela vossa coragem e resiliência neste percurso", começou por dizer a vice-presidente da autarquia, acrescentando que "estaremos sempre ao lado destas ações pois defendemos um município mais coeso com pessoas mais felizes, realizadas e com mais aptidões".
A diretora adjunta do IEFP, Raquel Galhardo, realçou a missão do Instituto, que passa por qualificar pessoas de modo a garantir a sua empregabilidade. "Com a certificação profissional vocês adquirirem mais conhecimentos e ferramentas para poderem apresentar às entidades empregadoras uma garantia de qualidade das vossas competências profissionais".
Ciente da importância da formação e certificação ao longo da vida na melhoria da qualidade de emprego, uma das participantes deixou uma palavra de apreço à autarquia e ao IEFP. "Falo em nome de todos os meus colegas aqui presentes, um agradecimento muito especial à nossa conselheira de orientação profissional pela sua disponibilidade e pela forma como sempre esteve ao nosso lado, e à Câmara de Sesimbra e Instituto por tornarem possíveis estas formações".
Depois da entrega dos diplomas foi assinado um protocolo de colaboração entre a Câmara de Sesimbra e a Modatex - Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil, Vestuário, Confeção e Lanifícios, para dinamização de novas ações de formação profissional na área do têxtil e confeção. No final, realizou-se uma visita às instalações do Centro de Formação Eagle Intuition, na Quinta do Conde, onde está a decorrer o curso de Noções de Fiscalidade e Contabilidade e de Modista.

Agência de Notícias com Câmara de Sesimbra
[ + ]

Concelho de Setúbal floresce com munícipes

Espaços verdes da cidade com mais árvores 

Os setubalenses arregaçaram as mangas e, ao longo do dia 14 de Abril, trabalharam em conjunto com a Câmara Municipal para tornar mais agradáveis dezenas de espaços verdes do concelho sadino, no âmbito da iniciativa “Seja Jardineiro Por Um Dia!”. Embora algumas atividades previstas tenham sido adiadas para o próximo fim de semana devido à chuva que caiu nos últimos dias, cerca de uma centena de voluntários fizeram questão de se envolver em mais um projeto de participação cidadã da Câmara Municipal de Setúbal, contribuindo, neste caso, para o arranjo de espaços verdes e a plantação de flora urbana. No Parque de Vanicelos, Ana Ramos era um dos exemplos de quem abdicou de ficar em casa para contribuir ativamente na construção de uma cidade mais verde e apelativa.
Novas árvores foram plantadas um pouco por todo o concelho 

“Podem contar comigo em tudo o que seja para fazer a cidade mais bonita. Claro que não podia faltar hoje, pois faço questão de me envolver em todos os projetos que deem aos cidadãos uma oportunidade para melhorar os espaços que são de todos. Também estou sempre no Setúbal Mais Bonita [projeto municipal que desafia voluntários a arranjar zonas e equipamentos urbanos]e na limpeza das praias”.
Ana Ramos vive no Monte Belo e não se importa de contribuir para a melhoria de uma zona distinta da área de residência. “Acaba por ser secundário. Foi o espaço que me foi proposto pela organização e não vi motivos para não aceitar. Também uso este parque e acaba por ser uma oportunidade para a minha filha passar o dia com a amiga da escola”.
Passa pouco das nove e meia da manhã e a filha, Francisca, 7 anos, trabalha afincadamente com a amiga Madalena, da mesma idade, na remoção de ervas de uma área de terreno do Parque de Vanicelos que, até ao final da manhã, passaria pela metamorfose de zona quase devoluta para jardim florido.
Enquanto a Francisca ansiava por poder plantar qualquer coisa que lhe fosse proposta, a Madalena esperava pacientemente pela oportunidade de plantar um malmequer amarelo. “Adoro jardinagem. Dias assim são giros”, reforçou a pequena jardineira.
Para ajudar na dinâmica da manhã de trabalho voluntário, a ação contou com animação, para os mais novos, e música, para todos. A festa acabou por contagiar até os que assistiram à iniciativa por entre corridas matinais ou passeios de animais domésticos.
Rosmaninho, photinhas, briza media, malmequeres. A variedade foi grande entre as flores e os arbustos escolhidos para adornar a área intervencionada no Parque de Vanicelos, escolhida por ser uma das menos usadas neste espaço público de lazer.

 Campanha “Seja Jardineiro Por Um Dia!” termina no fim-de-semana 
Aos munícipes voluntários juntaram-se vários funcionários da Câmara Municipal, com a manhã a contar ainda com as participações dos vereadores Carla Guerreiro, Carlos Rabaçal e Eugénia Oliveira, além do presidente da União das Freguesias de Setúbal, Rui Canas.
O Parque de Vanicelos é um exemplo entre vários possíveis da campanha “Seja Jardineiro Por Um Dia!”, desenvolvido pela Câmara Municipal de Setúbal no âmbito do projeto “Rio Azul, Cidade Verde”.
Em Vila Nogueira, a população contribuiu para a construção de espaços verdes, com plantação de arbustos, nas ruas Augusto António Coelho, António Maria de Carvalho e do Fisco, numa atividade na qual esteve presente o vereador Manuel Pisco e a presidente da Junta de Freguesia de Azeitão, Celestina Neves.
Numa parceria com outro projeto municipal de participação cidadã, Nosso Bairro, Nossa Cidade, dezenas de moradores envolveram-se melhoria de outras tantas zonas verdes.
Na Quinta de Santo António, uma equipa constituída por Quá, Pedro Mampuia, Bruno e Missael, reunia experiências de trabalho bem diferentes, com o primeiro elemento, o mais velho do grupo, com 70 anos, e o último, o mais novo, com apenas 7. Num esforço conjunto, fizeram nascer na Praceta das Figueiras hibiscos, laranjeiras, leandros e olaias.
A apenas algumas centenas de metros, na Bela Vista, a Rua do Antigo Olival recebeu vários leandros, num trabalho de equipa de jardineiros municipais com as moradoras Eduarda Fernandes, Domingas Rocha e Ildefonsa Fernandes.
Estas moradoras, porém, pouco puderam contribuir para a causa, uma vez que o trabalho de assessoria de jardinagem acabou monopolizado por Moisés e Samir, 5 e 8 anos, que incansavelmente escavaram, plantaram e regaram as novas árvores.
Como prémio, na Rua do Antigo Olival há agora dois leandros que se distinguem de todos os outros na cidade, pois foram batizados precisamente com os nomes dos esforçados jardineiros Moisés e Samir.
A campanha “Seja Jardineiro Por Um Dia!”, que teve início no dia 9 de Abril  na rede escolar de Setúbal, prossegue o longo desta semana em mais escolas do concelho, culminando no próximo fim de semana, com iniciativas destinadas a toda a população e que, inicialmente previstas para o dia 14, foram adiadas devido às condições meteorológicas adversas que se fizeram sentir nos últimos dias.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal 
[ + ]

Adoção em Alcochete com ajudas em clínicas

Autarquia incentiva à adoção de animais do canil municipal 

Os “amigos de quatro patas” que sejam adotados por via do centro municipal de recolha de canídeos, em Alcochete, podem beneficiar de descontos na clínica Vetalcochete. Esta é uma das medidas previstas no protocolo de colaboração entre a autarquia e a Vetalcochete, e que foi aprovado, por unanimidade, durante a reunião de câmara realizada no salão nobre dos Paços do Concelho. "A adoção de animais que residam no centro municipal de recolha de canídeos" é o principal objetivo da câmara de Alcochete que tem a competência para a recolha e captura de animais errantes por razões de saúde e segurança pública. 

Animais adotados no canil de Alcochete com desconto em clínicas

“Todos os municípios são obrigados a ter um plano de esterilização e castração dos animais com a tentativa de controlo da população de animais errantes. Não havendo, por parte do município condições logísticas, nem técnicas para executar este plano de esterilização há a necessidade de recorrer às clínicas do concelho”, começou por referir o vereador com o pelouro da Saúde Pública, Vasco Pinto, referindo ainda que esta é apenas a primeira parceria protocolada, visto que a autarquia tem já agendadas mais reuniões com as clínicas veterinárias existentes no concelho.
Esta colaboração vem assim auxiliar o município "na prestação de cuidados de saúde aos mais de 150 patudos que se encontram neste equipamento municipal à espera de uma nova residência, visto que no protocolo estão contemplados benefícios como a profilaxia cirúrgica reprodutiva (esterilizações) e a prestação de cuidados ao nível das cirurgias em episódios de urgência", diz a Câmara de Alcochete.
Sobre esta matéria, Vasco Pinto partilhou ainda que, recentemente, foram publicados dois decretos-lei, um a 22 de Março, que contempla um plano de apoio à esterilização por parte da Direcção-Geral de Veterinária e ao qual se podem submeter pedidos de comparticipação até 30 de Novembro, e outro publicado a 6 de Abril, que permite aos centros de recolha oficiais apresentar candidaturas, até ao próximo dia 30 de Abril, para requalificação ou instalação de novos canis.
A câmara municipal de Alcochete está "empenhada em promover ações de melhoria e sensibilização que tenham como finalidade o bem-estar e a adoção destes animais de companhia", concluiu Vasco Pinto.

Agência de Notícias com Câmara de Alcochete
[ + ]

Sindicatos exigem integração de precários em Almada

Trabalhadores da Câmara de Almada manifestam-se contra despedimentos

Os trabalhadores da limpeza da Câmara de Almada saíram à rua. Lutam pelos 51 trabalhadores que podem ficar sem emprego com o fim dos contratos precários, que terminam este mês. Entregaram também um manifesto à autarquia de apelo à integração. A concentração juntou centenas de trabalhadores e serviu para exigir a integração dos contratados a prazo. Porém, a autarquia diz que estes não cumprem os requisitos da lei para a regularização de vínculos precários. 
Câmara de Almada acusada de não integrar 51 precários  

"Tivemos aqui centenas de trabalhadores que vieram exigir a integração de 51 contratados a prazo da higiene urbana, ao abrigo da Lei, para a regularização de vínculos precários. E entregámos um abaixo-assinado com 900 assinaturas a exigir a regularização dos vínculos precários destes trabalhadores", disse à agência Lusa Luís Leitão, coordenador da União de Sindicatos de Setúbal.
"A Câmara de Almada, ao contrário do que diz, só não integra estes trabalhadores porque pretende manter a precariedade e não por qualquer impedimento legal. Não é uma questão jurídica, é uma questão de vontade política. Se quiserem ouvir o STAL - Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, eles explicam como se pode fazer a integração com total respeito pela lei", acrescentou o coordenador sindical.
João Couvaneiro, vice-presidente da Câmara de Almada e eleito pelo Partido Socialista, acusou trabalhadores e sindicalistas de invasão aos Paços do Concelho e ao seu gabinete quando este se preparava para receber apenas uma delegação da Comissão de Trabalhadores.
O coordenador da União de Sindicatos de Setúbal nega qualquer invasão. "Os trabalhadores foram apenas, coletivamente, fazer a entrega do abaixo-assinado e não provocaram distúrbios", garantiu.
João Couvaneiro afirmou que os trabalhadores não cumprem os requisitos legais. "O que impede a integração destes trabalhadores é eles não terem ainda completado um ano de serviço quando foi aberto o processo de regularização [de vínculos precários]", justificou à agência Lusa.

Agência de Notícias com Lusa 
[ + ]

Moita aprova competências para as freguesias do concelho

Investimento de mais de meio milhão de euros para freguesias do concelho

A Câmara da Moita anunciou hoje que foi aprovada a delegação de competências para as juntas de freguesia do concelho, que envolvem um investimento superior a 550 mil euros anualmente para diversas áreas. Os Contratos de Execução de Competências Delegadas e os Contratos Interadministrativos de Delegação de Competências nas quatros freguesias do concelho, com a Junta de Freguesia de Alhos Vedros, União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, Junta de Freguesia da Moita e União de Freguesias do Gaio/Rosário e Sarilhos Pequenos foram aprovados pelo executivo municipal.
Moita descentraliza competências nas freguesias 

"No município da Moita, a prática da delegação de competências nas Juntas de Freguesia tem-se revelado um instrumento eficaz, permitindo uma resposta mais célere às necessidades das comunidades locais", refere a autarquia em comunicado.
No âmbito dos contratos de delegações de competências, a autarquia vai delegar às quatro juntas de freguesia competências para a realização de pequenas reparações nos estabelecimentos de educação do pré-escolar e 1º ciclo, apoios diversos a iniciativas de âmbito pedagógico, manutenção, reparação e substituição do mobiliário urbano instalado no espaço público.
A concessão de licenças de publicidade nos painéis laterais dos abrigos não concessionados das paragens rodoviárias, apoio ao movimento associativo e popular, manutenção e conservação de caminhos, arruamentos e pavimentos pedonais e execução de obras diversas são também áreas delegadas.
À Junta de Freguesia de Alhos Vedros cabe ainda a conservação, manutenção e limpeza do cemitério e à União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira a gestão dos mercados de levante. Já a União de Freguesias do Gaio/Rosário e Sarilhos Pequenos fica com a gestão, conservação e limpeza da Praia Fluvial do Rosário.
"Para execução das competências delegadas, a Câmara Municipal da Moita vai transferir para as quatros juntas de freguesia o total de 550 mil euros anuais, durante os quatro anos deste mandato autárquico", acrescenta o documento.

Agência de Notícias com Câmara da Moita 
[ + ]

Montijo inaugurou Laboratório de Aprendizagem no Esteval

“Este é o início de um projeto educativo de grande impacto"

O Laboratório de Aprendizagem do Montijo, uma das atividades do projeto municipal CRIA – Centro de Recursos para a Infância e Adolescência, entrou em funcionamento no dia 12 de Abril, no Centro Cívico do Esteval. Na inauguração, o presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, afirmou a importância deste novo projeto: “O CRIA e este Laboratório abrem à comunidade educativa montijense novas possibilidades, permitindo novas ferramentas de promoção do sucesso educativo e do combate ao abandono escolar”. As atividades deste projeto convergem com o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Educativo e pretendem minimizar as assimetrias territoriais, socioeconómicas e culturais do município, assim como promover a igualdade de oportunidades aos alunos.
Esteval tem a sala de aula do futuro 

“Este é o início de um projeto educativo de grande impacto. Um investimento desta envergadura que contribui para métodos de ensino mais eficazes e de diferenciação pedagógica, constitui também um projeto motor do desenvolvimento e coesão da nossa terra”, salientou Nuno Canta.
O Laboratório de Aprendizagem do Montijo é um modelo holístico e inovador da sala de aula, que está à disposição das escolas dos vários níveis de ensino do município, mediante marcação prévia, para dinamização pelos docentes de aulas e outras iniciativas com os alunos.
Com recurso a meios tecnológicos inovadores e de qualidade, o Laboratório de Aprendizagem "oferece um ambiente educativo pedagogicamente aliciante, permitindo estabelecer a ponte entre o quotidiano dos alunos e as práticas educativas, com o objetivo de mobilizar conhecimentos e promover o desenvolvimento de competências essenciais à vida profissional e pessoal dos jovens", explica a Câmara do Montijo.
O espaço está organizado em cinco zonas, de acordo com o modelo da Future Classroom Lab da European Schoolnet, situada em Bruxelas: Zona Apresentar (zona de apresentação do problema inicial bem como do resultado obtido após o trabalho sobre o mesmo), Zona Investigar (zona onde será feita a investigação necessária para a resolução do problema proposto), Zona Criar (zona onde será possível criar uma apresentação dos resultados obtidos, nomeadamente recorrendo à edição de vídeo e a diverso equipamento multimédia), Zona Interagir (zona onde poderá ser feita investigação e criação do produto final a apresentar; poderão ainda ser feitos inquéritos de resposta automática, quer para a modalidade de brainstorming quer para responder a perguntas de opinião ou a pequenos inquéritos de avaliação da atividade) e Zona Desenvolver (zona onde os alunos podem fazer pesquisas e reuniões de grupo para discussão de estratégias de abordagem ao problema ou de comunicação dos resultados).
Após a inauguração, o Laboratório de Aprendizagem "ficará disponível para as escolas dos vários níveis de ensino do município, mediante marcação prévia, para dinamização de aulas e outras iniciativas com os alunos", explica a autarquia.
A câmara utilizará, ainda, o espaço para "promover semanas temáticas, podendo o mesmo ser igualmente aberto para dinamização de atividades com as famílias e a comunidade, em articulação com as Associações de Pais e Encarregados de Educação".
O Laboratório de Aprendizagem do Montijo é uma das sete atividades integradas no Projeto CRIA - Centro de Recursos para a Infância e Adolescência, que a Câmara do Montijo candidatou com sucesso ao POR Lisboa 2020.  O investimento total no CRIA é de 459 mil 742 euros, tendo obtido financiamento de 50 por cento (229 mil 871 euros) por parte da União Europeia.
O projeto CRIA está estruturado em sete atividades que convergem com o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Educativo e "pretendem minimizar as assimetrias territoriais, socioeconómicas e culturais do Município, assim como promover a igualdade de oportunidades aos alunos, através de ações de diagnóstico precoce e apoio multidisciplinar e de promoção do conhecimento científico, tecnológico e empreendedor, envolvendo as famílias na escola e contribuindo para práticas colaborativas e pedagogias diferenciadas e inovadoras", conclui a Câmara do Montijo.

Agência de Notícias com Câmara do Montijo
[ + ]

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010