Dá um Gosto ao ADN

Aeroporto do Montijo pode criar 20 mil postos de trabalho

Presidente Executivo da ANA quer Montijo como "aeroporto 4.0"

O novo aeroporto no Montijo - que pode ser uma realidade daqui a 5 anos - poderá originar a criação de mais de 20 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos. Os números são do ministro do Planeamento e Infraestruturas, que abriu o maior evento de aeronáutica em Portugal, o Air Summit, que se realiza em Ponte de Sôr, no distrito de Portalegre até sábado. O governante espera, “no próximo ano”, depois de “acabados” os estudos ambientais e de segurança, avançar com a construção da obra para, “em 2021 ou 2022” ter o aeroporto do Montijo a funcionar. No decorrer da sua intervenção, Pedro Marques considerou que a construção de um aeroporto complementar no Montijo é uma “situação financeira comportável para o Estado”. Nuno Canta, presidente da Câmara do Montijo, garante que a cidade se está a preparar para a chegada desta infraestrutura, tendo em conta que um aeroporto mudará a vida da cidade e da região. E defende que "deve existir um barco por cada avião que chega". 
Montijo continua a reunir "apoios" para novo Aeroporto 

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou hoje que o aeroporto de Beja “não é uma boa solução” como infraestrutura complementar ao de Lisboa, defendendo a opção de construção no Montijo.
“É uma alternativa insuficiente [Beja], eu diria não é uma boa solução para aeroporto complementar porque está demasiado distante de Lisboa, o tempo de transporte dos passageiros transportados, depois aos principais polos, é excessivo face a outros aeroportos complementares que existem no espaço europeu”, disse.
“Os estudos internacionais indicam de forma clara que em comparação com outros aeroportos que têm, em termos de transportes ao centro da região metropolitana, [distâncias] superiores a 30 minutos não são competitivos para aeroportos complementares”, acrescentou.
Pedro Marques falava aos jornalistas à margem da sessão de abertura do Portugal Air Summit, que decorre no Aeródromo de Ponte de Sôr.
O governante, que elogiou o “cluster” aeronáutico no Alentejo, adiantou que o Governo espera, “no próximo ano”, depois de “acabados” os estudos ambientais e de segurança, avançar com a construção da obra para, “em 2021 ou 2022” ter o aeroporto do Montijo a funcionar.
No decorrer da sua intervenção, Pedro Marques considerou que a construção de um aeroporto complementar no Montijo é uma “situação financeira comportável para o Estado”.
“A ser implementada, como acreditamos, uma solução também equilibrada do ponto de vista do desenvolvimento de toda a área metropolitana de Lisboa e das regiões adjacentes, incluindo o Alentejo”, disse.
Para o governante, a “opção Montijo” vai impulsionar a criação de emprego, estimando-se que possa gerar a prazo “20 mil postos de trabalho diretos e indiretos”.
O ministro do Planeamento e das Infraestruturas enalteceu ainda o investimento feito em Portugal no setor da aeronáutica nos últimos 10 anos, transformando o país num “’player’ [ator] importante” a nível mundial.

Montijo quer um barco por cada avião que aterre 
Uma nova rede de transportes está a ser pensada e trabalhada entre o Governo e a Câmara do Montijo. Para Nuno Canta, "o que está pensado é um shuttle entre o Aeroporto do Montijo e o Aeroporto Humberto Delgado é um 'shuttle', um autocarro mais rápidos do que os normais de modo a fazer uma ligação bastante eficaz entre um aeroporto e outro. Depois, obviamente, haverá todo o tipo de transportes, quer por companhias de transportes públicos, quer por táxis, etc. Tudo isso será muito desenvolvido, mas onde a cidade aposta mais é no transporte fluvial", diz o chefe do executivo da Câmara do Montijo.
"Achamos que deve existir um barco por cada avião que chega e vai haver necessidade de haver um aumento significativo de barcos e ligações a Lisboa e, mais do que tudo, dizemos que este transporte deve ser panorâmico, criando logo à partida uma ligação dos turistas com o estuário e com Lisboa. A partir dessa ideia de barcos panorâmicos achamos que todo o turismo ligado ao estuário e às travessias do estuário poderá ser incentivado e uma mais valia económica para a região de Lisboa", sublinha Nuno Canta.

ANA quer aeroporto 4.0 
Na conferência crescimento da economia portuguesa: mitos e realidades, em Lisboa, o responsável informou que se “está a definir o conceito do aeroporto” do Montijo, uma solução que se avançar irá possibilitar 72 movimentos por hora, em vez dos cerca de 38 atuais apenas no aeroporto Humberto Delgado.
Carlos Lacerda referiu a sua vontade de fazer do Montijo um “aeroporto 4.0”.
“Gostava de fazer disso uma bandeira”, resumiu o responsável, lembrando as “poucas oportunidades de criar um aeroporto de raiz”.
O dirigente afirmou a vontade de no Montijo, caso se oficializasse a escolha do local para o novo aeroporto, haver um elevado grau de eficiência, nomeadamente a nível da “otimização de processos” para que haja taxas aeroportuárias mais competitivas e captação de operações.
“Eficiência também para permitir uma operação muito rápida e para as companhias permanecerem pouco tempo” no aeroporto, acrescentou o empresário, precisando que as companhias aéreas de baixo custo permanecem, em média, 25 minutos.
O presidente executivo da ANA notou como os “aeroportos têm que ser máquinas afinadas, e qualquer distorção introduz um efeito muito grande na operação”, sublinhando que não se pode “ter o tipo de situação” como problema no abastecimento de combustíveis de aeronaves, como se registou há cerca de duas semanas em Lisboa.
O responsável aproveitou ainda para notar o rácio registado na empresa que gere os aeroportos nacionais: “um milhão de passageiros para mil postos de trabalho”.

Agência de Notícias 
[ + ]

Almada reconverteu 60% das áreas urbanas de génese ilegal

Câmara promete continuar a reabilitar o concelho 

A vereadora do Urbanismo da Câmara de Almada, Amélia Pardal, afirmou na terça-feira que "58 por cento dos territórios urbanos de génese ilegal da Sobreda da Caparica já foram reconvertidos", mas reconheceu que alguns casos ainda podem demorar anos a resolver. "No concelho de Almada temos 60 por cento dos territórios urbanos de génese ilegal reconvertidos e mais 20 por cento em conversão. Isto significa que nos falta cerca de 10/15 por cento do território inicial de AUGI [Áreas Urbanas de Génese Ilegal]. Não tem sido um processo rápido porque não é possível ser rápido nestes processos, que "exigem a intervenção de várias entidades e alguma dinâmica das comissões e os proprietários", disse Amélia Pardal.
Almada garante estar a reduzir áreas urbanas de génese ilegal 

Amélia Pardal falava à agência Lusa depois de uma sessão pública com cerca de três dezenas de moradores da Sobreda da Caparica, no Solar dos Zagallos, em que os técnicos da autarquia deram a conhecer uma operação de reabilitação urbana que deverá ser aprovada na próxima Assembleia Municipal, e sobre as Áreas Urbanas de Génese Ilegal na Sobreda.
"Esta reunião teve dois objetivos fundamentais: informar as pessoas sobre algumas coisas relativas à reabilitação urbana e dar informação às pessoas da Sobreda sobre os territórios urbanos de génese ilegal", acrescentou a autarca almadense, reconhecendo que a autarquia nem sempre pode dar as respostas imediatas que os munícipes desejariam, até porque este tipo de intervenções não depende apenas da Câmara Municipal.
Confrontada com as reclamações de alguns moradores, que se queixaram da demora em obterem respostas dos serviços camarários e do indeferimento de projetos sem qualquer explicação para a decisão, Amélia Pardal negou que tal tivesse acontecido na Câmara de Almada.
"Há sempre uma razão para indeferir qualquer projeto e essa razão tem de ser explicada e foi explicada", disse, assegurando que, "nos últimos anos, tem havido um esforço de aproximação entre os técnicos municipais e os proprietários".

Autarquia já investiu cerca de 600 mil euros na reabilitação urbana 

Quanto a uma eventual ajuda financeira do município aos proprietários de terrenos de génese ilegal com parcos recursos económicos, Amélia Pardal deu como certo que a autarquia não irá conceder nenhuma ajuda para além das que estão previstas na própria lei.
"No dia em que fosse dado um apoio desse género para a reconversão das AUGI da Sobreda da Caparica, teríamos de fazer o mesmo para todas as outras áreas urbanas de génese ilegal. E isso seria incomportável", justificou
Além da reconversão das AUGIs da Sobreda da Caparica, a atual maioria na Câmara de Almada espera avançar já no próximo ano (se ganhar as próximas eleições autárquicas) com as obras de reabilitação urbana da zona consolidada da localidade, assunto menos polémico para a população local.
De acordo com os dados disponibilizados pela autarquia, a Câmara Municipal de Almada já investiu mais de 600 mil euros na reabilitação urbana de 484 fogos (160 dos quais estavam devolutos), a que corresponde um investimento dos proprietários que ascende a mais de 10 milhões de euros.
Depois das intervenções já efetuadas em Cacilhas, Almada, Pragal, Cova da Piedade, Trafaria, Monte Caparica e Porto Brandão, a próxima operação de reabilitação urbana no concelho de Almada deverá abranger o centro da Sobreda da Caparica.

Agência de Notícias com Lusa

[ + ]

Barreiro anuncia requalificação dos Paços do Concelho

Requalificação do edifício do Largo das Obras vai arrancar em breve 

Integrada na programação “Maio, Mês de Quem Trabalha”, no Barreiro, realiza-se ao longo do presente mês o ciclo “À Conversa com os Trabalhadores” em diversos serviços municipais, no qual membros do Executivo Municipal conversam com todos os funcionários do Município e dos Transportes Colectivos do Barreiro. O presidente Carlos Humberto, e os vereadores Sónia Lobo e Rui Lopo reuniram, na sala de sessões, com os trabalhadores do município. Na ocasião, Carlos Humberto, garantiu que o projeto de requalificação do edifício dos Paços do Concelho,  vai ser objecto de candidatura a fundos comunitários. A obra, diz a autarquia, "contemplará, por exemplo a instalação de elevador, a renovação do atendimento e da sala de sessões". 
Autarquia avança para requalificação dos Paços do Concelho 

A renovação dos edifícios municipais foi outro dos assuntos abordados nesta conversa com os trabalhadores da autarquia. Destacou a obra a decorrer no edifício dos Transportes Colectivos do Barreiro que trará melhores condições para o atendimento ao público. 
Carlos Humberto abordou, ainda, o projeto de requalificação do edifício dos Paços do Concelho, "objecto de candidatura a fundos comunitários, que contemplará, por exemplo a instalação de elevador, a renovação do atendimento e da sala de sessões". 
Informou, ainda, os trabalhadores que o arquivo que está no edifício da Câmara, no Largo Alexandre Herculano (vulgo Largo das Obras), será transferido para "o Espaço Memória, prevendo-se que o rés do chão do edifício seja para o atendimento ao público, tornando-o mais acessível a todos os munícipes". Carlos Humberto recordou os anos de dificuldade económica que o país atravessou e em particular o Município do Barreiro. "A redução do número de trabalhadores (cerca de 200) e do número de dirigentes" foram, segundo o presidente, "factos que levaram ao enfraquecimento da estrutura do município e, como consequência, torna-se mais difícil responder a todas as necessidades dos munícipes", explica Carlos Humberto. 
No sentido de melhorar esta situação, nos últimos anos têm sido tomadas “algumas medidas com resultados positivos, nomeadamente o recrutamento de trabalhadores para os serviços das águas e saneamento, higiene urbana e cemitérios, em 2017”, disse o presidente.
No seguimento de uma visão estratégica de modernização dos serviços, a autarquia, diz ainda Carlos Humberto, "investiu cerca de um milhão de euros na área da informática".
Por outro lado, a renovação da frota dos TCB foi iniciada com aquisição de novas viaturas para os serviços operacionais e até 2020 será, segundo o presidente, "totalmente renovada".
A renovação dos edifícios municipais foi outro dos assuntos abordados. Destacou a obra a decorrer no edifício dos Transportes Colectivos do Barreiro que trará melhores condições para o atendimento ao público. 
Na ocasião, a vereadora Sónia Lobo, responsável pela área dos Recursos Humanos, destacou algumas actividades do programação do “Maio, Mês de Quem Trabalha”, tais como os conselhos para uma alimentação saudável, da Liga Portuguesa Contra o Cancro; o ciclo de conversas sobre o consumo sustentável realizadas pelo Centro de Informação Autárquico ao Consumidor; os Conselhos dados pelos Bombeiros Sul e Sueste em caso de acidente (AVC ou epilepsia); ou os conselhos da PSP aos trabalhadores em caso de violência doméstica.

Agência de Notícias com Câmara do Barreiro 

[ + ]

Ilustração faz a festa em Setúbal em Junho

Vens ver ou “é preciso fazer um Desenho?”

Os ilustradores António Jorge Gonçalves, Bráulio Amado e Manuel Ribeiro de Pavia estão em destaque na Festa da Ilustração 2017, certame que, ao longo de Junho, promove dezena e meia de exposições em diversos espaços do concelho. “Setúbal é a capital da ilustração durante o mês de Junho”, salientou o vereador da Cultura da Câmara de Setúbal, Pedro Pina, na apresentação do programa do evento, na Casa da Cultura. Para o autarca, estão reunidas todas as condições para Setúbal viver “um grande momento”, tendo em conta os números “expressivos” da edição deste ano, que mantém o lema “É preciso fazer um Desenho?”. “A festa terá 14 exposições com trabalhos de ilustradores profissionais, de reclusos do Estabelecimento Prisional de Setúbal e de mais de mil alunos de quatro agrupamentos de escolas do concelho e de nove escolas superiores de artes de todo o país”.
Festa da Ilustração foi apresentada na Casa da Cultura 

A terceira edição da Festa da Ilustração, organizada pela Câmara Municipal em parceria com o atelier DDLX e a editora Abysmo, tem como principal novidade, de acordo com Pedro Pina, a “descentralização de espaços para chegar a vários públicos”.
José Teófilo Duarte, do atelier DDLX, realçou que a linha conceptual do evento“mantém-se em relação às edições anteriores”, ou seja, “celebrar o trabalho de ilustradores clássicos, como Manuel Ribeiro de Pavio, e o dos contemporâneos, como António Jorge Gonçalves”.
Teófilo Duarte destaca as mostras destes dois autores como algumas das mais relevantes do certame. De resto, as exposições “Subway Life”, “A Minha Casa Não Tem Dentro” e “Desenhos Efémeros”, de António Jorge Gonçalves, abrem a Festa da Ilustração, com a presença do ilustrador, no dia 2 de Junho, às 24 horas, e podem ser visitadas até 2 de Julho, na Casa da Cultura.
Antes, às 23h30, o autor faz uma apresentação, no Pátio do Dimas, na Casa da Cultura, com o título “Eterópolis”, sobre o desenho digital.
Já a Galeria Municipal do 11 acolhe, de 3 de Junho a 2 de Julho, uma exposição de um autor já falecido, Manuel Ribeiro de Pavia, a inaugurar às 19 horas, com a participação do Grupo Coral Alentejano “Amigos do Independente”.
“Orgulhamo-nos que seja Setúbal a lembrar-se de Pavia, quando o resto do país não o fez, no ano em que se assinala os 110 anos do nascimento e os 60 da morte do ilustrador. Ele foi um autor marcante do movimento neorrealista”, vincou João Paulo Cotrim, da editora Abysmo.
A mostra, intitulada “Pavia”, está também disponível para visitas guiadas pelo comissário Jorge Silva, nos dias 17 e 24 de Junho, às 19 horas, cujas inscrições podem ser feitas pelo endereço eletrónico festailustracaosetubal@mun-setubal.pt.

Os pontos altos na programação 
Outro momento importante da Festa da Ilustração, segundo José Teófilo Duarte, é a exposição de Bráulio Amado “Cartazes 2016/17”, patente de 3 de Junho a 1 de Julho, na Casa do Largo, no Largo José Afonso.
Os cartazes que o artista concebeu para diversas partes do mundo estão também em exposição na Galeria Abysmo, em Lisboa, que funciona como extensão da Festa da Ilustração.
O certame setubalense é constituído por outros eventos que prometem também captar a atenção do público, como a exposição “Anúncios Classificados”, composta por uma seleção de anúncios ilustrados, entre 1895 e 1960, feitos pelos melhores artistas portugueses, oriundos da coleção do investigador Jorge Silva.
A mostra está patente de 10 de Junho a 2 de Julho, no cais 3 do porto de Setúbal, que acolhe, durante o mesmo período, a “Ilustra 33”, coletiva de 33 ilustradores nacionais.
Outro ponto alto da Festa da Ilustração volta a ser a exposição “Ilustração Portuguesa”, a inaugurar a 10 de Junho, às 17h30, no Convento de Jesus, que mostra o que de melhor foi publicado em Portugal em 2016.
A terceira edição desta coletiva de contemporâneos, patente até 2 de Julho, conta com cerca de 150 ilustrações de 80 artistas, selecionadas entre um conjunto de obras de referência de diferentes áreas da ilustração, aplicadas em meios como imprensa, internet, literatura e exposições.
João Paulo Cotrim destaca a qualidade desta mostra, à qual concorreram mais ilustradores este ano.
O responsável congratula-se, igualmente, por as escolas superiores de artes darem “cada vez mais atenção à área da ilustração”, o que se comprova nesta edição, que “bateu o recorde de escolas participantes e fez o pleno de todos os cursos superiores que são dedicados à ilustração, em Portugal”.
Os trabalhos dos alunos destas escolas integram a exposição “TPC”, patente no Convento de Jesus, de 10 de Junho a 3 de Julho.
De 3 de Junho a 2 de Julho, a Galeria Municipal do Banco de Portugal acolhe “Pintado de Fresco”, uma mostra coletiva dos ilustradores da região André Antunes, Eurico Coelho, Fátima Afonso, Francisco Vaz da Silva, Hélder Oliveira, Luís Cavaco, Paulo Buchinho, Samuel Malaia e Zé Nova.
“Ter um espaço onde os artistas de Setúbal podem expor os seus trabalhos é algo que nos orgulha. Esta exposição é importante para nós”, sublinhou o vereador Pedro Pina.

Mostras por toda a cidade 
Exposições e mostras decorrem em toda a cidade 
Já a Casa Bocage expõe, de 3 de Junho a 1 de Julho, “Ensemble Sketchbook”, uma mostra dos esquiços dos ensaios do Ensemble Juvenil de Setúbal, no âmbito do Festival da Música de Setúbal, desenhados por José Minderico.
Durante o mesmo período, o renovado Museu do Trabalho Michel Giacometti recebe “Resumo da Matéria Dada”, com trabalhos do ilustrador Baltasar, enquanto a Biblioteca Pública Municipal mostra “Fora de Muros”, que reúne ilustrações de 19 reclusos do Estabelecimento Prisional de Setúbal.
De 3 de Junho a 2 de Julho, os Lavadouros de Azeitão têm uma coletiva de diversos ilustradores, enquanto a “Mostra da Festa da Ilustração” está patente no Centro Comercial Alegro.
“É Preciso Contar Uma História” é o desafio lançado na Casa d’Avenida, com exposições de Bernardo Carvalho, João Catarino, Andres Sandoval, Melkio e Ana Férias, a instalação “Plasticus Maritimus”, de Ana Pêgo, e uma mostra de trabalhos realizados por alunos das escolas básicas e secundárias do concelho.
As mostras, que podem ser visitadas até ao final do mês, são inauguradas no dia 3, às 16 horas, com a presença dos ilustradores, a que se segue, uma hora depois, uma apresentação sobre projetos realizados, no âmbito do serviço educativo, entre a Casa d’Avenida e as escolas básicas do concelho.
A Festa da Ilustração de 2017 conta ainda com o encontro sobre “Ilustração Hoje”, no âmbito do ciclo Muito Cá de casa, organizado pela Câmara Municipal de Setúbal em parceria com o atelier DDLX.
A iniciativa, que decorre no dia 9, pelas 22 horas, na Sala José Afonso da Casa da Cultura, conta com a participação de António Jorge Gonçalves, Jorge Silva e João Paulo Cotrim, estando a moderação a cargo de José Teófilo Duarte.
O programa oferece, igualmente, um programa educativo para as crianças, na Casa d’Avenida, com a apresentação do projeto “Quase Nuvem”, da Escola Básica du Bocage, nos dias 6 e 8 de Junho, às 10 horas a realização de um conjunto de ateliers e visitas guiadas às exposições, para jardins de infância e escolas do 1.º ciclo.
Ana Pêgo conduz o atelier “Plásticus Maritimus”, no dia 11, às 10 horas, e a 24, pelas 16 horas, Ana Férias conduz a oficina “Little Shadow Tales”.
O texto “Aldeia Flutuante do Povo Cachalote”, de Afonso Cruz, é o mote para outro atelier, com Maria João Frade, a decorrer, nos dias 3, às 10 horas, no Centro Comercial Alegro, e 17, às 16 horas, na Casa d’Avenida.
As inscrições para os ateliers e para as visitas guiadas para os estabelecimentos de ensino podem ser efetuadas em festailustracao@mun-setubal.pt
O jornal “Diário de Notícias” repete a iniciativa de dedicar uma edição especial ao certame setubalense, em que todas as peças noticiosas são acompanhadas exclusivamente por ilustrações.
Durante o evento, estão também disponíveis o “Catálogo da Ilustração Portuguesa”, que reúne os trabalhos da exposição com o mesmo nome, e o “Catálogo Geral da Festa da Ilustração”, com trabalhos de ilustradores que marcam presença este ano na Festa da Ilustração 2017.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal
[ + ]

Setúbal vai ser a capital da flor no fim de semana

Festa da Flor anima capital do distrito este fim de semana 

Está a chegar a segunda edição da Festa da Flor, que promete embelezar Setúbal no próximo fim-de-semana, evento organizado pela Câmara de Setúbal no âmbito do movimento “Eva Dream – Florir Portugal”, impulsionado por Tó Romano. O espaço público da capital do distrito vai voltar a desfrutar de um conjunto de iniciativas dirigidas à população, com exposições, seminários, ateliers e animações, ao longo de 26 e 27 de Maio. “Vamos celebrar as flores e as plantas e valorizar os seus contributos para o bem-estar e melhoria da qualidade de vida de todos, em especial no que diz respeito à saúde física, mental e emocional”, disse a vereadora da Câmara de Setúbal, Carla Guerreiro durante a apresentação do programa do evento. 
Festa da flor arranca esta sexta-feira em Setúbal 

Além das plantas hortícolas às ornamentais, passando pelas aromáticas, medicinais, frutícolas e florestais, que o certame apresentará, a autarca realça também “os benefícios ambientais e sociais que ocorrem quando as pessoas de todas as idades, origens e capacidades interagem e participam em actividades de jardinagem e de horticultura, com o objetivo de cuidar das plantas e da cidade”.
Serão vários os espaços públicos setubalenses abrangidos pela iniciativa, em particular o centro histórico da cidade, concretamente a Praça de Bocage e a Avenida Luísa Todi, com actividades abertas à participação popular, tanto para miúdos como para graúdos.
Carla Guerreiro adiantou que a festa deste ano procura “levar mais longe o contacto com a natureza”, proporcionando “um mundo de experiências associadas às plantas no qual todos podem passear, aprender e divertir-se, num contributo para a sensibilização de todos para a necessidade de preservação dos espaços verdes colectivos”.
A Festa da Flor, que este ano alarga o programa comparativamente à edição anterior, com um leque de actividades dirigidas a profissionais, à comunidade educativa e à população em geral, é também pretexto para um novo desafio. “Embelezar as varandas com flores para tornar Setúbal uma cidade mais florida”, explicou a autarca.

Setúbal dá exemplo de como florir uma cidade 
Na apresentação do programa realizada esta manhã no Pátio do Dimas da Casa da Cultura, Tó Romano, do movimento Eva Dream Florir Portugal, manifestou as mais-valias alcançadas com a dinamização deste tipo de iniciativas. “As flores são um vector de diferenciação para que o turismo se possa disseminar por todas as regiões do País e podem vir a marcar o futuro de Portugal. Setúbal, com a Festa da Flor, dá o exemplo”.
Destacou ainda as características únicas e de excelência da região de Setúbal. “Do rio Sado à Serra da Arrábida, do Forte de São Filipe ao Convento de Jesus. Tudo é lindo. E ainda é terra de bom peixe e de uma gastronomia singular”.
A apresentação da Festa da Flor 2017 incluiu ainda um momento de animação musical, com a artista setubalense Susana Martins a partilhar alguns temas evocativos ou relacionados com as flores.

Programa alargado e varandas embelezadas
Nos dias 26 e 27, sempre com início às 10 horas, a Praça de Bocage recebe “O Mundo da Flor”, com exposição e venda de flores e outros bens associados, na qual participam perto de 30 expositores. Neste local, realiza-se também a construção de uma mandala colectiva e de um tapete em arte efémera.
Já na placa central da Avenida Luísa Todi, nos mesmos dias, decorre a iniciativa “Ruas Floridas de Redondo”, projecto que a Câmara Municipal de Redondo traz a Setúbal e que inclui a recriação real do embelezamento de uma das ruas daquela vila do distrito de Évora durante um evento dedicado às flores.
O programa inclui, no dia 26, o 3.º Seminário Tecnologias Aplicadas aos Espaços Verdes Urbanos, entre as 8h30 e as 17 horas no auditório do Mercado do Livramento. À noite, já na Praça de Bocage, às 21 horas, há um baile de danças do mundo com “A Batalha do Modesto Camelo Amarelo”.
A Associação de Acordeonistas de Setúbal dá música às ruas da Baixa, a 27, em animações às 10 da manhã e às 15 horas. Já a “Flower Trupe” anima o espaço público setubalense das 15 às 19 horas com particular ênfase nos locais nos quais decorrem as actividades da Festa da Flor.
No dia 27 há ainda um conjunto de aulas abertas. No Pátio do Dimas da Casa da Cultura há “A Vida das Abelhas”, às 11h30, por Carlos Matos, “Propagação de Aromáticas”, às 15 horas, por elementos dos Viveiros Aliança, e “Hortas de Varanda”, às 16 horas, dinamizado pela empresa Chão Bom.
As aulas abertas são também dinamizadas no pátio interior dos Paços do Concelho, com “Como Construir um Território”, às 10 horas, por Jonas Banaparte, da Airplant, “Arranjos Florais em Cestaria”, por Ana Silva, da Flor Formosa, e “Arranjo Floral para um Jantar”, por Paulo Nunes, da U Shabby Chic.
O público pode usufruir de um conjunto de actividades diversas, como o atelier infantil “Arquivista por um Dia”, com a construção de flores em papel, no dia 27, das 10 às 13 horas e das 14 às 19 horas, nas arcadas dos Paços do Concelho.
A Praça de Bocage recebe, nos dois dias da Festa da Flor 2017, para os mais jovens, actividades de pinturas faciais, modelagem de balões e jogos didácticos, enquanto na Casa da Cultura, igualmente a 26 e a 27, realiza-se um atelier infantil sobre flores, pela Artiset – Associação dos Artistas Plásticos de Setúbal.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal
[ + ]

Câmara do Seixal exige mais ligações fluviais com Lisboa

Autarcas querem mais barcos na semana que os trabalhadores voltam a parar para plenários 

A Câmara do Seixal exigiu esta terça-feira mais ligações fluviais da Transtejo entre o concelho e Lisboa, referindo que a redução de carreiras tem originado uma perda de passageiros. Em causa está a redução permanente das ligações fluviais, que têm vindo a acontecer drasticamente nos últimos anos, prejudicando os munícipes que utilizam diariamente este meio de transporte nas suas deslocações”, refere a autarquia, em comunicado. Este anuncio surge na mesma altura em que os trabalhadores da Transtejo e Soflusa, responsáveis pelas ligações fluviais no rio Tejo, vão realizar esta semana plenários, com paralisação de atividade, para analisar as negociações com a administração da empresa. As paralisações acontecem quinta-feira, à tarde, nas ligações do Seixal, Trafaria, Cacilhas e Montijo à capital, e na sexta-feira afetam as ligações Barreiro Lisboa. 
Câmara reclama mais barcos para Lisboa 

A Câmara do Seixal, liderada por Joaquim Santos, salienta que a “redução de disponibilização de carreiras” tem vindo a fazer com que o número de utilizadores “reduza substancialmente de ano para ano, procurando outras alternativas para se deslocarem, entre as quais o transporte próprio e o comboio”.
“No entender da Câmara do Seixal, este reforço da mobilidade também passa por mais carreiras de e para o Seixal, potenciando a utilização do transporte público, mas também a economia e o turismo, importante setor que o município pretende desenvolver”, salienta.
A autarquia defende que o transporte fluvial no rio Tejo assume uma importância estratégica na mobilidade das populações da Área Metropolitana de Lisboa, que tem vindo a ser posta em causa. A autarquia defende "o alargamento do passe social intermodal a todos os operadores e toda a população da Área Metropolitana de Lisboa". 
Considera a autarquia que é necessário também "criar-se atratividade para uma utilização do serviço de transportes coletivos em detrimento do transporte individual" e  "apostar na qualidade deste serviço e na sua sustentabilidade que só é possível através de um sistema integrado que permita reforçar a mobilidade em toda a Área Metropolitana de Lisboa".
De há vários anos a esta parte, está a ser posta em causa com a redução de trabalhadores e problemas de manutenção nas suas frotas, conduzindo a cortes na oferta de transportes e a uma recorrente supressão de carreiras programadas, gerando perda de fiabilidade neste modo de transporte”, sublinha a autarquia.
Os eleitos da Câmara Municipal do Seixal vão estar junto à estação da Transtejo no concelho na quarta-feira para exigir mais carreiras de ligação entre o Seixal e Lisboa.

Barcos param quinta e sexta-feira para plenário de trabalhadores 
Os trabalhadores da Transtejo e Soflusa, responsáveis pelas ligações fluviais no rio Tejo, vão realizar esta semana plenários, com paralisação de atividade, para analisar as negociações com a administração da empresa.
"Para se analisar o desenvolvimento do processo de negociação com a administração da Transtejo e da Soflusa, na sequência do 'chumbo' por parte do Governo dos acordos firmados em dezembro passado entre os sindicatos e a administração, assim como discutir as informações relativas à recuperação da frota, os trabalhadores das duas empresas irão realizar plenários", refere a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), em comunicado.
Os plenários, com paralisação da atividade, vão decorrer na tarde de quinta-feira na Transtejo, entre as 14h30 e as 17h30, e na Soflusa na sexta-feira, entre as 13h55 e as 15h55.
A Transtejo é a empresa responsável pelas ligações do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa, enquanto a Soflusa faz a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

Agência de Notícias com Lusa 
[ + ]

Palmela comemora o dia da Energia e do Ambiente

Município promove formação “Hortas de Varanda”, caminhada e passeio de bicicleta noturno

O município de Palmela associa-se às comemorações do Dia Mundial da Energia e do Dia Mundial do Ambiente - assinalados a 28 de Maio e 5 de Junho, respetivamente – com uma semana que integra uma ação de formação sobre hortas de varanda, em Pinhal Novo, a 4.ª Pedalada Noturna, em Palmela, uma caminhada noturna no Parque Natural da Arrábida e visitas às hortas comunitárias, apelando à participação de todos os munícipes.
Palmela quer fomentar o uso de hortas de varandas  

O CRJ – Centro de Recursos para a Juventude de Pinhal Novo, no edifício do Mercado Municipal, acolhe, no dia 27 de Maio, entre as 9h30 e as 17h30, a oficina “Hortas de Varanda”. Com inscrições gratuitas (limitadas), esta oficina vai ensinar, de forma simples e prática, como ter um pequeno jardim ou horta numa varanda ou terraço.
A 4.ª Pedalada Noturna decorrerá no dia 3 de Junho, com partida às 20h30, da Casa Mãe da Rota de Vinhos da Península de Setúbal, em Palmela. A iniciativa - um percurso de BTT noturno com a duração de 3h30 e uma extensão de 25 quilómetros (Grau de dificuldade III) - passará pelo Centro Histórico de Palmela, Serra do Louro, Vale de Barris e Vale de Alcube. Com o apoio da Rota dos Vinhos da Península de Setúbal, a iniciativa integrará uma degustação de moscatel e doçaria regional, na Adega Venâncio da Costa Lima, em Quinta do Anjo.
O percurso terminará na Taverna Bobo da Corte, no Castelo de Palmela, com sopa caramela, pão e vinho para as/os participantes. As inscrições, com o valor de seis euros, são obrigatórias e deverão ser realizadas até ao dia 31 de Maio através do telf. 212 334 398 ou pelo e-mail info@rotavinhospsetubal.com (as/os participantes deverão comparecer com capacete e iluminação frontal e traseira).

Câmara prepara candidaturas ao projeto Eco-Famílias
Por último, no dia 24 de Junho, a autarquia promove uma caminhada noturna no Parque Natural da Arrábida, com uma extensão de 11,6 quilómetros e quatro horas de duração (nível 4). Com início às 21 horas, esta caminhada é gratuita e sujeita a inscrição prévia (limite de 100 participantes) através do telf.21236636 ou pelo e-mail desporto@cm-palmela.pt
A inscrição só é efetiva após confirmação. Dirigida à população em geral, esta iniciativa procurará sensibilizar para a diversidade das plantas aromáticas na flora da Arrábida.
Durante a Semana do Ambiente e da Energia, a Câmara de Palmela disponibilizará, através do site oficial, informação sobre os principais poluentes atmosféricos, os seus efeitos e as medições registadas na região e distribuirá um guia sobre boas práticas em eficiência energética, como forma de consciencialização da comunidade local para o uso eficiente de energia e divulgação do Plano de Ação para a Energia Sustentável de Palmela, evidenciando o contributo que cada cidadão poderá ter na redução de emissões de CO2.
A Câmara de Palmela está, ainda, a preparar o arranque de novas candidaturas ao projeto Eco-Famílias, que tem como objetivo "fomentar nas famílias do concelho um espirito de boas práticas ambientais e sustentáveis nas várias vertentes, contribuindo para um bom desempenho ecológico individual e para o desenvolvimento sustentável da comunidade", explica a autarquia presidida por Álvaro Amaro.

Agência de Notícias com Câmara de Palmela

[ + ]

Voluntários limpam toneladas de lixo entre Melides e Tróia

400 voluntários levaram 11 dias para "limpar" as praias de Grândola 

Mais de 14 toneladas de resíduos foram retiradas de 45 quilómetros de costa entre Melides e Tróia, no concelho de Grândola, percorridos durante 11 dias por voluntários que arregaçaram as mangas para limpar as praias alentejanas. Cerca de 400 pessoas participaram este ano na limpeza das praias da costa de Grândola, no litoral alentejano, segundo um comunicado enviado à agência Lusa pela associação Brigada do Mar, que promove iniciativa.
Voluntários limparam  as praias do concelho de Grândola 

Do lixo retirado no areal entre os dias 10 e 21 de Maio, a associação destacou o resultante de “diversas actividades piscatórias”, de veraneantes e também “embalagens de produtos provenientes dos quatro cantos do mundo”.
Embora estimando terem sido recolhidas “mais de 14 toneladas de resíduos” este ano, a Brigada do Mar considera que “o lixo continua a diminuir devido à regularidade” da acção de limpeza que promove desde 2009.
Entre as centenas de pessoas envolvidas na 9.ª edição da limpeza do areal entre Melides e Tróia estiveram voluntários oriundos de 12 países estrangeiros, anunciou ainda a associação, que indicou ter contado com participantes vindos da Rússia, Espanha, Bélgica, Suíça, Alemanha, Itália, Finlândia, Albânia, Polónia, Moldávia, Reino Unido e Taiwan.
A limpeza das praias do concelho de Grândola é promovida pela Brigada do Mar em parceria com o município e o Parque de Campismo da Galé. Conta com o envolvimento de “mais de 20 entidades nacionais e internacionais” e tem, desde 2014, o Alto Patrocínio da Presidência da República.

Agência de Notícias com Lusa

[ + ]

Voluntários deixaram Setúbal mais bonita

Seis mil voluntários em mega operação de requalificação urbana 

Mais de seis mil voluntários, de todas as idades, participaram entre os dias 19 e 21 na sétima edição do Setúbal Mais Bonita, projeto de requalificação urbana, que este ano desenvolveu mais de duzentas intervenções de beneficiação em todo o concelho. “Cada vez que fazemos o Setúbal Mais Bonita é um dia de festa, com milhares de pessoas na rua, dispostas a cuidar da sua cidade e a preservá-la”, salientou a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira. “Cada vez estão a aderir mais pessoas, bem como as associações de moradores que temos vindo a constituir e o movimento associativo”.
Voluntários deram mais cor à cidade 

A cada ano da iniciativa há sempre algumas intervenções com especial destaque, pelo impacte que causam junto da população e pela dimensão. Este ano não foi exceção e o principal enfoque foi a recuperação geral do Parque de Vanicelos, um dos pulmões da cidade, que contemplou todo o edificado, a pintura de muros e muretes e a plantação de plantas e flores nas zonas envolventes.
Esta ação, desenvolvida no fim de semana, numa área superior a 60 mil metros quadrados, contou com a ajuda de mais de uma centena de voluntários.
“Se isto se repetisse em todo o país, as pessoas passavam a vida a participar na sociedade. É bom estar a brincar, a jogar, a ler um livro e ver tudo tratado e preservado. Ver os muros limpos e as casas limpas”, referiu a presidente da autarquia, enquanto participava numa ação de plantação de flores no parque, dia 20 de manhã.
Antes, a 19, a sétima edição do Setúbal Mais Bonita havia começado com o dia a ser dedicado a intervenções nas escolas, com ações em três dezenas de estabelecimentos de ensino, e a projetos de autor, como a iniciativa Veja Lá Bem Onde Pões Os Pés, dinamizada pela artista plástica Olinda Lima.
Este projeto devolveu à calçada da cidade mais de 120 pedras, com a particularidade de estarem pintadas com motivos alusivos a Setúbal e à sua história.
Há sete anos a embelezar o concelho, o Setúbal Mais Bonita passa pela realização de ações de beneficiação em diversos locais, como a pintura de fachadas e a recuperação de espaços e mobiliário públicos.
A particularidade da iniciativa é o facto de as intervenções serem executadas pelos munícipes, que se apresentam como voluntários, numa demonstração de total entrega a esta causa. Em muitos casos, são eles próprios que apresentam as sugestões de ações.
Maria do Carmo Tiago, advogada de profissão e voluntária de coração, foi, às nove da manhã de sábado, uma das primeiras a chegar à Brejoeira, em Azeitão, um dos locais do concelho onde se realizaram beneficiações nas habitações sociais.
“É um trabalho físico e há pessoas que não o fazem. Se fizermos todos um bocadinho, não custa”, refere, de rolo na mão, enquanto pinta um muro de branco.
Ao lado, entre sorrisos e muita comoção, Aida Vilela interrompe a conversa para agradecer o arranjo na casa onde mora há quarenta anos.
“O meu marido partiu há sete meses. Ele é que ia ficar feliz por ver a casa assim. Agora, sou eu que vou gozar isto com os meus filhos e netos. A partir de hoje, vou dormir melhor”, desabafa, com as mãos junto do peito.


Intervenção no Bairro da Brejoeira, em Azeitão
Autarca juntou-se aos voluntários para florir o concelho 
O bairro social da Brejoeira foi um dos locais de relevo desta edição do Setúbal Mais Bonita, com a autarquia a executar melhorias ao nível do isolamento e reparações nas estruturas a cerca de três dezenas de casas.
A Junta de Freguesia de Azeitão completou a obra com a substituição de 57 janelas com vidros duplos. Agora, meia centena de voluntários contribuiu com mão de obra nas pinturas das casas, cujas cores foram escolhidas pelos moradores.
Para a presidente da Junta de Freguesia de Azeitão, Celestina Neves, o mais importante destas intervenções é a melhoria da qualidade de vida dos moradores, uma vez que em causa não está “passar a ter casas mais bonitas, mas, sim, contribuir para ajudar esta população, composta maioritariamente por idosos e com dificuldades não só financeiras”.
A autarca salientou que a intervenção ajuda também a mexer com a autoestima das pessoas. “Vamos continuar empenhados neste projeto. A seguir, vamos colocar um espaço destinado ao lazer de crianças e jovens”.
Ainda em Azeitão, a campanha promovida pela Câmara  de Setúbal em parceria com as juntas de freguesia, contemplou ações como a pintura da fachada do Grupo Musical e Desportivo União e Progresso, de Vendas de Azeitão.
Também o Pavilhão da Juventude Azeitonense, em Vila Nogueira, ganhou novas cores, depois das pinturas de interior e das melhorias nos balneários. Algo que, segundo Bruno Gomes, da comissão administrativa da Juventude Azeitonense, “era muito necessário”, uma vez que há dez anos que não eram feitas obras no espaço.
“Com os materiais dados, principalmente, as tintas, possivelmente vamos conseguir fazer outras intervenções nos próximos dias”, indicou.

Voluntários percorreram o concelho todo 
Nem as casas particulares deixaram de ser requalificadas 

Nesta edição do Setúbal Mais Bonita, o consumo de tintas para pintura de fachadas de edifícios e de embelezamento do espaço público foi superior a oito mil litros.
No território da União das Freguesias de Setúbal, além da intervenção desenvolvida no Parque de Vanicelos e de muitas outras, a Praça do Brasil foi alindada, com a pintura das floreiras existentes e a recuperação dos bancos.
Em São Sebastião também houve diversas beneficiações. O Centro Comunitário de S. Sebastião ganhou novas cores, estando agora pintado de salmão. Na mesma zona, localizada no Bairro de S. Domingos, houve melhoramentos ao nível dos muros, agora coloridos de azul com motivos de peixes, desenhados e pintados com o envolvimento de crianças.
A zona da Bela Vista é a prova real de que cada edição do Setúbal Mais Bonita é uma festa. Ao nível dos bairros sociais, só na Alameda das Palmeiras o projeto municipal contemplou intervenções em 26 prédios.
É ao som de funaná que Dário Moreira, 21 anos, ganha o ritmo para as pinturas dos espaços comuns do prédio com o número 11. “Tomei a iniciativa porque quero dar outro aspeto ao meu bairro. Temos os materiais e a tinta. Temos ajudas. Agora, fazemos o que podemos”.
No número 13 da Alameda das Palmeiras, os 84 anos de Júlio Martins não o impediram de contribuir para a melhoria do espaço. Já sentado, orgulhoso, revela que pintou “as escadinhas”, enquanto José Veiga, há dois anos a morar no bairro, acredita que “a mudança vem devagarinho, mas muita coisa já está melhor e as pessoas também”.
No Forte da Bela Vista foram as crianças a ter o protagonismo na transformação com a pintura, em várias cores, do muro do anfiteatro do pátio 10 e do muro da escultura da Avenida Belo Horizonte.
Por todo o território da Bela Vista, ao longo dos três dias do Setúbal Mais Bonita, as intervenções foram sendo desenvolvidas ao nível da pintura de galerias, de zonas comuns e de escadas e muretes.
O calor do fim de semana não assustou os mais de seis mil voluntários que tornaram possível esta sétima edição do Setúbal Mais Bonita. A freguesia do Sado não foi exceção e muitas pessoas juntaram-se às oito da manhã de sábado para requalificar e pintar um talude da Rua Quinta do Meio, em Praias do Sado, a que se seguiu a pintura de mais de uma dezena de habitações da Rua Alves Redol, no Faralhão.
A amizade, sentimento que dá o nome ao bairro da Quinta da Amizade, em Gâmbia, Pontes e Alto da Guerra, foi o que saltou à vista durante o fim de semana de intervenções nesta freguesia.
Vera Passarinho e José Colaço são vizinhos e foi em prol do gosto que sentem pelo local onde habitam que arregaçaram as mangas como voluntários na requalificação de escadarias e de uma pérgula.
“Tenho crianças. Foi uma experiência e um exemplo para elas. A parte rica da questão é que acabamos por conhecer vizinhos com quem até então ainda não tínhamos falado e agora os miúdos já estão na casa uns dos outros a brincar”, acentua Vera Passarinho.
José Colaço conta que a experiência não se fica por aqui. “Já combinámos terminar durante a semana aquilo que não conseguirmos fazer até domingo”, refere, salientando que muita desta união entre vizinhos surgiu da formação recente da associação de moradores, por sugestão da Câmara Municipal.
“Têm uma grande dinâmica e é graças à constituição da comissão de moradores que conseguimos executar estas intervenções. Estamos satisfeitos com o nosso envolvimento nesta grande iniciativa”, afirma o presidente da Junta de Freguesia de Gâmbia, Pontes e Alto da Guerra, José Belchior.

Uma presidente de Câmara orgulhosa 
A iniciativa Setúbal Mais Bonita, promovida pela Câmara de Setúbal em parceria com as juntas de freguesia, é a maior campanha de participação cidadã que se realiza em Portugal na área da requalificação urbana.
“Era bom que todos seguissem este exemplo. Não tem a ver com sermos os únicos, nem com termos de ser imitados. Nós também aprendemos com as coisas bem-feitas dos outros. Temos um projeto para isso”, assinala a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, referindo-se à iniciativa Setúbal Fora de Portas.
A autarca salienta que eventos como o Setúbal Mais Bonita contribuem não só para uma melhor cidade, mas, acima de tudo, para proporcionar mais bem-estar às pessoas, numa campanha em que elas se assumem como protagonistas.
Algumas das intervenções do Setúbal Mais Bonita resultam de propostas apresentadas pelos próprios voluntários e por instituições, que decorrem nas cinco freguesias de concelho, com o intuito geral de envolver a população no esforço coletivo de embelezamento do concelho, no espírito de município participado.
A campanha, promovida pela Câmara Municipal em parceria com as juntas de freguesia, contou neste edição, como é usual, com diversos patrocínios, nomeadamente ao abrigo do mecenato, com a Barbot a disponibilizar as tintas a preços especiais.
A Carmona, a Águas do Sado e a Refrige concederam apoios financeiros, enquanto a EDP disponibilizou equipamentos para a pintura em locais elevados. Já o Pingo Doce e o Jumbo Setúbal contribuíram com lanches, enquanto os TST, a Deloitte e os jornais Setubalense, Setúbal Mais e SemMais Jornal apoiaram na divulgação.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal

[ + ]

Feira de Maio anima vila da Moita a partir de quinta-feira

Feira regional marca o arranque da época de festas no concelho 

A vila da Moita está em festa de 25 a 28 de Maio, com a tradicional Feira de Maio que marca também o início do ciclo das festas populares no concelho da Moita. No programa deste ano, não faltam as tradicionais largadas de toiros, na Avenida Dr. Teófilo Braga, uma corrida de toiros, o Espaço de Gastronomia Local, onde irá ter lugar o Almoço da Feira e os habituais divertimentos, com diferentes carrosséis. Mas a grande novidade do certame é o regresso, 20 anos depois, do concurso da Vaca Frísia que se realiza no Pavilhão Municipal de Exposições da Moita. O público pode assistir a três largadas, a vários espetáculos musicais e arruadas de bombos, refere a autarquia. Este evento tem como objetivo “dinamizar o comércio local” e “divulgar as tradições da Moita”, nomeadamente as “tradições taurinas”, explica a Câmara da Moita.
Feira de Maio começa quinta- feira à noite na vila da Moita


A primeira do calendário das festas populares do concelho está a chegar. Entre 25 e 28 de Maio, a Moita volta a cumprir a tradição centenária da Feira Regional de Maio que, este ano, volta a integrar o Concurso da Vaca Frísia.
Como habitualmente, fazem parte do programa da Feira de Maio as famosas largadas de touros na Avenida Dr. Teófilo Braga, espectáculos musicais na Praça da República, o Espaço da Gastronomia na Rua 5 de Outubro, o VI Almoço da Feira, a Biofesta – Mostra de Projectos e Produtos Biológicos, no Largo Conde Ferreira, arruadas, entre muitas outras iniciativas.
Integrada na Feira de Maio, esta mostra é uma aposta da autarquia e do Centro de Formação das Escolas dos Concelhos da Moita e do Barreiro, "considerando a relevância atual da produção em modo biológico e também a sua importância para a saúde e o ambiente", explica a organização do certame.
A Biofesta é um evento que "decorre em ambiente informal e descontraído, onde são divulgados os projetos das hortas biológicas escolares, os produtos hortícolas de micro-produtores locais e comercializados produtos biológicos diversos, sendo também divulgadas organizações relacionadas com o modo de produção biológicos", sublinha a Câmara da Moita.

Concurso da Vaca Frísia está de regresso 
Mas, este ano, há também uma novidade em relação às edições anteriores: o regresso ao Pavilhão Municipal de Exposições, 20 anos depois, do Concurso da Vaca Frísia, nos dias 26, 27 e 28 de Maio.
A iniciativa do Município de retomar este certame "prende-se com a grande importância económica que a actividade agropecuária, nomeadamente na produção de leite, tem no concelho da Moita, e com o reconhecimento e projecção que este concurso traz ao concelho e à própria Feira Regional de Maio", refere a autarquia em comunicado.
No Pavilhão, os visitantes poderão encontrar, além da Exposição e do XVIII Concurso de Vaca Frísia, produtos relacionados com a produção agropecuária, com a produção de bovinos de raça frísia e com a produção de leite.
Tal como em anos anteriores, durante os dias da Feira, também haverá espaço para a Peças D’Arte – V Feira de Antiguidades, Velharias e Artesanato, a decorrer na Avenida Marginal.

A importância da Feira para a população 
Para a autarquia, a Feira de Maio “é um local de convivência” e de “reencontro de amigos”, que não se vêem há algum tempo. A Câmara da Moita revela que “toda a programação da Feira de Maio” foi realizada em parceria com o “movimento associativo” e com a “comunidade”, que são os “protagonistas das atividades que se vão realizar ao longo dos quatro dias”.
A autarquia  lembra que este evento “só por si já atrai um elevado número de pessoas, por ser  a primeira feira do município da Moita e por ter uma vertente musical e taurina, sendo as largadas conhecidas a nível nacional”.
A Câmara da Moita ambiciona que durante os quatro dias estejam presentes entre cem a 150 mil visitantes, caso as condições meteorológicas ajudem de quinta a domingo, os dias de festa rija pelas ruas da vila ribeirinha da Moita.
Programa da Feira de Maio

Agência de Notícias com Câmara da Moita 


[ + ]

As maiores bandas portuguesas atuam em Setúbal

Xutos e Pontapés e Amor Electro vão animar Festival da Liberdade a 16 e 17 de Junho 

Os Xutos e Pontapés e os Amor Electro são as principais atrações do Festival Da Liberdade 2017 que terá lugar a 16 e 17 de Junho no Parque Urbano de Albarquel, em Setúbal.  O grupo Amor Electro estará em palco na noite de 16 de Junho e, no dia seguinte, são os Xutos e Pontapés a encerrar o certame no palco principal do Festival da Liberdade. Bezegol, Diogo Piçarra, Supernova e Capicua também estão entre os muitos grupos que vão mostrar-se nos três palcos do festival, no qual a Associação de Municípios da Região de Setúbal, espera ter cerca de 50 mil visitantes.
Amor Electro fecham primeira noite do Festival da Liberdade 


Para o presidente da Associação de Municípios da Região de Setúbal, Rui Garcia, "o cartaz é muito bom, mas o mais importante é tudo o resto", porque o festival também é "um motor para dinamizar o movimento juvenil e para promover uma maior aproximação dos jovens aos municípios da Península de Setúbal".
O vereador da Cultura da Câmara de Setúbal, Pedro Pina, congratulou-se com a escolha da cidade de Setúbal para a edição deste ano do festival e prometeu todo o apoio da autarquia sadina durante o evento, que classificou como "uma grande festa da juventude, da liberdade e da participação".
Além da música, o festival da Liberdade inclui também uma Mostra Associativa, um Encontro do Movimento Associativo Juvenil e uma Mostra Arte em Liberdade, em que estarão patentes os trabalhos de dezenas de jovens artistas, na Sala Teatro e Cinema.
Muita animação de rua, tasquinhas e atividades desportivas, radicais e aquáticas, são outros motivos de interesse da quarta edição do Festival da Liberdade, que decorre junto à margem direita do rio Sado.
Segundo Jorge Martins, da organização, o orçamento da edição deste ano do Festival da Liberdade é idêntico ao de 2016, ou seja, cerca de "200 mil euros".
A primeira edição do Festival da Liberdade teve lugar no concelho da Moita (2014), a que seguiram outras duas, em Corroios, no Seixal (2015) e no Barreiro (2016).


[ + ]

Buscas por criança desaparecida em Sines

Criança desapareceu no mar de São Torpes este domingo 

As autoridades retomaram às seis e meia da manhã de hoje as buscas para encontrar o menino que desapareceu no domingo na praia de São Torpes, no concelho alentejano de Sines, disse à agência Lusa fonte da Polícia Marítima. Segundo o capitão do Porto de Sines, estiveram na segunda-feira envolvidos nas operações de busca três lanchas, uma de fiscalização da Marinha, outra da Polícia Marítima e uma da Estação Salva-vidas de Sines, um helicóptero em vários períodos do dia e o Grupo de Mergulho Forense da Polícia Marítima e os Bombeiros de Sines. Hoje, o diapositivo deve ser o mesmo. O menino, de 10 anos, estava na água, na praia, com o pai, que, entretanto, terá saído do mar e, passados alguns minutos, deixou de ver o filho. O alerta para o desaparecimento do rapaz foi dado cerca das 16h30 de domingo e de imediato foi deslocada para a zona uma embarcação da Polícia Marítima. 
Criança continua desaparecida  no mar de Sines desde ontem

As autoridades suspenderam às 21 horas desta segunda-feira as buscas para encontrar o menino que desapareceu no domingo na praia de São Torpes, no concelho de Sines, distrito de Setúbal, disse à agência Lusa fonte da Polícia Marítima. O comandante da Polícia Marítima e capitão do Porto de Sines, Manuel Sá Coutinho, indicou que as buscas vão ser retomadas nesta terça-feira, a partir das 6h30 da manhã. Segundo o capitão do Porto de Sines, estiveram hoje envolvidos nas operações de busca três lanchas, uma de fiscalização da Marinha, outra da Polícia Marítima e uma da Estação Salva-vidas de Sines, um helicóptero em vários períodos do dia e o Grupo de Mergulho Forense da Polícia Marítima. 
A mesma fonte adiantou que as buscas de hoje decorreram ainda ao longo das praias a sul de São Torpes, que envolveram elementos da Capitania do Porto de Sines e agentes da Polícia Marítima, com a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Sines. 
O menino, de 10 anos, estava na água, na praia, com o pai, que, entretanto, terá saído do mar e, passados alguns minutos, deixou de ver o filho. O alerta para o desaparecimento do rapaz foi dado cerca das 16:30 de domingo e de imediato foi deslocada para a zona uma embarcação da Polícia Marítima, que já estava na água.
Menino estava na região há dois meses 
O menino de dez anos que desapareceu no domingo junto ao molhe rochoso na Praia de São Torpes, quando o seu pai desviou o olhar por minutos, estava em Portugal há dois meses.
A criança, de naturalidade angolana, estudava na Escola Básica n.º 2 de Santo André, em Vila Nova de Santo André, a 20 quilómetros da praia de São Torpes, e jogava futebol no clube local Estrelas de Santo André, local de trabalho do seu pai.
De acordo com o Jornal de Notícias, que ouviu uma fonte desta instituição escolar, a integração do menino não podia ser melhor. Ao que foi possível apurar, o pai, que morava nesta localidade de Santiago do Cacém quis trazer o filho para lhe proporcionar melhores condições de vida. A mãe ficou em Angola.
O último afogamento nesta praia foi em 1998, contou António Mestre, responsável pela associação de nadadores salvadores Resgate. "Um homem de nacionalidade alemã que tinha sofrido um acidente que lhe retirou mobilidade num braço foi para a água, na ponta sul da praia de São Torpes, com um colchão insuflável. O colchão virou e o homem acabou por morrer afogado". Tinha ido à praia com as duas filhas gémeas, escreveu o Jornal de Notícias. Trinta e seis pessoas morreram afogadas entre 1 de Janeiro e 1 de maio deste ano, metade das quais no mar, segundo os dados divulgados pelo Observatório do Afogamento, da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores.
O documento sublinha que nenhum dos locais onde as 36 pessoas morreram - 28 homens e oito mulheres - tinha vigilância.
A Polícia Marítima e militares da Marinha reforçaram no início do mês a presença nas praias, alertando para os riscos das condições do mar.

Agência de Notícias 

[ + ]

Criança de dois anos morre eletrocutada no Pinhal Novo

Menino morre eletrocutado por "cabo improvisado" e ilegal

Uma criança de dois anos morreu, este domingo, depois de ter sido eletrocutada no Pinhal Novo. Segundo a Lusa, o incidente deu-se na tarde de domingo, quando a vítima mexeu num cabo descarnado perto de uma baixada da EDP. Depois de ter sido retirado do local por outras crianças, o menino foi levado por populares para o Serviço de Urgência Básica do Montijo ainda antes de os Bombeiros Voluntários do Pinhal Novo chegarem ao local. A vítima foi levada em estado grave, mas acabou por não resistir. Para além de sete elementos dos bombeiros, a GNR também esteve no local do incidente.
Bombeiros não chegaram a tempo de salvar menino de dois anos 

Um menino de dois anos perdeu a vida depois de ter sido eletrocutado, este domingo, quando brincava perto de um acampamento em Pinhal Novo. 
A criança ainda foi transportada para o Hospital do Montijo mas acabou por não resistir aos ferimentos que a deixaram em “estado muito grave”.
Em declarações à RTP, o comandante dos Bombeiros Voluntários do Pinhal Novo, Luís Neto, explicou que “o cabo que vem do poste até à casa, que ainda tem mais de uma centena de metros, é um cabo improvisado com alguns enxertos”.
“A criança estaria a brincar na terra, tocou num desses enxertos, que estaria descarnado e sem proteção, e foi eletrocutada”, referiu o responsável.
O cabo em causa seria uma puxada de energia ilegal e as crianças estariam a brincar perto de uma oficina de automóveis sem a vigilância de um adulto.
“As outras crianças levaram o menino e houve alguns populares que prestaram socorro", mas acabou por perder a vida depois de chegar ao hospital do Montijo. 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal disse à Lusa que os Bombeiros de Pinhal Novo foram alertados para o acidente às 18h47 pelo Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU), mas quando chegaram ao local o menino já tinha sido transportado pelos próprios pais para o Hospital do Montijo.

Agência de Notícias 

[ + ]

Meia Maratona correu em festa em Setúbal

Jorge Robalo e Isabel Silva vencem meia maratona sadina 

Jorge Robalo e Isabel Silva foram os grandes vencedores da Alegro Meia Maratona de Setúbal, competição que juntou, no dia 21 de manhã, mais de 1500 atletas numa verdadeira festa do atletismo. A prova setubalense, com certificação europeia da European Athletics, contou com a participação de perto de seiscentos atletas na prova principal, de 21,1 quilómetros, e de cerca de nove centenas na Corrida das Famílias, de caráter lúdico, com um percurso de 5500 metros.
Meia Maratona animou ruas de Setúbal no fim de semana 

Jorge Robalo, a competir a título individual, que na edição passada terminou a competição no terceiro posto, regressou mais forte e completou os mais de 21 quilómetros da prova organizada pela Câmara Municipal, com o patrocínio principal do Alegro Setúbal, em 1h15m52s.
“Treinei durante todo o ano para este resultado”, sublinhou Jorge Robalo.“Tive iniciativa desde o início da prova, sempre num ritmo alto, e paguei a fatura na serra. Felizmente, deu para chegar à meta”, revelou, em tom de brincadeira, o bombeiro sapador na companhia setubalense.
João Mota, em representação do União Futebol e Comércio Indústria, terminou a prova em segundo lugar, a apenas oito segundos do vencedor, com o tempo de 1h15m59s. Já Bruno Pais, do Estoril Praia Futebol Clube, terminou em terceiro ao completar a prova em 1h17m44s.
Entre as mulheres, Isabel Silva, apresentadora de televisão e madrinha da prova sadina, foi a grande vencedora. A atleta, a competir a título individual, cortou a meta instalada no Largo José Afonso com o tempo 1h34m31s. “Foi um percurso incrível. Adorei subir a Serra da Arrábida”, salientou.
Para a entusiasta da corrida, mais importante do que ganhar é participar. “O que interessa verdadeiramente é promover a prática desportiva e fazer exercício regularmente”, até porque, gracejou Isabel Silva, “este é o verdadeiro caminho para morrer de forma saudável”.
O pódio feminino contou ainda com as presenças de Inês Marques, a competir a título individual, em segundo lugar, com o tempo total de 1h39m41s, e de Célia Cecílio, em representação do NAPA – Núcleo Amigos da Perna Assada, em terceiro, com 1h43m51s.
Os vencedores em masculinos e femininos conquistaram ainda os prémios Meta Volante 10 quilómetros, Jorge Robalo com o tempo de 34m04s e Isabel Silva com 44m22s.

"Dá gosto ver tanta gente na rua a praticar desporto"

A presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, destacou a grande moldura humana proporcionada pela prova. “Dá gosto ver tanta gente na rua a praticar desporto e a usufruir de Setúbal, uma cidade que se renova e transforma com mais qualidade”.
A autarca, que deu o tiro de partida no centro comercial Alegro Setúbal, sublinhou a importância da prova, não apenas na competição pura, mas também na vertente de lazer. “É um orgulho imenso ver este colorido, gerações e pessoas com diferentes objetivos mas a fazer desporto com gosto”.
Paralelamente à competição principal, decorreu a Corrida das Famílias, de caráter popular, com um percurso mais acessível, na distância de 5,5 quilómetros, na qual marcaram presença cerca de novecentas pessoas, a correr ou simplesmente a caminhar, em convívio e com boa disposição.
No dia 20, antes da Alegro Meia Maratona de Setúbal e da Corrida das Famílias, o protagonismo foi para os mais novos, com a Corrida Miúdos Alegro, para crianças e jovens dos 5 aos 13 anos, competição com vários escalões e distâncias, com animação no centro comercial.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal 

[ + ]

Setúbal deu voz ao cante alentejano

Homenagem ao cante numa cidade com "raízes" Alentejanas 

O cante alentejano entoou nas ruas da Baixa de Setúbal no dia 20, com o tradicional encontro de corais a reunir grupos sadinos, alentejanos e de Cascais. A décima segunda edição do Encontro de Corais Alentejanos – Alentejo Abraça Setúbal, organizada pela Câmara Municipal de Setúbal em parceria com o Grupo Desportivo Independente, teve início às 10 da manhã, com a receção aos grupos convidados a encher o Salão Nobre dos Paços do Concelho, com cerca de duas centenas de pessoas.

Grupos de Cante Alentejano entoaram na baixa de Setúbal

Na sessão, o vereador com o pelouro da Cultura, Pedro Pina, deu as boas-vindas aos grupos corais e salientou a importância desta iniciativa de homenagem ao cante numa cidade como Setúbal, que “tem muitos alentejanos na sua base”.
A receção contou, igualmente, com as presenças dos presidentes da Junta de Freguesia de São Sebastião, Nuno Costa, e da Associação A Moda, Francisco Teixeira.
Após este momento de confraternização e de troca de lembranças, os seis grupos corais participantes no evento desfilaram pelas ruas da Baixa sadina, até ao Largo da Misericórdia, onde atuaram em concerto, durante cerca de uma hora, na presença de perto de duas centenas e meia de pessoas.
Além do anfitrião Grupo Desportivo Independente, o encontro contou com a participação de outro conjunto da cidade, o Grupo Coral Alentejano “Os Amigos dos Sadinos”.
Do Alentejo vieram o Grupo Coral do Torrão, de Alcácer do Sal, o Grupo Coral Feminino e Etnográfico “Paz e Unidade”, de Alcáçovas, Viana do Alentejo, e o Grupo Coral “Os Boinas”, de Ferreira do Alentejo. Esteve ainda em Setúbal o Grupo Coral Alentejano “Vozes do Campo Branco em Cascais”.
A iniciativa enquadra-se num conjunto de atividades desenvolvidas ou apoiadas pela autarquia de promoção do cante alentejano, expressão musical que foi declarada património de interesse municipal em 2007 e património imaterial da humanidade em 2014.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal
[ + ]

Festas Pinhal Novo 2016 - 11 Junho

Festas Pinhal Novo 2016 - 10 Junho

Ganhar um marido, perder a adolescência

Fotografia: Daro Sulakauri

Festas Pinhal Novo 2016 - 9 Junho

Festas Pinhal Novo 2016 - 8 Junho

Festas Pinhal Novo 2016 - 7 Junho

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010