Dá um Gosto ao ADN

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Empresa acusada de "limitar" actividade sindical no Seixal

Sindicato acusa empresa de segurança de querer despedido delegado sindical 

O Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria e Vigilância acusou na quarta-feira, no Seixal, os Serviços de Operação e Vigilância de pretender "limitar a actividade" de um delegado sindical. As afirmações foram negadas pela empresa de segurança. Segundo o sindicato o trabalhador foi  "dispensado do dever de assiduidade" e mais tarde transferido. Para o sindicato este é "um atentado ao livre exercício da actividade sindical". O trabalhador que exerce funções no Metro Sul do Tejo, em Corroios, está prestes a ser despedido. Para a empresa "registou-se a perda de um cliente e houve a extinção de dois postos de trabalho, não foi um caso específico deste trabalhador. A empresa já colocou à sua consideração um determinado posto de trabalho e estamos agora a aguardar pela sua resposta", garante a empresa de segurança.
Empresa de segurança acusada de querer despedir sindicalista 

 Luís Leitão, da União de Sindicatos de Setúbal, disse à agência Lusa que o trabalhador é delegado sindical e exercia funções no Metro Sul do Tejo, em Corroios, tendo sido "dispensado do dever de assiduidade" e mais tarde transferido. "Foi considerado que estávamos perante uma má prática da empresa, que poderia ser considerada como um atentado ao livre exercício da actividade sindical na empresa. Como não foi possível resolver através do diálogo, o sindicato avançou para o tribunal", afirmou o sindicato. 
Segundo o dirigente sindical, a empresa propôs um compromisso para solucionar o conflito, que foi aprovado pelos trabalhadores e pelo sindicato, mas refere que não está a ser cumprido. "Foi feito um acordo e não está a ser cumprido. A empresa não pode pretender que o trabalhador não exerça a sua actividade sindical e agora está a ameaçar com o despedimento por extinção do posto de trabalho", frisou.

Empresa oferece novo posto de trabalho 
Tiago Prado, advogado da empresa Serviços de Operação e Vigilância, disse à Lusa que houve um problema operacional no local de trabalho do delegado sindical, mas referiu que a empresa está a cumprir o acordado entre as partes. "Por uma questão operacional deixou de ter posto de trabalho, mas foram criadas as condições para que pudesse exercer a sua actividade sindical. Penso que houve uma confusão entre o permitir o acesso ao local para desempenhar as funções de delegado sindical e o readmitir o trabalhador no local", explicou o advogado.
Tiago Prado, que se mostrou surpreendido com o protesto desta quarta-feira, referiu que no local, no Metro Sul o Tejo, de Corroios, se registou a extinção de dois postos de trabalho por uma questão operacional. "Registou-se a perda de um cliente e houve a extinção de dois postos de trabalho, não foi um caso específico deste trabalhador. A empresa já colocou à sua consideração um determinado posto de trabalho e estamos agora a aguardar pela sua resposta", concluiu o advogado da empresa.

Agência de Notícias

0 comentários:

Publicar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010