Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Sines tem as indústrias mais poluentes do país

Centrais a carvão e a refinaria de petróleo são instalações que mais emitem dióxido de carbono

As centrais a carvão de Sines e Pego, em Abrantes, são as principais instalações emissoras de dióxido de carbono em Portugal, denunciou a associação ambientalista Zero, a propósito do início, na segunda-feira, da cimeira sobre Alterações Climáticas, em Madrid. De acordo com a Zero, as emissões destas centrais foram responsáveis por 15 por cento do total de emissões de dióxido de carbono-equivalente (medida internacional que expressa a quantidade de gases de efeito estufa como dióxido de carbono) registadas em Portugal em 2017. Na "lista negra" das empresas mais poluidoras do país está ainda a refinaria de petróleo de Sines, que ocupa o terceiro lugar do ‘ranking’. A Central de Ciclo Combinado da Tapada do Outeiro e a Cimpor, em Alhandra, são outras das empresas que mais contribuíram para o aumento das emissões de gases de efeito de estufa por cá. 
Central de Sines fecha em Setembro de 2023 

A situação mostra a urgência de substituir estas instalações por “centrais de ciclo combinado a gás natural”, numa primeira fase, e depois, “por fontes de energia limpa”, defende a associação em comunicado divulgado, sublinhando a importância da concretização do anúncio do Governo de encerrar todas as centrais que recorrem a carvão até 2030.
O primeiro-ministro anunciou em 26 de Outubro que o seu novo Governo está preparado para encerrar a central termoeléctrica do Pego, em Abrantes, no final de 2021 e fazer cessar a produção da central de Sines em Setembro de 2023.
A produção de eletricidade é responsável, em Portugal, segundo a Zero, por um quinto do total de emissões de gases, ocupando o topo da lista dos 10 maiores poluidores.
O terceiro lugar do ‘ranking’ é ocupado pela refinaria de petróleo de Sines, indústria que volta à lista, com o oitavo posto a ser ocupado pela refinaria do Porto.
A refinação de petróleo e “a produção de cimento com a quinta, sexta e nona posição, mostram como estes setores, a par da produção de eletricidade, são responsáveis por uma considerável percentagem de emissões no país”, aponta a Zero.
Embora não faça parte da lista das 10 instalações que emitem mais gases com efeito de estufa, a associação ambientalista alerta também para a poluição causada pela TAP.
De acordo com a associação, a empresa aumentou em 12,6 por cento as suas emissões de 2017 para 2018, mostrando uma tendência contrária às das unidades industriais que, apesar de mais poluentes, apresentaram reduções de emissões a partir de 2018.
“A Zero tem vindo a alertar para a subida de emissões no setor de aviação” já que, “apesar de não se tratar de uma unidade industrial, as companhias de aviação estão incluídas no comércio europeu de licenças de emissão”.
De acordo com a associação, a TAP ocupava, em 2017, a oitava posição entre os maiores emissores de gases, “com 1,2 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono”.
Este valor representa um crescimento de “13 por cento para 1,4 milhões em 2018”, alertou, lembrando que “a aviação é um setor extremamente beneficiado pela isenção de impostos como o IVA (bilhetes e combustível) e imposto sobre os produtos petrolíferos , contrariando as reduções de emissões que outros setores apresentam”.
A Zero nota ainda, no mesmo comunicado, que, este ano, as emissões da produção de eletricidade “deverão sofrer uma forte redução”, com as emissões associadas ao uso do carvão a caírem para metade.
“Apesar de uma significativa redução da produção da grande hidroelétrica (barragens) na ordem dos 40 por cento e da manutenção da produção de outras fontes renováveis, o decréscimo de emissões nestes 10 meses do ano foi já de 3,5 milhões de toneladas de dióxido de carbono”, refere a Zero, citando dados das Redes Energéticas Nacionais das diferentes fontes de produção de eletricidade entre Janeiro e Outubro de 2019 e o período homólogo do ano passado.
“Com a queda de produção das duas centrais de carvão quase para metade, as emissões totais associadas à produção de eletricidade caíram aproximadamente 37 por cento”, congratula-se a associação ambientalista.
Esta diminuição, explica, resulta “da relação entre os preços do carvão e do gás natural”, mas sobretudo “do elevado preço das licenças de emissão de carbono no mercado europeu, acrescido da taxa nacional de carbono e do imposto sobre combustíveis fósseis que começaram a ser aplicados em 2018 de forma crescente”.

Cimeira do clima arranca hoje em Madrid 
Milhares de especialistas e decisores políticos reúnem-se esta semana em Madrid na 25.ª reunião da ONU sobre as alterações climáticas, a COP25.
As alterações climáticas são, segundo o secretário-geral da ONU, António Guterres, o maior problema da humanidade, e vão afetar dramaticamente o futuro se nada de substancial for feito.
As emissões de gases com efeito de estufa, que os países tentaram controlar no Acordo de Paris de 2015, mas que continuam a aumentar, estão já a afetar o clima e a natureza das mais diversas formas, segundo os cientistas.
Num evento lateral integrado no programa da COP25, que tem fim marcado para dia 12 de Dezembro, Portugal vai voltar a apresentar o seu Roteiro e o Pacto de Financiamento Sustentável, “assinado pelas 16 mais importantes instituições financeiras” nacionais, incluindo a banca, seguradoras e entidades reguladoras.
Para que Portugal produza tanto dióxido de carbono como o que as suas florestas têm capacidade para absorver “vai ter que se investir mais dois mil milhões de euros por ano do que seria expectável”, afirmou o ministro do Ambiente numa entrevista à Lusa divulgada no fim de semana indicando que 85 por cento desse dinheiro virá das famílias e das empresas.

Se nada for feito... o calor vai subir no planeta 
Em 2018, foram produzidas 55,7 gigatoneladas de dióxido de carbono no mundo, de acordo com Relatório sobre a Lacuna de Emissões de 2019, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente divulgado na passada terça-feira. Para viabilizar o Acordo de Paris, seria preciso que a taxa de emissões começasse "imediatamente" a decrescer 7,6 por cento por ano, entre 2020 e 2030, quando na última década esta taxa tem estado a subir 1,5 por cento ao ano.
É preciso reduzir mais de cinco vezes a quantidade de emissões lançadas na atmosfera, sob pena de as ondas de calor e de as tempestades atingirem a Terra de forma irreversível. Se estas metas não forem ajustadas e cumpridas, a temperatura do planeta pode subir 3,2 graus centígrados neste século, deixando para trás o objetivo dos 1,5 graus.

Agência de Notícias com Lusa 
www.adn-agenciadenoticias.com

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010