Dá um Gosto ao ADN

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Judoca de Almada conquista bronze no Rio de Janeiro

“Se eu consegui, tu também consegues. Não desistam de lutar por aquilo em que acreditam”

A vida competitiva de um judoca é feita de dias. Cada categoria disputa-se integralmente num dia e esses dias podem ser mais curtos ou mais longos consoante o que os judocas fizerem no tapete. Um dia longo no judo significa que foi um dia bom. E Telma Monteiro já teve muitos dias longos e bons em Europeus, Mundiais e outras grandes provas internacionais. Mas faltava-lhe um grande dia olímpico. À quarta tentativa, esse dia aconteceu. A judoca de Almada conquistou a medalha de bronze na categoria de -57kg, após derrotar a romena Corina Caprioriu, inaugurando o medalheiro português nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Telma Monteiro deixou uma mensagem de agradecimento pelo carinho que recebeu de todos e outra em jeito de conselho para a vida: “Se eu consegui, tu também consegues. Não desistam de lutar por aquilo em que acreditam”.
Telma Monteiro conquistou a primeira medalha para Portugal

Aos 30 anos, a glória olímpica é algo que Telma Monteiro pode meter na pilha das coisas que já conquistou, juntamente com cinco títulos europeus e quatro medalhas de prata em Mundiais. E era algo que a judoca do Benfica perseguia há 12 anos, desde os Jogos de Atenas em 2004, quando tinha apenas 18. Se na capital grega foi, sobretudo, aprendizagem, os pódios falhados em Pequim 2008 e Londres 2012 foram bem mais frustrantes.
Mas a redenção aconteceu na Cidade Maravilhosa e no Arena Carioca, onde o público brasileiro, que ensaiou os gritos ante o ouro de Rafaela Silva na categoria da atleta portuguesa. A brasileira da Cidade de Deus teria a honra de conquistar o primeiro ouro para o Brasil, face a Sumiya Dorjsuren, da Mongólia, [que tinha derrotado por faltas a atleta de Almada] enquanto a japonesa Kaori Matsumoto, campeã em Londres, ficou com o outro bronze.
Logo de manhã aconteceu algo que os mais supersticiosos poderiam interpretar como um sinal. Ao mesmo tempo que Telma se desembaraçava da neozelandesa Darcina Manuel, no tatami ao lado a norte-americana Marti Malloy perdia com Lien Chen-Ling, da China Taipé, tinha derrotado a portuguesa em Londres logo no primeiro combate, chegando, depois ao bronze. Na “chave da morte” em que a portuguesa estava metida, seguia-se Dorjsuren, principal favorita ao ouro, e Telma ainda resistiu bem. Conseguiu levar o combate para Golden Score, acabando por ser penalizada por falta de combatividade perante a agressividade nos limites do permitido da asiática.
Mas, por ter chegado aos “quartos”, Telma já havia garantido que iria ficar para a tarde e continuar na luta pela medalha de bronze. Foi logo o primeiro combate da sessão vespertina, a portuguesa contra a francesa Automne Pavia, bronze em Londres e antiga campeão europeia. Foi uma contenda rápida que durou um minuto, com Telma a vencer por ippon com uma chave de braços. Por ser a primeira da tarde, teria mais tempo para descansar que a adversária, vice-campeão olímpica.
No combate do bronze, a atleta do Benfica pontuou com yuko nos instantes iniciais, mas, pouco depois, percebeu-se uma limitação no ombro esquerdo da portuguesa. A romena tentou atacar este ponto fraco, mas Telma defendeu-se bem. Os segundos passaram lentamente, as paragens foram muitas e era visível que Telma estava pronta a explodir com gritos e celebrações que estavam guardados há 12 anos. 
Acabava a obsessão, o seu palmarés estava agora mais completo e o judo português passava a ter dois pódios olímpicos, este a juntar ao bronze de Nuno Delgado em Sydney 2000 — e a 24.ª medalha portuguesa nos Jogos.

“Trabalhei, não desisti, acreditei sempre"
Telma Monteiro venceu judoca romena para chegar ao Bronze 
“Passadas mais de 24 horas”, Telma Monteiro confessa que ainda “é difícil pensar em algo para escrever” aos seus seguidores nas redes sociais. Mulher coragem, lá acabou por dar voz ao coração há instantes, nesta quarta-feira.
Começando pelos primeiros passos na sua bem-sucedida carreira, a judoca confessou que, quando arrancou nesta modalidade, não tinha noção do “quanto teria de treinar” nem onde “poderia chegar”. Depois, instalou-se “a paixão por este desporto”, ela cresceu e começou a fazer parte do seu ADN.
“Doze anos volvidos desde os meus primeiros Jogos Olímpicos, 11 medalhadas em Europeus e 5 em Mundiais depois, o sonho tornou-se realidade. Terminar a carreira sem a ‘tal’ medalha (olímpica) era uma possibilidade. O que não era possibilidade era desistir de trabalhar para que ela fosse uma realidade”, prosseguiu Telma Monteiro no Facebook, passando depois às emoções vividas nos tapetes do Rio.
“Trabalhei, não desisti, acreditei, tive receio, fui com receio mesmo, mas fui também com coragem. Consegui. Primeira medalha olímpica do judo feminino português. História pelo meu país. O meu país… isso era o mais importante de tudo. Não era eu, éramos nós, ali, naquele tapete da Arena Carioca 2”, escreveu ainda, partilhando por 11 milhões o mérito da sua conquista.
Telma Monteiro ainda deixou uma mensagem de agradecimento pelo carinho que recebeu de todos e outra em jeito de conselho para a vida: “Se eu consegui, tu também consegues. Não desistam de lutar por aquilo em que acreditam”.
O futuro para Telma é já amanhã e já “só” faltam quatro anos para ir a Tóquio defender a sua medalha. Mas entre os Jogos na cidade do samba e os Jogos na pátria do judo ainda há muitos dias bons para ter. “Quero descansar, desfrutar e, depois, voltar. Precisei de quatro Jogos Olímpicos para ganhar uma medalha. Precisei de perceber como é que se ganhava uma medalha. O mais importante é que ainda fui a tempo. Daqui a quatro anos, o meu objectivo é estar em Tóquio, desfrutar no país do meu desporto e terminar em grande. Entretanto, quero é continuar a ganhar medalhas. Nunca é de mais. Agora tenho uma energia diferente”, disse a melhor judoca de sempre em Portugal. O presidente da República, o primeiro-ministro, o ministro da Educação e o presidente do Benfica felicitaram Telma Monteiro pela conquista da medalha de bronze nos Jogos Olímpicos.
O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou alegria pela conquista pela judoca Telma Monteiro da primeira medalha para Portugal nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, esperando que seja o começo de outros sucessos.
"Deixem-me aproveitar a ocasião para dizer da alegria da primeira medalha olímpica portuguesa. Essa medalha olímpica de bronze, espero seja o começo de outros sucessos, já que este ocorre no começo das Olimpíadas", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa no Recife, no final de uma visita de seis dias ao Brasil.

A mensagem de Telma Monteiro para os bombeiros
A judoca de Almada, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos Rio2016, deixou ainda uma mensagem de agradecimento a todos os bombeiros envolvidos no combate aos incêndios que assolam Portugal e de apoio às pessoas afetadas.
"Quero deixar uma mensagem de solidariedade, de muita força e de agradecimento a todos os bombeiros que estão neste momento a proteger todos os portugueses e a todas as pessoas que têm sido afetadas", afirmou a judoca, num vídeo publicado no Twitter do seu clube, o Benfica.
Numa mensagem gravada na Aldeia Olímpica, Telma Monteiro, que na segunda-feira alcançou o bronze no torneio olímpico de judo da categoria -57kg, apela à responsabilidade cívica de todos os portugueses, e lembra que "basta um cigarro acesso para prejudicar uma floresta inteira e milhares de pessoas".

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010