Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Preços dos transportes de Lisboa e Porto não vão subir

"Não se justifica que haja aumentos dos preços"

Os preços dos transportes públicos de Lisboa e Porto não vão sofrer qualquer alteração no próximo ano, revelou o Ministério do Ambiente. A decisão afeta as tarifas da Carris, do Metropolitano de Lisboa, Transtejo/Soflusa, da STCP e do Metro do Porto.  As reduções que o preço do petróleo tem vindo a registar, e que tudo indica deverão continuar ao longo de 2016, mas também os fortes aumentos nos tarifários decididos nos primeiros anos da troika em Portugal estão entre os principais fatores a justificar a decisão. O gabinete do ministro do Ambiente explicou à Lusa que o aumento das tarifas “não se justificam” e que o Governo defende "o incremento da mobilidade dos transportes públicos". Em sentido inverso, as portagens nas pontes sobre o Tejo sobem entre 5 e 15 cêntimos.
Transportes públicos sem aumentos este ano 

Segundo fonte oficial do gabinete de João Matos Fernandes, ministro do Ambiente que ficou com a tutela dos transportes públicos, "não se justifica que haja aumentos dos preços", em função da baixa dos preços dos combustíveis.
A inflexão registada na evolução do preço do petróleo a partir de meados de 2014 vai trazer algum alívio para os utentes dos transportes de Lisboa e Porto em 2016.
O barril de petróleo, que durante quase três anos se manteve acima ou próximo dos cem dólares, entrou num ciclo de descidas graduais mas constantes desde Julho de 2014, ciclo esse que puxou o preço da casa dos 100 dólares por barril até aos menos de 40 dólares atuais. Esta é uma tendência que segundo a maioria dos analistas deverá continuar no próximo, antecipando-se até a queda do barril para menos de 30 dólares.
Esta inflexão da tendência do petróleo permitiu também congelar os tarifários em 2015, ainda que contra a vontade inicial do anterior governo. No ano passado, os tarifários tinham sido atualizados em um por cento em média, valor quase idêntico ao registado em 2013. Estes aumentos moderados, contudo, surgiram em cima de um forte e repentino ciclo de encarecimento dos transportes públicos levado a cabo pelo primeiro executivo PSD-CDS-PP.

Aumentos de 27 por cento em quatro anos 

No início de 2011, ainda antes de ser chamada a troika, os tarifários dos transportes públicos foram aumentados em média 4,5 por cento. Depois, com a mudança de governo e a entrada dos credores, o novo executivo avançou em Agosto do mesmo ano com nova revisão, elevando as tarifas em média 15 por cento. Em Fevereiro de 2012, veio nova alteração, com aumentos médios de cinco por cento.
O impacto desta sequência de revisões em alta no custo dos transportes fica evidente se virmos os dados da inflação deste segmento: segundo o INE, e desde o início de 2011 até Novembro último, recorrer ao transporte ferroviário de passageiros ficou 27 por cento mais caro e no transporte rodoviário de passageiros as subidas atingiram os 16,7 por cento. Já os títulos combinados de passageiros viram o preço subir 29 por cento, com o salto nos transportes de passageiros por mar e vias interiores navegáveis a atingir os mesmos 29 por cento.
Estes saltos expressivos nos preços tiveram igualmente reflexo nos dados operacionais das empresas, que perderam dezenas de milhões de passageiros: só em 2012, o Metropolitano de Lisboa contou menos 25 milhões de viagens, metade das perdidas pela Carris, que no mesmo ano teve menos 50 milhões de passageiros.
Com a decisão de congelar os preços nos transportes urbanos de Lisboa e Porto, o bilhete individual continuará a custar 1,40 euros no caso do metro de Lisboa ou 1,80 euros na Carris - 2,85 euros nos elétricos, verificando-se o mesmo a norte: uma viagem individual na STCP ficará a 1,85 euros e cada viagem com o Andante Azul continuará a custar 1,20 euros, no caso de uma única zona.
A mesma situação irá ocorrer com os preços dos passes mensais, os mais procurados. Em Lisboa, o Navegante Urbano continuará nos 35,65 euros, com o título mensal geograficamente mais abrangente, o Navegante Rede, a permanecer nos 42 euros.

Portagens nas pontes sobre o Tejo sobem entre 5 e 15 cêntimos
Portagens das pontes sobre o Tejo já aumentaram 
Em sentido inverso, as taxas de portagem  subiram a 1 de Janeiro em 10 por cento dos troços das auto-estradas nacionais, mas em apenas cinco cêntimos, anunciou o Ministério do Planeamento e Infraestruturas. As portagens nas pontes 25 de Abril e Vasco da Gama, concessionadas à Lusoponte, vão sofrer uma actualização que varia entre os 0,05 euros, para os veículos de classe 1 em ambas as travessias, e os 0,15 euros, na classe 4 na ponte Vasco da Gama, anunciou o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas em comunicado.
Segundo o gabinete de Pedro Marques, a actualização nas taxas de portagem das auto-estradas nacionais vai abranger no próximo ano apenas 10 por cento dos troços das vias onde há cobrança aos utilizadores, sendo que essa actualização será de cinco cêntimos.
"As taxas dos restantes troços mantêm-se inalteradas", refere ainda o ministério na mesma nota.
A revisão anual das taxas de portagem nas auto-estradas é feita com base na variação do Índice de Preços ao Consumidor, sem habitação, que em Outubro último, o mês que serve de referência na maioria dos contratos de concessão, foi de 0,62 por cento.
Como a actualização inclui um mecanismo que obriga ao arrendondamento ao múltiplo de cinco cêntimos mais próximo, apenas 10 por cento dos troços sofrerão um aumento, o qual se fica pelo cinco cêntimos.


0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010