Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Palmela e Lisboa juntas para requalificação de monumentos

Lisboa e Palmela candidatam-se a fundos para requalificar castelos

O município de Lisboa vai candidatar-se, juntamente com o de Palmela, a fundos comunitários para requalificar o Castelo de São Jorge e o Castelo de Palmela, anunciou ontem o vereador do Urbanismo da capital. Manuel Salgado, que falava na reunião camarária pública, indicou que a aprovação do Programa de Valorização Cultural e Territorial da Alcáçova de Lisboa irá "formalizar a candidatura conjunta com Palmela a fundos europeus" para ambos os municípios reabilitarem os seus castelos. A proposta para a criação deste programa foi aprovada com a abstenção do CDS-PP e votos favoráveis do PSD, PCP e maioria socialista na Câmara, que inclui também os Cidadãos por Lisboa. O Castelo de São Jorge está situado no seio da Alcáçova de Lisboa, um enclave de 6,5 hectares que inclui também o bairro do Castelo, no qual moram 355 moradores.
Castelo de Lisboa e Palmela com candidatura conjunta 

Na apresentação do programa, Manuel Salgado frisou que a intervenção neste monumento vem na sequência de projetos de planos que a Câmara de Lisboa "está a preparar a colina do Castelo, que têm em conta a importância do Castelo como polo mais visitado da cidade".
No ano passado, registaram-se um milhão 205 mil 755 visitantes, número que o vereador do Urbanismo espera que aumente 25 por cento este ano, também na sequência de novos acessos àquela zona.
No final de Janeiro, o município aprovou a realização de estudos para a instalação de um funicular, de escadas rolantes e de um elevador para facilitar os acessos à Graça, à Mouraria e à Sé, respetivamente, tanto para residentes como para visitantes, que vão ser tidos em conta neste programa de valorização.
Ontem, Manuel Salgado indicou que o município vai realizar sondagens para verificar a possibilidade de construção de um parque de estacionamento subterrâneo sob o campo de jogos da Verbena com 180 lugares, destinados essencialmente a moradores.
A Câmara vai ainda "ter reuniões com a Direção-Geral do Património Cultural para clarificar quais os condicionamentos existentes", adiantou.
"O turismo tem grande importância, mas é fundamental pensar nos residentes", sublinhou o autarca.
Questionado pelos vereadores António Prôa (PSD) e João Gonçalves Pereira (CDS-PP), sobre prazos e investimento neste programa, Manuel Salgado respondeu que "no último trimestre de ano" a Câmara terá todos os prazos escalonados.
Quanto aos valores, o autarca assinalou que os acessos ao Castelo vão custar seis milhões de euros, sendo que o funicular e as escadas rolantes estarão prontos "até ao final de julho" e o elevador da Sé "até ao final de 2015".
Já as intervenções no castelo, que incluem melhorias das infraestruturas e o incremento das valências e serviços, têm uma "primeira estimativa de 5,2 milhões de euros". O parque de estacionamento subterrâneo custará cerca de quatro milhões de euros.
Na reunião de hoje, foi ainda aprovada a atribuição de 1,6 milhões de euros para projetos em Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP).
Em declarações à agência Lusa no final da reunião, a vereadora do Desenvolvimento Local, Paula Marques, afirmou que este é um "programa que está consolidado na cidade" e que visa "estimular a participação, o pensamento crítico e o trabalho em comunidade".

Ritual Almenara aproxima castelos 
Em Palmela, a autarquia já anunciou um projeto municipal que envolve os dois municípios. Trata-se do Ritual Almenara, inserido na  Feira Medieval de Palmela em Setembro. No último dia de feira, [27 de Setembro] a organização avançará com a primeira edição do “Ritual Almenara”, que pretende recriar o episódio em que, durante o cerco de Lisboa pelos castelhanos, o Condestável D. Nuno Álvares Pereira - após a vitória na batalha dos Atoleiros (1384) - acendeu grandes fogueiras no Castelo de Palmela para alertar o Mestre de Avis, em Lisboa, de que a ajuda estava próxima. Pretende-se formalizar uma parceria com o município da capital, que permita a comunicação entre os dois castelos, num evento de grande impacto, visível nas duas margens do Tejo.
Entretanto, o projeto “Palmela Almenara” foi, já, alvo, de uma candidatura junto da Área Metropolitana de Lisboa, para integração no plano de ação que vai operacionalizar a estratégia integrada de desenvolvimento territorial, no âmbito das ações integradas de desenvolvimento urbano sustentável, previstas no acordo de parceria Portugal 2020.
"Intenção, sonho e objetivo político" foram as palavras utilizadas pelo presidente da Câmara para explicar, em traços gerais, as ideias que impulsionaram o avanço deste projeto ambicioso. Álvaro Amaro revelou que é objetivo do município "mobilizar ainda mais a população e estabelecer parcerias com os agentes locais – associações, grupos de teatro e artistas, comunidade educativa, restauração e hotelaria, entre outros - em torno deste propósito comum que é o desenvolvimento local, através da utilização dos recursos existentes para criar mais-valias".

Agência de Notícias

0 comentários:

Publicar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010