Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Governo reforça vigilância ao covid-19 no distrito de Setúbal

Autoridades de saúde vigiam Almada, Seixal, Barreiro, Moita e Setúbal para controlar eventuais surtos 

As equipas multidisciplinares de combate à covid-19 vão ser reforçadas em mais seis concelhos da região de Lisboa e Vale do Tejo, avança o jornal Público. Os concelhos visados são Almada, Seixal, Barreiro, Moita, Setúbal e Vila Franca de Xira [no distrito de Lisboa], onde o número das pessoas infetadas subiu na semana passada.  A revelação foi feita por Rui Portugal, que atualmente acumula o cargo de responsável pelo gabinete de intervenção para a supressão de covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo com a subdireção da Direção-Geral da Saúde. O reforço de equipas nesses seis concelho deve-se ao facto de apresentarem um risco acrescido de casos de infeção pelo novo coronavírus pela sua alta densidade populacional e “níveis socio-económicos instáveis, o que por si faz com que o risco esteja aumentado”, segundo Rui Portugal. O reforço das equipas multidisciplinares de combate à covid-19 "não é exclusivo" da Área Metropolitana de Lisboa e explicou que a sua ampliação permite também preparar o outono e o inverno. 
Autoridades já preparam outono e inverno 

Densidade populacional e níveis sócio-económicos instáveis justificam o reforço das equipas multidisciplinares nos concelhos de Almada, Seixal, Barreiro, Moita e Setúbal e Vila Franca de Xira, segundo adiantou ao jornal Público Rui Portugal, na qualidade de responsável pelo Gabinete de Intervenção para a Supressão da covid-19 e Lisboa e Vale do Tejo.
O também subdiretor-geral da Saúde explicou que estes seis concelhos têm uma “alta densidade populacional e com níveis sócio-económicos instáveis, o que por si faz com que o risco esteja aumentado”.
As equipas, compostas por profissionais de Saúde Pública, Segurança Social, Proteção Civil municipal e forças de segurança, não serão necessariamente novas, uma vez que podem contar com a deslocação de elementos que estão nas equipas de outros concelhos onde a situação está mais controlada.
Rui Portugal, que está neste gabinete de intervenção desde Junho, garante que, neste momento, todas as cadeias de transmissão da área de Lisboa e Vale do Tejo estão identificadas. A decisão foi tomada na semana passada onde, na passada quinta-feira, o número de casos diários foi o mais alto desde 16 de Julho (325) em toda a região.
"Há de facto um sucesso na constituição destas equipas de uma forma formal e do grande investimento das autarquias, proteção civil, segurança social, forças de segurança e da Saúde em relação àquilo que é o esforço de contenção da interrupção das cadeias de transmissão da doença, particularmente naquelas 19 freguesias" mais afetadas pela Covid-19.
Rui Portugal explicou que há critérios "muito claros" para a criação destas equipas, nomeadamente a densidade populacional e situações em que as condições socioeconómicas possam ser mais propensas a situações de risco relativamente à pandemia.
"Ela [pandemia] é democrática, mas de facto há focos maiores nuns e noutros locais", sublinhou, adiantando que estas equipas permitem "nesta altura, mesmo com poucos casos, preparar também o outono e o inverno".
As equipas multidisciplinares, formadas por profissionais da Saúde, Segurança Social, Proteção Civil/Municípios e forças de segurança têm ido ao terreno sensibilizar a população para as medidas de prevenção da doença, bem como verificar e encontrar soluções para quem necessita de apoio alimentar e realojamento, o que tem tido um impacto positivo no combate à doença, refere a Administração Regional de Saúde de Lisboa de Vale do Tejo em comunicado.

Almada queria que reforço tivesse chegado mais cedo 
A presidente da Câmara de Almada - que regista o maior números de casos do distrito de Setúbal, com 886 pessoas infetadas - reage com tranquilidade à inclusão do concelho na lista de municípios da Grande Lisboa que vão ter vigilância reforçada, através das equipas multidisciplinares de combate à covid-19.
Inês Medeiros reconhece que "Almada tem, de facto, uma grande diversidade de situações, mas é importante salientar que, independentemente dessa diversidade, ou de ser o concelho mais populoso da margem esquerda do Tejo – e essa é uma situação conhecida há muito – tem sido possível lidar com a pandemia de forma controlada", disse a autarca citada pela rádio Renascença.
A autarca admite ainda que "há um aumento [do número de casos], mas fica abaixo da média da Área Metropolitana de Lisboa".
Inês Medeiros diz, por isso, que se trata, "sobretudo, de uma medida social", cujo objetivo é "garantir as condições de habitabilidade das pessoas, para garantir, nalguns casos, que o confinamento é cumprido".
Questionada sobre o ‘timing’ deste anúncio, Inês Medeiros considera que estas equipas "poderiam ter chegado ao terreno um pouco antes, mas, como houve aqueles grandes surtos na margem direita do Tejo, é natural que não tenha sido possível implementar o processo mais rapidamente".
Assegura, contudo, que "não há qualquer situação nova ou extremamente preocupante que justifique a entrada em campo deste reforço; era algo que já estava previsto há cerca de um mês e meio".
O importante, sublinha, é "sabermos que a situação pode mudar de um momento para o outro e que não queremos ser surpreendidos. Temos de lutar para diminuir todos os riscos de contágio ou de criação de surtos, conclui.
Além de Almada, o Seixal [887 pessoas com covid-19], Barreiro [497], Moita [476] e Setúbal com 323 pessoas infetadas, estão agora sobre vigilância especial das autoridades de saúde.
Portugal registou até ao momento 54.234 infetados com o novo coronavirus 1.779 mortes associadas à covid-19 e 39.800 recuperados. Os números foram divulgados esta segunda-feira no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.
Um relação a ontem, registaram-se mais um óbito, 132 infetados e 103 recuperados. Ao todo há já 39.800 casos de recuperação em Portugal.
Lisboa e Vale do Tejo regista metade dos novos episódios de infeção pelo novo coronavírus, com 66 das 132 novas infeções.
O relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24 horas de ontem, indica que a região Norte é a que regista o maior número de mortes relacionadas com o vírus, com 840 óbitos, seguida de Lisboa e Vale do Tejo (632 +1 que ontem), Centro (253) e Alentejo (22). Pelo menos 17 mortes foram registadas no Algarve. Há 15 mortes contabilizadas nos Açores. Na Madeira não há óbitos registados.
Em todo o território nacional, há 336 doentes internados, mais 11 que ontem, e 39 em unidades de cuidados intensivos, o mesmo número que no domingo.
De acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica, que iniciou hoje um novo modelo de divulgação dos dados, existem 12.655 casos ativos da infeção em Portugal e 35.568 pessoas em vigilância pelas autoridades.

Agência de Notícias 

1 comentários:

Unknown disse...

Ja vem tarde esta medida.Almada de dia para dia aumenta os casos.No HGO e ve-los entrar.Simplesmente ninguem liga e agora ja estamos sob vigilançia.Vamos ver que medidas mudam.

18 de agosto de 2020 às 14:28

Publicar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010