Dá um Gosto ao ADN

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Escolas testam medidas preventivas em Setúbal

Simulacros são muito importantes para terem noção das medidas a adotar

Um incêndio industrial com libertação de fumos e partículas tóxicas foi o cenário de um simulacro realizado a 14 de Outubro em todas as escolas do concelho de Setúbal, no âmbito do Dia Internacional para a Redução do Risco de Catástrofes. Segunda-feira. Aparentemente, tudo corre dentro da normalidade dentro de uma das salas de aula da Escola Básica n.º 1 do Faralhão. Enquanto a chuva cai forte lá fora, os alunos aprendem o singular e o plural. De repente, o alarme soa e o rosto da professora denuncia algo de inesperado. Para o coordenador da Proteção Civil Municipal de Setúbal, José Luís Bucho, simulacros como este têm como objetivo “sensibilizar e informar”, além de medir a capacidade de resposta perante um cenário de catástrofe, com o envolvimento de alunos, docentes e pessoal não docente.
Incêndio a brincar testa perigos reais 

Um incêndio, simulado, num tanque de amoníaco numa fábrica da Península Industrial da Mitrena, agravado pela dispersão de uma pluma de fumo e de partículas tóxicas sobre parte do território setubalense, interrompe parte da manhã das mais de cinco dezenas de crianças daquele estabelecimento de ensino do Faralhão.
“Mantenham a calma”, pede a professora Sandra Moura, enquanto amachuca folhas de jornal para vedar, com fita adesiva, as janelas e a porta da sala de aula. “Vamos todos proteger as vias respiratórias. Coloquem as camisolas em frente do nariz e respirem normalmente”,
Conduzido localmente pelo Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros de Setúbal, o exercício na Escola Básica n.º 1 do Faralhão, dinamizado no âmbito do Dia Internacional para a Redução do Risco de Catástrofes, decorreu em paralelo com simulacros em todas as escolas públicas do concelho.
Para o coordenador da Proteção Civil Municipal de Setúbal, José Luís Bucho, simulacros como este têm como objetivo “sensibilizar e informar”, além de medir a capacidade de resposta perante um cenário de catástrofe, com o envolvimento de alunos, docentes e pessoal não docente.
“Estes simulacros são muito importantes para terem noção das medidas a adotar no caso de um incêndio real”, explica Jorge Parrulas, técnico do Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros, relembrando o incêndio que ocorreu este mês num edifício da Avenida Luísa Todi, “bem perto de um jardim de infância”.
O Dia Internacional para a Redução do Risco de Catástrofes, assinalado a 13 de Outubro, foi instituído pelas Nações Unidas com o intuito de promover uma cultura global de redução de desastres, incluindo o desenvolvimento de estratégias de prevenção, de mitigação e de preparação para catástrofes.
A efeméride está enquadrada no objetivo da Estrutura de Sendai para Redução do Riscos de Catástrofes 2015-2030, adotada na Terceira Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Redução de Riscos de Catástrofes no Japão, em Março de 2015.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal 
Leia outras notícias do dia em 

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010