Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Suspeita de abuso de menor em Cacilhas era falsa

PJ garante que não houve "qualquer crime" por parte de padre de um centro paroquial sobre criança

A Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal garantiu esta quinta-feira que eram "infundadas" as suspeitas de alegado abuso sexual de uma criança de cinco anos por um padre de um centro paroquial do concelho de Almada. "A investigação efetuada permitiu concluir, de forma absolutamente inequívoca, tratar-se de uma suspeita infundada, não se verificando a prática de qualquer crime", garante, em comunicado, a PJ de Setúbal, depois de lembrar que foi a mãe da criança a levantar as suspeitas que deram origem à investigação policial.
O caso foi investigado pela PJ de Setúbal 

No passado dia 8 de Abril, a Diocese de Setúbal, também em comunicado, admitiu que já tinha conhecimento da investigação ao eventual abuso de um menor no Centro Paroquial de Bem-Estar Social de Cacilhas, em Almada, salientando que já tinha adotado "todas as medidas necessárias para a proteção das crianças e utentes" e que estava a colaborar com as autoridades judiciais.

No mesmo comunicado, a Diocese de Setúbal, dirigida pelo Bispo José Ornelas, sublinhava ainda que tomou a iniciativa de contactar o Ministério Público de Almada face aos rumores do alegado envolvimento de um padre no abuso sexual de uma criança e a sua "intransigência perante qualquer situação de abuso de menores".
 Em resposta às declarações da mãe do menor, a direção do Centro Paroquial de Bem-Estar Social de Cacilhas informou também que o padre sob suspeita não se encontrava nas instalações do centro à data dos alegados factos.
 A notícia da investigação do alegado abuso sexual numa creche da igreja em Almada tinha sido avançada pelo jornal 'on-line' Observador, segundo o qual dois meses depois de a mãe da criança ter apresentado queixa na PSP (em Janeiro), os pais ainda não tinham sido ouvidos pelas autoridades.
 O Observador admitia ainda que a informação entretanto entregue pelo bispo de Setúbal ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Almada poderia acelerar o caso, que agora terá chegado ao fim, face às conclusões da Polícia Judiciária de Setúbal.




0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010