Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Maus-tratos investigados em IPSS do Barreiro

Maus tratos a jovens dão processo contra diretora e psicólogo

Um casal de psicólogos terá sido constituído arguido no âmbito de um inquérito do Ministério Público sobre maus tratos a jovens que se encontram institucionalizados num centro de acolhimento no Barreiro. A Procuradoria-Geral da República já confirmou a existência deste inquérito, adiantando que estão a ser investigados “factos susceptíveis de integrarem o crime de maus tratos” e que foram já constituídos “dois arguidos”. A Procuradoria não especifica quem são, mas as notícias avançadas entretanto pela revista Sábado e pelo Jornal de Notícias, que denunciaram o caso, dão conta de que o casal foi dado como culpado de agredir pelo menos dois jovens num inquérito aberto pela instituição responsável pelo centro de acolhimento. A administração abriu um inquérito interno que terminou com o despedimento por justa causa dos dois funcionários.
Jovens da Rumo eram vítimas de maus tratos 

Trata-se da cooperativa Rumo, uma instituição particular de solidariedade social à ​qual pertence a casa de acolhimento residencial onde o casal exercia funções e a mulher era a diretora técnica do lar. Na residência vivem 14 crianças e jovens entre os seis e os 18 anos, que foram ali acolhidos por terem sido colocados em situação de risco pelas suas famílias ou por terem sido abandonados por estas.
O inquérito foi aberto pela direcção da cooperativa na sequência da denúncia de uma funcionária que terá ouvido queixas dos jovens e constatado que dois jovens tinham hematomas no corpo. Na sequência desta averiguação, o casal de psicólogos foi despedido, mas recorreu da decisão.
De acordo com  a revista Sábado, o despedimento vai ser apreciado pelo Tribunal de Trabalho do Barreiro. A primeira sessão do julgamento chegou a estar marcada para dia 29 de Março, mas foi adiada.
Durante o inquérito, os jovens revelaram que eram sovados por se portarem mal na escola. Isto no que respeita aos rapazes. E as raparigas eram insultadas quando chegavam tarde ao lar. “Isto não é um bordel de vacas”, chegou alegadamente a dizer o psicólogo.
Durante quatro anos, não receberam assistência médica nem foram vacinados, revelava também o inquérito que foi conduzido por um jurista externo à instituição.

Instituto da Segurança Social acompanha o caso
O  Instituto da Segurança Social, escreve o jornal Público, informou que “têm sido realizadas várias visitas de acompanhamento” dos jovens institucionalizados no centro de acolhimento da cooperativa Rumo, acrescentando que nestas diligências “não foram identificadas situações que configurassem maus tratos”.
O Instituto da Segurança Social esclarece ainda que em Dezembro de 2017 a direção da cooperativa comunicou ao centro distrital de Setúbal do instituto “que tinha suspeitas de uma possível situação de maus tratos, praticados por dois elementos da equipa técnica do lar”. Face a esta informação, o centro distrital reforçou “a necessidade imperiosa de accionar todos os meios legais obrigatórios que visem o cabal esclarecimento e intervenção adequada”, informa o Público. 

Conselho de Administração lamenta o caso 
Numa nota à imprensa, o Conselho de Administração da cooperativa Rumo diz que “lamenta profundamente os factos ocorridos, repudiando totalmente as práticas” que foram denunciadas.
A administração garante que, assim que teve conhecimento destes factos, “procedeu de imediato ao afastamento dos técnicos em causa” para que fosse possível “criar as melhores condições de averiguação e a segurança para as crianças e jovens acolhidos”. Justifica ainda a escolha de um especialista externo para conduzir a investigação com a necessidade de “garantir a maior isenção e consistência na averiguação e a resolução urgente deste problema”.

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens não sabia 
Apesar de a Segurança Social ter acompanhado o inquérito promovido pela Rumo que concluiu pela existência de maus tratos, a presidente da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Barreiro, disse ao jornal Público, que só tiveram conhecimento da situação através das notícias divulgadas na semana passada. 
A presidente da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Barreiro, Isabel Antas, representa a Segurança Social neste organismo que, segundo adianta, tem "actualmente dois processos activos com aplicação de medidas de acolhimento residencial no Lar de Jovens da Rumo”.
A institucionalização de menores que são retirados às famílias por estarem em risco só pode ser decidida pelas comissões de protecção ou pelos tribunais.

Agência de Notícias

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010