Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Festa do Senhor das Chagas arrança hoje em Sesimbra

Cuca Roseta, Mia Rose e HMB animam maior festa do concelho até 12 de Maio 

A edição deste ano da tradicional Festa das Chagas, em Sesimbra, que decorre associada às celebrações religiosas em honra do Senhor Jesus das Chagas, vai realizar-se num novo recinto, na zona do terminal rodoviário, e com um novo figurino, do qual se destaca um palco com um cartaz musical bastante diversificado, e de grande qualidade. A festa inicia-se na noite desta sexta-feira com um concerto dos HMB e decorre até 12 de Maio, dia em que será lançada, no stand da Câmara Municipal, a Quinzena Gastronómica Sesimbra é Peixe. No dia 4, Feriado Municipal, sobe ao palco a fadista Cuca Roseta, uma das grandes vozes do fado. Mia Rose, Eterna Galé, Orquestra Ligeira do Exército, uma grande noite de fado, uma noite dedicada ao folclore e uma noite com DJ completam o cartaz do palco da Festa. A procissão do Senhor Jesus das Chagas, protetor dos pescadores, decorre a 4 de Maio.
Procissão realiza-se na tarde de 4 de Maio 

O programa da Festa, organizado pela Irmandade do Senhor Jesus das Chagas decorre até 12 de Maio.  Neste período haverá também várias atividades associadas ao mar fora do recinto, tais como a primeira etapa da Taça de Portugal de Fotografia Subaquática, uma parceria entre a Câmara de Sesimbra e a Federação Portuguesa de Atividades Subaquáticas. A entrada é gratuita.
Haverá a habitual zona de divertimentos, uma área destinada a tasquinhas do mar, com gastronomia ligada ao peixe e mariscos de Sesimbra, dinamizada por associações locais, esplanada, stands de entidades ligadas ao mar e às pescas e um espaço da Câmara Municipal, com promoção da marca Sesimbra e Yes Sesimbra.Milhares de fiéis percorrem, todos os anos, no dia 4 de Maio, feriado municipal, as ruas da vila de Sesimbra para prestar devoção ao Senhor Jesus das Chagas, protetor dos pescadores. A procissão, que se realiza há mais de cem anos, é uma das mais antigas do sul do país e começa desde a Igreja Matriz até à Capela da Misericórdia. Segue-se depois um Sermão no Largo da Marinha e bênção ao mar e às embarcações. 
O culto ao Senhor Jesus das Chagas, cujo início a tradição oral coloca em 1534, quando um grupo de pescadores sesimbrenses encontrou uma imagem de Jesus Crucificado, é a festividade mais importante para a comunidade marítima sesimbrense, demonstrada pela enorme devoção que ainda se mantém bem viva nos sesimbrenses, que prestam homenagem ao seu protetor no dia 4 de Maio, Feriado Municipal.
A primeira procissão de que há registo aconteceu em 1895 e nos anos seguintes as comemorações atingiram grande esplendor.
As festividades atingem o seu auge com a procissão que percorre as ruas da vila de Sesimbra, engalanadas para o efeito, com o chão coberto por alecrim e as colchas nas varandas.
Na Baía de Sesimbra, as embarcações saúdam o Senhor que abençoa a terra e o mar, num culminar de emoções que envolve não só a população sesimbrense mas também centenas de crentes que visitam a vila para assistir à procissão.

Uma festa que começou numa lenda 
A lenda do Senhor das Chagas. No séc. XVI houve uma revolta contra a igreja católica. Nessa altura a rainha mandou encaixotar todas as imagens que estavam nas igrejas e deitá-las ao mar.
Arrastados pelas correntes os caixotes foram levados mar fora e foram ter aos sítios mais diversos. Um deles veio ter à praia de Sesimbra.
Estavam alguns pescadores à beira mar quando viram aquele caixote a boiar junto à pedra que fica do lado nascente da fortaleza.
Trouxeram-no para a praia, abriram-no e viram uma imagem de Jesus Cristo e ficaram muito admirados sem saberem o que fazer com ela.
Pensaram um pouco e trouxeram-no para o terreiro da Misericórdia, onde hoje em dia é um jardim, mas não tinham sítio onde o colocar. A imagem não ia ficar no chão, nem à chuva nem ao vento, por isso resolveram levantar uma tenda e fingir que aquilo era uma pequena capela, pois um dia fazer-se-ia uma a sério.
Todos repararam que faltava um braço à imagem, mas também sabiam que no caixote não estava. E a imagem continuou assim na pequena capela improvisada onde toda a gente ia venerá-la. Ora era costume, e ainda hoje há quem o faça, ir à praia buscar lenha para levarem para a lareira. Naquele dia, uma velhinha apanhava uns pequenos troncos na praia. Ao chegar a casa colocou os troncos no braseiro e sentou-se ali ao pé para se aquecer.
Começou a reparar que toda a madeira ardia menos aquele tronco mais grosso. A ele nem o lume chegava perto.
Intrigada pegou nele e mirou-o com atenção. Viu, então, que aquele pedaço de madeira tinha a forma de um braço.
Correu até à capela, mostrou-o ao padre e concluíram que aquele tronco especial era realmente o braço da imagem do Senhor Jesus.
Todos gritaram “milagre”, prometeram fazer todos os anos uma festa em honra do Senhor e mandaram edificar a capela da Misericórdia onde fizeram um altar para colocar a imagem do Senhor Jesus das Chagas.
Todos os anos no dia 4 de Maio faz-se uma procissão que atravessa as ruas da vila de Sesimbra e que no largo da Marinha abençoa o mar para que este nunca falte com o peixe que era, até há poucos anos, o principal sustento das pessoas de Sesimbra.

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010