Dá um Gosto ao ADN

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Aeroporto divide autarcas do Montijo e da Moita

Montijo fala em aumento do turismo fluvial. Moita anuncia poluição sonora 

Um dia depois de o Governo ter assinado o protocolo com a ANA para a construção do novo aeroporto, o primeiro-ministro garantiu que este só será construído se o estudo ambiental assim permitir. A entrada em funcionamento do novo aeroporto no Montijo, prevista para 2022, vai permitir praticamente duplicar o número de passageiros atuais, ou seja, cerca de 50 milhões por ano. Mas a transformação da Base Aérea nº 6 não vai só aumentar o número de aviões: vai também fazer disparar o emprego na região de Setúbal, com a criação de 10 mil postos de trabalho. O presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, disse que o novo aeroporto vai provocar um aumento de turismo fluvial no estuário do Tejo. Contra a opção do Governo está o presidente da Câmara da Moita, um município que deverá ser bastante afetado pela eventual instalação do aeroporto. 
Aeroporto está pronto em 2022 se correr bem  

“O novo aeroporto vai proporcionar o aumento do turismo fluvial no estuário do Tejo, que hoje tem poucos ou nenhuns barcos. Será um ponto essencial de ligação turística a esta região”, afirmou o autarca no Montijo, na cerimónia de assinatura do acordo de financiamento de expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa.
Num vídeo exibido após o discurso de Nuno Canta, podia ver-se que a ligação fluvial entre o Cais do Seixalinho, no Montijo, e Lisboa terá uma deslocação de cerca de 25 minutos, enquanto por rodovia demora à volta de 30 minutos.
Para o autarca do Montijo, este é um “dia histórico” para a cidade, para Lisboa e Portugal, por marcar “o início de um novo ciclo de investimento, desenvolvimento e criação de emprego para as pessoas”.
“É o resultado da vontade firme do Governo, das Forças Armadas, municípios e principalmente da ANA – Aeroportos de Portugal”, afirmou.
Nuno Canta espera ainda que acordo assinado esta semana seja “a forma de concretizar o novo aeroporto do Montijo”.
O acordo de financiamento do novo aeroporto e de alterações na actual infraestrutura Humberto Delgado, em Lisboa, foi assinado esta terça-feira entre a ANA – Aeroportos de Portugal e o Estado, na base aérea da Força Aérea do Montijo, que em 2022 deverá estar pronta para o uso civil.
Marcaram presença o primeiro-ministro, António Costa, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, o responsável máximo da Vinci, Xavier Huillard, e o presidente da Vinci Aeroportos, Nicolas Notebaert.

Moita não quer aeroporto no Montijo  
Contra a opção do Governo está o presidente da Câmara da Moita, um município que deverá ser bastante afetado pela eventual instalação do aeroporto no Montijo. Rui Garcia critica a escolha do Governo e afirma estar "solidário com `Plataforma Cívica Aeroporto BA6-Montijo Não".
"Temos a convicção de que estamos do lado certo e de que ainda é possível reverter esta decisão do Governo, que foi tomada antes de se realizarem os estudos necessários. É difícil compreender porque é que o Governo tem esta fixação nesta solução, quando, cremos, cada vez fica mais claro que se trata de uma solução que não dá uma resposta adequada aos problemas do país, à necessidade de expansão da atividade aeroportuária e que tem impactos graves sobre importantes grupos populacionais e impactos ambientais significativos", disse Rui Garcia, que também integra a plataforma cívica contra o futuro aeroporto do Montijo.
"O concelho da Moita tem o seu principal núcleo populacional debaixo do cone de aterragem do futuro aeroporto, caso venha a ser instalado na Base Aérea do Montijo. Estimamos que sejam pelo menos 30 mil pessoas naquela zona mais afetada, sendo que os concelhos do Barreiro, do Montijo e de Alcochete também deverão ser afetados, embora de forma menos intensa", acrescentou Rui Garcia.
Para o presidente da Câmara da Moita, "não é compreensível a opção do Governo de querer instalar um aeroporto civil na Base Aérea do Montijo", que está "junto ao estuário do Tejo, rodeada de populações, vilas e cidades consolidadas".
O grupo cívico Aeroporto BA6-Montijo Não! entregou ao Governo um documento a defender a opção do campo de tiro de Alcochete.

Aeroporto "não se fará se estudo ambiental não o permitir
"Quanto ao Montijo, ainda não estão concluídos os estudos ambientais exigidos, pelo que não há ainda uma data prevista para o início das obras. Mas, na prática, se não se registarem impedimentos legais, o novo aeroporto deverá estar concluído dentro de três anos, prevendo-se que venha a acolher sete milhões de passageiros no primeiro ano. 
Conjugadas, as duas infraestruturas vão permitir quase duplicar a capacidade de movimentação de aeronaves, de 38 para 72 movimentos por hora. 
O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta quarta-feira que o novo aeroporto previsto para o Montijo "não se fará se o estudo de impacto ambiental não o permitir fazer".
"A questão do aeroporto... não se fará se o estudo de impacto ambiental não o permitir fazer", afirmou o chefe do executivo, em declarações aos jornalistas durante uma viagem de metro em Lisboa, um dia após a assinatura do acordo entre o Estado e a ANA - Aeroportos de Portugal, prevendo um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028.
"O estudo (de impacto ambiental sobre o novo aeroporto no Montijo) pode dizer várias coisas. Pode dizer que sim, sob certas condições, e a ANA assegura desde já o compromisso de fazer a obra de acordo com as condições que vierem a ser definidas. Pode dizer sim sem qualquer restrição ou pode dizer não. Não é provável que o diga relativamente a uma infraestrutura que já hoje é um aeroporto (base da Força Aérea)", argumentou.
O primeiro-ministro referiu que a eventual avaliação ambiental negativa da obra é um "enorme problema para a região de Lisboa" porque o "plano B" - construção de um "aeroporto de raiz e único" em Alcochete -, defendida pelo chefe de Governo "há 10 anos atrás", demoraria "10 a 15 anos" a ser levada a cabo em vez dos três anos previstos para a "solução Portela+1", ou seja, a nova estrutura no Montijo, "que resolverá o problema para muitas décadas".


1 comentários:

Nelson disse...

Turismo fluvial??!! se considerar os barcos do Montijo para Lisboa turismo fluvial, quer dizer que as pessoas que apanham todos os dias o barco para Lisboa para irem trabalhar são turistas de cruzeiros fluviais . hehehe. O grande investimento do projecto é em Lisboa não no Montijo e os 10 mil postos de trabalho deve de ser de todos os aeroportos de Portugal e ilhas de certeza. Caso avancem para esta opção quero ver quem paga os isolamentos sonoros das casas, o Governo ou a Câmara do Montijo a poluição relativa aos gases e quem será responsável em caso de um acidente que apanhe uma área densamente populacional como as áreas envolventes do "aeroporto", andam as grandes Capitais Europeias a colocar aeroportos foras das cidades de forma a evitar todos os problemas que isso envolve, em Portugal é ao contrario procuramos qual o sitio onde pode prejudicar mais as pessoas e todo o ecossistema envolvente, depois de escolhido o local, o Governo acima da lei assina acordos que pode não cumprir(estudo impacto ambiental) caso isso aconteça indemnização. Se a decisão peca por tardia só podemos culpar os governantes, pois o campo de tiro de Alcochete tem todos os projectos aprovados a vários anos e já podiam ter arrancados as obras há já algum tempo no lugar de se andar a gastar mais dinheiro em vários estudos para o Montijo, gostaria de saber quanto já se gastou em estudos e quem pagou ??.

11 de janeiro de 2019 às 15:56

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010