Dá um Gosto ao ADN

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Navegação denunciam paragem no porto de Setúbal

Associação quer a intervenção do Ministério Público 

A Agepor [Associação dos Agentes de Navegação de Portugal] constata que não existe trabalho portuário nos terminais de contentores e RO-RO [carga que embarca ou desembarca a rolar] de porto de Setúbal desde a passada terça-feira, dia 6 de Novembro. Tal acontece sem que nenhuma greve ao trabalho em horário normal esteja legitimamente decretada e em vigor", disse, em comunicado, a associação que já pediu a intervenção do Ministério Público. Os agentes de navegação notaram que apenas está decretada uma greve ao trabalho suplementar pelo Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística. 
Agepor quer investigação sobre greve 


"O que nos dizem é que o Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística boicotou a assinatura de 30 contratos de trabalho permanentes que iam ser assinados em Setúbal nos primeiros dias de Novembro e exigiu aos operadores que os contratos, que foram apesar de tudo assinados, sejam rasgados", lê-se no documento.
A associação referiu ainda que tem conhecimento de que "os trabalhadores que querem assinar os contratos e trabalhar são coagidos, bem como as suas famílias", para que não o façam.
"O que nos dizem é que os trabalhadores, sobretudo em Lisboa, durante as greves vão para as baixas médicas para não perderem rendimento", acrescentou.
Face a isto, a direção nacional da Agepor apelou ao Ministério Público que faça uma investigação para averiguar se há coações.
A Agepor pediu ainda "ao Ministério do Trabalho e Segurança Social que investigue se a paragem do trabalho sem greve é legítima, que investigue se as baixas são legítimas; à Autoridade para as Condições de Trabalh que investigue se houve eventuais pedidos de que contratos sejam rasgados [e] às forças da ordem que possam ajudar aqueles que legitimamente querem trabalhar a poderem fazê-lo".
Adicionalmente, a associação quer que o Ministério do Mar interceda junto de outras entidades públicas "para que a verdade" seja apurada.
"Queremos saber mais sobre o que nos dizem e o país também deveria querer", conclui a Associação dos Agentes de Navegação de Portugal.
A greve ao trabalho suplementar, decretada pelos estivadores do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística, decorre até 1 de Janeiro de 2019 em defesa da liberdade de filiação sindical.
A greve em causa abrange os portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Leixões, Caniçal (Madeira), Ponta Delgada e Praia da Vitória (Açores).

Agência de Notícias com Lusa 

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010