Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Mercado Caramelo em Pinhal Novo de 11 a 13 de Maio

"Mais do que um evento, uma marca na nossa história e na nossa origem" 

A partir desta sexta-feira - até domingo - o Pinhal Novo vai regressar às suas origens rurais com a terceira edição do Mercado Caramelo, no Largo José Maria dos Santos onde nasceu, em Maio de 1875, o mercado do gado de Pinhal Novo. Nestes três dias vão ser recriadas memórias antigas, com a presença de artes e ofícios que o tempo "mudou". O barbeiro, o ardina, as costureiras, o amola tesouras, o vendedor de pirolitos, o aguadeiro, o taberneiro, o retratista e até o dentista à moda antiga vão fazer parte do cenário do Mercado Caramelo que pretende, diz a organização, "aliar a animação sociocultural e a história". Ao mesmo tempo desta recriação histórica, o evento pretende promover a sopa caramela, o produto de excelência da região, e reativar a celebração da Feira de Maio, uma das principais festas da vila que foi desaparecendo com o tempo.
Mercado Caramelo arranca esta sexta-feira à tarde 

Os primeiros tempos do Mercado do Pinhal Novo - que nasceu a 9 de Maio de 1875 - é o pano de fundo desta iniciativa que promete ser um marco "na cultura caramela" nos próximos anos. A partir desta sexta-feira, no Jardim José Maria dos Santos, há sopa caramela "à fartura", trajes típicos, artesãos vários e recriação histórica das tradições e memórias de Pinhal Novo. Ao mesmo tempo, diz Manuel Lagarto, presidente da Junta de Freguesia, o certame "pretende dar a conhecer e apostar no património gastronómico da sopa caramela". Um produto que o Confrade-Mor da Confraria da Sopa Caramela, um dos organizadores do evento, quer que seja "do ano inteiro".
A edição deste ano vai ter oito tavernas de comida, produtos locais, 50 expositores de artesanato e uma casa caramela, réplica da habitação antiga desta localidade, que, com uma família de figurantes e o conjunto tradicional de animais de quinta vão compor o cenário e apresentar-se como uma das novidades do certame.
A casa caramela é um pré-fabricado feito à imagem das casas tradicionais e vai acolher actividades caracteristicas da cultura caramela, como a confecção da sopa.
O Mercado Caramelo 2018 tem um orçamento de 60 mil euros, disse Luís Fernandes, da Confraria da Sopa Caramela, que, juntamente com a Junta de Freguesia de Pinhal Novo, organiza o evento com o apoio da Câmara de Palmela e de dezenas de parceiros e apoiantes, entre empresas e associações, como a Sociedade Filarmónica União Agrícola (SFUA), os Bombeiros de Pinhal Novo, os ranchos folclóricos da Casa do Povo de Pinhal Novo e os ‘Rurais’ da Lagoa da Palha, a ‘Bardoada’, a Associação de Idosos e Pensionistas de Pinhal Novo, a adega ASL Tomé ou o restaurante ‘O Forno’.
Manuel lagarto destaca ainda a estreia da casa caramela, explicando que vai mostrar, por exemplo, a confecção da Sopa Caramela “feita no chão, ao lume de lenha”. O autarca agradeceu à Câmara de Palmela ter incluindo a sopa na lista da maravilhas gastronómicas que o concelho candidatou ao concurso ‘7 Maravilhas à Mesa’ da RTP.
O mercado caramelo terá três espaços distintos. O Largo José Maria dos Santos, a Rua da Estação Velha e o parque de estacionamento junto à Estação nova, que dará lugar à zona de divertimentos. No lago do Jardim, a sopa caramela será a rainha e o abafadinho o novo príncipe da "nação caramela". É lá que ficarão as Tabernas Caramelas e o espaço onde se pode "comer e beber à bruta". Momentos que, por certo, irão inundar o Pinhal Novo do saudável espírito de ruralidade e alegria que caracterizava - e continua a caracterizar - o mercado de outros tempos. 

A festa do povo caramelo
Manuel Lagarto, presidente da Junta de Freguesia de Pinhal Novo, considera que o evento “é um momento de afirmação dos produtos caramelos". 
A festa do povo caramelo será também o retomar de profissões de antigamente. O barbeiro, o ardina, o amola tesouras, o tanoeiro, o vendedor de pirolitos e o vendedor da banha da cobra, o aguadeiro, o taberneiro, o retratista, o dentista à moda antiga, o pastor, o oleiro, o queijeiro, o tamanqueiro, os ferradores e as costureiras também irão marcar presença no mercado que, em Pinhal Novo, nasceu no final no século XIX e que continua a perdurar no tempo até hoje. No domingo, 13 de Maio, decorre no espaço do Mercado Mensal, a tradicional Feira de Maio. 
Na verdade, o mercado caramelo pretende ainda reviver a tradição da Feira de Maio que "durante muitos anos foi o único evento festivo que existia em Pinhal Novo. Queremos não perder esta tradição criando para manter vivas as tradições e as memórias desta vila ", diz Manuel Lagarto.
Outra das vertentes de realce é a animação, que revive as tradições do jogo do pau, o tocar das gaitas-de-beiços, os gaiteiros, os bombos e os bailes das gentes caramelas.
A Sopa Caramela, que durante os três dias de mercado vai estar permanentemente em degustação, é já semi-finalista do concurso nacional que procura as sete maravilhas da gastronomia portuguesa.
Um facto que a Câmara de Palmela destaca como mais um contributo para “promover” esta cultura, o certame, o Pinhal Novo e o concelho, como disse o vereador Luís Calha. O autarca, responsável pelo pelouro do Turismo e da Cultura, recordou que esta edição decorre no “Ano Europeu para o Património Cultural” e elogiou o Mercado Caramelo como “um evento de toda a comunidade, em que todos participam com grande orgulho”.

Sopa gratuita e CP com bilhetes reduzidos para o Pinhal Novo 
A Sopa Caramela é a estrela do certame que espera milhares de pessoas 
Durante a festa, a degustação da sopa é gratuita. Paga-se 1,5 euros de caução, pelo prato e pela colher, mas esse valor é devolvido no final com a devolução dos objectos.
A organização fez parcerias com várias empresas para facilitar o acesso dos visitantes, como, por exemplo a CP, que vai ter uma promoção no preço dos bilhetes de comboio. Durante os três dias de festa, o bilhete para o Pinhal Novo, a partir de qualquer estação da Linha do Sado, custa dois euros para ida e volta.
Os espectáculos, a cargo dos artistas locais, decorrem no Coreto do Largo Jardim José Maria dos Santos, que se assume como o “coração” de todo o mercado caramelo, afinal foi aqui - junto à igreja matriz - que nasceu o primeiro mercado do gado em Maio de 1875, de acordo com informação manuscrita deixada pelo padre Theodoro de Souza, o primeiro capelão da Igreja de São José.

Consulte aqui o programa oficial do Mercado Caramelo.

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010