Dá um Gosto ao ADN

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Pescadores de Setúbal querem manter quota da sardinha

Pescadores do distrito de Setúbal querem mais sardinha e menos carapau 

A Cooperativa de Pesca de Setúbal, Sesimbra e Sines (SESIBAL), defendeu ontem que o país não precisava do aumento da quota de pesca do carapau, anunciado pela ministra da Agricultura e Pescas, mas de manter as capturas de sardinha. "A quota de captura do carapau que temos é mais do que suficiente, o problema é o escoamento do pescado", disse à Lusa Ricardo Santos, da SESIBAL, que considerou desnecessário o aumento da quota anunciado na semana passada por Assunção Cristas, em Bruxelas. A eventual redução da quota de pesca da sardinha poderá ter como resultado o "despedimento de muitos trabalhadores e o encerramento de diversas empresas de pesca", alerta o responsável da SESIBAL. 

Pescadores defendem a manutenção da cota de sardinha 

Por outro lado, dizem os pescadores do distrito, "não conseguimos compreender como é que Portugal está a importar 16 milhões de euros de carapau, como também disse a senhora ministra, quando nós [SESIBAL] há muito tempo que estamos a dar toneladas de carapau fresco a diversas instituições de solidariedade social, como a Casa do Gaiato e o Banco Alimentar, por ausência de compradores", acrescentou Ricardo Santos.
O dirigente da SESIBAL disse ainda que "uma política de pescas que tivesse incentivos adequados permitiria que o país fosse exportador [em vez de importador] de pescado fresco".
No passado dia 16 de Dezembro, após a reunião do Conselho de Pescas, em que a União Europeia fechou o acordo sobre as capturas para 2015 e repartição de quotas pelos Estados-membros, a ministra Assunção Cristas afirmou-se e satisfeita com o desfecho das negociações sobre as possibilidades de pesca para 2015, afirmando que o aumento de 18 por cento das quotas representava "o melhor resultado de sempre" para Portugal.
Na ocasião, a ministra salientou também o "aumento relevante do carapau", de 67 por cento, que, segundo disse, permitirá que o país deixe de importar cerca de 16 milhões de euros daquele tipo de pescado.
Mas se para a SESIBAL o referido aumento da quota de carapau era desnecessário, já a manutenção da quota de pesca da sardinha (20 mil toneladas) é fundamental para o setor, sob pena de encerramento de muitas empresas, que "não vão conseguir manter-se em atividade".
De acordo com Ricardo Santos, "temos indicações de que as negociações sobre a quota de sardinha - que ainda não estarão fechadas - se encaminham para uma redução da quota portuguesa para 14 mil toneladas, mas precisamos no mínimo das 20 mil toneladas para a safra de 2015", disse o dirigente da Cooperativa de Pesca de Setúbal, Sesimbra e Sines.
"Há cinco anos Portugal pescava 40 mil toneladas de sardinha. Já não temos mais nada para ceder", disse Ricardo Santos, acrescentando que a eventual redução da quota de pesca da sardinha poderá ter como resultado o "despedimento de muitos trabalhadores e o encerramento de diversas empresas de pesca".


0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010