Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Artistas de Almada e Setúbal fazem vigília pela cultura

A cultura “devia ser encarada como um bem essencial”

Os profissionais das artes de Almada concentraram-se esta quinta-feira em frente à câmara municipal, apelando para que os governantes tomem “decisões estruturais” e a cultura passe a ser considerada como um “bem essencial”. Nesta quinta-feira de manhã encontravam-se quatro profissionais em frente ao município, que, tal como noutros concelhos do país, questionavam através de cartazes: “E se tivéssemos ficado sem cultura?”. Nesta concentração esteve também o presidente da Associação Gandaia, Jorge Torres, que criticou a Câmara de Almada por “não fazer nada pela cultura nestes tempos”. Em Setúbal juntou-se o vereador da Cultura, Pedro Pina, e a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, que leu uma carta aberta à ministra da Cultura, Graça Fonseca. O documento sublinha a “estranheza” da autarquia pelo facto de ficar a conhecer pela comunicação social as medidas anunciadas pelo Ministério da Cultura relativas à reabertura e funcionamento das salas de espetáculos e dos eventos ao ar livre em plena pandemia.
Cultura reclama atenção dos governantes 

“Estamos à frente da presidência da Câmara de Almada porque a nossa intenção não é sensibilizar pessoas. Viemos para o sítio onde se tomam as decisões relativas às políticas públicas”, disse o ator Henrique Frazão, que organizou a vigília no concelho e defende que a cultura “devia ser encarada como um bem essencial”.
Percebemos que muitos dos problemas de hoje em dia, incluindo a emergência climática, a forma como as pessoas estão completamente alienadas da realidade, dos valores, da ética, tudo isso tem raízes e uma delas é a falta de cultura e a falta de apoio a essa cultura”, apontou Henrique Frazão.
Segundo o ator, este movimento que decorreu nesta quinta-feira a acontecer noutras 15 cidades portuguesas, com o objetivo que se tomem “decisões estruturais”, porque a precariedade que se vive nesta área “não permite a sobrevivência apenas com remendos”.
“A precariedade dos artistas e da cultura em geral no nosso país é evidente e sempre se foi agudizando. Não é uma questão pontual, é uma questão estrutural e este vírus meteu a nu precisamente essas lacunas de apoio tanto ao nível das autarquias, como da estratégia pública que existe”, referiu.
Mesmo ao lado, mas com máscara e com a distância que se exige, a atriz Ana Sampaio alertou para as dificuldades que vários colegas passaram durante o estado de emergência, devido à pandemia da covid-19.
“Esta área já é um bocadinho mais restrita e não tem tanta saída, mas tem sido doloroso ver colegas meus a procurarem trabalho em supermercados e call centers, porque de facto não há resposta para nada e precisam de pagar as contas, muitos têm filhos”, relatou.
Também o ator de teatro César Melo indicou que tem colegas que trabalham há anos nesta área, mas que “agora ficaram sem nada, sem projetos e iniciativas, e não têm qualquer tipo de sustento”.
“Nós não queremos nada a mais do que os outros, não queremos regalias diferentes dos outros, só queremos que percebam que estamos numa situação precária e que queremos ser ouvidos”, frisou.

Artistas criticam silêncio da Câmara de Almada 
Nesta concentração esteve também o presidente da Associação Gandaia, Jorge Torres, que criticou a Câmara de Almada por “não fazer nada pela cultura nestes tempos”.
Há uma ausência da câmara, não responde e parece que desapareceu. Ainda ontem [quarta-feira] houve uma reunião de 25 associações e todos estamos na mesma situação: a câmara não responde”, lamentou.
Segundo o responsável, há vários espetáculos que este ano a autarquia não vai poder realizar, poupando “centenas de milhares de euros”, mas até agora não existe qualquer apoio para as associações culturais.
A 7 de Maio, a Câmara de Almada aprovou “a manutenção de todos os contratos, protocolos e apoios de âmbito cultural, desportivo e familiar, no valor de 800 mil euros”.
Além disso, em comunicado, adiantou que já está a decorrer a 1.ª fase de candidaturas aos apoios no âmbito do Regulamento Municipal ao Movimento Associativo “que totalizam, até ao final de 2020, 600 mil euros, ao qual acrescem os 200 mil euros previstos como medida complementar”.
No entanto, Jorge Torres criticou o município que faz “afirmações públicas, mas depois não acontece nada”.
“É por causa disso que estou aqui. Não estamos à espera de mais, esperamos é tão simplesmente o que sempre aconteceu”, disse.
Além de Almada, decorreram vigílias semelhantes em Lisboa, Funchal, Faro, Caldas da Rainha, Setúbal,  Porto, Aveiro, Évora, Vila do Conde, Coimbra e Santa Maria da Feira.
Segundo a organização, o objetivo é mostrar que os trabalhadores das artes “continuam a existir” apesar de os espaços culturais estarem encerrados e com a programação suspensa desde meados de Março.

Setúbal escreve carta aberta à ministra da Cultura 
Em Setúbal  juntou-se o vereador da Cultura, Pedro Pina, e a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, que leu uma carta aberta à ministra da Cultura, Graça Fonseca.
O documento sublinha a “estranheza” da autarquia pelo facto de ficar a conhecer pela comunicação social as medidas anunciadas pelo Ministério da Cultura relativas à reabertura e funcionamento das salas de espetáculos e dos eventos ao ar livre em plena pandemia.
“Esta estranheza resulta de terem sido anunciadas medidas publicamente sem ter havido nenhuma forma de contacto com os municípios. Não tivemos qualquer oportunidade de dar contributo para o enriquecimento e melhoria das medidas, já que as autarquias são as principais responsáveis pela gestão da grande maioria de salas de espetáculos do país”, diz a autarquia sadina.
Sendo os municípios os principais responsáveis pela atividade cultural, animação e espetáculos, bem como pelo apoio das estruturas e agentes culturais, Maria das Dores Meira lamentou o facto de a autarquia não ter recebido “nenhum documento oficial sobre o assunto”, o que demonstra “um total desprezo e desrespeito”.
A carta aberta à ministra Graça Fonseca assinala que o município ficou a conhecer pelos jornais, a 13 de Maio, os procedimentos que o Governo pretende implementar e que tinham sido solicitados contributos a algumas estruturas do setor das artes até 15 de Maio.
“Mais uma vez, sem referência às autarquias e com prazos completamente impossíveis de cumprir para quem pretende ter uma opinião baseada em princípios que acautelam a segurança de todos”.
A Câmara de Setúbal manteve os seus apoios financeiros às estruturas com base em protocolos firmados, reagendou mais de 250 ações no sentido de evitar cancelamentos e criou programas de apoio financeiro, através de programação na internet e open call artísticos.
“Cabe aos municípios, desde há muito, uma fatia considerável no apoio financeiro às artes, à criação artística e à gestão de diversos equipamentos culturais”, relembra a carta.
“Há pessoas a receber 60 euros por mês da Segurança Social. Quem é que consegue subsistir apenas com este dinheiro? É impossível”, referiu Fernando Casaca, um dos membros da comissão organizadora da Vigília pela Cultura e pelas Artes em Setúbal, em parceria com Patrícia Paixão, Miguel Assis, Leonardo Silva e Fernanda Rodrigues.

Agência de Notícias com Lusa 

0 comentários:

Publicar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010