Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Ephemera aumenta capacidade com armazém no Barreiro

A luta de Pacheco Pereira pela memória continua

O Arquivo-Biblioteca Ephemera contará com um novo armazém, no Parque Empresarial do Barreiro, “vital” para aumentar a capacidade do projeto, mas ainda aguarda um novo enquadramento legal, disse o historiador José Pacheco Pereira. O Arquivo-Biblioteca Ephemera, fundado por aquele historiador, reparte-se entre a vila da Marmeleira (Rio Maior) e o Parque Empresarial da Baía do Tejo, no Barreiro, onde inaugurou um novo armazém, apto para estender a capacidade de acolhimento de documentação e acolher exposições e eventos. O espólio tem mais de 200 mil títulos, 25 mil periódicos e de mais de dez mil cartazes. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, atribuiu as insígnias de membro honorário da ordem de Mérito à Associação Cultural Ephemera, destacando que aquela entidade é "o triunfo de um coletivo".
Arquivo reúne o melhor da nossa memória 

Numa visita à imprensa, José Pacheco Pereira explicou que o alargamento do arquivo no Barreiro, agora com dois armazéns – e com hipótese de mais espaços no futuro -, permitirá uma especialização no trabalho de salvaguarda de doações de espólios, por exemplo de periódicos e cartazes, e a instalação de um laboratório de fotografia.
O arquivo, há várias décadas mantido e alimentado por José Pacheco Pereira, ganhou a designação oficial de Ephemera em 2009, e passou a ser gerido por uma associação cultural homónima, que conta atualmente com 300 associados e 150 voluntários em todo o país.
São estes voluntários que trabalham no acolhimento, identificação e tratamento de milhares de documentos e objetos que chegam “a uma rede muito fina” de pontos de recolha espalhados pelo país – e também em Angola e Luxemburgo.
Atualmente, o Ephemera conta com seis quilómetros lineares de documentos, com mais de 200 mil títulos de livros e brochuras, milhares de periódicos, fotografias, discos, panfletos e cartazes e objetos que testemunham a história contemporânea, sobretudo portuguesa.
São fruto, em grande parte, de doações de particulares, anónimos, figuras públicas e entidades.
É no Barreiro que um grupo de voluntários faz a triagem e inicia o processo arquivístico de tudo o que lhes chega às mãos – seja de uma simples pasta com papéis seja o recheio de um camião TIR: “Qualquer coisa que entra está salva”, garantiu José Pacheco Pereira.

Um arquivo cheio de "memória nacional" 
Entre caixas empilhadas, mesas de trabalho e estantes estão, por exemplo, doações de espólios dos políticos Francisco Sá Carneiro e João Soares, do realizador José Fonseca e Costa ou da antiga revista Mundo da Canção, doada por Avelino Tavares.
É durante a visita à imprensa – com as portas do armazém escancaradas – que Pacheco Pereira interrompe as explicações e exclama “Estão a chegar materiais!”, a propósito da entrada de um voluntário empunhando um cartaz, recolhido na manifestação que aconteceu na quinta-feira, em frente à Assembleia da República, por causa da eutanásia.
Uma pequena amostra da variedade do arquivo Ephemera estará exposta ao público no sábado, por ocasião da inauguração do Armazém 2, com a revelação de algumas doações recentes.
Entre elas está uma doação da Associação 25 de Abril e outra de uma mulher que documentou a deterioração física, por causa de problemas de saúde e onde registou expressamente um pedido de morte assistida. “Quero morrer antes de ficar cega”, lê-se nos papéis doados.
“Não é possível fazer a história contemporânea portuguesa sem vir aqui”, sublinhou Pacheco Pereira, embora admita que haja ainda desconfiança por parte de investigadores e académicos, porque o trabalho no Ephemera ainda é amador.
São seguidas as práticas mínimas arquivísticas e de conservação dos documentos doados, há um “embrião de departamento editorial”, e o historiador diz que a associação está aberta e disponível para avançar com mais protocolos de colaboração com entidades.
O que José Pacheco Pereira aguarda há vários anos é um enquadramento legal para potenciar o trabalho do arquivo. “Queremos um enquadramento legal que combine a solidez patrimonial das fundações – tudo o que é privado passará para essa fundação -, com a flexibilidade das associações culturais sem fins lucrativos, para podermos usar o trabalho dos voluntários”, disse.

Presidente distingue Associação com Ordem do Mérito
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, atribuiu as insígnias de membro honorário da ordem de Mérito à Associação Cultural Ephemera, destacando que aquela entidade é "o triunfo de um coletivo".
O anúncio foi feito pelo chefe de Estado durante a cerimónia de encerramento das comemorações dos 10 anos da Associação Cultural Ephemera, que decorreu no Barreiro.
Marcelo Rebelo de Sousa entregou a condecoração a José Pacheco Pereira, mas assinalou que esta organização e o seu trabalho é "o triunfo de um coletivo" que está a ajudar a "construir Portugal".
De acordo com o `site` da Presidência da República, a Ordem do Mérito "destina-se a galardoar atos ou serviços meritórios praticados no exercício de quaisquer funções, públicas ou privadas, que revelem abnegação em favor da coletividade".
José Pacheco Pereira agradeceu "este reconhecimento do mérito" da associação que fundou e brincou, acrescentando, "sem nenhuma arrogância, que é merecido", não por sua causa, mas pelo esforço das pessoas que ajudam a que a Ephemera seja uma realidade.

Agência de Notícias com Lusa

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010