Dá um Gosto ao ADN

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Caldeirada em festival gastronómico em Setúbal

À mesa com o melhor peixe da costa sadina

A partir do dia 27 e até 5 de Maio, a caldeirada vai ser rainha à mesa de 36 restaurantes do concelho de Setúbal. Uma iniciativa que culmina com uma degustação na Casa da Baía, comentada pelo chefe de cozinha Rui Praxedes. A caldeirada, prato historicamente associado às comunidades marítimas, vai estar em destaque em mais uma semana temática que lhe é dedicada em Setúbal. Mais de três dezenas de restaurantes participam entre 27 de Abril e 5 de Maio numa campanha que vai levar à mesa peixes como o salmonete, safio, tamboril, charroco ou pata roxa, espécies tradicionalmente associadas a este comer de tacho. 
Caldeirada volta a ser rainha em Setúbal 

A Semana da Caldeirada 2019, dinamizada pela Câmara de Setúbal, com o apoio da Docapesca e da Makro, com início nesta sexta-feira, proporciona ementas especiais em 36 restaurantes do concelho, confecionadas com o melhor peixe apanhado na costa sadina.
No último dia, às 18 horas, na Casa da Baía, o chef Rui Praxedes, do restaurante “O Praxedes”, explica como confeciona a caldeirada, numa sessão que inclui degustação deste prato típico.
A atividade é de participação gratuita, mediante inscrição prévia, até 2 de maio, a qual deve ser feita presencialmente, pelo telefone 265 545 010 ou pelo endereço eletrónico gape@mun-setubal.pt.
As caldeiradas são como as namoradas dos pescadores: há uma em cada porto. E a verdade é que não há ninguém que bata os pescadores a confecionar este prato. Mas, se caldeiradas há muitas, a setubalense é um caso à parte.
Há até quem diga, e nós não desmentimos, que não há caldeirada melhor do que esta. É uma iguaria sem segredos, mas há regras a cumprir se a queremos fazer a preceito.
Segundo a tradição, este prato começou a ser cozinhado a bordo das embarcações de pesca pelos homens do mar para os ajudar a recuperarem as energias gastas na faina. Era feito com os peixes que tinham menor valor comercial e a água usada era a do mar! Nunca se sabia de que era feita a caldeirada do dia.
Quem hoje a faz em terra, sem as dificuldades de outros tempos, pode escolher. Safio, tamboril, pata-roxa, raia e charroco são presenças obrigatórias. Convém saber que não se aproveitam as partes finas da raia nem os olhos do charroco. Já os fígados do tamboril e da pata-roxa, verdadeiras relíquias, são como o caviar deste prato e não se podem desperdiçar. O peixe tempera-se com sal meia hora antes de ir para o tacho.
Ora, os peixes estão tratados, vamos ao resto. Vamos precisar de cebolas, tomates, batatas, alhos, pimentos, louro e coentros… Sabe qual é o grande segredo? "Usar os ingredientes de forma simples mas frescos, muito frescos", dizem os pescadores locais.
A Semana da Caldeirada integra um calendário de eventos gastronómicos dinamizado pelo município no âmbito da marca Setúbal Terra de Peixe com o "objetivo de divulgar sabores e tradições da cozinha setubalense e, em simultâneo, estimular a restauração local e promover o concelho enquanto destino turístico de excelência", explica a autarquia sadina.
Entretanto, a lista dos espaços de restauração aderentes à “Semana da Caldeirada 2019” inclui A Casa do Peixe, A Vela Branca, Adega do Zé, Adega dos Garrafões, Baía do Sado, Baluarte do Rio, Bombordo, Café com C, Cais 56, Casa do Mar, Casa Lagarto, Churrasquinho do Sado, Copa d’Ouro, Duarte dos Frangos, Mar Salgado, Nova Taberna o Pescador e Novo 10.
Bote, Cantinho dos Petiscos, Convés, Douradinho, Pescador II, Praxedes, Saca-Rolhas, Saveiro, Velho Fernando, O Miguel, Poço das Fontainhas, Restaurante Bar Mar, Restinguinha, Retiro da Algodeia, Ribeirinha do Sado, Solar do Marquês, Taberna de Azeitão, Tasca da Fatinha e Tasca do Xico da Cana completam a lista de participantes.

Sardinha, salmonete e carapau para provar em “Setúbal Terra de Peixe”
Até ao fim deste ano, Setúbal presta homenagem aos seus produtos do mar. O festival gastronómico “Setúbal Terra de Peixe” já arrancou com o choco, continuando com a caldeirada, sardinha, ostra, salmonete e as caldeiradas. Uma iniciativa que inclui demonstrações de cozinha, debates e bons argumentos à mesa.
O choco animou as mesas dos restaurantes de Setúbal nos primeiros dias da Primavera, mas até Novembro deste ano, a cidade à beira Sado reserva todo um calendário de comeres com produtos do mar.
O calendário da iniciativa “Setúbal Terra de Peixe” abarca diferentes temáticas tendo como mote as tradições culinárias locais. Desta forma, de 27 de Abril a 5 de Maio, a Caldeirada fará a mesa, seguindo-se no elenco de festivais gastronómicos, de 24 de Agosto a 1 de Setembro, dois peixes com larga história de captura e consumo em Setúbal, o carapau e a sardinha. Mais tarde, de 5 a 13 de Outubro, é a ostra que assume o protagonismo, para já em Novembro, de 1 a 10, ceder a vez ao salmonete.
Além de contarem com a participação de dezenas de restaurantes que dão a provar pratos tradicionais e inovadores confecionados com pescado capturado na costa setubalense, as semanas gastronómicas incluem sessões de culinária ao vivo e degustações comentadas.
Desta forma, “Mar à Conversa” é o ciclo de palestras a realizar entre 23 de Maio e 18 de Outubro, sempre às 14h30, na Casa da Baía, para debater temas relacionados com a atividade piscatória.
O “Setúbal Terra de Peixe” inclui um conjunto de palestras animadas nas escolas do concelho, entre Março e Maio, com o “Zeca Faneca” e a “Graça da Praça” a explicarem aos mais novos o circuito do pescado, desde o momento em que é capturado até chegar ao prato.
A Semana do Mar e do Pescador, a decorrer entre 25 de Maio e 2 de Junho, também integra o Setúbal Terra de Peixe, com um conjunto de iniciativas de que se destaca uma exposição de canas artísticas de Nuno Paulino, “Pesca com Arte”, patente no Parque Urbano de Albarquel.

Agência de Notícias 

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010