Dá um Gosto ao ADN

terça-feira, 10 de julho de 2012

Somewhere...Where the imagination takes me...? por Alexandra Lopes


Castelo

Num reinado feito de reis e rainhas, onde a inocência de uma pequena criança faz reviver memórias de menina, de sonhos (i)reais. Sorrio apenas e mergulho no mar, nas ondas flutuar e deixar-me levar.


Fito o céu, num azul-bebé pastel, recolho e analiso todos os pormenores que nele existem, o sol acompanha com o seu calor acolhedor. A luz que transmite, faz reluzir nas brumas do igualmente azul do mar.
Sentada na beira do mar e entre a frescura da água cristalina, ao som das pequenas ondas, há uma melodia que toca suavemente.
À direita, a Serra da Arrábida nunca me pareceu tão perfeita como agora, observando com olhos de ver, tem magia por detrás daqueles rochedos misteriosos. Mas afinal o que vêm realmente os meus olhos?
Mesmo a pouca distância de mim, uma criança dos seus cinco anos, constrói afincadamente um castelo de areia, delicia-se com todos aqueles grãos finos molhados e com sabor a sal. Uma onda mais agitada, faz cair parte do seu pequeno projecto a castelo de reis e rainhas de um digno conto de fadas. Tenta novamente erguer, decorando por fim com pequenas conchas que eu própria ajudei a encontrar. Por fim, a satisfação não podia ser melhor, enquanto observo a criatividade daquele menino, loiro de pele branca e de uma agilidade fantástica, grita feliz: “ Mamã! Olha o meu castelo! Vem ver, olha!” 
Sorrio apenas. Fez-me recordar quando também assim o fui, criei mil sonhos em pequenos grãos de areia, criei histórias de princesa que procura o seu verdadeiro amor. Volto a sorrir com aquela recordação que ficou mais vincada quando volto a desviar o olhar fixado novamente no mar. Agora penso apenas, os anos passaram, castelos de areia constroem-se e destroem-se num segundo, existe ainda a inocência de que existem contos de fadas nos tempos de hoje, cada vez mais longe de existir. A veia de sonhadora diz-me que sim. Viajar em pequenos gestos de ternura, vestir de nu todo o tempo de viver um verdadeiro amor. Correr descalça sem medo de cair e de me magoar. 
Poder regressar à torre do castelo e sentir o cabelo na cara, sentir o fresco da noite e olhar a lua, testemunha desse amor.
Contos são isso mesmo, contos irreais com forma de medo de descobrir a sua verdadeira razão.
Os meus olhos dizem isso mesmo, que no meu pequeno mundo, há um grande lugar de amar. Um grande espaço de fechar os olhos e ver o que o coração tem para me mostrar, é ele que melhor que qualquer palavra saberá responder e ser responsável por todos estes contos tornados em sonhos de menina. Hoje mulher e menina, acredito que cada castelo feito de simples e delicada areia fina, se poderão tornar em verdadeiras muralhas de verdadeiros amores. Torná-lo sólido sem nunca cair.


Alexandra Lopes
Setúbal
www.alexandralopes.blog.pt  

[Em cada um de nós existe uma lagarta feia... que nasce sempre uma linda borboleta... recomeçar nem sempre foi fácil. Todas as terças-feiras, Alexandra Lopes faz-nos a pergunta: Onde a imaginação me leva? Certamente… a tantos lugares]
Consulte todos os artigos da autora

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010