Dá um Gosto ao ADN

terça-feira, 6 de junho de 2017

Desenhos fazem a festa em Setúbal este mês

Vens ver ou “é preciso fazer um Desenho?”

Os desenhos estão de volta a Setúbal na terceira edição da Festa da Ilustração, certame inaugurado à meia-noite de dia 3, na Casa da Cultura, com três exposições do ilustrador António Jorge Gonçalves, presente na abertura. “Este evento é um espaço de afirmação cultural, artística e de liberdade, que resulta da qualidade dos ilustradores portugueses”, afirmou o vereador da Cultura Da Câmara de Setúbal, Pedro Pina, na abertura oficial do certame com o lema “É Preciso Fazer um Desenho?”. As manifestações artísticas que são partilhadas em diversos espaços e equipamentos culturais, na cidade de Setúbal e em Azeitão, decorrem  até aos primeiros dias de Julho. 
Subway Life abriu mês da ilustração em Setúbal 

António Jorge Gonçalves está em destaque na Casa da Cultura, espaço no qual estão patentes, até ao dia 2 de Julho, na Galeria de Exposições e Sala Anexa. “Subway Life”, “Desenhos Efémeros” e “A Minha Casa Não Tem Dentro”, mostras que revelam um pouco do vasto trabalho do ilustrador.
Em “Subway Life”, António Jorge Gonçalves apresenta um conjunto de desenhos que retratam pessoas sentadas em várias estações de metropolitano do mundo. Um método que, de acordo com a descrição do artista, pretendia obrigar a desenhar aquilo que não era possível escolher.
A obra resulta de um exercício iniciado em 1997, em Londres, alargado depois a outras cidades de quatro continentes distintos, concretamente São Paulo, Nova Iorque, Lisboa, Berlim, Atenas, Estocolmo, Moscovo, Cairo e Tóquio. No total, foram mais de oitocentas horas de trabalho.
“É o trabalho com maior visibilidade e mais fora do baralho. Desenhei quem o acaso colocou à minha frente”, revelou António Jorge Gonçalves sobre “Subway Life”, uma amostra dos mais de três mil desenhos que realizou durante as três/quatro semanas que permanecia em cada sítio.
Em Setúbal, a exposição é acompanhada dos cadernos originais nos quais o ilustrador fez os desenhos. “Nunca pedi autorização a ninguém, mas também não fingi estar a fazer outra coisa. Durante os cinco a oito minutos que cada desenho levava a construir comecei como observador e acabei como observado”, apontou.
Antes da entrada para a Sala Anexa, que acolhe “Desenhos Efémeros”, uma seleção audiovisual com trabalhos que António Jorge Gonçalves realizou para vários espetáculos de música, teatro e dança, uma parede, elaborada na tarde de sexta-feira, põe o público a refletir sobre várias questões.
“Ainda pensei em pôr um marcador para recolher contributos mas depois era capaz de ser pouco simpático para a parede”, brincou o artista, pouco antes de passar para “A Minha Casa Não Tem Dentro”, conjunto de desenhos cuja conceção foi desbloqueada após uma experiência marcante.
A fechar a noite de inauguração da Festa da Ilustração 2017, António Jorge Gonçalves dinamizou, no Pátio do Dimas da Casa da Cultura, a sessão de desenho digital “Eterópolis”, com a realização de ilustrações, ao som de batidas abstratas, que marcavam o ritmo da criação artística.
Os pontos altos na programação 
A terceira edição da Festa da Ilustração, organizada pela Câmara Municipal em parceria com o atelier DDLX e a editora Abysmo, tem como principal novidade, de acordo com Pedro Pina, a “descentralização de espaços para chegar a vários públicos”.
José Teófilo Duarte, do atelier DDLX, realçou que a linha conceptual do evento“mantém-se em relação às edições anteriores”, ou seja, “celebrar o trabalho de ilustradores clássicos, como Manuel Ribeiro de Pavio, e o dos contemporâneos, como António Jorge Gonçalves”.
Já a Galeria Municipal do 11 acolhe, de 3 de Junho a 2 de Julho, uma exposição de um autor já falecido, Manuel Ribeiro de Pavia, a inaugurar às 19 horas, com a participação do Grupo Coral Alentejano “Amigos do Independente”.
“Orgulhamo-nos que seja Setúbal a lembrar-se de Pavia, quando o resto do país não o fez, no ano em que se assinala os 110 anos do nascimento e os 60 da morte do ilustrador. Ele foi um autor marcante do movimento neorrealista”, vincou João Paulo Cotrim, da editora Abysmo.
Outro momento importante da Festa da Ilustração, segundo José Teófilo Duarte, é a exposição de Bráulio Amado “Cartazes 2016/17”, patente de 3 de Junho a 1 de Julho, na Casa do Largo, no Largo José Afonso.
Os cartazes que o artista concebeu para diversas partes do mundo estão também em exposição na Galeria Abysmo, em Lisboa, que funciona como extensão da Festa da Ilustração.
O certame setubalense é constituído por outros eventos que prometem também captar a atenção do público, como a exposição “Anúncios Classificados”, composta por uma seleção de anúncios ilustrados, entre 1895 e 1960, feitos pelos melhores artistas portugueses, oriundos da coleção do investigador Jorge Silva.
A mostra está patente de 10 de Junho a 2 de Julho, no cais 3 do porto de Setúbal, que acolhe, durante o mesmo período, a “Ilustra 33”, coletiva de 33 ilustradores nacionais.
Outro ponto alto da Festa da Ilustração volta a ser a exposição “Ilustração Portuguesa”, a inaugurar a 10 de Junho, às 17h30, no Convento de Jesus, que mostra o que de melhor foi publicado em Portugal em 2016.
A terceira edição desta coletiva de contemporâneos, patente até 2 de Julho, conta com cerca de 150 ilustrações de 80 artistas, selecionadas entre um conjunto de obras de referência de diferentes áreas da ilustração, aplicadas em meios como imprensa, internet, literatura e exposições.
João Paulo Cotrim destaca a qualidade desta mostra, à qual concorreram mais ilustradores este ano.
O responsável congratula-se, igualmente, por as escolas superiores de artes darem “cada vez mais atenção à área da ilustração”, o que se comprova nesta edição, que “bateu o recorde de escolas participantes e fez o pleno de todos os cursos superiores que são dedicados à ilustração, em Portugal”.
Os trabalhos dos alunos destas escolas integram a exposição “TPC”, patente no Convento de Jesus, de 10 de Junho a 3 de Julho.
De 3 de Junho a 2 de Julho, a Galeria Municipal do Banco de Portugal acolhe “Pintado de Fresco”, uma mostra coletiva dos ilustradores da região André Antunes, Eurico Coelho, Fátima Afonso, Francisco Vaz da Silva, Hélder Oliveira, Luís Cavaco, Paulo Buchinho, Samuel Malaia e Zé Nova.
“Ter um espaço onde os artistas de Setúbal podem expor os seus trabalhos é algo que nos orgulha. Esta exposição é importante para nós”, sublinhou o vereador Pedro Pina.

Mostras por toda a cidade 
Exposições e mostras decorrem em toda a cidade 
Já a Casa Bocage expõe, de 3 de Junho a 1 de Julho, “Ensemble Sketchbook”, uma mostra dos esquiços dos ensaios do Ensemble Juvenil de Setúbal, no âmbito do Festival da Música de Setúbal, desenhados por José Minderico.
Durante o mesmo período, o renovado Museu do Trabalho Michel Giacometti recebe “Resumo da Matéria Dada”, com trabalhos do ilustrador Baltasar, enquanto a Biblioteca Pública Municipal mostra “Fora de Muros”, que reúne ilustrações de 19 reclusos do Estabelecimento Prisional de Setúbal.
De 3 de Junho a 2 de Julho, os Lavadouros de Azeitão têm uma coletiva de diversos ilustradores, enquanto a “Mostra da Festa da Ilustração” está patente no Centro Comercial Alegro.
“É Preciso Contar Uma História” é o desafio lançado na Casa d’Avenida, com exposições de Bernardo Carvalho, João Catarino, Andres Sandoval, Melkio e Ana Férias, a instalação “Plasticus Maritimus”, de Ana Pêgo, e uma mostra de trabalhos realizados por alunos das escolas básicas e secundárias do concelho.
As mostras, que podem ser visitadas até ao final do mês, são inauguradas no dia 3, às 16 horas, com a presença dos ilustradores, a que se segue, uma hora depois, uma apresentação sobre projetos realizados, no âmbito do serviço educativo, entre a Casa d’Avenida e as escolas básicas do concelho.
A Festa da Ilustração de 2017 conta ainda com o encontro sobre “Ilustração Hoje”, no âmbito do ciclo Muito Cá de casa, organizado pela Câmara Municipal de Setúbal em parceria com o atelier DDLX.
A iniciativa, que decorre no dia 9, pelas 22 horas, na Sala José Afonso da Casa da Cultura, conta com a participação de António Jorge Gonçalves, Jorge Silva e João Paulo Cotrim, estando a moderação a cargo de José Teófilo Duarte.
O programa oferece, igualmente, um programa educativo para as crianças, na Casa d’Avenida, com a apresentação do projeto “Quase Nuvem”, da Escola Básica du Bocage, nos dias 6 e 8 de Junho, às 10 horas a realização de um conjunto de ateliers e visitas guiadas às exposições, para jardins de infância e escolas do 1.º ciclo.
Ana Pêgo conduz o atelier “Plásticus Maritimus”, no dia 11, às 10 horas, e a 24, pelas 16 horas, Ana Férias conduz a oficina “Little Shadow Tales”.
O texto “Aldeia Flutuante do Povo Cachalote”, de Afonso Cruz, é o mote para outro atelier, com Maria João Frade, a decorrer, nos dias 3, às 10 horas, no Centro Comercial Alegro, e 17, às 16 horas, na Casa d’Avenida.
As inscrições para os ateliers e para as visitas guiadas para os estabelecimentos de ensino podem ser efetuadas em festailustracao@mun-setubal.pt
O jornal “Diário de Notícias” repete a iniciativa de dedicar uma edição especial ao certame setubalense, em que todas as peças noticiosas são acompanhadas exclusivamente por ilustrações.
Durante o evento, estão também disponíveis o “Catálogo da Ilustração Portuguesa”, que reúne os trabalhos da exposição com o mesmo nome, e o “Catálogo Geral da Festa da Ilustração”, com trabalhos de ilustradores que marcam presença este ano na Festa da Ilustração 2017.

Agência de Notícias com Câmara de Setúbal

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010