Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Homem condenado por morte de cadela em Alcácer do Sal

Tribunal condenou dono a pena de 16 meses de prisão por enterrar cadela viva

O Tribunal de Grândola condenou um construtor civil a uma pena de prisão suspensa de um ano e quatro meses pelo crime de maus-tratos a animais de companhia, considerando provado que enterrou ainda viva a sua cadela doente.  De acordo com a sentença, a cadela foi encontrada enterrada, ainda viva, nas traseiras do restaurante Barco do Sado, na localidade da Carrasqueira, em Alcácer do Sal, pela fundadora da associação local Focinhos, Teresa Campos, após um relato recebido por telefone de que estava um cão “a uivar” há vários dias. O homem condenado, Edmundo Ferreira, nega as acusações mas diz que não vai recorrer da sentença. As penas de prisão para quem maltrata animais estão previstas na lei desde 2014 mas esta terá sido a primeira condenação. A sentença exige ainda o dono a pagar 250 euros à associação Focinhos, além de 386 euros a Teresa Campos. 

Cadela não sobreviveu aos maus-tratos infligidos pelo dono 

Uma cova, uma grelha de metal a tapá-la e uma pedra de cimento por cima. Sem se poder mexer, sem água, sem comida. Foi nestas condições que Teresa Campos, presidente da associação Focinhos, encontrou “Big”, uma cadela husky de 16 anos, no dia 25 de Janeiro, no seguimento de uma denúncia anónima. A cadela, que entretanto acabou por ser submetida à eutanásia por “danos neurológicos irreversíveis” pertencia a Edmundo Ferreira, construtor civil de 48 anos de Alcácer do Sal, que recebeu do Tribunal de Grândola uma pena de prisão suspensa de um ano e quatro meses. 
O dono tornou-se assim o primeiro cidadão a ser efetivamente condenado por maus-tratos a animais, segundo dados disponibilizados pelo Ministério Público que dão conta de todas as penas aplicadas até hoje. Todas são multas.
A legislação, em vigor desde Outubro de 2014, prevê uma pena máxima de prisão de um ano para quem “infligir dor, sofrimento ou quaisquer maus-tratos a animal de companhia”. Se desse comportamento resultar a morte do animal, a pena pode chegar aos dois anos e estender-se até aos oito se o dono do animal for uma terceira pessoa. Mas em quase dois anos de lei esta é a primeira condenação. 
Edmundo Ferreira ficará impedido de ter animais de companhia durante três anos e ainda terá que pagar 250 euros à associação Focinhos e 350 a Teresa Campos, que pagou o veterinário. A notícia foi avançada pelo jornal Público e a veterinária que tentou assistir o animal disse ao jornal que nunca tinha visto em caso tão grave de negligência e maus-tratos.
Segundo as provas presentes a tribunal, Edmundo Ferreira abriu uma cova nas traseiras do restaurante que gere com a sua mulher, colocou a cadela dentro da mesma e, por cima da abertura, colocou uma rede de ferro e um bloco de cimento para evitar que a cadela pudesse escapar.
“O arguido, indiferente ao seu sofrimento, determinou-se a deixar ali a sua cadela, enterrada viva, privada de liberdade de movimentos, alimentos e água”, disse a juíza Joana Vieira, citada pelo Jornal de Notícias que faz este sábado capa com o assunto. A magistrada acrescentou ainda que o dono do animal “quis, e conseguiu, sem qualquer motivo que o justificasse, infligir dor e sofrimento ao animal, utilizando para o efeito um meio especialmente cruel, admitindo como possibilidade que da exposição ao sofrimento prolongado viesse a resultar a morte do animal, como se verificou”.

“Isso foi inventado por gente doente da cabeça” diz o dono 
Edmundo Ferreira, que não foi a tribunal por causa de “uma confusão com as datas”, não vai recorrer da sentença, mas nega que algum dia tenha maltratado a sua cadela. “Fiz um canil de propósito para a ‘Big’ e nunca deixei de cuidar dela, de lhe dar comida e água. Apenas lá ficava para não atacar as galinhas ou outras pessoas que podiam lá passar. Como já estava surda, podia ser uma ameaça para as pessoas”, disse Edmundo Ferreira ao Jornal de Notícias.
“E não estava tapado com nenhuma grade de ferro. Tinha era um buraco na areia, onde se recolhia”, acrescenta Edmundo Ferreira, frisando que “isso foi inventado por gente doente da cabeça”.
O homem foi também condenado a pagar a conta do hospital veterinário e um donativo de 250 euros à Focinhos, além de ter sido proibido de ter animais durante três anos.
O construtor civil, que tem outro cão e um gato, avisa já que “nunca pensem em vir buscar este cão, que anda comigo quase 24 horas por dia”. “Senão… aí já mexem comigo”, alerta.
Ao Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR (SEPNA) chegam cada vez mais queixas. Em 2016, a GNR registou 767 casos de maus tratos a animais. O número traduz uma média de dois crimes por dia e mais 112 casos face a 2015. Desde que lei entrou em vigor, o Ministério Público abriu 952 investigações; 40 por cento das quais acabaram arquivadas. Dos 376 casos arquivados, 268 estavam relacionados com maus-tratos e 108 com abandono.
Segundo este departamento da GNR, a maioria dos crimes (55 a 60 por cento) são cometidos contra cães e 20 a 25 contra gatos.

Agência de Notícias

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010