Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 27 de março de 2017

Ministro admite obras no aeroporto no Montijo em 2019

Investimento gera a prazo 20 mil novos postos de trabalho

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, reiterou este fim-de-semana que o aeroporto complementar no Montijo é uma solução que pode ser implementada em "poucos anos" e sustentável do ponto de vista financeiro. O ministro estima que este ano e em 2018 sejam concretizados os estudos ambientais e a negociação com a ANA, e a construção possa arrancar em 2019. O anuncio surge depois de os deputados aprovarem, por unanimidade, as audições dos presidentes das câmaras do Montijo e Lisboa, da Entidade Regional de Turismo de Lisboa e da Associação de Municípios da Região de Setúbal.
Obras do eventual aeroporto no Montijo podem começar em 2019


"É uma solução que pode ser implementada em poucos anos e é sustentável do ponto de vista financeiro", advoga Pedro Marques, justificando a sustentabilidade da obra com o financiamento de receitas aeroportuárias a aplicar "sem que as taxas aumentem para valores que ponham em causa a competitividade dos aeroportos de Portugal", em concreto o Humberto Delgado, em Lisboa.
O governante falava à agência Lusa e à SIC depois de ter presidido à sessão de abertura de um debate organizado pela Ordem dos Engenheiros dedicado à solução de um aeroporto complementar no Montijo que aumente a capacidade aeroportuária na região de Lisboa.
Pedro Marques estima que este ano e em 2018 sejam concretizados os estudos ambientais e a negociação com a ANA, e a construção possa arrancar em 2019.
O intuito é o de gerar uma solução consistente que assegure "capacidade aeroportuária para várias décadas", abarcando um total possível de 50 milhões de passageiros na zona de Lisboa, declarou o governante às várias dezenas de engenheiros presentes no debate.
"A expansão poderá gerar a prazo 20 mil novos postos de trabalho, diretos e indiretos, apenas no setor aeroportuário, para além dos resultantes da atividade económica no geral", realçou ainda Pedro Marques.
O ministro do Planeamento e Infraestruturas lembrou ainda que a "necessidade de expandir" a capacidade aeroportuária de Lisboa "é há muito conhecida, muitas soluções foram analisadas e discutidas, mas uma dificuldade histórica em gerar consensos e algum preconceito contra o investimento público impediram que fossem tomadas as decisões que são necessárias", sublinha o governante.
A solução do Montijo, portanto, "permite o desenvolvimento harmonioso da Área Metropolitana de Lisboa, repartindo o desenvolvimento induzido pelo crescimento do tráfego aéreo pelas duas margens do Tejo", disse Pedro Marques.
E insistiu: "É uma solução financeiramente comportável para o Estado, com condições para o seu custo ser integralmente suportado através das receitas aeroportuárias, ao mesmo tempo que se assegura taxas no Montijo inferiores às do Aeroporto Humberto Delgado e dos principais aeroportos concorrentes".
O aeroporto complementar ao de Lisboa deverá estar vocacionado principalmente para as 'low cost' (companhias de baixo custo) e para serviços de médio custo.
O bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Mineiro Aires, sublinhou por seu turno a importância da sessão pública para serem conhecidos documentos e mais informação sobre o projeto, mas reconheceu preocupações com o financiamento da obra "e os encargos que pode gerar para o país".

Parlamento vai ouvir Fernando Medina sobre aeroporto do Montijo
Ministro acredita aeroporto trás desenvolvimento para a região 
Os deputados da comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas aprovaram por unanimidade a audição do presidente da Câmara de Lisboa, do presidente da Entidade Regional de Turismo de Lisboa e do presidente da Câmara Municipal do Montijo sobre os investimentos em infra-estruturas aeroportuárias.
Além das audições de Fernando Medina, Vítor Costa e Nuno Canta, requeridas pelo PSD, os deputados aprovaram em conjunto o requerimento do PCP para ouvir a Associação de Municípios da Região de Setúbal.
O presidente da Câmara de Lisboa já defendeu publicamente que o Montijo é "a melhor decisão" para a expansão do aeroporto da capital portuguesa.
"Dentro das várias possibilidades que havia, esta é uma boa decisão, esta é a melhor decisão. Porque é aquela decisão que protege os contribuintes, porque não vai ser realizado investimento público. Mas é aquela também que tem o valor de investimento mais baixo, não vai onerar as taxas aeroportuárias tanto e não vai pôr em causa a competitividade do destino Lisboa", afirmou Fernando Medina em Fevereiro, à margem da cerimónia de assinatura do memorando entre o Governo e a ANA Aeroportos.
Pelo contrário, a Associação de Municípios da Região de Setúbal já anunciou que está contra a solução do aeroporto complementar no Montijo, por considerar que "a solução de que o país precisa é um novo aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete".

Agência de Notícias
Leia outras notícias do dia em 

0 comentários:

Enviar um comentário

Festas Pinhal Novo 2016 - 9 Junho

Festas Pinhal Novo 2016 - 8 Junho

Festas Pinhal Novo 2016 - 7 Junho

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010