Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Metro e comboio mudaram transporte público em Almada

O transporte que revolucionou a cidade e o distrito de Setúbal

O comboio na ponte 25 de Abril e o metro de superfície melhoraram a mobilidade no concelho de Almada e península de Setúbal, mas continua por cumprir o alargamento da rede de metro a outros concelhos do distrito de Setúbal. O presidente da Câmara de Almada, Joaquim Judas, reconhece a importância destes novos meios de transporte para o concelho a que preside, embora lamente que ainda não tenha sido resolvido o "problema de estacionamento e articulação do estacionamento automóvel com a bilhética, de forma a aumentar a atratividade do transporte ferroviário". A Associação de Comerciantes do Distrito de Setúbal, lembra que alguns comerciantes do centro da cidade ainda hoje reclamam o pagamento de indemnizações pelos prejuízos que sofreram durante a realização das obras.
Comboio da ponte já transportou mais de 315 milhões de pessoas 

Inaugurada a 29 de Julho de 1999 pelo então primeiro-ministro António Guterres, a nova travessia ferroviária do Tejo foi o primeiro passo para uma mudança radical na vida de muitos almadenses e da população da península de Setúbal, que passou a ter a possibilidade de atravessar o rio em meia dúzia de minutos, trocando as intermináveis filas de automóveis pela comodidade e rapidez do comboio.
Segundo a Fertagus, concessionária daquele serviço ferroviário, o comboio que faz a ligação entre as duas margens do Tejo transportou mais de "315 milhões de passageiros em 17 anos" e deu um contributo decisivo para a "retirada de mais de 20 mil viaturas por dia da ponte 25 de Abril, o que significa uma redução de 13 mil toneladas de emissões de CO2 por ano". O comboio, recorde-se, liga a capital portuguesa a Setúbal, com paragens - pelo meio - nos concelhos de Almada, Seixal, Barreiro [Coina] e Palmela.
Tal como o comboio na ponte 25 de Abril, também o Metro Transportes do Sul (MTS), mais conhecido por Metro Sul do Tejo, constitui um marco importante para o concelho de Almada.
O primeiro troço do MTS foi inaugurado em 2007 e a rede atual, que abrange os concelhos de Almada e do Seixal, está a funcionar desde finais de 2008. No ano passado, segundo a própria empresa, o Metro Sul do Tejo transportou mais de "10,9 milhões de passageiros, o que representa um aumento de 7,7 por cento face ao ano anterior".

Almada quer crescimento do metro de superfície 
O presidente da Câmara de Almada, Joaquim Judas, reconhece a importância destes novos meios de transporte para o concelho a que preside, embora lamente que ainda não tenha sido resolvido o "problema de estacionamento e articulação do estacionamento automóvel com a bilhética, de forma a aumentar a atratividade do transporte ferroviário".
No que respeita ao Metro Sul do Tejo, Joaquim Judas considera que se trata de um projeto de futuro, atendendo aos "desafios colocados pelas alterações climáticas, que apontam para a importância deste tipo de meios de transporte menos poluentes".
O autarca defende, no entanto, que a sustentabilidade do Metro Sul do Tejo depende da extensão da rede aos concelhos do Barreiro e da Moita, tal como estava previsto inicialmente.
"O Metro de superfície tem uma boa ligação ao comboio no Pragal, mas é uma promessa adiada naquilo que são outras zonas de grande concentração populacional - Arrentela, Amora, Cruz de Pau, Charneca de Caparica, Trafaria e Costa de Caparica -, para já não falar do facto de não ter chegado a outros concelhos como estava previsto, designadamente aos concelhos do Barreiro e da Moita", lembra o presidente da Câmara de Almada.
O Montijo também reclama o metro com a eventual vinda da construção de um aeroporto comercial na Base Área da cidade.

Comerciantes da cidade reclamam  indemnizações antigas
Almada quer extensão do Metro a outros concelhos 
Apesar de reconhecer as vantagens do Metro, em termos de mobilidade, o presidente da delegação de Almada da Associação de Comerciantes do Distrito de Setúbal, Gonçalo Paulino, lembra que alguns comerciantes do centro da cidade ainda hoje reclamam o pagamento de indemnizações pelos prejuízos que sofreram durante a realização das obras.
"Ainda está a correr uma ação judicial movida por alguns comerciantes que exigem ser ressarcidos pelos elevados prejuízos que sofreram durante a realização das obras do Metro", afirma o representante dos comerciantes de Almada, depois de recordar que "o calendário do período de obras não foi cumprido, alguns comerciantes foram muito prejudicados devido à dificuldade de acesso aos seus estabelecimentos e perderam-se cerca de 400 a 500 lugares de estacionamento".
"Só recentemente a autarquia repôs cerca de uma centena de lugares de estacionamento num espaço que antes tinha sido transformado em a zona pedonal, entre a Praça João Baptista e a avenida D. Afonso Henriques", acrescenta.
Gonçalo Paulino garante, no entanto, que o comboio na ponte e o Metro de superfície não tiveram qualquer impacto significativo para a maioria dos comerciantes, além das vantagens que lhes trouxeram, enquanto cidadãos, de poderem usufruir de novos meios de transporte.

Agência de Notícias com Lusa

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010