Dá um Gosto ao ADN

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Mais de 30 artistas no festival Sol da Caparica em Agosto

Defender o trabalho dos profissionais da música portuguesa é um dos objetivos do festival

Mais de três dezenas de artistas vão marcar presença no festival Sol da Caparica, em Almada, que vai decorrer entre os dias 11 a 14 de Agosto e foi esta quinta feira apresentado. “Vamos ter em palco 33 artistas internacionais, de vários países, com uma aposta em nomes que lançaram discos recentemente. Vão ser cerca de 11 horas diárias de música”, disse António  Guimarães, da organização.  durante a apresentação do evento, em Almada. Aurea, Deolinda, Cristina Branco e Mário Laginha ou Diogo Piçarra, juntam-se aos já conhecidos Rui Veloso, The Gift, C4 Pedro, Ana Moura, O Rappa, Orelha Negra ou Mundo Segundo & Sam the Kid.
Artistas portugueses em destaque no Sol da Caparica 


A pluralidade de espetáculos, bem como a diversidade de artistas, um total de 33, e a defesa do trabalho dos profissionais da música portuguesa que todos os dias levam a língua de Camões além-fronteiras são os principais objetivos do festival Sol da Caparica, como refere António Guimarães, diretor do certame.
"Estamos a viver um período único na história da música nesta região entre Lisboa e Setúbal. Temos três milhões de cidadãos entre Lisboa, Sintra e Almada provenientes de quase 50 comunidades e isso traz para a cultura um valor inestimável", continua António Guimarães, durante a apresentação do festival, na Casa da Cerca, em Almada.
A sul do Tejo, nos últimos anos, houve uma grande aposta cultural na reinvenção de estilos musicais oriundos de África, tais como o kizomba e kuduro, razão pela qual o Sol da Caparica não vai deixar passar em branco a sua celebração nesta terceira edição.
Nelson Freitas, artista cabo-verdiano que dispensa apresentações desde o célebre "Bo tem mel", não podia deixar de marca presença neste festival que celebra a música portuguesa e todos os seus artistas. "Espero um festival muito quente, o cartaz está muito forte e vou dar cem por cento para estimular todo público que acredito que vai estar muito mais à vontade para dançar. Estes concertos na praia deixam sempre as pessoas mais livres para se divertirem", considera Nelson Freitas.
A opinião é partilhada por Aurea, que vem de um longo trabalho em estúdio para a gravação do álbum "Restart", tendo apresentado recentemente o novo single "I didn"t mean it": "É muito especial para mim tocar neste festival que destaca os artistas portugueses e vou fazer de tudo para dar um grande espetáculo". A artista alentejana deposita grandes esperanças no Sol da Caparica onde, além de atuar, deseja assistir "ao maior número de concertos possíveis".
Já C4 Pedro não vai "ficar por aqui", como a sua música deixa transparecer. "Tocar na praia é uma sensação muito boa. Ao ar livre, principalmente na praia, vemos as pessoas mais animadas, folgadas e mais recetivas", diz C4 Pedro, que espera uma grande adesão ao seu espetáculo.
“Ainda faltam divulgar alguns nomes, o que será feito numa altura oportuna. Este festival, que vai para a terceira edição, é já uma aposta ganha e vamos ter o melhor de Portugal, Angola, Brasil ou Cabo Verde”, explicou o responsável do evento, destacando a aposta na língua portuguesa.
A edição do ano passado juntou mais de 70 mil pessoas, com António Guimarães a anunciar algumas novidades para a edição deste ano.
“O recinto do Parque Urbano da Caparica, que recebe o festival, tem sido alvo de um investimento da autarquia e vamos ter melhores condições, como por exemplo o facto de todo o espaço estar relvado”, referiu.
O responsável acrescentou ainda que vão existir várias animações, com destaque para a aposta no street skate, e várias formas de artes urbanas. “O Festival Sol da Caparica é uma aposta ganha e é para continuar no futuro”, concluiu António Guimarães. 
O Sol da Caparica nasceu há três anos pelas mãos da autarquia de Almada como um autêntico serviço público, onde os munícipes de Almada têm até desconto nos ingressos. António Matos, vereador da cultura na Câmara  de Almada, aponta para a sustentabilidade do certame ao longo dos próximos, certame este que se afigura como uma aposta importante na cultura do concelho. "A autarquia e todos os patrocinadores deste festival fizeram com que o Sol da Caparica crescesse exponencialmente em três anos", sublinhou o autarca.
O custo dos ingressos varia entre os 15 euros diários e os 35 para o passe geral.

Agência de Notícias

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010