Dá um Gosto ao ADN

terça-feira, 26 de abril de 2016

PSD lançou petição contra estacionamento em Setúbal

Oposição contra o alargamento do estacionamento na cidade 

O PSD de Setúbal anunciou o lançamento de uma petição para pedir a revogação do alargamento do estacionamento pago na cidade, de mil para cinco mil lugares. “Exigimos a revogação da deliberação aprovada dia 6 de Abril pela Câmara de , no âmbito do novo concurso público para o estacionamento na cidade de Setúbal, que prevê o pagamento do estacionamento em zonas residenciais, comerciais e de lazer”, disse o dirigente da concelhia do PSD de Setúbal, Nuno Carvalho. A petição já terá recolhido mais de 1800 assinaturas. A Câmara de Setúbal contrapõe e diz  que "os setubalenses estão a ser vítimas de uma intensa campanha de desinformação motivada apenas pelo oportunismo político daqueles que nada fazem pela cidade, daqueles que apenas têm uma visão destrutiva da ação política", explica Maria das Dores Meira. 
Oposição e executivo com ideias diferentes para o estacionamento 

Os social-democratas de Setúbal esclarecem que a petição  tem como objectivo recolher assinaturas de todos os utilizadores das diferentes zonas de estacionamento na cidade que não concordem com a proposta da maioria CDU na Câmara de Setúbal. “O PSD lançou a petição, mas não queremos que a discussão do problema do estacionamento seja partidarizada”, frisou Nuno Carvalho, lembrando que os outros partidos da oposição (PS e CDS-PP), também estão contra o alargamento do estacionamento pago em Setúbal.
A proposta aprovada pela maioria CDU na reunião pública de Abril “não contempla zonas exclusivas para o estacionamento de residentes, que terão de pagar anualmente 10 euros pela primeira viatura, 20 pela segunda e 30 por uma terceira”, afirmou o dirigente do PSD local, acrescentando que para um utilizador habitual na cidade, o custo anual do estacionamento poderá ser “entre os 200 e os 400 euros”.
Além disso, diz Nuno Carvalho, "não vamos ter zonas alternativas de estacionamento gratuito, o que significa que os utilizadores, embora pagando, vão continuar a estacionar nos mesmos sítios e os residentes vão ter as mesmas dificuldades em estacionar perto de suas casas”.

PS fala em aumento "brutal" 
Em reunião de Câmara, o PS  considera tratar-se de um aumento “brutal” e sem critério. “O PS é a favor de, em certas áreas da cidade, haver estacionamento tarifado, mas somos contra a forma como se está a ampliar isto, de forma brutal e sem critério”, disse Paulo Lopes, vereador na autarquia e líder da concelhia socialista.
“É estranho que a maioria queira que a oposição vote a concessão sem conhecer o plano de mobilidade e transportes do concelho, que o município está a desenvolver”, afirma o eleito socialista, acrescentando que “não está devidamente fundamentado” o aumento de estacionamentos pagos.
 “É um aumento de brutal, de 500 por cento, inclusivamente abrange zonas residenciais, o que não faz muito sentido. Um munícipe tem direito a um lugar mas tem que pagar 10 euros por ano. Não estão contempladas zonas de estacionamento de custo zero para estas manchas, nem se sabe que transportes alternativos haverá”, dizia Paulo Lopes para quem “não basta taxar e criar dificuldades ao estacionamento, é preciso também dar alternativas”.

Presidente diz que o PSD "mente" e cria oportunismo político  
Maria das Dores Meira, presidente da Câmara sadina, contrapõe as posições quer do PSD quer de socialistas e diz que "os setubalenses estão a ser vítimas, nos últimos dias, a propósito do estacionamento tarifado na cidade, de uma intensa campanha de desinformação motivada apenas pelo oportunismo político daqueles que nada fazem pela cidade, daqueles que apenas têm uma visão destrutiva da ação política".
Para a presidente da autarquia sadina, "o PSD tem-se destacado nesta campanha com forte aposta na omissão de dados essenciais para se analisar a questão do estacionamento na cidade. Fazem-no com a divulgação de um mapa das zonas de estacionamento previstas no novo regulamento municipal de estacionamento público tarifado e duração limitada do concelho, com o qual querem transmitir a ideia de que haverá estacionamento pago em todas as vias daquelas zonas, o que é absolutamente falso", diz a autarca. As zonas previstas no mapa da proposta "são as áreas onde, nas vias em que é reconhecida a necessidade de libertar lugares de estacionamento para os moradores, e apenas nessas, poderá ser tarifado o estacionamento", disse a autarca de Setúbal.
"Fala-se ainda de três mil a cinco mil lugares de estacionamento, sabendo o PSD que a criação destes lugares não será imediata. Pelo contrário, apenas serão criados até três mil lugares tarifados à medida das necessidades e num prazo nunca inferior a cinco anos", lembra Maria das Dores Meira.  "Os restantes dois mil lugares são uma reserva para eventuais necessidades futuras do desenvolvimento da cidade no período da concessão, não existindo sequer um compromisso de que tenham obrigatoriamente de ser instalados", realça a presidente da Câmara.
"Esta forma de regular o estacionamento é, aliás, seguida em praticamente todas as capitais de distrito e cidades do país, a esmagadora maioria delas liderada pelo PSD e pelo PS, sem que os dirigentes setubalenses destes partidos se tenham, até hoje, indignado com tal estratégia de gestão de estacionamento", sublinha a autarca setubalense que confessa que o "estacionamento pago cria, sempre, mais estacionamento para os moradores que têm direito a estacionar gratuitamente nas suas zonas de residência pela simples razão que obriga a maior rotatividade entre os que não são residentes. Temos, aliás, testemunhos de moradores em áreas de estacionamento pago que agradecem a criação destes parques tarifados porque passaram a ter o estacionamento que antes não tinham".
"É assim em Setúbal, mas também em Aveiro ou em Braga, municípios liderados pelo PSD, apenas para citar dois exemplos, cidades onde o estacionamento é pago também em zonas residenciais e os cartões de moradores são também pagos", diz a autarca comunista.
Nesta matéria, diz ainda Maria das Dores  Meira, "a diversidade de soluções é enorme. Em Aveiro, por exemplo, cada residente tem direito a apenas um cartão de morador com duas matrículas, cartão que é pago. Em Bragança é concedido um cartão de estacionamento por fogo com direito a estacionar nas respetivas zonas residenciais apenas quatro horas por dia. Poderemos também falar de Lisboa, onde a Câmara Municipal se prepara para criar, em zonas residenciais, além dos já existentes, mais 30 mil lugares de estacionamento pago, decisão que, na capital, tem o apoio do PCP e do PSD, partido que ali até tem feito propostas construtivas".
E em Setúbal, o que tem feito este partido? Pergunta a que a autarca setubalense responde assim: "o mesmo de sempre: chicana política, demagogia da mais básica, mentira e oportunismo".A Câmara de Setúbal assumiu a “gestão directa e formal do parqueamento tarifado” no município, no final do passado mês de Março, após a cessação do contrato de concessão com a empresa Resopre e anunciou a intenção de avançar com um novo concurso público para o estacionamento tarifado.
Segundo a Câmara de Setúbal, o novo concurso público prevê a possibilidade de alargamento de mil para três mil lugares de estacionamento pago nas zonas mais procuradas da cidade, ao longo dos próximos cinco anos, e para um total de cinco mil lugares no período de 15 anos.

Agência de Notícias

0 comentários:

Enviar um comentário

Cartão de Visita do Facebook

Anúncios

Se quiser anunciar neste site entra em contato com publicidadeadn@gmail.com
 
ADN-Agência de Notícias | por Templates e Acessórios ©2010